Ir à Ser­ra da Kan­da é uma ver­da­dei­ra “odis­seia”

Jornal de Angola - - REPORTAGEM -

Os ha­bi­tan­tes da comuna da Ser­ra da Kan­da, no mu­ni­cí­pio do Kuim­ba, vi­vem um cal­vá­rio, tu­do por­que a via de aces­so à se­de co­mu­nal, si­tu­a­da no cu­me de uma mon­ta­nha, es­tá in­tran­si­tá­vel, há qua­tro me­ses, pa­ra vi­a­tu­ras, nem mes­mo as do ti­po to­do - ter­re­no con­se­guem en­fren­tar o tra­ço de ter­ra­pla­na­gem de­gra­da­do, por for­ça das águas plu­vi­ais.

Da se­de mu­ni­ci­pal do Cuim­ba até a comuna da Ser­ra da Kan­da são ao to­do 46 qui­ló­me­tros, se­te dos quais com­pre­en­dem uma ele­va­ção ín­gre­me, cu­ja al­ti­tu­de ron­da aos dois mil me­tros aci­ma do ní­vel do mar.

A lo­ca­li­da­de com 11.596 ha­bi­tan­tes ofe­re­ce um pa­no­ra­ma pai­sa­gís­ti­co sem igual, fru­to da flo­res­ta den­sa que a ro­deia, as­so­ci­a­da às que­das do rio Mbrid­ge, as­so­ci­a­da de uma be­le­za na­tu­ral que se es­fu­ma na fal­ta de ou­tros que­si­tos ca­pa­zes de, não ape­nas atrair in­ves­ti­men­tos, pro­mo­ver o tu­ris­mo ru­ral, mas, tam­bém, ani­mar a vi­da dos seus ha­bi­tan­tes.

A via be­ne­fi­ci­ou, há anos, de obras de re­a­bi­li­ta­ção, que con­sis­ti­ram na des­ma­ta­ção, subs­ti­tui­ção dos so­los e ter­re­pla­na­gem, mas de­vi­do as chu­vas foi-se de­gra­dan­do, pro­gres­si­va­men­te, até se tor­nar no­va­men­te in­tran­si­tá­vel.

O fac­to deixa as po­pu­la­ções lo­cais pre­o­cu­pa­das, pois, se vêem pri­va­das de vá­ri­os bens e ser­vi­ços in­dis­pen­sá­veis à sua so­bre­vi­vên­cia, co­mo re­la­tou ao Jor­nal de An­go­la, o ad­mi­nis­tra­dor co­mu­nal, com um sem­blan­te bas­tan­te car­re­ga­do de tris­te­za.

Afon­so Mbi­a­van­ga, na sua qua­li­da­de de ad­mi­nis­tra­dor co­mu­nal, sen­te na pe­le a res­pon­sa­bi­li­da­de de ser o “por­ta­voz” dos pro­ble­mas de uma po­pu­la­ção que, em ple­no sé­cu­lo XXI, ain­da le­va uma vi­da qua­se pri­mi­ti­va, pe­la au­sên­cia na cir­cuns­cri­ção de vá­ri­os ser­vi­ços e bens es­sen­ci­ais à sua sub­sis­tên­cia, tu­do por con­ta da in­tran­si­ta­bi­li­da­de do tro­ço.

A co­mi­ti­va do mi­nis­tro da Cons­tru­ção e Obras Pú­bli­cas ex­pe­ri­men­tou uma au­tên­ti­ca odis­seia ao ser con­vi­da­da pa­ra es­ca­lar o mor­ro da ser­ra, de Kan­da, pa­ra ver de perto o pon­to mais crí­ti­co do tro­ço. Foi um ver­da­dei­ro tes­te à con­di­ção fí­si­ca dos in­te­gran­tes, não im­por­tan­do a ida­de e o gé­ne­ro.

O de­sa­fio co­me­çou, mas nem to­dos ade­ri­ram. Al­guns fo­ram de­sis­tin­do ao lon­go do per­cur­so. Ha­ja fô­le­go! Quan­do fal­ta­vam cer­ca de 50 me­tros pa­ra al­can­çar o ob­jec­ti­vo, o gru­po foi fi­can­do ca­da vez mais re­du­zi­do. Es­te fac­to cha­mou aten­ção do mi­nis­tro, ten­do in­ter­rom­pi­do a es­ca­la­da e jus­ti­fi­cou. “Se es­ti­ves­se aqui so­zi­nho, res­pon­de­ria por mim, mas são mui­tas pes­so­as sob mi­nha res­pon­sa­bi­li­da­de, va­mos ter­mi­nar por aqui”, pa­ra o alí­vio dos mem­bros da co­mi­ti­va.

O Jor­nal de An­go­la apu­rou que al­gu­mas mo­to­ri­za­das que fa­zem ser­vi­ço de tá­xi con­se­guem es­ca­lar a Ser­ra de Kan­da, co­bran­do en­tre se­te e três mil kwan­zas kwan­zas por cor­ri­da, es­te úl­ti­mo va­lor mui­to so­li­ci­ta­do quan­do cho­ve.

Pa­ra pi­o­rar, os mo­to­ci­clis­tas quan­do atin­gem a ele­va­ção ín­gre­me aci­ma re­fe­ri­da, con­vi­dam os cli­en­tes a des­ce­rem da mo­to­ri­za­da e ca­mi­nha­rem cer­ca de se­te qui­ló­me­tros, pa­ra de­pois de su­pe­ra­do o obs­tá­cu­lo, re­to­mar ao tá­xi. Um “Que­bra - ca­be­ça” tem si­do, tam­bém, a eva­cu­a­ção de do­en­tes gra­ves pa­ra a se­de mu­ni­ci­pal do Cuim­ba, que, nes­ses ca­sos, os fa­mi­li­a­res são obri­ga­dos a trans­por­ta­los de ti­póia. Tem ha­vi­do ca­sos em que os do­en­tes aca­bam mor­ren­do pe­lo ca­mi­nho, pa­ra a des­gra­ça dos pa­ren­tes. a vi­si­ta do mi­nis­tro da Cons­tru­ção e Obras Pú­bli­cas. Es­pe­ra­mos que es­te pro­ble­ma da es­tra­da se­ja re­sol­vi­do em bre­ve, por­que es­tá afec­tar a vi­da das po­pu­la­ções”, dis­se Afon­so MBi­a­van­ga, acres­cen­tan­do que, a par da es­tra­da, a comuna com 186 al­dei­as agru­pa­das em no­ve re­ge­do­ri­as, não pos­sui in­fra­es­tru­tu­ras so­ci­ais ne­ces­sá­ri­as pa­ra aco­mo­da­ção dos dis­tin­tos ser­vi­ços.

O ad­mi­nis­tra­dor cla­ma por mais es­co­las, cen­tros mé­di­cos, en­tre ou­tras in­fra-es­tru­tu­ras so­ci­ais.

EDIÇÕES NO­VEM­BRO|MBANZA KONGO

Um“Eâsnt­gaum­losd­so­am­ti­su­fe­ni­it­coísp­cio mfron­tei­ri­ço de Nó­qui

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.