Pro­pos­ta de lei so­bre os sím­bo­los na­ci­o­nais vai à apro­va­ção na es­pe­ci­a­li­da­de

As­sem­bleia Na­ci­o­nal pre­pa­rou on­tem, pa­ra dis­cus­são e vo­ta­ção na ge­ne­ra­li­da­de, o re­la­tó­rio-pa­re­cer so­bre o di­plo­ma

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Ade­li­na Iná­cio

Os de­pu­ta­dos pre­pa­ra­ram on­tem, pa­ra dis­cus­são e vo­ta­ção na ge­ne­ra­li­da­de, o re­la­tó­rio pa­re­cer so­bre a pro­pos­ta de lei que es­ta­be­le­ce as especificações téc­ni­cas e as dis­po­si­ções so­bre a di­fe­ren­ça do uso da Bandeira Na­ci­o­nal, In­síg­nia e Hi­no Na­ci­o­nal.

O di­plo­ma pro­pos­to pe­lo Exe­cu­ti­vo foi apre­sen­ta­do pe­lo de­pu­ta­do João Guer­ra, que su­bli­nhou que o mes­mo vi­sa con­so­li­dar os dis­po­si­ti­vos cons­ti­tu­ci­o­nais so­bre os sím­bo­los na­ci­o­nais, bem co­mo pro­mo­ver o co­nhe­ci­men­to e o res­pei­to so­bre a uti­li­za­ção uni­for­me dos sím­bo­los na­ci­o­nais.

Ain­da on­tem, os de­pu­ta­dos apro­va­ram, na es­pe­ci­a­li­da­de, a pro­pos­ta de lei dos pos­tos e dis­tin­ti­vos das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, com 32 vo­tos a fa­vor, ne­nhum con­tra e ne­nhu­ma abs­ten­ção. O documento es­tá ago­ra em con­di­ções de ir à vo­ta­ção fi­nal global, no pró­xi­mo dia 21.

O mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, Sal­vi­a­no de Je­sus Se­quei­ra, dis­se que, na prá­ti­ca, es­te di­plo­ma não vai tra­zer na­da de no­vo. “Nas For­ças Ar­ma­das, há di­ver­sos pos­tos e pa­ten­tes, mas não ha­via uma lei que le­ga­li­zas­se os pos­tos exis­ten­tes”, sa­li­en­tou.

Sal­vi­a­no Se­quei­ra ex­pli­cou, tam­bém, que to­dos os ofi­ci­ais que fo­ram che­fes do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas po­de­rão usar a pa­ten­te nos di­as de fes­tas na­ci­o­nais, no dia das FAA, dos seus três ra­mos (Exér­ci­to, Ma­ri­nha e For­ça Aé­rea) ou em de­ter­mi­na­das ce­ri­mó­ni­as que se­jam con­vi­da­dos ou te­nham de re­ce­ber es­tí­mu­lo.

Quan­to à Lei Ge­ral dos Ser­vi­ços Mi­li­ta­res, re­ti­ra­da da agen­da de tra­ba­lho dos de­pu­ta­dos, o mi­nis­tro es­cla­re­ceu que a mes­ma já exis­te e es­tá no Par­la­men­to ape­nas pa­ra al­gu­mas al­te­ra­ções pon­tu­ais. “Não há tan­ta ur­gên­cia na sua apro­va­ção”, dis­se.

A pe­di­do do Exe­cu­ti­vo, a As­sem­bleia Na­ci­o­nal adi­ou a dis­cus­são da pro­pos­ta de al­te­ra­ção à Lei dos Fe­ri­a­dos Na­ci­o­nais, Lo­cais e Da­tas de Ce­le­bra­ção Na­ci­o­nal.

Acor­do de Mar­ra­ke­ch

On­tem, os de­pu­ta­dos pre­pa­ra­ram, pa­ra dis­cus­são e vo­ta­ção no pró­xi­mo dia 20, a pro­pos­ta de re­so­lu­ção que apro­va a ra­ti­fi­ca­ção, por An­go­la, do Pro­to­co­lo de Emen­da do Acor­do de Mar­ra­ke­ch.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Co­mér­cio, Ama­deu Nu­nes, afir­mou que An­go­la vai tran­si­tar de país me­nos avan­ça­do pa­ra país de ren­di­men­to mé­dio e es­tas me­di­das de fa­ci­li­ta­ção de co­mér­cio são im­por­tan­tes pa­ra o pro­ces­so do Exe­cu­ti­vo em cur­so de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia.

Ama­deu Nu­nes con­si­de­rou im­por­tan­te a in­tro­du­ção do acor­do da fa­ci­li­ta­ção do co­mér­cio no país, ten­do sa­li­en­ta­do que al­gu­mas me­di­das que cons­tam no re­fe­ri­do acor­do já es­tão a ser im­ple­men­ta­das pe­lo país.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Co­mér­cio lem­brou que a Pau­ta Adu­a­nei­ra já pre­vê uma das me­di­das cons­tan­tes no Acor­do de Fa­ci­li­ta­ção do Co­mér­cio. Lem­brou que os acor­dos apro­va­dos pe­la Or­ga­ni­za­ção Mundial do Co­mér­cio (OMC) têm, tam­bém, efei­tos pa­ra An­go­la, na sua qua­li­da­de de mem­bro da or­ga­ni­za­ção. Ama­deu Nu­nes ga­ran­tiu que o pro­ces­so de ra­ti­fi­ca­ção vai tam­bém per­mi­tir o fun­ci­o­na­men­to da Co­mis­são Na­ci­o­nal da Fa­ci­li­ta­ção do Co­mér­cio. Es­te ór­gão, acres­cen­tou, vai en­glo­bar vá­ri­os de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais e as­so­ci­a­ções em­pre­sa­ri­ais. “Por is­so, é fun­da­men­tal que se apro­ve es­te acor­do”, sus­ten­tou. A de­pu­ta­da Ida­li­na Va­len­te ex­pli­cou que o Acor­do de Fa­ci­li­ta­ção do Co­mér­cio con­tém me­di­das di­fe­ren­ci­a­das que vin­cu­lam a exi­gên­cia da sua im­ple­men­ta­ção pe­los paí­ses em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to e me­nos de­sen­vol­vi­dos.

De acor­do com a par­la­men­tar, o pro­to­co­lo de emen­das do Acor­do de Mar­ra­ke­ch tem co­mo ob­jec­ti­vo in­tro­du­zir o no­vo Acor­do de Fa­ci­li­ta­ção do Co­mér­cio no elen­co dos acor­dos que de­les são par­te in­te­gran­te e que en­trou em vi­gor no ano pas­sa­do.

A de­pu­ta­da es­cla­re­ceu que o pro­to­co­lo de emen­da do Acor­do de Mar­ra­ke­ch não re­vo­ga ne­nhu­ma le­gis­la­ção, mas a sua ra­ti­fi­ca­ção po­de­rá exi­gir que, pos­te­ri­or­men­te, se­jam de­sen­ca­de­a­das ini­ci­a­ti­vas le­gis­la­ti­vas no sen­ti­do de al­te­ra­ção ou re­vo­ga­ção da ac­tu­al Lei das Ac­ti­vi­da­des Co­mer­ci­ais e seus re­gu­la­men­tos. Is­so, acres­cen­tou, tam­bém po­de pro­mo­ver a al­te­ra­ção dos ac­tu­ais re­gi­mes ju­rí­di­co, adu­a­nei­ro e cam­bi­al, de mo­do a con­for­má-lo à sim­pli­fi­ca­ção de pro­ce­di­men­tos re­la­ti­vos ao co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal.

Ida­li­na Va­len­te es­cla­re­ceu que o acor­do vai, tam­bém, con­tri­buir pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, prin­ci­pal­men­te, por meio do en­tro­sa­men­to des­te acor­do com ou­tros da OMC.

O Acor­do de Mar­ra­ke­ch é co­mer­ci­al e mul­ti­la­te­ral as­si­na­do na­que­la ci­da­de do Rei­no de Mar­ro­cos em 15 de Abril 1994, ins­ti­tu­ci­o­na­li­zan­do a OMC. O acor­do en­trou em vi­gor em 1995 e um ano de­pois An­go­la ade­riu à OMC. Des­de en­tão par­ti­ci­pa nas ne­go­ci­a­ções mul­ti­la­te­rais. O Acor­do de Fa­ci­li­ta­ção do Co­mér­cio vi­sa agi­li­zar a cooperação e o de­sem­ba­ra­ço de mer­ca­do­ri­as.

Nas For­ças Ar­ma­das há di­ver­sos pos­tos e pa­ten­tes, mas não ha­via uma lei que le­ga­li­zas­se os pos­tos exis­ten­tes

PAU­LO MULAZA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Co­mis­sões de es­pe­ci­a­li­da­de da As­sem­bleia Na­ci­o­nal pre­pa­ram re­la­tó­ri­os de vá­ri­os di­plo­mas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.