Am­nis­tia pe­de cle­mên­cia pa­ra con­de­na­da à mor­te pe­la Sha­ria

O Su­dão tem em mãos um pro­ble­ma pa­ra re­sol­ver que po­de de­fi­nir a sua re­la­ção com paí­ses que o apoi­am na lu­ta con­tra o ra­di­ca­lis­mo is­lâ­mi­co. É o ca­so de uma jo­vem con­de­na­da à mor­te ao abri­go da Sha­ria, sen­ten­ça que ape­nas o Pre­si­den­te Omar Al Ba­chir po­de r

Jornal de Angola - - ÁFRICA - Vic­tor Car­va­lho

A Am­nis­tia In­ter­na­ci­o­nal (AI) lan­çou on­tem um ape­lo ao Pre­si­den­te do Su­dão, Omar Al Ba­chir, e ao mi­nis­tro da Jus­ti­ça, no sen­ti­do de sus­pen­de­rem a execução de Nou­ra Hus­sein, de 19 anos, con­de­na­da a 10 de Maio des­te ano à pe­na ca­pi­tal por ter mor­to à fa­ca­da o seu ma­ri­do.

Se­gun­do a or­ga­ni­za­ção de de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos, a jo­vem é ví­ti­ma de uma vi­o­la­ção con­ju­gal, e não de­ve ser exe­cu­ta­da por se ter de­fen­di­do.

No seu ape­lo, a Am­nis­tia In­ter­na­ci­o­nal con­ta que o so­fri­men­to da jo­vem co­me­çou aos 16, qu­an­do foi for­ça­da a casar na sequên­cia do fac­to do seu pai e o ma­ri­do as­si­na­rem um “con­tra­to de ca­sa­men­to”. De­pois de ter­mi­nar o en­si­no se­cun­dá­rio, em Abril de 2017, foi obri­ga­da a jun­tar-se ao ma­ri­do, re­ve­la a Am­nis­tia In­ter­na­ci­o­nal. Te­rá si­do nes­sa al­tu­ra que foi vi­o­la­da pe­la pri­mei­ra vez pe­lo es­po­so.

Es­te foi aju­da­do na al­tu­ra por dois dos ir­mãos e um dos pri­mos pa­ra a imo­bi­li­zar.

No dia se­guin­te, o ma­ri­do vol­tou a ten­tar e, fren­te à sua in­sis­tên­cia, Nou­ra so­cor­reu­se de uma fa­ca e apu­nha­lou-o cin­co ve­zes, aca­ban­do por o ma­tar.

O ca­so foi a jul­ga­men­to e no dia 10 de Maio um juiz do tri­bu­nal da pe­que­na lo­ca­li­da­de de Om­dur­man, les­te do país, aca­bou por a con­de­nar à pe­na de mor­te.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca tem ago­ra nas mãos a pos­si­bi­li­da­de de re­ver­ter es­ta sen­ten­ça, bas­tan­do pa­ra tal que a não pro­mul­gue uma vez que a Sha­ria, ao abri­go da qual foi apli­ca­da, ca­re­ce da ra­ti­fi­ca­ção do mais al­to ma­gis­tra­do da Na­ção pa­ra que pos­sa ser va­li­da­da.

En­trar pa­ra a His­tó­ria

Se o fi­zer, Al Ba­chir en­tra pa­ra a His­tó­ria uma vez que exer­ce o seu di­rei­to de so­be­ra­nia pa­ra a pre­va­lên­cia da lei ge­ral so­bre a que é apli­ca­da pe­los ra­di­cais que ele pró­prio diz es­tar dis­pos­to a com­ba­ter.

Na ver­da­de, o tri­bu­nal pro­fe­riu a sen­ten­ça ba­se­an­do­se na po­lé­mi­ca Sha­ria (lei ra­di­cal is­lâ­mi­ca) ao abri­go da qual os di­rei­tos das mu­lhe­res são en­ca­ra­dos co­mo um me­ro por­me­nor qu­an­do com­pa­ra­dos com os in­te­res­ses dos homens, ou dos das su­as fa­mí­li­as.

De acor­do com es­ta lei, a úni­ca pos­si­bi­li­da­de da jo­vem es­ca­par à pe­na ca­pi­tal era que a fa­mí­lia do seu ma­ri­do acei­tas­se re­ce­ber uma com­pen­sa­ção fi­nan­cei­ra pe­la sua mor­te.

Po­rém, es­sa pos­si­bi­li­da­de es­go­tou-se qu­an­do os fa­mi­li­a­res do fa­le­ci­do re­cu­sa­ram qual­quer ti­po de acor­do, mes­mo de­pois de uma re­co­lha de fun­dos efec­tu­a­da por or­ga­ni­za­ções de de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos ter con­se­gui­do jun­tar o equi­va­len­te a 20 mil dó­la­res, uma ver­ba bas­tan­te avul­ta­da pa­ra a re­a­li­da­de do país.

No Su­dão é cos­tu­me a re­a­li­za­ção de ca­sa­men­tos préa­cor­da­dos, uma for­ma de con­ci­li­ar in­te­res­ses fi­nan­cei­ros mas que des­res­pei­ta aqui­lo que é a von­ta­de dos côn­ju­ges mui­tos dos quais ape­nas se co­nhe­cem no dia do ca­sa­men­to.

Aqui­lo que es­tá em cau­sa é mais do que a vi­da de uma jo­vem de 19 anos can­sa­da de ser hu­mi­lha­da e agre­di­da pe­lo ma­ri­do. O que es­tá em cau­sa, de fac­to, é a pre­va­lên­cia da lei ra­di­cal is­lâ­mi­ca, é uma re­a­li­da­de que es­tá a alas­trar no con­ti­nen­te afri­ca­no.

O pró­prio Su­dão é um país ex­tre­ma­men­te pa­tri­ar­cal on­de as nor­mas que ge­rem as re­la­ções en­tre o gé­ne­ro são bas­tan­te for­tes e re­tró­gra­das.

É um país on­de as mu­lhe­res se po­dem casar com dez anos de ida­de, on­de a mu­lher é ab­so­lu­ta pro­pri­e­da­de do ho­mem à qual não é per­mi­ti­do qual­quer ti­po de mí­ni­ma trans­gres­são.

Mas, tam­bém é um país on­de a Sha­ria ape­nas é apli­ca­da de­pois de san­ci­o­na­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, sen­do por is­so que a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal olha pa­ra es­te as­sun­to com gran­de aten­ção pa­ra ver até que pon­to Al Ba­chir es­tá dis­pos­to a ir pa­ra com­pro­var a sua dis­po­si­ção de com­ba­ter o ra­di­ca­lis­mo is­lâ­mi­co em to­da a li­nha, in­cluin­do a Jus­ti­ça.

É uma opor­tu­ni­da­de que o Pre­si­den­te su­da­nês não po­de des­per­di­çar sob pe­na de ver com­pro­me­ti­dos to­dos os apoi­os in­ter­na­ci­o­nais que lhe têm vin­do a ser da­dos pa­ra que con­ti­nue en­ga­ja­do na lu­ta con­tra o ra­di­ca­lis­mo is­lâ­mi­co na re­gião do cha­ma­do “Cor­no de Áfri­ca”.

DR

Am­nis­tia In­ter­na­ci­o­nal pe­de ao Pre­si­den­te Omar Al Ba­chir que exer­ça o di­rei­to de so­be­ra­nia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.