Re­pen­sar o tem­po

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Víc­tor Sil­va

Fo­mos vi­ven­do ao lon­go de anos com a ilu­são que as coi­sas se eter­ni­za­vam. A mai­o­ria da po­pu­la­ção a vi­ver com os sa­cri­fí­ci­os do quo­ti­di­a­no, qua­se que acei­ta­va co­mo des­ti­no pas­sar pri­va­ções. Uma de­ter­mi­na­da cas­ta pos­si­den­te jul­ga­va que a acu­mu­la­ção de ca­pi­tal fá­cil se­ria eter­na e sem qu­al­quer ti­po de fis­ca­li­za­ção ou sus­cep­tí­vel de po­der ser es­miu­ça­da por uma jus­ti­ça que na­da pa­re­cia ter de in­de­pen­den­te.

Nos tem­pos de per­ma­nen­tes di­fi­cul­da­des que vi­ve­mos co­me­çá­mos a as­sis­tir a no­vos procedimentos por par­te da jus­ti­ça, e ca­da vez mais a fi­gu­ra da Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pu­bli­ca as­su­me uma im­por­tân­cia mai­or e trans­for­ma­se num dos es­tei­os fun­da­men­tais na de­fe­sa da le­ga­li­da­de de­mo­crá­ti­ca que ur­ge im­por ao País.

“Não bas­ta que to­dos se­jam iguais pe­ran­te a lei. É pre­ci­so que a lei se­ja igual pe­ran­te to­dos.” di­zia Sal­va­dor Al­len­de, Pre­si­den­te elei­to do Chi­le de­pos­to e mor­to em 11 de Se­tem­bro de 1973. Es­ta é uma ideia que tem que pre­va­le­cer no edi­fí­cio ju­rí­di­co do País, sob pe­na de to­das as ou­tras es­tru­tu­ras se des­mo­ro­na­rem co­mo um cas­te­lo de cartas ao pri­mei­ro toque, co­mo aliás foi de­fen­di­do pe­lo ac­tu­al Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca no dis­cur­so da pró­pria in­ves­ti­du­ra, a 26 de Se­tem­bro de 2017, quan­do re­fe­riu que “a Jus­ti­ça de­sem­pe­nha um pa­pel cen­tral no res­ga­te do sen­ti­men­to de con­fi­an­ça nas ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, por­que os ci­da­dãos pre­ci­sam de acre­di­tar que nin­guém é rico ou po­de­ro­so de­mais pa­ra se fur­tar a ser pu­ni­do, nem nin­guém é po­bre de mais ao pon­to de não po­der ser pro­te­gi­do.”

Mui­tos ocu­pa­ram lu­ga­res de res­pon­sa­bi­li­da­de e li­da­ram com fun­dos que são pa­tri­mó­nio de to­dos. Al­guns acha­ram que o di­nhei­ro era seu e uti­li­za­vam-no a seu be­lo-pra­zer, es­que­cen­do mui­tas ve­zes que os lu­ga­res são fu­ga­zes e é pre­ci­so que o seu tem­po de per­ma­nên­cia se­ja pa­ra fa­zer obra pa­ra to­dos e não obras pa­ra si. Acha­ram que a lei era sua, nem se­quer ad­mi­ti­ram que es­ta­vam aci­ma de­la.

Nos no­vos tem­pos de An­go­la, a jus­ti­ça tem que ze­lar pa­ra que a apli­ca­ção da lei se­ja cé­le­re e so­bre­tu­do que con­si­ga dar uma ima­gem de se­ri­e­da­de, pa­ra que a im­pu­ni­da­de de al­guns de­sa­pa­re­ça, de for­ma a que o edi­fí­cio de­mo­crá­ti­co se cons­trua sem cri­ar as aber­ra­ções que nos ha­bi­tuá­mos a ver.

O pró­xi­mo Con­gres­so ex­tra­or­di­ná­rio do MPLA, en­quan­to par­ti­do no po­der, as­su­me par­ti­cu­lar im­por­tân­cia. Por­que não se pre­ten­de que ve­nha a ser uma reu­nião de con­fra­des, com agen­da mar­ca­da e an­te­ci­pa­da, ape­nas pa­ra con­cluir ofi­ci­al­men­te o pro­ces­so de tran­si­ção po­lí­ti­ca, com a mu­dan­ça do lí­der. Es­pe­ra-se que de­pois do 8 de Se­tem­bro ha­ja uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma den­tro do pró­prio par­ti­do no po­der e co­mo tal di­fu­sor das ac­ções do Go­ver­no, por for­ma a al­te­rar um qua­dro vi­gen­te as­sen­te em pres­su­pos­tos que nos tem­pos de ho­je se afir­ma­ram ca­da vez mais er­ra­dos.

O di­nhei­ro às car­ra­das que saiu do País e que uma par­te de­le se vo­la­ti­li­zou em fu­ti­li­da­des e es­pa­na ven­tos, te­rá que vol­tar pa­ra que se­ja pos­to ao ser­vi­ço do de­sen­vol­vi­men­to das po­pu­la­ções, no in­ves­ti­men­to pú­bli­co, al­gum no sec­tor pri­va­do, mas que se­ja pa­ra me­lho­rar o quo­ti­di­a­no de vi­da das pes­so­as e au­men­tar a em­pre­ga­bi­li­da­de dos jo­vens, prin­ci­pais ví­ti­mas da des­bra­ga­da ges­tão de uns pou­cos du­ran­te al­guns anos.

Num País jo­vem co­mo o nos­so, a es­pe­ran­ça es­tá nos jo­vens, mas tam­bém é im­por­tan­te a pe­da­go­gia da vi­da de­mo­crá­ti­ca e da jus­ti­ça pa­ra to­dos, com igual­da­de no aces­so e equi­da­de na apli­ca­ção da lei. Não te­mos ou­tro País, por is­so te­mos que cons­truir bem es­te!

Cla­ro que há quem di­ga que a jus­ti­ça tem que ser cé­le­re, mas is­so não é fá­cil por­que tem que ha­ver uma in­ves­ti­ga­ção sé­ria e res­pon­sá­vel, evi­tan­do-se a acu­sa­ção com ba­se no mu­jim­bo, e cla­ro le­var res­pon­sá­veis pe­lo es­ta­do caó­ti­co do País a tri­bu­nal com fun­da­men­tos só­li­dos pa­ra que qu­al­quer pe­na se­ja sus­ten­ta­da em fac­tos e não em su­po­si­ções ou me­ras vin­gan­ças.

Va­mos es­pe­rar, ou me­lhor fa­zer ur­gen­te es­pe­rar os tem­pos que que­re­mos no­vos de uma An­go­la que es­pe­ra e de­ses­pe­ra por so­lu­ções!

Num País jo­vem co­mo o nos­so, a es­pe­ran­ça es­tá nos jo­vens, mas tam­bém é im­por­tan­te a pe­da­go­gia da vi­da de­mo­crá­ti­ca e da jus­ti­ça pa­ra to­dos, com igual­da­de no aces­so e equi­da­de na apli­ca­ção da lei

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.