CAR­TAS DOS LEI­TO­RES

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AMÉ­LIA FI­GUEI­RE­DO AFON­SO FRAN­CIS­CO Ki­lam­ba

O de­sen­vol­vi­men­to de Áfri­ca

Li de­cla­ra­ções do ex-pre­si­den­te da Co­mis­são Eu­ro­peia, Du­rão Bar­ro­so, segundo as quais a Áfri­ca vai ser o mai­or mer­ca­do do mun­do e o con­ti­nen­te com mai­or di­na­mis­mo de­mo­grá­fi­co. Du­rão Bar­ro­so, an­ti­go Pri­mei­ro-mi­nis­tro de Por­tu­gal, com pro­fun­do co­nhe­ci­men­to dos pro­ble­mas de Áfri­ca sa­be do que es­tá a di­zer.

Du­rão Bar­ro­so cha­mou en­tre­tan­to aten­ção pa­ra o fac­to de ha­ver ain­da no nos­so con­ti­nen­te pro­ble­mas de “fal­ta de or­ga­ni­za­ção e de ca­pa­ci­da­de de gestão”, mas es­tá con­vic­to de que a Áfri­ca po­de ter um cres­ci­men­to ex­tra­or­di­ná­rio nos pró­xi­mos anos.

Eu sou op­ti­mis­ta quan­to ao fu­tu­ro de Áfri­ca, mas jul­go que é pre­ci­so fa­zer mui­ta coi­sa pa­ra que os paí­ses afri­ca­nos pos­sam co­lo­car-se na ro­ta do de­sen­vol­vi­men­to. Uma das prin­ci­pais ta­re­fas dos go­ver­nos afri­ca­nos tem de ser o com­ba­te sem tré­guas à cor­rup­ção. A cor­rup­ção cons­ti­tui um dos gran­des pro­ble­mas do nos­so con­ti­nen­te. Ou­tra gran­de ta­re­fa em que os go­ver­nan­tes dos paí­ses afri­ca­nos de­vem con­cen­trar es­for­ços é a pro­mo­ção da for­ma­ção de qua­dros de al­to ní­vel. Te­mos de ser exi­gen­tes pa­ra que con­si­ga­mos ter ele­va­da qua­li­da­de nas nos­sas es­co­las. O ca­pi­tal hu­ma­no é es­sen­ci­al pa­ra su­pe­rar­mos o sub­de­sen­vol­vi­men­to. Te­mos de ter em Áfri­ca bo­as es­co­las pri­má­ri­as, bons es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no mé­dio e bo­as uni­ver­si­da­des. Sem co­nhe­ci­men­to não che­ga­re­mos ao de­sen­vol­vi­men­to.

Os go­ver­nos de Áfri­ca de­vem ela­bo­rar or­ça­men­tos em que as ver­bas pa­ra a edu­ca­ção se­jam su­fi­ci­en­tes pa­ra aten­der aos prin­ci­pais pro­ble­mas do sec­tor. Pen­so que va­le a pe­na gas­tar­mos di­nhei­ro com in­ves­ti­men­tos na edu­ca­ção e en­si­no. Se a Áfri­ca ti­ver mui­tos e bons qua­dros em vá­ri­as áre­as do sa­ber, dei­xa­rá de gas­tar mui­to di­nhei­ro com con­sul­to­ri­as que são pres­ta­das por téc­ni­cos de ou­tros con­ti­nen­tes. É sim pos­sí­vel re­du­zir o nú­me­ro de con­sul­to­res que to­dos os anos vêm à Áfri­ca. É la­men­tá­vel que os afri­ca­nos te­nham ain­da de ir à Eu­ro­pa ou às Amé­ri­cas pro­cu­rar tra­ta­men­to mé­di­co, quan­do os seus paí­ses es­tão, em mui­tos ca­sos, in­de­pen­den­tes há mais de cin­quen­ta anos. O que an­da­mos afi­nal a fa­zer ao lon­go des­tes anos to­dos, em ter­mos de edu­ca­ção, quan­do até há go­ver­nan­tes afri­ca­nos que fi­ca­ram mi­li­o­ná­ri­os com o di­nhei­ro pú­bli­co dos seus paí­ses? Ca­ma­ma

Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba

Fi­quei a sa­ber que na cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba vi­vem mais de cem mil pes­so­as. Na ver­da­de, a ci­da­de do Ki­lam­ba re­sol­veu o pro­ble­ma de ha­bi­ta­ção de mui­tas fa­mí­li­as an­go­la­nas, mas nem tu­do é um mar de ro­sas na cen­tra­li­da­de.

A as­sis­tên­cia mé­di­ca, por exem­plo, pre­ci­sa de ser me­lho­ra­da , pa­ra se evi­tar que uma úni­ca uni­da­de hos­pi­ta­lar , com pre­cá­ri­as con­di­ções de tra­ba­lho e com fal­ta de re­cur­sos hu­ma­nos, te­nha de aten­der por dia tre­zen­tas pes­so­as.

Que as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes te­nham to­ma­do boa no­ta das pre­o­cu­pa­ções dos ci­da­dãos que mo­ram no Ki­lam­ba, pa­ra se to­ma­rem me­di­das ur­gen­tes, pa­ra que eles pos­sam ter aces­so à di­fe­ren­tes ser­vi­ços, de for­ma cé­le­re.

É ne­ces­sá­rio tam­bém ape­lar aos mo­ra­do­res do Ki­lam­ba pa­ra que te­nham com­por­ta­men­tos que se pau­tem pe­lo res­pei­to de nor­mas ne­ces­sá­ri­as à boa con­vi­vên­cia en­tre pes­so­as que ha­bi­tam na cen­tra­li­da­de. Não fa­ça­mos aos ou­tros aqui­lo que não que­re­mos que fa­çam a nós. A po­lui­ção so­no­ra é um dos pro­ble­mas re­cor­ren­tes do Ki­lam­ba. Há pes­so­as que per­tur­bam os seus vi­zi­nhos com mú­si­ca al­ta, o que tem si­do fon­te de con­fli­tos. Quem vi­ve em so­ci­e­da­de de­ve res­pei­tar os di­rei­tos dos ou­tros. To­dos nós te­mos de­ve­res e di­rei­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.