Zai­re

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Ja­que­li­no Fi­guei­re­do | Soyo Fer­nan­do Ne­to | Mban­za Kon­go João Pe­dro e Ar­cân­ge­la Ro­dri­gues|

TRI­BU­NAL CONDENA ME­LI­AN­TES A 11 ANOS DE PRI­SÃO

Um gru­po de no­ve me­li­an­tes, de­no­mi­na­do por “Ci­aMau”, cons­ti­tuí­do mai­o­ri­ta­ri­a­men­te por ci­da­dãos ile­gais da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC) e um na­ci­o­nal, re­si­den­tes no Soyo, foi con­de­na­do, on­tem, pe­lo Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al do Zai­re, a on­ze anos de pri­são mai­or, por prá­ti­cas de vá­ri­os cri­mes na re­gião. Tra­ta-se dos réus Ka­mi­lon­go Tam­bue “Di­eu”, 28 anos, Fran­cis­co Mi­guel, 26 anos, Man­zi­ta Ka­bu­a­bu “Di­eu Mer­ci”, 23 anos, Tsha­ta­ba La­ki­ta Wis­sa­me “Ju­li­en”, 33 anos, To­na Nzi­ta “Yan­nick Kim­ban­go”, 29 anos, Me­na Kum­bun­du Cas­son­gó “Tre­zor ou Zum­bi”, 23 anos, Cris­ti­an Ngo­la “Cris­ti­an ou Rolly”, 29 anos, e Ze­gué Mba­la “Tre­ze­gué” 33 anos, to­dos na­tu­rais da RDC, que fo­ram con­de­na­dos a 11 anos de pri­são mai­or. O ci­da­dão na­ci­o­nal, Adil­son Kum­ba “Bo­la de Ou­ro”, 26 anos, foi con­de­na­do a cin­co anos. To­dos os réus fo­ram in­di­ci­a­dos por prá­ti­ca de cri­mes de as­so­ci­a­ção de mal­fei­to­res, ofen­sas cor­po­rais vo­lun­tá­ria, rou­bo qua­li­fi­ca­do, re­si­dên­cia ile­gal no país e de do­cu­men­tos fal­sos.

MAR­CHA AS­SI­NA­LA ELE­VA­ÇÃO A PA­TRI­MÓ­NIO MUNDIAL

Cen­te­nas de pes­so­as participaram nu­ma mar­cha nas ru­as de Mban­za Kon­go, pa­ra as­si­na­lar o pri­mei­ro ani­ver­sá­rio da ele­va­ção da ca­pi­tal do Zai­re a Pa­tri­mó­nio Mundial. A mar­cha te­ve co­mo le­ma “A Cul­tu­ra for­ta­le­ce a Na­ção” e con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de mem­bros do go­ver­no, au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais, pro­fes­so­res, es­tu­dan­tes e ar­tis­tas, que pro­nun­ci­a­vam em co­ro: “To­dos so­mos Mban­za Kon­go e so­mos An­go­la” e “A Cul­tu­ra for­ta­le­ce a Na­ção. Mais cul­tu­ra mais An­go­la”. A mar­cha par­tiu do Ku­lum­bim­bi - ruí­nas da pri­mei­ra Igre­ja Ca­tó­li­ca a Sul do Equa­dor - pas­sou pe­lo Hos­pi­tal Pro­vin­ci­al, no bair­ro Mar­tins Qui­di­to, rua 8 de Ju­lho, Lar­go do Nson­go, mer­ca­do Nos­so Su­per e cul­mi­nou no Mu­seu dos Reis do Kon­go. An­tó­nio Ki­a­lun­gui­la, um dos mem­bros da co­mis­são or­ga­ni­za­do­ra, de­fen­deu mais di­vul­ga­ção da cul­tu­ra ma­te­ri­al e ima­te­ri­al do cen­tro his­tó­ri­co de Mban­za Kon­go, um le­ga­do que, na sua opi­nião, de­ve ser pre­ser­va­do com o au­xí­lio de to­dos os es­tra­tos da so­ci­e­da­de. A ci­da­de his­tó­ri­ca de Mban­za Kon­go foi ele­va­da à ca­te­go­ria de Pa­tri­mó­nio Mundial pe­la Unesco no dia 8 de Ju­lho de 2017, nu­ma ce­ri­mó­nia re­a­li­za­da na ci­da­de de Cra­có­via, Po­ló­nia. O Exe­cu­ti­vo cri­ou con­di­ções pa­ra a im­ple­men­ta­ção do pla­ne­a­men­to fa­mi­li­ar, pa­ra que as mu­lhe­res an­go­la­nas em ida­de re­pro­du­ti­va pos­sam re­ce­ber as­sis­tên­cia mé­di­ca de qua­li­da­de de for­ma a con­tri­buir pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país, dis­se on­tem, em Lu­an­da, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra a Saú­de Pú­bli­ca.

Jo­sé Cu­nha, que fa­la­va du­ran­te o ac­to que mar­cou a ce­le­bra­ção do Dia Mundial da Po­pu­la­ção, as­si­na­la­do on­tem, sob o le­ma “O pla­ne­a­men­to fa­mi­li­ar é um di­rei­to hu­ma­no”, dis­se que o pla­ne­a­men­to fa­mi­li­ar é uma fer­ra­men­ta fun­da­men­tal pa­ra que a po­pu­la­ção pos­sa ter aces­so à edu­ca­ção, saú­de e a ou­tros ser­vi­ços pú­bli­cos com qua­li­da­de e dig­ni­da­de.

“Pre­ci­sa­mos de cum­prir to­dos os tra­ta­dos so­bre os di­rei­tos hu­ma­nos, pa­ra que até 2050 pos­sa­mos atin­gir uma po­pu­la­ção es­ti­ma­da em 67 mi­lhões de ha­bi­tan­tes que de­vem vi­ver com dig­ni­da­de”, dis­se Jo­sé Cu­nha.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra a Saú­de Pú­bli­ca in­for­mou que em An­go­la a mai­or ta­xa de na­ta­li­da­de se ve­ri­fi­ca em zo­nas ru­rais, on­de a fal­ta de in­for­ma­ção e ra­zões cul­tu­rais co­lo­cam as ado­les­cen­tes en­tre as mais vul­ne­rá­veis.

“Te­mos que usar to­dos os mei­os dis­po­ní­veis des­de as fa­mí­li­as, mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, en­tre ou­tros, pa­ra que os jo­vens pos­sam co­nhe­cer as con­di­ções pa­ra o pla­ne­a­men­to fa­mi­li­ar, pa­ra ter­mos um país com fa­mí­li­as for­tes e es­tru­tu­ra­das”, fri­sou o go­ver­nan­te.

A re­pre­sen­tan­te do Fun­do das Na­ções Uni­das pa­ra a Po­pu­la­ção (FNUAP), Flor­be­la Fer­nan­des, afir­mou que o pla­ne­a­men­to fa­mi­li­ar não é ape­nas

Pa­ra a re­pre­sen­tan­te do Fnuap, a sua agên­cia es­tá com­pro­me­ti­da em con­ti­nu­ar a apoi­ar os es­for­ços dos paí­ses pa­ra de­fen­der o di­rei­to de os in­di­ví­du­os, es­pe­ci­al­men­te as mu­lhe­res, pla­ne­a­rem uma fa­mí­lia.

O Fnuap es­tá em­pe­nha­do em aca­bar com to­das as ne­ces­si­da­des não aten­di­das de pla­ne­a­men­to fa­mi­li­ar vo­lun­tá­rio em paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to até 2030, com aju­da dos go­ver­nos, sec­to­res pri­va­dos e da so­ci­e­da­de ci­vil.

No Dia Mundial da Po­pu­la­ção, a re­pre­sen­tan­te da­que­la agên­cia das Na­ções Uni­das em An­go­la ape­lou ao Go­ver­no que cum­pra com os com­pro­mis­sos as­su­mi­dos de as­se­gu­rar o aces­so uni­ver­sal aos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.