“Mo­men­tos & Bei­jos” no au­di­tó­rio Pe­pe­te­la

Ho­je, a par­tir das 17h00, mais te­a­tro e de­ba­te no Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês com gru­pos de Lu­an­da em pal­co

Jornal de Angola - - CULTURA - Francisco Pedro

O gru­po Ho­ri­zon­te Nzin­ga Mban­de apre­sen­ta, ho­je, a pe­ça “Mo­men­tos & Bei­jos”, às 19h00, no au­di­tó­rio Pe­pe­te­la, no âm­bi­to da 18ª edi­ção do pro­gra­ma Há Te­a­tro no Ca­mões, no Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, em Lu­an­da.

A pe­ça é es­cri­ta pe­lo bra­si­lei­ro Nel­son Rodrigues, nu­ma adap­ta­ção de Ade­li­no Ca­ra­col e do bra­si­lei­ro Evan­dro de Me­lo.

“Mo­men­tos & Bei­jos” re­la­ta re­a­li­da­des de uma so­ci­e­da­de per­ver­sa e con­su­mis­ta. Re­ve­la um qua­dro de con­fli­tos, des­con­fi­an­ças, in­tri­gas e ciú­mes.

Apre­sen­ta tam­bém a am­bi­ção de su­bir na vi­da, sem olhar a mei­os pa­ra atin­gir os fins. Hei­tor, vin­ga-se de for­ma sub­til da mu­lher que o traiu. Por sua vez, Men­des vê no ami­go o úni­co meio pa­ra sair da mi­sé­ria. Rai­mun­do tro­cou a mu­lher pe­lo tra­ba­lho em ple­na lua-de-mel.

As en­tra­das são li­vres e an­tes re­a­li­za-se uma me­sa-re­don­da com o te­ma “O Uni­ver­so Poé­ti­co-Te­a­tral do Ho­ri­zon­te Nzin­ga Mban­de”, com a par­ti­ci­pa­ção de to­do o elen­co do gru­po Ho­ri­zon­te Nzin­ga Mban­de.

No dia 18, o gru­po Ndo­ku­e­no Ar­te apre­sen­ta, às 19h00, a pe­ça “Se­nho­ra Mun­do e seus Ma­ri­dos”, es­cri­ta por Jo­sé Pi­res Gon­çal­ves, e tem a en­ce­na­ção de Pin­to Nsim­ba.

“Se­nho­ra Mun­do e seus Ma­ri­dos” nar­ra a lu­ta pe­lo po­der, as­sis­tin­do-se à as­cen­são e que­da de im­pé­ri­os. Uma pe­ça que faz men­ção à lu­ta pe­lo po­der dos tem­pos mais re­mo­tos aos nos­sos di­as, e as con­sequên­ci­as, uma das quais o pre­juí­zos da na­tu­re­za pe­las ac­ções do ho­mem.

As per­so­na­gens são: Ar­te, Po­lí­ti­ca, Re­li­gião e a Ci­ên­cia, que pro­cu­ram a to­do cus­to ex­plo­rar a Se­nho­ra Mun­do, que é a es­po­sa de es­ti­ma­ção de to­dos. Fa­zem vá­ri­as ex­pe­ri­ên­ci­as pro­fis­si­o­nais e con­fron­tam-se en­tre elas ten­tan­do ti­rar o mai­or par­ti­do pos­sí­vel dos re­cur­sos na­tu­rais à dis­po­si­ção da hu­ma­ni­da­de.

Nar­ra, ain­da, a his­tó­ria de mo­nar­qui­as e re­pú­bli­cas fe­roz­men­te com­pe­ti­ti­vas, de im­pé­ri­os, re­vo­lu­ções, ri­va­li­da­des e uto­pi­as. Num mo­men­to em que o fu­tu­ro do mun­do pa­re­ce mais uma vez in­cer­to, “Se­nho­ra Mun­do e seus Ma­ri­dos” le­va­nos a per­ce­ber o pas­sa­do, fu­tu­ro e pre­sen­te, ide­a­li­za per­so­na­gens que fa­zem agi­tar, evo­luir e até mes­mo des­truir o mun­do. An­tes da exi­bi­ção des­ta pe­ça, re­a­li­za-se uma me­sa-re­don­da so­bre “A im­por­tân­cia do Te­a­tro na di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia”, com a par­ti­ci­pa­ção de Fe­lis­ber­to Fi­li­pe, Hor­tên­cio Sil­va, Ar­nal­do Ne­to, Pin­to Fi­el, Ema­nu­el Paim e Francisco Ka­ku­lo

Pro­jec­to “Há te­a­tro no Ca­mões”

“Há Te­a­tro no Ca­mões” é um pro­gra­ma que en­vol­ve gru­pos te­a­trais, ac­to­res, en­ce­na­do­res, dra­ma­tur­gos e re­pu­ta­das fi­gu­ras li­ga­das ao te­a­tro an­go­la­no. O au­di­tó­rio Pe­pe­te­la, do Ca­mões-Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês aco­lhe, além de pe­ças, me­sas-re­don­das, de­ba­tes e con­ver­sas.

A edi­ção an­te­ri­or re­a­li­zou-se nos di­as 23 e 24 de Ja­nei­ro. Pa­ra além de pe­ças, hou­ve me­sas-re­don­das, em dois di­as con­se­cu­ti­vos. O pro­gra­ma é tri­mes­tral, e te­ve iní­cio em Ja­nei­ro de 2015. O ob­jec­ti­vo é re­flec­tir em tor­no de es­tra­té­gi­as de sus­ten­ta­bi­li­da­de do te­a­tro e mo­de­los de or­ga­ni­za­ção e ges­tão te­a­tral.

“Há Te­a­tro no Ca­mões” é um pro­gra­ma que en­vol­ve gru­pos te­a­trais, en­ce­na­do­res, dra­ma­tur­gos e re­pu­ta­das fi­gu­ras li­ga­das ao te­a­tro an­go­la­no

Na pri­mei­ra edi­ção, Jo­sé Me­na Abran­tes fa­lou so­bre “Ex­pe­ri­ên­ci­as da or­ga­ni­za­ção te­a­tral no es­pa­ço lu­só­fo­no”, en­quan­to Nel­son Aze­ve­do fa­lou das “Ten­dên­ci­as al­ter­na­ti­vas no do­mí­nio da or­ga­ni­za­ção te­a­tral”.

O gru­po Elin­ga Te­a­tro exi­biu “As Bon­do­sas”, do dra­ma­tur­go bra­si­lei­ro Ue­li­ton Ro­con, e direcção ar­tís­ti­ca de Jo­sé Me­na Abran­tes. O Hen­ri­que Ar­tes apre­sen­tou “A Ór­fã do Rei”, es­cri­ta por Jo­sé Me­na Abran­tes, com direcção de Flá­vio Fer­rão. O Enig­ma Te­a­tro apre­sen­tou a pe­ça “Su­jei­to e Aza­ra­do”, es­cri­ta e di­ri­gi­da por An­tó­nio Fram­pé­nio. O gru­po Pro­te­vi­da en­cer­rou com “Amor à Pri­mei­ra Voz”, es­cri­ta e di­ri­gi­da por Os­val­do Mo­rei­ra.

JAIMAGENS/FOTÓGRAFO

Ac­to­res do Ho­ri­zon­te Nzin­ga Mban­de en­tram em ce­na com por­tas aber­tas ao pú­bli­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.