Mi­li­ta­res sul-afri­ca­nos mor­tos no Cui­to Cu­a­na­va­le são exu­ma­dos

Pro­ces­so de exu­ma­ção de­pen­de tam­bém de um acor­do en­tre os go­ver­nos dos dois paí­ses, além de que a área em que os mi­li­ta­res fo­ram en­ter­ra­dos po­de es­tar mi­na­da

Jornal de Angola - - POLÍTICA - Lou­ren­ço Manuel Lou­ren­ço Bu­le| C.Cu­a­na­va­le

Os cor­pos dos mi­li­ta­res su­la­fri­ca­nos que tom­ba­ram du­ran­te a ba­ta­lha do Cui­to Cu­a­na­va­le, ocor­ri­da no dia 23 de Mar­ço de 1988, se­rão exu­ma­dos e cre­ma­dos e as cin­zas en­tre­gues às viú­vas e ou­tros fa­mi­li­a­res, anun­ci­ou on­tem o antigo co­man­dan­te sul-afri­ca­no de in­fan­ta­ria do Ba­ta­lhão Bú­fa­lo, co­ro­nel-ge­ne­ral na re­for­ma Cas­sie Scho­e­mam.

De vi­si­ta ao Tri­ân­gu­lo do Tum­po, com uma de­le­ga­ção de mais de 100 ele­men­tos, en­tre ex-mi­li­ta­res, fa­mi­li­a­res e turistas, o co­ro­nel-ge­ne­ral sul-afri­ca­no na re­for­ma dis­se que o pro­ces­so de exu­ma­ção dos cor­pos ain­da não tem da­ta, por­que de­pen­de tam­bém de um acor­do en­tre os go­ver­nos dos dois paí­ses, além de a área on­de os mi­li­ta­res fo­ram mor­tos e en­ter­ra­dos ser uma zo­na sus­pei­ta de con­ta­mi­na­ção de mi­nas an­ti tan­que e pes­so­al.

Com o sem­blan­te tris­te e lá­gri­mas nos olhos, o gru­po de ex-mi­li­ta­res sul-afri­ca­nos do Ba­ta­lhão Bú­fa­lo, acom­pa­nha­dos das viú­vas, fi­lhos dos sol­da­dos que tom­ba­ram du­ran­te os com­ba­tes e de um nu­me­ro­so gru­po de turistas vi­ve­ram mo­men­tos de mui­ta emo­ção qu­an­do che­ga­ram ao Tri­ân­gu­lo do Tum­po e se de­pa­ra­ram com a es­tru­tu­ra do pri­mei­ro de um to­tal de três tan­ques de guer­ra des­truí­dos pe­las ex-FAPLA (For­ças Ar­ma­das Po­pu­la­res de Li­ber­ta­ção de An­go­la).

A de­le­ga­ção plan­tou ár­vo­res ao la­do do tan­que Oliphan­tes 53 e fez a de­po­si­ção de flo­res no lei­to do rio Cui­to e no me­mo­ri­al à Vic­tó­ria da Ba­ta­lha do Cui­to Cu­a­na­va­le, em ho­me­na­gem aos ex-mi­li­ta­res das ex-FAPLA e su­la­fri­ca­nos tom­ba­dos du­ran­te os com­ba­tes.

Du­ran­te a ce­ri­mó­nia jun­to ao me­mo­ri­al cons­truí­do pe­lo go­ver­no an­go­la­no, o gru­po de ex-mi­li­ta­res en­tre­gou ao go­ver­na­dor do Cuando Cubango, Pe­dro Mu­tin­di, uma bandeira que é sím­bo­lo da uni­da­de dos Bú­fa­los e uma pla­ca com as ca­rac­te­rís­ti­cas do ca­nhão de lon­go al­can­ce G-5 e G-6, uma estaca que sim­bo­li­za os sol­da­dos mor­tos. A co­mi­ti­va sul-afri­ca­na en­tre­gou igual­men­te uma cruz ao te­nen­te ge­ne­ral Fer­nan­do Mateus, pe­la sua par­ti­ci­pa­ção nos com­ba­tes.

O co­ro­nel-ge­ne­ral na re­for­ma Cas­sie Scho­e­mam dis­se que além da ho­me­na­gem aos seus com­pa­tri­o­tas tom­ba­dos du­ran­te a guer­ra, a pre­sen­ça dos sul-afri­ca­nos no Cui­to Cu­a­na­va­le, 30 anos de­pois dos con­fron­tos en­tre as tro­pas do re­gi­me do “apartheid” e as exFAPLA, ser­ve tam­bém pa­ra des­mis­ti­fi­car al­guns equí­vo­cos que mui­tas pes­so­as pro­cu­ram des­vir­tu­ar a ver­da­de dos acon­te­ci­men­tos.

No seu en­ten­der, a ba­ta­lha do Cui­to Cu­a­na­va­le foi a mai­or con­fron­ta­ção mi­li­tar que ocor­reu no con­ti­nen­te afri­ca­no a sul do Saha­ra, de­pois da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, opon­do as ex-FAPLA e as SADF (de­sig­na­ção do exér­ci­to Sul-Afri­ca­no), no qual fo­ram uti­li­za­dos mei­os bé­li­cos so­fis­ti­ca­dos, in­cluin­do o uso de ar­mas quí­mi­cas proi­bi­das in­ter­na­ci­o­nal­men­te.

A nos­sa pre­sen­ça no Cui­to Cu­a­na­va­le, acres­cen­tou, re­pre­sen­ta um mo­men­to de emo­ção mui­to for­te e um ges­to de mag­na­ni­mi­da­de da par­te do go­ver­nos an­go­la­no, por nos dei­xar vi­si­tar um ter­ri­tó­rio que on­tem ten­ta­mos apa­gar do mapa de An­go­la, a jul­gar pe­la quan­ti­da­de de en­ge­nhos ex­plo­si­vos lan­ça­dos so­bre a vi­la e con­tra as po­si­ções das ex-FAPLA.

Ape­sar dos de­sen­ten­di­men­tos do pas­sa­do, pros­se­guiu, ho­je os go­ver­no an­go­la­no e sul-afri­ca­no go­zam de re­la­ções pri­vi­le­gi­a­das, são dois povos ir­mãos e nós, os mi­li­ta­res, so­mos igual­men­te ami­gos e es­ta­mos aqui a co­mer no mes­mo prato, qu­an­do a 23 de Mar­ço de 1988 e em ou­tras oca­siões em que o Ba­ta­lhão Bú­fa­lo in­va­diu o ter­ri­tó­rio an­go­la­no era im­pen­sá­vel o que se es­tá a pas­sar aqui no Cuando Cubango.

Cas­sie Scho­e­mam con­si­de­rou a ba­ta­lha do Cui­to Cu­a­na­va­le co­mo o pon­to de vi­ra­gem em to­da a re­gião da Áfri­ca Aus­tral, por­que foi gra­ças a ela que a Na­mí­bia se tor­nou in­de­pen­den­te, a li­ber­ta­ção de Nel­son Man­de­la, a abo­li­ção do re­gi­me do “apartheid” e con­du­ziu a de­mo­cra­ti­za­ção da pró­pria Áfri­ca do Sul.

Tes­te­mu­nho dos mi­li­ta­res

O te­nen­te-co­ro­nel sul-afri­ca­no na re­for­ma Gerhard Louis sa­li­en­tou que o dia 23 de Mar­ço de 1988 foi mui­to di­fí­cil pa­ra as tro­pas do Ba­ta­lhão Bú­fa­lo, por­que em to­da a his­tó­ria da­que­la uni­da­de nun­ca ti­nha en­con­tra­do uma re­sis­tên­cia da­que­la di­men­são, mes­mo em ou­tros en­con­tros com as ex-FAPLA no Sa­va­te e Cu­ne­ne.

Na ba­ta­lha do Cui­to Cu­a­na­va­le, Gerhard Louis ac­tu­ou co­mo che­fe do pe­lo­tão de tan­ques Oliphan­te e es­ta­va a co­man­dar as ac­ções a par­tir do tan­que Oliphan­te que de­pois foi atin­gi­do por um obus de ca­nhão C-130 mi­lí­me­tros dis­pa­ra­do pe­las exFAPLA, no Tri­ân­gu­lo do Tum­po, ten­do se ins­ta­la­do o ca­os e ao re­tro­ce­der ou­tros aca­ba­ram por cair num cam­po mi­na­do, mui­to bem es­tru­tu­ra­do e ins­ta­la­do pe­las ex-FAPLA.

Con­si­de­rou a ba­ta­lha co­mo “his­tó­ri­ca” por­que cau­sou inú­me­ras mor­tes so­bre­tu­do no seio dos guer­ri­lhei­ros da UNITA que não ti­nham uma pre­pa­ra­ção pa­ra aque­le ti­po de guer­ra, fo­ram apa­nha­dos de sur­pre­sa e “caíam co­mo ca­pim”. “É de la­men­tar por­que nin­guém de­se­ja a mor­te ao seu pró­xi­mo, mas as FAPLA e seus as­ses­so­res cu­ba­nos e so­vié­ti­cos fo­ram im­pla­cá­veis e des­car­re­ga­ram to­da a sua fú­ria so­bre nós”, lem­brou.

Sen­te-se fe­liz por es­tar vi­vo e a vi­si­tar o lo­cal on­de por pou­co dei­xou a vi­da, na com­pa­nhia da sua tri­pu­la­ção e fa­mi­li­a­res. “É um mo­men­to ines­que­cí­vel por­que a quan­ti­da­de de obu­ses dos co­nhe­ci­dos lan­ça fo­gue­tes múl­ti­plos BM-21, BM-24, ca­nhão C130 e D-30 lan­ça­dos pe­las ex-FAPLA caíam so­bre nós co­mo chu­va, era um in­fer­no to­tal e sair da­que­la si­tu­a­ção ain­da com vi­da era pre­ci­so es­tar bem trei­na­do”, dis­se.

Pa­ra o te­nen­te-ge­ne­ral an­go­la­no Fer­nan­do Mateus, que na­que­la al­tu­ra exer­cia as fun­ções de che­fe do es­ta­do­mai­or da sex­ta re­gião mi­li­tar, a vi­si­ta dos sul-afri­ca­nos é uma ati­tu­de fo­ra do co­mum, nun­ca an­tes vis­to em Áfri­ca ou qual­quer ou­tra par­te do mun­do. “É mui­to po­si­ti­vo por­que on­tem es­ti­ve­mos em cam­pos opos­tos mas ho­je já so­mos ami­gos é dis­to que a Hu­ma­ni­da­de pre­ci­sa”, su­bli­nhou.

A co­mi­ti­va sul-afri­ca­na, que se faz trans­por­tar em vi­a­tu­ras to­do-o-ter­re­no, dei­xa ho­je a pro­vín­cia do Cuando Cubango com des­ti­no à pro­vín­cia do Cu­ne­ne, on­de vai igual­men­te vi­si­tar al­gu­mas zo­nas que fo­ram pal­cos de in­ten­sos com­ba­te en­tre as ex-FAPLA e o Ba­ta­lhão Bú­fa­lo, de­sig­na­da­men­te nos mu­ni­cí­pi­os do Cu­ve­lai, Xan­gon­go e Ond­ji­va.

O gru­po de ex-mi­li­ta­res sul-afri­ca­nos do Ba­ta­lhão Bú­fa­lo, acom­pa­nha­dos das viú­vas, fi­lhos dos sol­da­dos tom­ba­dos e de turistas vi­si­ta­ram o Tri­ân­gu­lo do Tum­po

NICOLAU VAS­CO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO | CUI­TO CU­A­NA­VA­LE

De­le­ga­ção sul-afri­ca­na ter­mi­na vi­si­ta ao Cuando Cubango e se­gue pa­ra a pro­vín­cia do Cu­ne­ne

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.