Di­ver­gên­ci­as mar­cam vo­ta­ção fi­nal da Lei do Re­pa­tri­a­men­to

MPLA ne­ga fu­são das pro­pos­tas de lei do Exe­cu­ti­vo e da ban­ca­da da UNITA por ale­ga­da fal­ta de pon­tos de con­ver­gên­cia

Jornal de Angola - - POLÍTICA - Ade­li­na Iná­cio

A pro­pos­ta de Lei so­bre o re­pa­tri­a­men­to de re­cur­sos fi­nan­cei­ros domiciliados no ex­te­ri­or do país, de ini­ci­a­ti­va do Exe­cu­ti­vo, vai ho­je à vo­ta­ção fi­nal glo­bal, de­pois de ser apro­va­da na es­pe­ci­a­li­da­de. O MPLA já dei­xou cla­ro que não apro­va o Pro­jec­to de Lei do re­gi­me extraordinário de re­gu­la­ção pa­tri­mo­ni­al, pro­pos­to pe­lo gru­po par­la­men­tar da UNITA.

O pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar do MPLA, Sa­lo­mão Xi­rim­bim­bi, dis­se que a pro­pos­ta do gru­po par­la­men­tar da UNITA par­ti­lha de um pres­su­pos­to di­fe­ren­te da pro­pos­ta do Exe­cu­ti­vo, uma vez que a mes­ma de­fen­de a re­gu­la­ri­za­ção fis­cal de uma de­ter­mi­na­da ma­té­ria. Par­te igual­men­te do pres­su­pos­to de que a ri­que­za que exis­te em An­go­la e no es­tran­gei­ro é ilí­ci­ta e ir­re­gu­lar.

Se­gun­do Sa­lo­mão Xi­rim­bim­bi, o MPLA vin­cu­lou a uti­li­za­ção dos re­cur­sos a re­pa­tri­ar a pro­gra­mas de de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al e pa­ra aju­dar a equi­li­brar a ba­lan­ça de pa­ga­men­tos.

O di­nhei­ro po­de­rá igual­men­te ser uti­li­za­do na com­pra de uma sé­rie de ins­tru­men­tos fi­nan­cei­ros que o Exe­cu­ti­vo vai co­lo­car à sua dis­po­si­ção, es­cla­re­ceu.

Já na fa­se do re­pa­tri­a­men­to co­er­ci­vo, se­gun­do o lí­der par­la­men­tar do MPLA, o di­nhei­ro se­rá pro­pri­e­da­de do Es­ta­do. “O di­nhei­ro se­rá do Es­ta­do e vai ser uti­li­za­do em pro­gra­mas e pro­jec­tos so­ci­ais pa­ra me­lho­rar a vi­da dos an­go­la­nos”, fri­sou.

Sa­lo­mão Xi­rim­bim­bi ex­pli­cou ain­da que na fa­se co­er­ci­va os do­nos per­dem o di­nhei­ro cem por cen­to, pa­ra além das ou­tras con­sequên­ci­as de na­tu­re­za cri­mi­nal. “Os do­nos do di­nhei­ro não se­rão eles a de­ter­mi­nar o que vão fa­zer com ele. No re­pa­tri­a­men­to vo­lun­tá­rio, eles se­rão do­nos, mas não vão dis­por do di­nhei­ro”. O di­plo­ma, se­gun­do o de­pu­ta­do, diz tam­bém que de­pois da trans­fe­rên­cia do di­nhei­ro e se cons­ta­tar que o di­nhei­ro re­sul­ta de um cri­me que es­tá ti­pi­fi­ca­do na lei, o ca­so se­rá en­ca­mi­nha­do às ins­tân­ci­as ju­di­ci­ais.

Opo­si­ção quer fu­são

O por­ta-voz da UNITA, Al­ci­des Sa­ka­la, dis­se ao Jor­nal de An­go­la que ca­so o pro­jec­to pro­pos­to pe­lo seu par­ti­do se­ja re­pro­va­do, vai to­mar uma po­si­ção. “Dis­cu­ti­mos e te­mos uma po­si­ção que va­mos to­mar ama­nhã (ho­je) du­ran­te o exer­cí­cio de vo­to das pro­pos­tas. Mas não fo­mos au­to­ri­za­dos a di­zer a nos­sa po­si­ção à co­mu­ni­ca­ção so­ci­al por uma ques­tão de dis­ci­pli­na par­ti­dá­ria “, afir­mou o de­pu­ta­do.

A UNITA, dis­se o tam­bém de­pu­ta­do, con­ti­nua a de­fen­der a fu­são das du­as pro­pos­tas num só do­cu­men­to. “As­sim te­ría­mos pres­ta­do me­lhor ser­vi­ço ao país e à na­ção”, afir­mou Al­ci­des Sa­ka­la, acres­cen­tan­do que tan­to a pro­pos­ta do Exe­cu­ti­vo co­mo o pro­jec­to da UNITA têm ques­tões que po­dem en­ri­que­cer os dois do­cu­men­tos e se­rem um úni­co.

Pa­ra tal, o par­la­men­tar pro­põe a cri­a­ção de um gru­po de tra­ba­lho com­pos­to pe­los de­pu­ta­dos do MPLA e UNITA “que iri­am tra­tar des­te as­sun­to com to­da aten­ção, por­que a lu­ta con­tra a cor­rup­ção é uma ques­tão que pre­o­cu­pa tan­to a UNITA co­mo o MPLA”. O de­pu­ta­do da CA­SA-CE Manuel Fer­nan­des de­fen­de tam­bém a fu­são das du­as pro­pos­tas. Se­gun­do Manuel Fer­nan­des, “a es­tra­té­gia do MPLA é de fac­to de chum­bar a ini­ci­a­ti­va da UNITA”, que tam­bém, na sua opi­nião, pre­ci­sa de ser me­lhor tra­ba­lha­da.

Manuel Fer­nan­des afir­mou que a CA­SA-CE dis­cor­da com o per­cen­tu­al que es­se pro­jec­to de lei pro­põe. Quan­to ao di­plo­ma do Exe­cu­ti­vo, dis­se que o mes­mo vai es­tar “mui­to dis­tan­te do ob­jec­to pe­lo qual es­te­ve na ba­se da sua ela­bo­ra­ção”.

Po­si­ção do MPLA

O pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar do MPLA dis­se, con­tu­do que to­do o pro­ces­so de re­pa­tri­a­men­to de­cor­re­rá com re­cur­so à le­gis­la­ção apli­cá­vel. “Não es­tá fo­ra da pro­pos­ta do Exe­cu­ti­vo a lei do com­ba­te ao bran­que­a­men­to de ca­pi­tais e ao fi­nan­ci­a­men­to ao ter­ro­ris­mo”, su­bli­nhou.

Quan­to à ques­tão da fu­são, es­cla­re­ceu que a sua ban­ca­da so­li­ci­tou a um de­pu­ta­do da opo­si­ção uma aná­li­se com­pa­ra­ti­va das du­as pro­pos­tas de lei pa­ra in­di­car pon­tos de con­ver­gên­cia que pu­des­sem ser­vir de ba­se pa­ra qual­quer even­tu­al pro­ces­so de con­ci­li­a­ção dos di­plo­mas. Mas não foi en­con­tra­do pon­to de con­ver­gên­cia nas du­as pro­pos­tas e o MPLA de­ci­diu não fun­dir as pro­pos­tas.

O de­pu­ta­do ga­ran­tiu que, in­ter­na­men­te, o gru­po par­la­men­tar do MPLA fez a aus­cul­ta­ção de vá­ri­as en­ti­da­des e or­ga­ni­za­ções pro­fis­si­o­nais so­bre os di­plo­mas e de­sen­vol­veu um am­plo de­ba­te so­bre a mes­ma e pro­ce­deu al­gu­mas al­te­ra­ções à pro­pos­ta ini­ci­al do Exe­cu­ti­vo.

Os de­pu­ta­dos dis­cu­tem e vo­tam, tam­bém ho­je, na ge­ne­ra­li­da­de, a no­va pro­pos­ta do Có­di­go Pe­nal. A agen­da in­clui igual­men­te a vo­ta­ção fi­nal glo­bal da Lei do In­ves­ti­men­to Pri­va­do e da Lei da Con­cor­rên­cia.

Al­ci­des Sa­ka­la pro­põe a cri­a­ção de um gru­po de tra­ba­lho com­pos­to por de­pu­ta­dos do MPLA e da UNITA pa­ra a fu­são das pro­pos­tas de lei, por­que a lu­ta con­tra cor­rup­ção é uma ques­tão que pre­o­cu­pa a to­dos

KINDALA MANUEL | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Vá­ri­os di­plo­mas vão à vo­ta­ção fi­nal glo­bal na ses­são ple­ná­ria de ho­je da As­sem­bleia Na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.