CAR­TAS DOS LEI­TO­RES

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ALBERTO FONSECA JÚNIOR Ma­cu­lus­so CRISTÓVÃO DE ALMEIDA Ca­te­te FER­NAN­DO ROSA Ca­cu­a­co

Bu­ra­cos na Rua do Ma­cu­lus­so

Sou mo­ra­dor do Bair­ro do Ma­cu­lus­so, já lá vão 57 anos, na rua do Ma­cu­lus­so nº 40/A em Lu­an­da, e es­cre­vo pe­la pri­mei­ra vez pa­ra o Jor­nal de An­go­la. O que me le­va a es­cre­ver pa­ra es­ta no­bre ca­sa de im­pren­sa é a pre­o­cu­pa­ção com o mau es­ta­do do as­fal­to da rua que vai da Che-Gu­e­va­ra ao cru­za­men­to com a Ni­co­lau Go­mes Spen­cer. Os bu­ra­cos exis­tem há al­gum tem­po, se não es­tou em er­ro, há mais de cin­co anos de­vi­am co­nhe­cer já a in­ter­ven­ção de quem de di­rei­to. Acho, que ela foi des­pre­za­da, por­que as ou­tras pa­ra­le­las fo­ram ar­ran­ja­das há uns cin­co anos atrás. Pen­so que o Go­ver­no da Pro­vín­cia de Lu­an­da, de­via fa­zer uma re­vi­são nas ru­as que es­tão em mau es­ta­do de con­ser­va­ção.

Re­du­ção dos aci­den­tes

Sou mu­ní­ci­pe de Lu­an­da e es­cre­vo pe­la pri­mei­ra vez pa­ra o Jor­nal de An­go­la pa­ra fa­lar so­bre os aci­den­tes de vi­a­ção que, ma mi­nha pers­pec­ti­va, não têm re­du­zi­do. Mas co­me­ço por cum­pri­men­tar o cor­po re­dac­to­ri­al do Jor­nal de An­go­la pe­lo pres­ti­mo­so ser­vi­ço pres­ta­do à so­ci­e­da­de an­go­la­na. In­do di­rec­to ao as­sun­to di­ria que o nú­me­ro de aci­den­tes que tem cau­sa­do vá­ri­os fe­ri­dos e mor­tes na ci­da­de de Lu­an­da pa­re­ce man­ter-se, a jul­gar pe­las in­for­ma­ções diá­ri­as di­vul­ga­das pe­la Po­lí­cia Na­ci­o­nal. Não há dú­vi­das de que uma das cau­sas por de­trás do au­men­to da ta­xa de si­nis­tra­li­da­de ro­do­viá­ria se de­ve mui­to a uma com­bi­na­ção de fac­to­res. Uma das coi­sas que tam­bém pa­re­ce ter fi­ca­do as­sen­te tem a ver com o in­cum­pri­men­to das nor­mas do có­di­go de es­tra­da, nu­ma al­tu­ra em que mui­tos in­sis­tem em mi­ni­mi­zar o pa­pel que as re­gras de trân­si­to têm pa­ra au­to­mo­bi­lis­tas e peões.

As con­di­ções téc­ni­cas dos veí­cu­los tam­bém con­tri­bu­em em aci­den­tes fre­quen­tes, por is­so foi re­du­zi­do os veí­cu­los que fa­zi­am vi­a­gens in­ter-pro­vin­ci­ais de for­ma ilegal. Mas já os con­du­to­res de veí­cu­los co­lec­ti­vos "au­to­car­ros" são sen­si­bi­li­za­dos pe­la po­lí­cia de Trân­si­to pa­ra mai­or con­tro­lo da con­du­ção.

Ho­je em to­das as em­pre­sas que fa­zem vi­a­gens in­ter-pro­vin­ci­ais co­mo a "Ma­con e a Tcul, exi­gem que os con­du­to­res fa­çam pa­ra­gens obri­ga­tó­ri­as pa­ra se re­com­po­rem fi­si­ca­men­te. Nos seus pon­tos mais for­tes e fra­cos, a Po­lí­cia Na­ci­o­nal tem efec­ti­vos ca­pa­ci­ta­dos pa­ra re­a­li­zar o seu tra­ba­lho, in­de­pen­den­te­men­te da exi­gui­da­de dos mei­os, a fal­ta de equi­pa­men­tos em quan­ti­da­de su­fi­ci­en­te pa­ra a exe­cu­ção do tra­ba­lho. O país tem or­ga­nis­mos res­pon­sá­veis em di­ver­sas áre­as ou ma­té­ri­as, e com­pe­te fis­ca­li­zar a se­gu­ran­ça do Trân­si­to ro­do­viá­rio.

Mei­os in­for­má­ti­cos

Já mui­to se fa­lou so­bre as re­des so­ci­ais e em mi­nha opinião tra­ta-se de uma re­a­li­da­de com a qual de­ve­mos li­dar, pa­ra bem e pa­ra o mal. Nem tu­do vai bem, é ver­da­de. As re­des so­ci­ais, a se­me­lhan­ça de nu­me­ro­sas ou­tras fer­ra­men­tas in­ven­ta­das pe­los se­res hu­ma­nos, re­pre­sen­tam sem­pre van­ta­gens e des­van­ta­gens. Mais do que fi­car­mos a sen­si­bi­li­zar a so­ci­e­da­de so­bre os seus pe­ri­gos, que exis­tem na ver­da­de, mais vale cri­ar­mos me­ca­nis­mos que pre­vi­nem o pi­or. Há di­as, ou­vi nu­ma pa­les­tra, um pre­lec­tor a en­fa­ti­zar o pa­pel ne­ga­ti­vo que as re­des so­ci­ais de­sem­pe­nham na so­ci­e­da­de. Con­tra­ri­a­men­te a ne­nhu­ma re­fe­rên­cia às van­ta­gens, o ho­mem des­ti­lou to­do o seu fel con­tra as re­des so­ci­ais. Acho que pre­ci­sa­mos de de­bi­tar as nos­sas opi­niões so­bre as re­des so­ci­ais com o de­vi­do tac­to por­que, co­mo se po­de no­tar com re­la­ti­va fa­ci­li­da­de, as re­des pro­por­ci­o­nam van­ta­gens e des­van­ta­gens. Pre­ci­sa­mos de olhar pa­ra ou­tras for­mas pa­ra com­pen­sar o ale­ga­do pre­juí­zo que as re­des so­ci­ais pro­por­ci­o­nam. Pre­fi­ro olhar pa­ra a edu­ca­ção, re­pen­sar o pa­pel das fa­mí­li­as e das es­co­las pa­ra que te­nha­mos mais equi­lí­bri­os. Um in­ves­ti­men­to na edu­ca­ção das pes­so­as, a cri­a­ção de leis efi­ca­zes e uma ac­tu­a­ção pro­fis­si­o­nal dos ór­gãos com­pe­ten­tes con­tri­bu­em, ao me­nos, pa­ra que de­li­tos de mai­or gra­vi­da­de não acon­te­çam.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.