Tro­ço Ond­ji­va/Cu­a­ma­to be­ne­fi­cia de re­a­bi­li­ta­ção

Jornal de Angola - - REGIÕES - Domingos Ca­lu­ci­pa Lou­ren­ço Bu­le | Me­non­gue

As obras de re­a­bi­li­ta­ção da Es­tra­da Na­ci­o­nal 372, que li­ga a ci­da­de de Ond­ji­va à lo­ca­li­da­de fron­tei­ri­ça de Cu­a­ma­to, na pro­vín­cia do Cu­ne­ne, re­a­ta­ram de­pois de dois anos de pa­ra­li­sa­ção de­vi­do à cri­se fi­nan­cei­ra que as­so­la o país.

A via, com uma ex­ten­são de 69 qui­ló­me­tros, se­rá as­fal­ta­da pe­la pri­mei­ra vez, no âm­bi­to do Pro­gra­ma do Go­ver­no de Re­cu­pe­ra­ção das estradas na­ci­o­nais. O tro­ço vai per­mi­tir tam­bém a li­ga­ção en­tre a ci­da­de de Ond­ji­va e a zo­na da cin­tu­ra ver­de de Ca­lu­e­que, ba­nha­da pe­lo rio Cu­ne­ne, e ti­da tam­bém co­mo a fu­tu­ra área eco­nó­mi­ca da pro­vín­cia. Os tra­ba­lhos, que se­rão con­cluí­dos em on­ze me­ses, es­tão con­subs­tan­ci­a­dos, nes­ta pri­mei­ra fa­se, na re­po­si­ção dos so­los que fi­ca­ram de­te­ri­o­ra­dos du­ran­te o pe­río­do de pa­ra­li­sa­ção. Na se­gun­da fa­se, se­rá fei­ta a co­lo­ca­ção da ba­se, sub-ba­se dos so­los pa­ra a pos­te­ri­or apli­ca­ção do as­fal­to.

Na mes­ma sen­da, o Go­ver­no Pro­vin­ci­al anun­ci­ou a re­to­ma­da, no de­cor­rer do se­gun­do se­mes­tre do ano em cur­so, das obras do tro­ço Xan­gon­go/Ca­lu­e­que, nu­ma ex­ten­são de 86 qui­ló­me­tros. O pe­rí­me­tro ir­ri­ga­do do Mis­som­bo, si­tu­a­do na co­mu­na com o mes­mo no­me, a 16 qui­ló­me­tros da ci­da­de de Me­non­gue, pro­vín­cia do Cuando Cubango, pro­jec­ta­do pa­ra a pro­du­ção de ali­men­tos do cam­po em gran­de es­ca­la, en­con­tra-se em es­ta­do de aban­do­no há mais de dois anos, por fal­ta de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra a com­pra de in­puts agrí­co­las e pre­pa­ra­ção das ter­ras.

O en­ge­nhei­ro agró­no­mo Agos­ti­nho Di­as, res­pon­sá­vel da So­ci­e­da­de de De­sen­vol­vi­men­to dos Pe­rí­me­tros Ir­ri­ga­dos - SA (SOPIR), na pro­vín­cia do Cuando Cubango, apon­tou a cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra que o país vi­ve, há vá­ri­os anos, co­mo a prin­ci­pal res­pon­sá­vel dos su­ces­si­vos fra­cas­sos da pro­du­ção de ali­men­tos ao lon­go do ca­nal de ir­ri­ga­ção do Mis­som­bo.

Em fi­nais de 1999, o go­ver­no cen­tral in­ves­tiu pou­co mais de 12 mi­lhões de dó­la­res ame­ri­ca­nos na mo­der­ni­za­ção da bar­ra­gem so­bre o rio Kwe­be, que pas­sou de du­as pa­ra 26 com­por­tas, e cons­truiu no lo­cal um ca­nal de ir­ri­ga­ção de 6,5 qui­ló­me­tros de ex­ten­são, e uma ba­cia pa­ra a re­ten­ção das águas, pa­ra ga­ran­tir a pro­du­ção anu­al de 80 mil to­ne­la­das de ali­men­tos di­ver­sos.

De lá pa­ra cá e ape­sar do enor­me in­ves­ti­men­to que o go­ver­no efec­tu­ou no lo­cal, a pro­du­ção de ali­men­tos em gran­de es­ca­la nun­ca che­gou a con­cre­ti­zar-se, co­mo apu­rou o Jor­nal de An­go­la, por fal­ta de ver­bas que per­mi­ti­ri­am a aqui­si­ção, no ex­te­ri­or do país, de uma vas­ta ga­ma de in­puts agrí­co­las, pa­ra a con­cre­ti­za­ção dos ob­jec­ti­vos.

O go­ver­no da pro­vín­cia do Cuando Cubango re­cor­reu em 2011 à So­ci­e­da­de de De­sen­vol­vi­men­to dos Pe­rí­me­tros Ir­ri­ga­dos (SOPIR), no sen­ti­do de ti­rar o mai­or pro­vei­to do ca­nal de ir­ri­ga­ção do Mis­som­bo, fi­ze­ram-se as pri­mei­ras cul­tu­ras de mi­lho, mas­san­go, mas­sam­ba­la e fei­jão e, ape­sar das co­lhei­tas te­rem si­do ra­zoá­veis, o pro­jec­to vol­tou a não sur­tir os efei­tos de­se­ja­dos. Além dos 300 hec­ta­res re­ser­va­dos à cul­tu­ra de mi­lho, mas­san­go, mas­sam­ba­la e fei­jão, a SOPIR ti­nha re­ser­va­do tam­bém 450 hec­ta­res pa­ra a cri­a­ção de um po­mar de la­ran­jei­ras, tan­ge­ri­nei­ras, li­mo­ei­ros, man­guei­ras, pe­rei­ras e pa­pai­as, num in­ves­ti­men­to de cer­ca de 40 mi­lhões de dó­la­res ame­ri­ca­nos, que in­cluía ain­da a cons­tru­ção de du­as po­cil­gas.

Es­ta­va pre­vis­ta tam­bém a cons­tru­ção de du­as na­ves pa­ra a re­pro­du­ção de aves, dois tan­ques ba­nhei­ros, man­gas de va­ci­na­ção, aqui­si­ção de cen­te­nas de ca­be­ças de ga­do bo­vi­no, ca­pri­no, ovi­no e de mi­lha­res de pin­tos pré­cri­a­dos, bem co­mo a ins­ta­la­ção de dois pivôs cen­trais pa­ra a ir­ri­ga­ção, mas a fal­ta de fi­nan­ci­a­men­to in­vi­a­bi­li­zou o pro­jec­to.

Agas­ta­do com a si­tu­a­ção, o go­ver­no da pro­vín­cia, re­cor­reu a um fi­nan­ci­a­men­to do Ban­co Ke­ve, de cer­ca de 60 mi­lhões de kwan­zas, pa­ra um sig­ni­fi­ca­ti­vo nú­me­ro de be­ne­fi­ciá­ri­os, a qu­em fo­ram en­tre­gues dois hec­ta­res de ter­ra, mas a es­tra­té­gia do exe­cu­ti­vo vol­tou a não re­sul­tar e o pe­rí­me­tro ir­ri­ga­do vol­tou a fi­car um lon­go pe­río­do sem qual­quer ti­po de pro­du­ção.

Estaca ze­ro

Ape­sar da pre­sen­ça em Me­non­gue do co­or­de­na­dor do nú­cleo ins­ta­la­dor da So­ci­e­da­de de De­sen­vol­vi­men­to dos Pe­rí­me­tros Ir­ri­ga­dos (SOPIR), en­ge­nhei­ro agró­no­mo Agos­ti­nho Di­as, a ver­da­de é que o pe­rí­me­tro ir­ri­ga­do do Mis­som­bo vol­tou à estaca ze­ro, as­sis­tin­do-se ac­tu­al­men­te a uma de­gra­da­ção e van­da­li­za­ção sem pre­ce­den­tes de to­das as su­as in­fra-es­tru­tu­ras. Agos­ti­nho Di­as dis­se que a em­pre­sa pú­bli­ca, So­ci­e­da­de de De­sen­vol­vi­men­to dos Pe­rí­me­tros Ir­ri­ga­dos (SOPIR), aban­do­nou a ges­tão e supervisão do pe­rí­me­tro ir­ri­ga­do do Mis­som­bo, pe­lo fac­to dos seus 27 tra­ba­lha­do­res, que as­se­gu­ra­vam o fun­ci­o­na­men­to nor­mal de to­das as in­fra-es­tru­tu­ras, se en­con­tra­rem há mais de 30 me­ses sem sa­lá­ri­os.

Dis­se que além dos tra­ba­lha­do­res da SOPIR não se­rem re­mu­ne­ra­dos há mais de dois anos e seis me­ses, é jus­ta­men­te nes­te pe­río­do de tem­po que se dei­xou de ver ao lon­go do ca­nal do Mis­som­bo pe­que­nas cul­tu­ras de pro­du­ção de to­ma­te, ce­bo­la, mi­lho, re­po­lho en­tre ou­tros pro­du­tos hor­tí­co­las.

Sa­li­en­tou que as in­fra­es­tru­tu­ras do pe­rí­me­tro ir­ri­ga­do do Mis­som­bo es­tão a ser van­da­li­za­das pe­los ami­gos do alheio e ou­tros mei­os téc­ni­cos es­tão a da­ni­fi­car­se por fal­ta de ma­nu­ten­ção, dei­tan­do-se por ter­ra os cer­ca de 12 mi­lhões de dó­la­res in­ves­ti­dos pe­lo Es­ta­do.

De acor­do com o res­pon­sá­vel, pa­ra re­ac­ti­var o pe­rí­me­tro ir­ri­ga­do do Mis­som­bo, de 1.040 hec­ta­res, se­rá ne­ces­sá­rio um in­ves­ti­men­to sé­rio por par­te dos em­pre­sá­ri­os, que, des­de a sua im­ple­men­ta­ção, em 2007, nun­ca be­ne­fi­ci­ou de qual­quer ti­po de fi­nan­ci­a­men­to pri­va­do.

Es­ta­va pre­vis­ta a cons­tru­ção de du­as na­ves pa­ra a re­pro­du­ção de aves, dois tan­ques ba­nhei­ros, man­gas de va­ci­na­ção e aqui­si­ção de cen­te­nas de ca­be­ças de ga­do bo­vi­no, ca­pri­no e ovi­no

MARIA AUGUSTA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Re­a­bi­li­ta­ção do tro­ço per­mi­te a li­ga­ção com Ca­lu­e­que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.