Cor­rup­ção e im­pu­ni­da­de fa­ces da mes­ma mo­e­da

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Luciano Ro­cha

A cor­rup­ção, tal qual cha­ga pes­ti­len­ta, se não for ata­lha­da a tem­po, cres­ce, alas­tra, cor­rói, não há re­zas, me­zi­nhas, amu­le­tos, que a cu­rem, por is­so, en­tre nós, qua­se se ins­ti­tu­ci­o­na­li­zou, já não es­pan­ta.

O com­ba­te à cor­rup­ção, anun­ci­ou, no dis­cur­so de pos­se, o Che­fe de Es­ta­do, que, gos­te-se de­le ou não, é o Pre­si­den­te de to­dos os an­go­la­nos, é pri­o­ri­tá­rio, mas, in­fe­liz­men­te, abun­dam os que fa­zem “ore­lhas mo­cas”, pro­va­vel­men­te até gar­ga­lham à so­ca­pa, e pros­se­guem a ac­ção de­vas­ta­do­ra da nos­sa eco­no­mia. Por tal mo­ti­vo, aci­ma de tu­do por eles, es­ta­mos na si­tu­a­ção a que che­ga­mos. Não es­cre­vo por es­cre­ver, não é von­ta­de de di­zer mal. Se hou­ver qu­em as­sim pen­se, apre­sen­te pro­vas, que dou “a mão à pal­ma­tó­ria”. Mas não, os fac­tos ates­tam a ra­zão des­tas li­nhas. Li­mi­to-me a ex­pres­sar o que in­dig­na a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos an­go­la­nos.

O que se pas­sa em tan­tas em­pre­sas pú­bli­cas com­pro­vam o que mai­o­ria de nós pen­sa. O Jor­nal de An­go­la tem fei­to eco de vá­ri­os des­ses ca­sos. En­tre os quais os de vi­a­tu­ras en­tre­gues a em­pre­sas que de­sa­pa­re­cem co­mo fu­mo de cha­mi­né. Dou um exem­plo: 25 ma­xim­bom­bos en­tre­gues, no ano pas­sa­do, pe­lo Mi­nis­té­rio dos Transportes aos ope­ra­do­res da Lunda-Sul, eclip­sa­ram-se co­mo por ma­gia dig­na de Man­dra­ke, es­sa fi­gu­ra len­dá­ria dos li­vros de qua­dra­di­nhos, que en­che­ram de es­pan­to tan­tas cri­an­ças da dé­ca­da de 1950. Mais ad­mi­ra­ção, to­da­via, cau­sam as de­cla­ra­ções re­cen­tes do res­pon­sá­vel má­xi­mo do sec­tor na­que­la pro­vín­cia, qu­an­do pro­me­te que, a con­fir­mar-se o de­sa­pa­re­ci­men­to das vi­a­tu­ras, es­te­jam elas on­de es­ti­ve­rem, são re­ti­das, “os mo­to­ris­tas de­ti­dos e as res­pec­ti­vas em­pre­sas vão ar­car com as con­sequên­ci­as, que se­rão bas­tan­te pe­sa­das”.

To­dos sa­be­mos que a Lunda-Sul tem ter­ri­tó­rio ex­ten­so, mas o res­pon­sá­vel lo­cal má­xi­mo dos Transportes não sa­ber on­de pa­ram os ma­xim­bom­bos en­tre­gues pe­lo Go­ver­no cen­tral a ope­ra­do­res da pro­vín­cia é mui­to es­tra­nho. Re­ve­la, no mí­ni­mo, não exer­cer com efi­cá­cia o car­go pa­ra o qual foi no­me­a­do. O que não o im­pe­diu de ame­a­çar com de­ten­ção os mo­to­ris­tas, co­mo se fos­sem eles a ter de sa­ber a qu­em é que as vi­a­tu­ras fo­ram en­tre­gues. Mas, mes­mo que sai­bam, es­pe­ro que não se as­sis­ta, uma vez mais, ao des­li­zar da “ro­da da cul­pa”. Que, qua­se sem­pre, ape­nas pá­ra no so­pé do pla­no in­cli­na­do!

Es­te ca­so, in­fe­liz­men­te, não é úni­co. Quan­tos “tra­ba­lha­do­res” de em­pre­sas pú­bli­cas a qu­em fo­ram con­ce­di­das vi­a­tu­ras, en­tre ou­tras re­ga­li­as, qu­an­do dei­xa­ram de tra­ba­lhar as le­va­ram com eles e, in­clu­si­va­men­te, as ven­de­ram?

O com­ba­te à cor­rup­ção e im­pu­ni­da­de anun­ci­a­do pe­lo Pre­si­den­te a Re­pú­bli­ca no ac­to de in­ves­ti­du­ra - pos­te­ri­or­men­te re­pe­ti­do nou­tras oca­siões - pas­sa for­ço­sa­men­te pe­los or­ga­nis­mos do Es­ta­do e em­pre­sas pú­bli­cas. Que têm de dei­xar de ser “cen­tros de em­pre­go” pa­ra ami­gos, pa­ren­tes, in­com­pe­ten­tes, “lo­cais de pas­sa­gem” pa­ra jus­ti­fi­car re­ce­bi­men­tos ime­re­ci­dos de sa­lá­ri­os.

O com­ba­te à cor­rup­ção e im­pu­ni­da­de in­clui uma lu­ta, não me­nos im­pla­cá­vel, con­tra o ne­po­tis­mo - gran­de res­pon­sá­vel pe­lo des­ba­ra­ta­men­to do erá­rio -, igual­men­te pe­lo ab­sen­tis­mo e plu­ri­em­pre­go que lhe es­tão fre­quen­te­men­te as­so­ci­a­dos.

As cha­gas pes­ti­len­tas não se cu­ram com re­zas, me­zi­nhas, fei­ti­ços. No ca­so da cor­rup­ção e im­pu­ni­da­de, bem co­mo de to­dos os ma­les que lhes es­tão in­va­ri­a­vel­men­te li­ga­dos, é es­sen­ci­al de­ter­mi­na­ção fér­rea. E, mes­mo as­sim, vai ser di­fí­cil. Os maus há­bi­tos ga­nham-se fa­cil­men­te, re­ad­qui­ri-los na ple­ni­tu­de, é di­fí­cil. Le­va tem­po. Mas, va­le a pe­na ten­tar.

Cor­rup­ção e im­pu­ni­da­de são ini­mi­gos que é pre­ci­so com­ba­ter sem tré­guas. Não com re­zas, me­zi­nhas, amu­le­tos, mas com a ar­ma da de­ter­mi­na­ção fér­rea. Mes­mo as­sim, vai ser di­fí­cil. Que os maus há­bi­tos, a vi­da fá­cil, não se aban­do­nam fa­cil­men­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.