Ca­la­mi­da­des na­tu­rais ma­ta­ram 61 pes­so­as

Jornal de Angola - - DESPORTO -

As ca­la­mi­da­des na­tu­rais ma­ta­ram 61 pes­so­as en­tre Ou­tu­bro e Mar­ço des­te ano, uma re­du­ção de 12 óbi­tos em com­pa­ra­ção à épo­ca chu­vo­sa 2016/2017, in­di­ca o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Ges­tão de Ca­la­mi­da­des Na­tu­rais (INGC).

Ao apre­sen­tar on­tem o ba­lan­ço da Épo­ca Chu­vo­sa e Ci­cló­ni­ca de 2017/2018, o di­rec­tor-ge­ral do INGC, João Ma­cha­ti­ne, apon­tou a mor­te de 16 pes­so­as no de­sa­ba­men­to da li­xei­ra de Hu­le­ne, em Ma­pu­to, em Fe­ve­rei­ro, co­mo o fac­tor que pe­sou pa­ra o nú­me­ro de óbi­tos re­gis­ta­dos en­tre Ou­tu­bro e Mar­ço, de­vi­do às ca­la­mi­da­des na­tu­rais.

No mes­mo pe­río­do, 22 pes­so­as mor­re­ram ví­ti­mas de des­car­gas eléc­tri­cas em to­do o país, acres­cen­tou João Ma­cha­ti­ne.

“No pe­río­do en­tre Ou­tu­bro de 2017 e Mar­ço de 2018, há dois fe­nó­me­nos que fu­gi­ram do nos­so con­tro­lo, a tra­gé­dia de Hu­le­ne e as des­car­gas eléc­tri­cas”, as­si­na­lou o di­rec­tor do INGC.

No to­tal, pros­se­guiu João Ma­cha­ti­ne, as ca­la­mi­da­des na­tu­rais afec­ta­ram 152.246 pes­so­as, des­truí­ram to­tal­men­te 7.313 ca­sas e par­ci­al­men­te 14.461 ca­sas. As in­tem­pé­ri­es des­truí­ram to­tal­men­te 201 ca­sas e 463 par­ci­al­men­te.

Pa­ra en­fren­tar os da­nos pro­vo­ca­dos pe­las ca­la­mi­da­des na­tu­rais, o INGC pre­ci­sa de mil mi­lhões de me­ti­cais (13,3 mi­lhões de eu­ros), uma vez que con­se­guiu mo­bi­li­zar ape­nas 300 mi­lhões de me­ti­cais (qua­tro mi­lhões de eu­ros) pa­ra as vá­ri­as ope­ra­ções re­la­ci­o­na­das com a pre­ven­ção, as­sis­tên­cia e re­cons­tru­ção.

O di­rec­tor do INGC adi­an­tou que o país pre­ci­sa de me­lho­rar a ca­pa­ci­da­de de pre­vi­são de ca­la­mi­da­des na­tu­rais, in­cor­po­rar as ac­ções de re­si­li­ên­cia nos pla­nos eco­nó­mi­cos e so­ci­ais em to­dos os sec­to­res e con­cluir a Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de Re­si­li­ên­cia às In­fra­es­tru­tu­ras.

A pe­na­li­za­ção de pes­so­as que ocu­pam e cons­tro­em ha­bi­ta­ções em zo­nas pro­pen­sas às ca­la­mi­da­des na­tu­rais, ope­ra­ci­o­na­li­za­ção do fun­do de ges­tão de ca­la­mi­da­des e a cri­a­ção de um se­gu­ro con­tra de­sas­tres na­tu­rais são ou­tras das in­ter­ven­ções im­por­tan­tes, acres­cen­tou.

AN­TÓ­NIO SIL­VA/LU­SA

Pes­so­as que cons­tro­em em zo­nas de ris­co são as mais afec­ta­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.