Au­tar­qui­as for­ta­le­cem pro­ces­so de­mo­crá­ti­co

Jornal de Angola - - POLÍTICA - Fi­li­pe Edu­ar­do

O lí­der da Igre­ja de Nos­so Se­nhor Jesus Cris­to no Mun­do (To­coís­tas) dis­se on­tem, em Lu­an­da, que as au­tar­qui­as são im­por­tan­tes pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to e for­ta­le­ci­men­to de uma ver­da­dei­ra de­mo­cra­cia em An­go­la.

D. Afon­so Nunes, que fa­la­va du­ran­te a con­fe­rên­cia de im­pren­sa pa­ra anun­ci­ar o pro­gra­ma das ce­le­bra­ções do 83.º ani­ver­sá­rio da Epi­fa­nia, a ter lu­gar na vi­la de Ca­te­te, sá­ba­do e do­min­go, ex­pli­cou que quan­to mais se con­cen­tra o po­der, mais dificuldades há na re­a­li­za­ção das ac­ções vi­ra­das pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das co­mu­ni­da­des.

A des­con­cen­tra­ção, fri­sou, per­mi­te que o que po­de ser fei­to em cin­co anos, por exem­plo, se­ja apron­ta­do em ape­nas dois anos.

Pa­ra o lí­der to­coís­ta, quan­do as de­ci­sões e os in­ves­ti­men­tos são lo­cais, há, por nor­ma, a ca­pa­ci­da­de de re­a­li­za­ção das ta­re­fas de for­ma efi­ci­en­te, con­tra­ri­a­men­te ao que acon­te­ce quan­do as de­ci­sões vêm de lon­ge e mui­tas ve­zes por res­pon­sá­veis que nem se­quer do­mi­nam a re­a­li­da­de da lo­ca­li­da­de em cau­sa.

O lí­der to­coís­ta dis­se acre­di­tar que com as au­tar­qui­as mui­tas dificuldades que as co­mu­ni­da­des vi­vem, tais co­mo a fal­ta de es­co­las, hos­pi­tais, es­tra­das, ener­gia eléc­tri­ca, vão ser ul­tra­pas­sa­das.

As pri­o­ri­da­des da po­pu­la­ção, afir­mou D. Afon­so Nunes, são so­be­ja­men­te co­nhe­ci­das e elas cir­cuns­cre­vem­se a coi­sas bá­si­cas co­mo a água po­tá­vel, ener­gia eléc­tri­ca, hos­pi­tais e bo­as es­tra­das que per­mi­tam o es­co­a­men­to de pro­du­tos agrí­co­las pa­ra as grandes su­per­fí­ci­es co­mer­ci­ais.

“Não se po­de pen­sar que nós, os cris­tãos, so­mos sim­ples lei­to­res da Bí­blia Sa­gra­da que anun­ci­a­mos que Cris­to vi­rá nu­ma de­ter­mi­na­da da­ta. Se não olhar­mos pa­ra as dificuldades dos nos­sos ir­mãos e nos pre­o­cu­par­mos so­men­te com o céu, es­ta­mos a ser mer­ce­ná­ri­os, pois que o pas­tor de­ve vi­ver os pro­ble­mas do seu po­vo e tem a obri­ga­ção de par­ti­ci­par na re­so­lu­ção dos mes­mos”, afir­mou D. Afon­so Nunes.

FRANCISCO BER­NAR­DO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Lí­der da Igre­ja To­coís­ta D. Afon­so fa­lou à im­pren­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.