Avião da TAAG po­de ser­vir com­pa­nhia do Ban­gla­desh

A ope­ra­ção, tec­ni­ca­men­te de­sig­na­da “wet le­a­se”, es­tá a ser pre­pa­ra­da por uma equi­pa da com­pa­nhia de bandeira, pa­ra de­cor­rer ao lon­go de 45 di­as, en­tre Ju­lho e Se­tem­bro, e es­tá li­ga­da à de­ci­são de ren­ta­bi­li­zar a fro­ta

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Cris­tó­vão Ne­to

A com­pa­nhia aé­rea de bandeira, TAAG, vai alu­gar à sua con­gé­ne­re Ban­gla­desh Air­li­nes, por um pe­río­do de 45 di­as, um Bo­eing 777-300-ER, com tri­pu­la­ção. A in­for­ma­ção foi con­fir­ma­da on­tem ao

Jor­nal de An­go­la pe­lo pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da TAAG, Jo­sé Ku­vin­gua. O prin­ci­pal ges­tor da TAAG ad­mi­tiu que a ope­ra­ção “wet le­a­se” tem enor­mes pos­si­bi­li­da­des de vir a ser con­cre­ti­za­da e de­ve de­cor­rer de Ju­lho a Se­tem­bro.

A trans­por­ta­do­ra aé­rea an­go­la­na TAAG es­tá a pre­pa­rar uma ope­ra­ção “wet le­a­se”, com a qual fre­ta, de Ju­lho a Se­tem­bro - por um pe­río­do de 45 di­as -, um Bo­eing 777-300-ER, com tri­pu­la­ção, à sua con­gé­ne­re Ban­gla­desh Air­li­nes.

A in­for­ma­ção foi con­fir­ma­da on­tem ao Jor­nal de An­go­la pe­lo pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da TAAG, Jo­sé Ku­vin­gua, que adi­an­tou que, ape­sar da ope­ra­ção ter enor­mes pos­si­bi­li­da­des de vir a ser con­cre­ti­za­da de­cor­re, ain­da, en­quan­to um pro­jec­to.

“Exis­tem idei­as na em­pre­sa que es­tão ao ní­vel de es­tu­dos por par­te de equi­pas e que, após a con­clu­são, se­rão re­me­ti­das à con­si­de­ra­ção su­pe­ri­or pa­ra ob­te­rem as au­to­ri­za­ções”, de­cla­rou Jo­sé Ku­vin­gua pa­ra ilus­trar o es­tá­gio da evo­lu­ção da ope­ra­ção.

A sub­mis­são dos es­tu­dos “à con­si­de­ra­ção su­pe­ri­or”, na óp­ti­ca da TAAG, é uma re­fe­rên­cia exclusiva ao mi­nis­tro dos Trans­por­tes, Ri­car­do de Abreu, no­me­a­do pa­ra o car­go há me­nos de um mês, a 19 de Ju­nho, es­tan­do em­pe­nha­do em des­lo­ca­ções às em­pre­sas pú­bli­cas do sec­tor que ain­da não che­ga­ram à trans­por­ta­do­ra aé­rea de bandeira.

O pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da TAAG con­si­de­rou que ca­be­rá ao mi­nis­tro en­ce­tar ou­tros trâ­mi­tes na ca­deia hi­e­rár­qui­ca do Es­ta­do pa­ra a ob­ten­ção das au­to­ri­za­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra a con­cre­ti­za­ção da ope­ra­ção.

Os es­tu­dos, pros­se­guiu Jo­sé Ku­vin­gua, in­ci­dem, en­tre ou­tras matérias, so­bre os cál­cu­los aos quais as equi­pas cons­ti­tuí­das se es­tão a de­bru­çar, o que a fon­te ale­gou pa­ra não in­di­car que va­lo­res es­tão en­vol­vi­dos na tran­sac­ção.

O res­pon­sá­vel con­si­de­rou que ope­ra­ções do gé­ne­ro são uma prá­ti­ca co­mum na in­dús­tria da aviação ci­vil: “as em­pre­sas, às ve­zes, re­cor­rem a es­tas de­ci­sões pa­ra col­ma­tar ‘gaps’ (la­cu­nas) de fro­ta”, apon­tou, no­tan­do que ocor­rem nes­ta épo­ca sa­zo­nal do ano, no Ve­rão do he­mis­fé­rio Nor­te, quan­do o mer­ca­do es­tá em al­ta.

A de­ci­são de es­ta­be­le­cer es­sa ope­ra­ção po­de ser ex­pli­ca­da des­sa for­ma, na pers­pec­ti­va da Ban­gla­desh Air­li­nes, mas, in­di­cou Jo­sé Ku­vin­gua, o in­te­res­se da TAAG re­si­de na ren­ta­bi­li­za­ção da fro­ta, de­ci­di­da no pla­no es­tra­té­gi­co da com­pa­nhia há cin­co anos, apre­sen­ta­do ao mer­ca­do no co­me­ço de Ju­nho.

O pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção de­cla­rou, ao apre­sen­tar o pla­no, que a trans­por­ta­do­ra, to­tal­men­te pú­bli­ca, ne­ces­si­ta de uma ca­pi­ta­li­za­ção es­ta­tal de 952 mi­lhões de dó­la­res (241.579 mi­lhões de kwan­zas ao câm­bio de on­tem) pa­ra fa­zer fa­ce às per­das acu­mu­la­das nos úl­ti­mos anos.

A pre­o­cu­pa­ção da ad­mi­nis­tra­ção da TAAG agra­va-se, dis­se a fon­te na­que­la al­tu­ra, com a ne­ces­si­da­de de pa­ga­men­to de em­prés­ti­mos con­traí­dos pa­ra a aqui­si­ção, des­de 2015, de três no­vas ae­ro­na­ves, bem co­mo re­vi­sões pla­ne­a­das de mo­to­res e de ma­nu­ten­ção.

A fro­ta da TAAG é com­pos­ta por 13 aviões Bo­eing, três dos quais 777-300 ER, com mais de 290 lu­ga­res e re­ce­bi­dos en­tre 2014 e 2016. Con­ta ain­da com cin­co 777-200, de 235 lu­ga­res, e ou­tros cin­co 737700, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 120 pas­sa­gei­ros, es­tes uti­li­za­dos pa­ra as li­ga­ções do­més­ti­cas e re­gi­o­nais, com a ope­ra­ção não ren­ta­bi­li­za­da.

Da­dos de No­vem­bro de 2016 apon­ta­vam a com­pa­nhia ben­ga­li co­mo de­ten­to­ra de uma fro­ta de 12 ae­ro­na­ves qua­tro Bo­eing 737-800 e igual nú­me­ro de 777-300ER, dois 777-200ER e dois Bom­bar­di­er Dash 8 Q400.

Ope­ra­ções “wet le­a­se” são mui­to co­muns na in­dús­tria da aviação ci­vil e cons­ti­tu­em um re­cur­so das com­pa­nhi­as aé­re­as pa­ra col­ma­tar la­cu­nas de fro­ta nas épo­cas em que o mer­ca­do es­tá em al­ta

KINDALA MA­NU­EL| EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

TAAG fre­ta um dos seus três Bo­eing 777-300ER co­mo es­te, a uma com­pa­nhia aé­rea do Ban­gla­desh

PAU­LO MULAZA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Pre­si­den­te do Con­sel­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, Jo­sé Ku­vin­gua

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.