Es­cla­re­ci­da mor­te de Lu­cas Chivukuvuku

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - João Di­as

O Pro­cu­ra­dor-Ge­ral Ad­jun­to da Re­pú­bli­ca, Mo­ta Liz, es­cla­re­ceu on­tem a cau­sa da mor­te de um fun­ci­o­ná­rio da­que­le ór­gão da ma­gis­tra­tu­ra.

O pro­cu­ra­dor-ge­ral ad­jun­to da Re­pú­bli­ca Mo­ta Liz es­cla­re­ceu on­tem, em Lu­an­da,que­o­fun­ci­o­ná­ri­o­da­que­le ór­gão, Lu­cas Chivukuvuku, morreu em con­sequên­cia de um aci­den­te de vi­a­ção, ocor­ri­do por vol­ta das 20h00, do dia 5, quan­do o tá­xi co­lec­ti­vo em que se­guia, des­pis­tou-se e ca­po­tou na ponte de­fron­te à Uni­da­de Ope­ra­ti­va de Lu­an­da.

Nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa, re­a­li­za­da pe­la PGR pa­ra es­cla­re­cer as cir­cuns­tân­ci­as da mor­te do fun­ci­o­ná­rio, Mo­ta Liz su­bli­nhou que “to­da a in­ves­ti­ga­ção efec­tu­a­da dei­xa cla­ro que a mor­te de­cor­reu, pu­ra e sim­ples­men­te, de um aci­den­te de vi­a­ção, o que ex­clui as dú­vi­das que ain­da se co­lo­ca­vam so­bre a cau­sa da mor­te”.

Pa­ra o ma­gis­tra­do, a com­bi­na­ção de to­da a in­for­ma­ção dis­po­ni­bi­li­za­da, que pas­sa pe­lo aci­den­te re­por­ta­do pe­la Po­lí­cia Na­ci­o­nal, au­di­ção de pes­so­as en­vol­vi­das no aci­den­te, re­co­nhe­ci­men­to de ima­gens cap­ta­das no lo­cal e as rou­pas do fun­ci­o­ná­rio, foi con­clu­si­vo que se tra­ta­va da mes­ma pes­soa que morreu no aci­den­te, na ponte de­fron­te à Uni­da­de Ope­ra­ti­va.

Mo­ta Liz afas­tou a hi­pó­te­se de ho­mi­cí­dio vo­lun­tá­rio re­la­ci­o­na­do com as fun­ções que exer­cia. “No nos­so co­mu­ni­ca­do, já des­car­tá­mos es­ta hi­pó­te­se e vol­ta­mos a afir­mar que o nos­so fun­ci­o­ná­rio não ti­nha fun­ções re­le­van­tes de co­man­do ou de in­ves­ti­ga­ção de pro­ces­sos com­ple­xos. Era um fun­ci­o­ná­rio com fun­ções au­xi­li­a­res de se­cre­ta­ria e pres­ta­va bem o seu ser­vi­ço”, dis­se.

O ma­gis­tra­do su­bli­nhou que o fun­ci­o­ná­rio não ti­nha com­pe­tên­ci­as pa­ra blo­que­ar con­tas, re­al­çan­do que a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) tem du­as di­rec­ções que cui­dam des­tas matérias, a Di­rec­ção Na­ci­o­nal de Pre­ven­ção e Com­ba­te à Cor­rup­ção e a Di­rec­ção Na­ci­o­nal de In­ves­ti­ga­ção e Acção Pe­nal.

“Ape­nas na Di­rec­ção de In­ves­ti­ga­ção e Acção Pe­nal, os pro­cu­ra­do­res as­su­mem di­rec­ta­men­te a in­ves­ti­ga­ção, au­xi­li­a­dos por ofi­ci­ais re­qui­si­ta­dos da Po­lí­cia Na­ci­o­nal”, dis­se Mo­ta Liz, afir­man­do que não faz sen­ti­do um fun­ci­o­ná­rio dos ser­vi­ços ad­mi­nis­tra­ti­vos e da se­cre­ta­ria as­su­mir res­pon­sa­bi­li­da­des em pro­ces­sos de in­ves­ti­ga­ção com­ple­xa. Mo­ta Liz des­car­ta, igual­men­te, qual­quer per­se­gui­ção a fun­ci­o­ná­ri­os da PGR, pe­lo cri­me or­ga­ni­za­do.

Re­sul­ta­dos da au­tóp­sia

Mo­ta Liz lem­brou que a au­tóp­sia re­co­men­dou in­ves­ti­ga­ção com­ple­men­tar pa­ra de­ter­mi­nar as cau­sas da mor­te, em­bo­ra adi­an­tas­se trau­ma­tis­mo cra­ni­a­no. “A au­tóp­sia é um meio de pro­va, mas não de pro­va ab­so­lu­ta”, dis­se, su­bli­nhan­do tra­tar-se de um ele­men­to que dá re­fe­rên­ci­as com­ple­men­ta­das com ou­tros mei­os de pro­va, co­mo a tes­te­mu­nhal”, su­bli­nhou o ma­gis­tra­do.

Uma lei­tu­ra à au­tóp­sia in­di­ca que a mor­te foi “vi­o­len­ta, de­vi­do ao trau­ma­tis­mo crâ­nio-fa­ci­al se­ve­ro, com frac­tu­ras da ba­se do crâ­nio e con­tu­são en­ce­fá­li­ca se­ve­ra, sen­do cau­sa di­rec­ta da mor­te a le­são dos cen­tros ner­vo­sos vi­tais”.

MO­TA AMBRÓSIO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Pro­cu­ra­dor-ge­ral ad­jun­to Mo­ta Liz cha­mou a im­pren­sa pa­ra es­cla­re­cer os fac­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.