Os alu­nos da pri­má­ria

Jornal de Angola - - OPINIÃO - Ma­nu­el Rui

Cos­tu­mo re­pa­rar nos gru­pos de alu­nos que vão de ba­ta bran­ca pa­ra a es­co­la e ou­tros, de pais mais ri­cos, de far­das apren­di­das na Áfri­ca do Sul. Aqui na nos­sa ter­ra os alu­nos en­ten­dem a es­co­la co­mo um tem­plo da sa­be­do­ria

A glo­ba­li­za­ção é co­mo uma vír­gu­la em qual­quer nar­ra­ti­va ela apa­re­ce co­mo se a nar­ra­ti­va fos­se a pró­pria glo­ba­li­za­ção, co­mo se o tem­po, os ne­gó­ci­os, as guer­ras co­mer­ci­ais das ta­xas en­tre ame­ri­ca­nos e chi­ne­ses, as bo­lhas imo­bi­liá­ri­as, a ga­ra­gem da Ma­do­na ou as ca­mi­so­las do CR7 que os ma­dri­le­nos já não que­rem pa­ra des­gos­to dos po­bres ven­de­do­res de rua, tu­do é glo­ba­li­za­ção e a obri­ga­to­ri­e­da­de de a se­guir­mos co­mo uma pas­ti­lha elás­ti­ca, a for­ça das no­tí­ci­as fal­sas nas re­des so­ci­ais e as mensagens de agi­ta­ção e pro­pa­gan­da dis­si­mu­la­das de co­mu­ni­ca­ção que nos ofe­re­ce a te­la das te­le­vi­sões. Aí é que ve­mos os pon­tos mar­can­tes de alu­nos en­tra­rem na tur­ma da sua es­co­la e des­car­re­ga­rem ar­mas de fo­go co­mo se os seus pro­fes­so­res e co­le­gas fos­sem os ín­di­os dos fil­mes de cow­boys, há ter­ror, mor­tos e fe­ri­dos, vem a po­lí­cia, as am­bu­lân­ci­as e tu­do se re­pe­te de ma­nei­ra sis­té­mi­ca da glo­ba­li­za­ção. Mas é pre­ci­so tra­var es­ta no­va for­ma de im­pe­ri­a­lis­mo. Aca­ba­ram as ide­o­lo­gi­as, hou­ve a tal de­si­de­o­lo­gi­za­ção dos sis­te­mas? Hou­ve al­gu­ma te­o­ria e prá­ti­ca de con­ver­gên­cia? De­pois do ven­tre da nos­sa mãe, a nos­sa ca­sa, vem a es­co­la pri­má­ria. Ho­je, em al­guns paí­ses acon­te­cem ce­nas de pro­fes­so­ra a lu­tar com uma alu­na pa­ra lhe ti­rar o te­le­mó­vel, alu­nos fe­cha­rem a es­co­la a ca­de­a­do pa­ra não te­rem au­las, sin­di­ca­tos de pro­fes­so­res a con­tes­tar vi­ti­man­do os alu­nos que fi­cam com notas por dar. Te­mos por há­bi­to ha­bi­tu­a­do e com ra­zão de di­zer­mos mal de tu­do que é nos­so ou de guar­dar­mos ar­roz no fun­do que não é a nos­sa pa­ne­la mas al­go de ima­gi­ná­rio. Mas fa­lo da nos­sa es­co­la. Cos­tu­mo re­pa­rar nos gru­pos de alu­nos que vão de ba­ta bran­ca pa­ra a es­co­la e ou­tros, de pais mais ri­cos, de far­das apren­di­das na Áfri­ca do Sul. Aqui na nos­sa ter­ra os alu­nos en­ten­dem a es­co­la co­mo um tem­plo da sa­be­do­ria. É a me­mó­ria an­ces­tral do tem­po em que es­co­la era qua­se só pa­ra o “ou­tro.” Ago­ra há o sen­ti­men­to de pos­se do lu­gar on­de se cons­trói a sa­be­do­ria da na­ção. On­de é pre­ci­so cui­dar das car­tei­ras, dos nos­sos li­vros e ca­der­nos. Não me lem­bro de um es­tu­dan­te as­sas­si­no nem de alu­nos a des­truí­rem a es­co­la. Pa­ra trás, mui­ta coi­sa foi mal fei­ta mas hou­ve idei­as tan­tas ve­zes pro­pa­la­das por quem as não cum­priu mas que as cri­an­ças apren­de­ram. En­si­nou-se que de­via ha­ver li­ber­da­de, que de­via ha­ver es­tu­do na es­co­la, pa­ra ser­mos um só po­vo e uma só na­ção. E, fe­liz­men­te, es­se ras­ti­lho nun­ca se apa­gou. Mes­mo com as man­chas da ga­so­sa que tam­bém fi­ze­ram nó­do­as da éti­ca de al­guns pro­fes­so­res po­de­mos or­gu­lhar-nos da nos­sa es­co­la pri­má­ria ou, pa­ra ser­mos mais pre­ci­sos, de­ve­mos or­gu­lhar-nos dos nos­sos pe­que­nos es­tu­dan­tes co­mo um dos jar­dins com que so­nhá­va­mos an­tes da in­de­pen­dên­cia e, es­te, sal­vou-se gra­ças às cri­an­ças que le­ram e, na sua ino­cên­cia, cum­pri­ram, en­quan­to mui­tos mais ve­lhos foi o que se viu. Rio-me sem­pre de um ami­go que sem­pre me te­le­fo­na­va pa­ra lhe re­sol­ver à bor­la pe­que­nos pro­ble­mas ju­rí­di­cos. Su­biu um de­grau e lo­go, pa­ra fa­lar co­mi­go, pas­sou a mandar re­ca­dos es­cri­tos no te­le­fo­ne pe­la se­cre­tá­ria com aque­le “en­car­re­ga-me…” Os da ci­vi­li­za­ção pas­sam a vi­da a fa­lar no ter­cei­ro mun­do. Es­que­cem o san­gue e o su­or dos es­cra­vos que lhes ca­va­ram ou­ro e plan­ta­ções e er­gue­ram pa­lá­ci­os que to­dos se de­vi­am cha­mar pa­lá­ci­os da es­cra­va­tu­ra. É o ocidente vi­o­la­dor da­qui­lo que ele pró­prio con­sa­grou em ins­tru­men­tos ju­rí­di­cos so­bre os di­rei­tos hu­ma­nos e ou­tros que le­gi­ti­mam a li­ber­da­de de re­li­gião ou o res­pei­to pe­lo mun­do co­mo uma co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal e, ao con­trá­rio re­to­ma os po­pu­lis­mos ra­cis­tas e de­su­ma­nos que tra­va os mi­gran­tes pa­ra, co­mo no tem­po da es­cra­va­tu­ra pa­ra o ou­tro la­do do mar, fa­zer do me­di­ter­râ­neo um de­pó­si­to de es­que­le­tos de pes­so­as que não po­dem en­trar no mun­do. A Eu­ro­pa es­que­ce o que é solidariedade. Es­que­ce que fo­ram os ame­ri­ca­nos que os vi­e­ram aju­dar con­tra Hi­tler e, de­pois, com o pla­no Marshall (Pro­gra­ma de Re­cu­pe­ra­ção Eu­ro­peia) con­se­gui­ram que a eu­ro­pa re­nas­ces­se das cin­zas. A con­vic­ção da sua for­ça pen­san­te co­mo Ve­lho Con­ti­nen­te e sua uni­da­de co­me­ça a es­bo­ro­ar-se pe­las con­tra­di­ções. Mes­mo as­sim não lhes de­se­jo que um dia te­nham de atra­ves­sar o me­di­ter­râ­neo fu­gin­do da guer­ra. Vol­tan­do aos nos­sos pe­que­nos es­tu­dan­tes eles não me­re­cem que num pas­sa­do pró­xi­mo al­guns mais ve­lhos ti­ves­sem usa­do o pe­tró­leo pa­ra ri­que­za in­di­vi­du­al pe­lo fac­to de ser vo­lá­til, eva­po­rar-se, e os di­a­man­tes em vez de mi­ne­rais do car­bo­no mi­le­nar­men­te acu­mu­la­do, não te­rem si­do ven­di­dos a pre­ço cor­rec­to a se­rem la­pi­da­dos pa­ra joi­as mas te­rem si­do de­la­pi­da­dos pe­la ga­nân­cia. Te­nho pa­ra mim que não tro­co uma es­co­la pri­má­ria por um pe­ni­co cheio de di­a­man­tes ou um gar­ra­fão sem fun­do cheio de pe­tró­leo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.