Sui­cí­dio de jo­vem pro­vo­ca vi­o­lên­cia

A mor­te de uma jo­vem es­tu­dan­te sul-afri­ca­na, que se sui­ci­dou dois me­ses de­pois de ter si­do vi­o­la­da no in­te­ri­or de uma uni­ver­si­da­de que na­da fez pa­ra pu­nir o au­tor da agres­são, le­van­ta enor­me re­vol­ta po­pu­lar no país, ten­do o Go­ver­no já man­da­do ins­tau­rar um

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Victor Car­va­lho

O Go­ver­no sul-afri­ca­no es­tá a ten­tar con­so­li­dar a es­tra­té­gia de com­ba­te à vi­o­lên­cia sexual con­tra a mu­lher, pre­pa­ran­do­se pa­ra sub­me­ter ao Par­la­men­to um pa­co­te de me­di­das le­gis­la­ti­vas pa­ra o en­qua­dra­men­to le­gal de pu­ni­ção dos au­to­res des­te cri­me.

A ur­gên­cia da apro­va­ção des­se pa­co­te de me­di­das le­gais foi ago­ra su­bli­nha­da pe­la re­vol­ta po­pu­lar que es­tá a ge­rar a no­tí­cia do sui­cí­dio co­me­ti­do pe­la jo­vem es­tu­dan­te Khen­sa­ni Ma­se­ko, de 23 anos de ida­de.

Es­te sui­cí­dio, se­gun­do pa­ren­tes da es­tu­dan­te, deu­se de­vi­do à fal­ta de ac­ção por par­te do es­ta­be­le­ci­men­to de en­si­no on­de estudava, a Uni­ver­si­da­de de Rho­des, em Grahams­town, de­pois da jo­vem ter si­do vi­o­la­da em Maio no in­te­ri­or das su­as ins­ta­la­ções.

An­tes de ter pos­to fim à vi­da, no dia 3 des­te mês, Khen­sa­ni Ma­se­ko­de usou as re­des so­ci­ais pa­ra pos­tar no Ins­ta­gram uma men­sa­gem on­de di­zia “nin­guém me­re­ce ser vi­o­la­da”, acom­pa­nha­da de uma foto sua.

Se­gun­do ami­gas da jo­vem, ela es­ta­va par­ti­cu­lar­men­te re­vol­ta­da pe­lo fac­to da di­rec­ção da uni­ver­si­da­de on­de se deu o cri­me ter ten­ta­do aba­far o ca­so, re­co­men­dan­do-lhe uns di­as de des­can­so em ca­sa, en­quan­to in­ves­ti­ga­va as su­as queixas.

Só de­pois de Khen­sa­ni Ma­se­ko­de se ter sui­ci­da­do é que a uni­ver­si­da­de de­ci­diu sus­pen­der o ale­ga­do vi­o­la­dor, tam­bém ele es­tu­dan­te na­que­le es­ta­be­le­ci­men­to de en­si­no, anun­ci­an­do na sua pá­gi­na na In­ter­net que es­ta­va a co­la­bo­rar com a Po­lí­cia nas “in­ves­ti­ga­ções so­bre a mor­te da jo­vem”.

Um pro­ble­ma sé­rio

As es­ta­tís­ti­cas mos­tram que a vi­o­lên­cia sexual con­tra a mu­lher é um pro­ble­ma mui­to sé­rio na Áfri­ca do Sul e pa­ra o qual o Go­ver­no tar­da em en­con­trar res­pos­ta.

En­tre 2016 e 2017, 138 em ca­da 100 mil mu­lhe­res fo­ram vi­o­la­das no país, o que co­lo­ca a Áfri­ca do Sul na li­nha da fren­te dos paí­ses com mais cri­mes des­te ti­po.

A Áfri­ca do Sul es­tá igual­men­te à fren­te na lis­ta dos paí­ses on­de mais mu­lhe­res ou ra­pa­ri­gas são mor­tas de­vi­do a ac­tos de vi­o­lên­cia di­rec­ci­o­na­dos con­tra o seu gé­ne­ro.

De­pois do co­nhe­ci­men­to do sui­cí­dio de Khen­sa­ni Ma­se­ko­de, mi­lha­res de mu­lhe­res mar­cha­ram pe­las ru­as do país pro­tes­tan­do con­tra a vi­o­lên­cia no gé­ne­ro, exi­gin­do ao Go­ver­no a to­ma­da de me­di­das ur­gen­tes que per­mi­tam pe­na­li­zar os au­to­res des­tes cri­mes.

Uma das ma­ni­fes­ta­ções mais con­cor­ri­das le­vou mi­lha­res de mu­lhe­res a con­cen­tra­rem-se fren­te às ins­ta­la­ções do Par­la­men­to, do Tri­bu­nal Supremo e dos tri­bu­nais pro­vin­ci­ais es­pa­lha­dos pe­lo país.

Na sequên­cia des­sas con­cen­tra­ções, as mu­lhe­res en­tre­ga­ram um me­mo­ran­do a ca­da uma das re­fe­ri­das ins­ti­tui­ções on­de exi­gi­am a to­ma­da de me­di­das que pos­sam de­fen­der a in­te­gri­da­de fí­si­ca das mu­lhe­res.

As re­des so­ci­ais fo­ram tam­bém inun­da­das com mi­lha­res de men­sa­gens de so­li­da­ri­e­da­de pa­ra com a fa­mí­lia de Khen­sa­ni Ma­se­ko­de, exi­gin­do ao Go­ver­no a to­ma­da de me­di­das ur­gen­tes pa­ra al­te­rar a lei que pu­ne os cri­mes de vi­o­la­ção.

O Go­ver­no sul-afri­ca­no já res­pon­deu a es­ta on­da de in­dig­na­ção e dis­se es­tar aten­to à si­tu­a­ção, pro­me­ten­do tor­nar pri­o­ri­tá­rio o com­ba­te ao cri­me de vi­o­lên­cia sexual con­tra as mu­lhe­res.

Em 2016, o en­tão Pre­si­den­te Jacob Zu­ma ha­via já de­cla­ra­do a vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher co­mo um cri­me pri­o­ri­tá­rio de­pois de uma sé­rie de as­sas­si­na­tos que cho­ca­ram o país, cri­an­do um gru­po de tra­ba­lho com a mis­são de as­se­gu­rar que to­dos os en­vol­vi­dos se­ri­am apre­sen­ta­dos à jus­ti­ça.

O an­ti­go Pre­si­den­te acon­se­lha­va as jo­vens a usa­rem rou­pas me­nos ou­sa­das de mo­do a evi­tar a “co­bi­ça dos ho­mens”, pos­tu­ra na al­tu­ra foi mui­to cri­ti­ca­da, mas da qual nun­ca se re­tra­tou.

Daí pa­ra cá, na­da mais foi fei­to, não ten­do o Go­ver­no pas­sa­do das pa­la­vras aos ac­tos, dei­xan­do, até ago­ra, um enor­me va­zio le­gis­la­ti­vo no qual se mo­vi­men­tam ad­vo­ga­dos ha­bi­li­do­sos que fre­quen­te­men­te con­se­guem ili­bar os au­to­res das vi­o­la­ções, be­ne­fi­ci­an­do do fac­to da so­ci­e­da­de sul-afri­ca­na ser das mais ma­chis­tas de to­do o con­ti­nen­te afri­ca­no.

Des­ta fei­ta, po­rém, as mu­lhe­res es­tão em­pe­nha­das em conseguir al­go mais do que pa­la­vras de so­li­da­ri­e­da­de pro­me­ten­do con­ti­nu­ar a pro­tes­tar até que o Go­ver­no fa­ça efec­ti­va­men­te apro­var le­gis­la­ção ade­qua­da pa­ra com­ba­ter es­te ti­po de cri­mes.

DR

For­ças da or­dem sul-afri­ca­nas ten­tam con­so­li­dar no­va es­tra­té­gia de com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.