Rús­sia re­fu­ta acu­sa­ções de tra­var ac­ção de pe­ri­tos

Es­pe­ci­a­lis­tas po­dem ini­ci­ar a re­co­lha de ele­men­tos em Dou­ma e pro­var que o ata­que com ar­mas quí­mi­cas

Jornal de Angola - - MUNDO -

A Rús­sia re­jei­tou on­tem acu­sa­ções, se­gun­do as quais Mos­co­vo e Da­mas­co es­tão a im­pe­dir os ins­pec­to­res de ar­mas quí­mi­cas de en­trar em Dou­ma (Síria), con­tra­pon­do que os pe­ri­tos es­tão à es­pe­ra de uma au­to­ri­za­ção es­pe­cí­fi­ca por par­te da ONU.

A de­cla­ra­ção foi fei­ta pe­lo vi­ce-mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros rus­so, Ser­gei Ryab­kov, que res­pon­deu des­ta for­ma a in­for­ma­ções que dão con­ta que a mis­são de ins­pec­to­res da Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Proi­bi­ção das Ar­mas Quí­mi­cas (OPAQ) foi im­pe­di­da de en­trar na ci­da­de de Dou­ma, em Ghou­ta Ori­en­tal, nos ar­re­do­res de Da­mas­co, pa­ra in­ves­ti­gar o ata­que quí­mi­co que ale­ga­da­men­te atin­giu aque­la lo­ca­li­da­de no pas­sa­do dia 7 des­te mês.

“Re­jei­to com­ple­ta­men­te. Pois tra­ta­se de no­vas in­ven­ções por par­te dos nos­sos co­le­gas bri­tâ­ni­cos”, dis­se o re­pre­sen­tan­te de Mos­co­vo, ar­gu­men­tan­do que o aces­so dos ins­pec­to­res foi sim di­fi­cul­ta­do pe­las con­sequên­ci­as do ata­que ilegal con­du­zi­do no sá­ba­do pe­los Es­ta­dos Uni­dos (EUA), com o apoio dos ali­a­dos Fran­ça e Rei­no Uni­do, con­tra a Síria.

Ser­gei Ryab­kov fri­sou ain­da que a mis­são de pe­ri­tos da OPAQ, que che­gou à Síria na se­ma­na pas­sa­da, não te­ve o aces­so per­mi­ti­do por­que ain­da não ga­ran­tiu uma au­to­ri­za­ção por par­te do De­par­ta­men­to de Se­gu­ran­ça e Protecção das Na­ções Uni­das (UNDSS).

O pre­su­mí­vel ata­que quí­mi­co em Dou­ma te­rá pro­vo­ca­do mais de 40 mor­tos e afec­ta­do cer­ca de 500 pes­so­as. O Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das, An­tó­nio Gu­ter­res, fri­sou que os acon­te­ci­men­tos em Dou­ma pe­dem uma “in­ves­ti­ga­ção com­ple­ta” e con­fir­mou, na mes­ma oca­sião, de que uma equi­pa de pe­ri­tos da OPAQ já es­ta­va ope­ra­ci­o­nal no ter­re­no pa­ra co­me­çar as in­ves­ti­ga­ções.

O Rei­no Uni­do acu­sou on­tem a Rús­sia e a Síria de não per­mi­ti­rem à mis­são da OPAQ às zo­nas afec­ta­das pe­lo ata­que com ar­mas quí­mi­cas.

Ali­a­dos

“A Fran­ça e os Es­ta­dos Uni­dos es­tão em sin­to­nia quan­to ao en­vol­vi­men­to mi­li­tar na Síria, que só ter­mi­na no dia em que a guerra con­tra o Es­ta­do for con­cluí­da”, de­cla­rou on­tem o Pre­si­den­te fran­cês, Em­ma­nu­el Macron. “Te­mos um úni­co ob­jec­ti­vo mi­li­tar: a guerra con­tra o ISIS [acró­ni­mo do gru­po Es­ta­do Is­lâ­mi­co em in­glês]”, afir­mou Macron à saí­da de um en­con­tro com a sua ho­mó­lo­ga ne­o­ze­lan­de­sa, Ja­cin­da Ar­den, no Eli­seu.

No do­min­go a Ca­sa Bran­ca anun­ci­ou, num co­mu­ni­ca­do, que as tro­pas nor­te­a­me­ri­ca­nas na Síria de­ve­ri­am re­gres­sar o “mais rá­pi­do pos­sí­vel”, al­gu­mas ho­ras de­pois do Pre­si­den­te fran­cês afir­mar que ti­nha con­ven­ci­do o ho­mó­lo­go dos Es­ta­dos Uni­dos a per­ma­ne­cer na Síria, na sequên­cia dos ata­ques con­jun­tos da ma­dru­ga­da de sá­ba­do con­tra al­vos na Síria. No co­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do, a Ca­sa Bran­ca dis­se es­tar “de­ter­mi­na­da a es­ma­gar com­ple­ta­men­te o gru­po Es­ta­do Is­lâ­mi­co e a cri­ar con­di­ções que im­pe­çam o seu re­gres­so”.

Po­si­ção da Chi­na

O Go­ver­no chi­nês pe­diu on­tem aos Es­ta­dos Uni­dos, Fran­ça e Rei­no Uni­do que “apren­dam com a His­tó­ria e evi­tem a re­pe­ti­ção de tra­gé­di­as do pas­sa­do”, com­pa­ran­do o ata­que con­jun­to con­tra a Síria à in­va­são do Ira­que.

“Es­que­ce­mo-nos das li­ções do con­fli­to no Ira­que? Há que re­cor­dar as li­ções do pas­sa­do”, afir­mou a por­ta-voz do Mi­nis­té­rio chi­nês dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, Hua Chunying, em con­fe­rên­cia de im­pren­sa. “Al­guns di­ri­gen­tes des­tes três paí­ses (EUA, Fran­ça e Rei­no Uni­do) afir­ma­ram re­pe­ti­da­men­te que é pro­vá­vel que a Síria te­nha usa­do ar­mas quí­mi­cas. Acre­di­ta­mos que es­tes co­mu­ni­ca­dos pa­ra cri­mi­na­li­zar a Síria e jus­ti­fi­car a sua ac­ção mi­li­tar ca­re­cem de le­ga­li­da­de e le­gi­ti­mi­da­de”, dis­se a por­ta-voz.

Hua Chunying in­sis­tiu que a ope­ra­ção mi­li­tar de sá­ba­do vi­o­la a Car­ta das Na­ções Uni­das, já que “vai con­tra a lei in­ter­na­ci­o­nal con­du­zir ata­ques pu­ni­ti­vos con­tra a Síria”.

A Chi­na se opõe ao uso de ar­mas quí­mi­cas in­de­pen­den­te­men­te do pro­pó­si­to e em qual­quer cir­cuns­tân­cia, por par­te de qual­quer país, or­ga­ni­za­ção e in­di­ví­duo. A por­ta-voz do Mi­nis­té­rio dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros chi­nês afir­mou que o “con­fli­to na Síria só po­de ser re­sol­vi­do pe­la via po­lí­ti­ca e que o uso da for­ça ape­nas acres­cen­ta in­cer­te­zas à si­tu­a­ção ac­tu­al, co­mo de­mons­tram os ata­ques de sá­ba­do”.

REUTERES

Go­ver­no sí­rio in­for­mou que os pe­ri­tos pre­ci­sam de uma protecção das Na­ções Uni­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.