“Ho­tel Ko­mar­ka” é a me­lhor pe­ça da edi­ção 2018

Jornal de Angola - - CULTURA - Ro­que Sil­va

O co­lec­ti­vo Hen­ri­que Ar­tes sa­grou-se ven­ce­dor da oi­ta­va edi­ção do Fes­ti­val de Te­a­tro da Paz (Festeapaz), que en­cer­rou do­min­go, na Li­ga Afri­ca­na, em Lu­an­da.

O gru­po ar­re­ba­tou as ca­te­go­ri­as Me­lhor Es­pec­tá­cu­lo, pa­ra a pe­ça “Ho­tel Ko­mar­ka”, e Me­lhor Ac­tor, pa­ra Adil­son Vun­ge.

“Ho­tel Ko­mar­ka”, que con­quis­ta mais um tro­féu on­ze anos de­pois da es­treia, en­quan­to Adil­son Vun­ge con­quis­tou o pré­mio por ser o pro­ta­go­nis­ta que mais se des­ta­cou.

O di­rec­tor do Festeapaz, Os­val­do Mo­rei­ra, dis­se que os critérios de ava­li­a­ção são a so­no­plas­tia, o ce­ná­rio, a dis­po­si­ção e in­ter­pre­ta­ção, a ex­pres­são cor­po­ral e a ati­tu­de cé­ni­ca.

Pe­los pré­mi­os, o gru­po Hen­ri­que Ar­tes re­ce­beu 75 mil kwan­zas, no to­tal.

“Ho­tel Ko­mar­ka” é uma co­mé­dia que re­tra­ta a his­tó­ria de oi­to re­clu­sos, dos quais se­te ra­pa­zes e uma mu­lher. Eles lu­tam pa­ra fu­gir da ca­deia em que se en­con­tram há 20 anos, e pas­sam por vá­ri­as si­tu­a­ções dra­má­ti­cas, des­de for­tes mo­men­tos de emo­ção, tris­te­za, so­nhos, ale­gria e, prin­ci­pal­men­te, de­se­jo de li­ber­da­de por vi­as in­cor­rec­tas.

Em 2011, a pe­ça con­quis­tou o pré­mio re­ve­la­ção, no Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro de Lín­gua Por­tu­gue­sa (FESTLP), no Rio de Ja­nei­ro, e foi apre­sen­ta­da nos fes­ti­vais de Min­de­lo, em Ca­bo Ver­de, na Mos­tra La­ti­no­a­me­ri­ca­na de Pi­auí, em São Paulo, e na Mos­tra In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro (Mi­te), em Lis­boa. Fe­li­ci­a­na de Oli­vei­ra, do Im­bon­dei­ro Te­a­tro, foi elei­ta Me­lhor Ac­triz.

O gru­po Pro­marts ar­re­ba­tou os tro­féus de Gru­po e Ac­tor Re­ve­la­ção, por An­tó­nio Lu­cas. Amé­lia Pau­li­no, do Pu­niv do Sum­be, foi elei­ta Ac­triz Re­ve­la­ção do Fes­te­a­tro-2018.

A au­sên­cia do ac­tor bra­si­lei­ro An­dré Tei­xei­ra adi­ou o ob­jec­ti­vo de in­ter­na­ci­o­na­li­zar o Festeapaz, mas di­rec­tor do fes­ti­val des­ta­cou a des­cen­tra­li­za­ção dos es­pec­tá­cu­los, in­clu­são de gru­pos do in­te­ri­or, e a ade­são dos es­pec­ta­do­res, em mé­dia 120 pes­so­as por ses­são.

JAIMAGENS/FOTÓGRAFO

Fes­ti­val de Te­a­tro da Paz en­cer­ra do­min­go na ca­pi­tal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.