Os nú­me­ros da po­pu­la­ção pe­nal

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O cres­ci­men­to da po­pu­la­ção pe­nal em to­do país, fru­to da su­per­lo­ta­ção das ca­dei­as na mai­or par­te do país, co­me­ça a atin­gir con­tor­nos pre­o­cu­pan­tes, nu­ma al­tu­ra em que ur­ge in­ver­ter al­gu­mas das cau­sas por de­trás des­sa ten­dên­cia. Em­bo­ra se tra­te de uma si­tu­a­ção cu­jos nú­me­ros va­ri­am, al­gu­mas ve­zes, pa­ra ci­ma e ou­tras ve­zes pa­ra bai­xo, na ver­da­de, a quan­ti­da­de de re­clu­sos na mai­or par­te das ca­dei­as con­ti­nua a ex­ce­der a ca­pa­ci­da­de des­sas mes­mas uni­da­des pe­ni­ten­ciá­ri­as.

O ca­so mais re­cen­te, uma sim­ples amos­tra, é ver­da­de, tem a ver com dois es­ta­be­le­ci­men­tos pe­ni­ten­ciá­ri­os da pro­vín­cia do Zaire, am­bos com ca­pa­ci­da­de pa­ra aco­lher 470 e que , nes­ta al­tu­ra, se en­con­tram com qua­se o do­bro da­que­le nú­me­ro.

Não há dú­vi­das de que uma das cau­sas da su­per­lo­ta­ção das ca­dei­as tem a ver com pro­ce­di­men­tos po­li­ci­ais e ju­rí­di­co-pe­nais, tra­du­zi­dos no uso ex­ces­si­vo de uma das me­di­das de co­ac­ção, tra­du­zi­dos em de­ten­ção. A lei pre­vê ou­tros re­cur­sos e não uni­ca­men­te a de­ten­ção que, em vez de ser apli­ca­da ex­cep­ci­o­nal­men­te co­mo re­co­men­dam as nor­mas ju­rí­di­cas, aca­bam por trans­for­mar-se em op­ção pri­vi­le­gi­a­da dos ór­gãos po­li­ci­ais.

Não é exa­ge­ra­do afir­mar que a Po­lí­cia Na­ci­o­nal con­ti­nua a per­sis­tir na prá­ti­ca re­pro­vá­vel e ex­tem­po­râ­nea de pren­der pa­ra in­ves­ti­gar, em vez do pro­ce­di­men­to con­trá­rio que con­tri­bui­ria tam­bém pa­ra a in­ver­são do cres­ci­men­to da po­pu­la­ção pe­nal. Em­bo­ra a Lei da Pri­são Pre­ven­ti­va, nos seus ar­ti­gos 9º e 14º, exi­ja que as pes­so­as de­ti­das se­jam apre­sen­ta­das, no mes­mo dia da de­ten­ção, a um pro­cu­ra­dor pa­ra que es­te va­li­de ou não a pri­va­ção de li­ber­da­de, con­ti­nua em mui­tos ca­sos a inob­ser­vân­cia da­que­le re­qui­si­to le­gal.

É ver­da­de que exis­tem ou­tros pres­su­pos­tos que aca­bam por con­tri­buir pa­ra a su­per­lo­ta­ção das ca­dei­as, no­me­a­da­men­te a com­po­nen­te eco­nó­mi­ca e so­ci­al que le­va as pes­so­as a in­cor­rer em ac­tos ilí­ci­tos pre­vis­tos e pu­ní­veis por lei com a pri­va­ção de li­ber­da­de.

To­da a so­ci­e­da­de é cha­ma­da a con­tri­buir pa­ra que o ac­tu­al qua­dro ca­rac­te­ri­za­do pe­la ten­dên­cia em pren­der e pri­var de li­ber­da­de dê lu­gar a ou­tras me­di­das pre­vis­tas por lei e que sir­vam os pro­pó­si­tos do Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to que pre­ten­de­mos pa­ra An­go­la.

Te­mos mui­to tra­ba­lho pe­la fren­te e acre­di­ta­mos que com o pro­ces­so de re­for­ma do Có­di­go Pe­nal an­go­la­no, mais de sé­cu­lo e meio de uso, te­re­mos nu­me­ro­sas al­te­ra­ções con­sen­tâ­ne­as com a re­a­li­da­de ju­rí­di­ca, cons­ti­tu­ci­o­nal e de­mo­crá­ti­ca ac­tu­ais.

Pre­ci­sa­mos de ul­tra­pas­sar ra­pi­da­men­te es­ta si­tu­a­ção por­que não é bom e sus­ten­tá­vel, nem do pon­to de vis­ta eco­nó­mi­co, man­ter um nú­me­ro de pes­so­as en­car­ce­ra­das re­cor­ren­do a me­di­das que não es­tão a aju­dar. Mais do que op­tar pe­la pri­va­ção de li­ber­da­de co­mo me­di­da pri­vi­le­gi­a­da de co­ac­ção, é pre­ci­so que nos cer­ti­fi­que­mos so­bre a sua efi­ci­ên­cia, so­bre a sua efi­cá­cia e a se mes­ma es­tá a ser­vir pa­ra re­sol­ver ou pa­ra cri­ar ou­tros pro­ble­mas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.