Ex­pec­ta­ti­vas em al­to

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Víctor Sil­va

Pe­la se­gun­da vez, na pre­sen­te le­gis­la­tu­ra, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca vai fa­zer o discurso so­bre o Es­ta­do da Na­ção na Assembleia Na­ci­o­nal, res­pon­den­do a uma obri­ga­ção cons­ti­tu­ci­o­nal mas não só e ape­nas por­que, em um ano de go­ver­na­ção, tem mos­tra­do uma co­e­rên­cia dis­cur­si­va que vai no sen­ti­do de um mai­or diá­lo­go com a so­ci­e­da­de, se­ja atra­vés dos re­pre­sen­tan­tes elei­tos pe­lo po­vo ou di­rec­ta­men­te com vá­ri­as fran­jas es­pe­cí­fi­cas e com a po­pu­la­ção em ge­ral.

Há um ano, pou­cos acre­di­ta­vam que o Chefe de Es­ta­do te­ria mui­to mais a acres­cer no discurso so­bre o Es­ta­do da Na­ção, de­pois da sua in­ter­ven­ção de in­ves­ti­du­ra, uns di­as an­tes, na Pra­ça da Re­pú­bli­ca. En­ga­na­ram-se os pes­si­mis­tas do cos­tu­me, quan­do con­fron­ta­dos com uma no­va re­a­li­da­de que lhes foi pre­sen­te no di­ag­nós­ti­co en­tão fei­to à si­tu­a­ção que o país vi­via e os ca­mi­nhos pa­ra a sua re­ver­são. Co­mo se en­ga­na­ram, al­gum tem­po de­pois, quan­do o pró­prio Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, en­quan­to Chefe do Exe­cu­ti­vo, foi pes­so­al­men­te apre­sen­tar o pro­jec­to de Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do de 2018.

Um ano de­pois, as­sis­te-se, o que é nor­mal em de­mo­cra­cia, à su­bi­da dos de­ci­béis de al­gu­mas vo­zes que se põem em bi­cos de pés, apon­tan­do o ru­mo da­qui­lo que que­rem ou­vir da bo­ca do Chefe de Es­ta­do no seu discurso à Na­ção, com uma lis­ta de exi­gên­ci­as e pa­co­ti­lhas de pro­mes­sas de so­lu­ção dos pro­ble­mas na­ci­o­nais ti­ra­das de lei­tu­ras apres­sa­das e des­con­tex­tu­a­li­za­das de ou­tras la­ti­tu­des.

Nes­te pri­mei­ro ano de man­da­to, a di­nâ­mi­ca da no­va go­ver­na­ção tem ti­ra­do ar­gu­men­tos às vo­zes agoi­ren­tas de al­gu­mas fran­jas da opo­si­ção se­gui­do­ra da po­lí­ti­ca do bo­ta abai­xis­mo e de mui­tos ou­tros “is­mos” e “is­tas” em que se re­fu­gi­am pa­ra ma­ni­fes­tar o seu desapontamento pe­lo fac­to, cha­to, do po­vo não lhes dar ou­vi­dos e ter con­fi­a­do, so­be­ra­na­men­te, a mai­o­ria a quem acre­di­ta po­der dar res­pos­tas a mui­tos dos pro­ble­mas com que as fa­mí­li­as an­go­la­nas se con­fron­tam no seu di­fí­cil dia-a-dia.

Mais de­ses­pe­ra­dos fi­cam quan­do, na ho­ra do ba­lan­ço des­te pri­mei­ro ano, os nú­me­ros de po­pu­la­ri­da­de do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca su­bi­ram con­si­de­ra­vel­men­te, co­mo o com­pro­vou a re­cen­te son­da­gem pu­bli­ca­da nes­te jor­nal na úl­ti­ma se­gun­da-fei­ra. No­ven­ta e três por cen­to de acei­ta­ção po­pu­lar, de­pois de um ano em que se re­co­nhe­ce que, ma­te­ri­al­men­te, a vi­da ter si­do mais di­fí­cil pa­ra a mai­o­ria dos an­go­la­nos, é um da­do que não de­ve ser ig­no­ra­do sob que pre­tex­to for, nem mes­mo o da cre­di­bi­li­da­de do es­tu­do de opi­nião, que al­guns já adi­an­tam ter si­do “de en­co­men­da”...

Ma­te­ri­al­men­te, o pri­mei­ro ano de man­da­to des­ta no­va go­ver­na­ção foi de pou­cas re­a­li­za­ções. A vi­da das pes­so­as até pi­o­rou em al­guns as­pec­tos, com­pa­ra­ti­va­men­te aos nú­me­ros an­te­ri­o­res. Ha­ve­rá, cer­ta­men­te, ra­zões pa­ra tal e de­las, acre­di­ta­mos, da­rá con­ta o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca no seu discurso de ama­nhã no Par­la­men­to. Mas não es­ta­re­mos na adi­vi­nha­ção ou es­pe­cu­la­ção se dis­ser­mos que as prin­ci­pais ra­zões pa­ra es­se des­com­pas­so, cha­me­mos-lhe as­sim, en­tre o no­vo ci­clo po­lí­ti­co e as con­di­ções de vi­da da po­pu­la­ção de­vem-se, es­sen­ci­al­men­te, à cons­ta­ta­ção de que a cri­se em que o país vi­via mer­gu­lha­do era mui­to mais pro­fun­da do que se po­dia ima­gi­nar. E se não bas­tas­sem os nú­me­ros es­que­lé­ti­cos da eco­no­mia e das fi­nan­ças, que em­ba­ra­çam a exe­cu­ção de qual­quer pro­jec­to po­lí­ti­co, ha­via (há) o es­ta­do mo­ral da so­ci­e­da­de, pro­fun­da­men­te mer­gu­lha­da nu­ma cri­se de va­lo­res em que o de­sen­ras­can­ço, o cam­ba­la­cho e a ga­nân­cia ga­nha­ram pri­ma­zia so­bre o mé­ri­to e o de­se­jo de bem fa­zer.

Com me­lhor ou pi­or ges­tão, com mais ou me­nos re­cur­sos, viu­se que era pos­sí­vel ofe­re­cer mai­or dig­ni­da­de aos ci­da­dãos, des­de que ata­ca­do um pro­ble­ma que destrói es­se de­se­jo de bem fa­zer, que é a cor­rup­ção e a im­pu­ni­da­de que qua­se es­ta­vam ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­das em An­go­la e eram res­pon­sá­veis pe­lo des­ca­mi­nho de mui­tos re­cur­sos que po­di­am e deviam es­tar ao ser­vi­ço do país.

E é es­se com­ba­te que tem si­do le­va­do adi­an­te, des­de a pri­mei­ra ho­ra, pa­ra­le­la­men­te às cor­rec­ções ma­cro-económicas que, por se­rem de­mo­ra­das e tal­vez mais pro­fun­das do que se pre­via, só ago­ra co­me­çam a dar si­nais de al­gu­ma es­ta­bi­li­da­de.

O com­ba­te à cor­rup­ção e ao fim da im­pu­ni­da­de não é man­dar pren­der uma dú­zia de ex-res­pon­sá­veis ou di­ri­gen­tes, que se jul­ga­vam mem­bros de uma eli­te in­to­cá­vel, em­bo­ra tam­bém pas­se por aí. Pas­sa tam­bém, co­mo é evi­den­te, pe­la des­cons­tru­ção de um sis­te­ma que es­ta­va a ser ur­di­do e que vi­sa­va, em nos­sa aná­li­se, o con­fis­co do Es­ta­do a fa­vor de uma mi­no­ria que do­mi­na­va e que­ria con­ti­nu­ar a do­mi­nar o país. Daí, o fim dos mo­no­pó­li­os e oli­go­pó­li­os, o fim de di­tas par­ce­ri­as pú­bli­co-pri­va­das que mais não re­pre­sen­ta­vam que uma for­ma de au­men­tar ga­nan­ci­o­sa­men­te a ri­que­za des­ses pri­vi­le­gi­a­dos, do mes­mo mo­do que agra­va­vam os en­ver­go­nha­do­res ín­di­ces de de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no que ain­da co­nhe­ce­mos.

E o nú­me­ro de pro­ces­sos que es­tão sob in­ves­ti­ga­ção, en­vol­ven­do ex-res­pon­sá­veis, a to­dos os ní­veis, é de­mons­tra­ti­vo do des­ca­so com que eram ge­ri­dos os bens co­muns, não ha­ven­do aqui qual­quer in­ten­ção pre­me­di­ta­da de fa­zer jul­ga­men­tos su­má­ri­os na pra­ça pú­bli­ca de quem qu­er que se­ja, por­que ha­ve­rá sem­pre que res­pei­tar o prin­ci­pio da pre­sun­ção de ino­cên­cia a que to­dos têm di­rei­to.

A mo­ra­li­za­ção da so­ci­e­da­de se­rá, por as­sim di­zer, o gran­de trun­fo des­te pri­mei­ro ano de go­ver­na­ção, a par, co­mo se dis­se, do im­pac­to das me­di­das ma­cro-económicas, mas so­bre­tu­do pe­la aber­tu­ra de­mo­crá­ti­ca que tem si­do pro­mo­vi­da, se­ja no pla­no da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al qu­er no res­pei­tos das li­ber­da­des e ga­ran­ti­as dos ci­da­dãos, co­mo tam­bém nas po­lí­ti­cas de diá­lo­go e in­clu­são, que já per­mi­ti­ram ul­tra­pas­sar al­guns di­fe­ren­dos que se ar­ras­ta­vam no tem­po e na his­tó­ria, em prol da co­e­são so­ci­al e da reconciliação na­ci­o­nal.

As exi­gên­ci­as pa­ra es­te se­gun­do ano são ou­tras e pas­sam por dar mai­or e me­lhor res­pos­ta às ne­ces­si­da­des dos ci­da­dãos, da eco­no­mia e das fi­nan­ças e das po­lí­ti­cas pú­bli­cas, sem que a con­ta se­ja sem­pre pa­ga pe­los mes­mos do cos­tu­me.

As pre­mis­sas es­tão lan­ça­das e os re­sul­ta­dos irão, se­gu­ra­men­te, sur­gir à me­di­da que to­dos nos adap­te­mos ao no­vo nor­mal, dei­xe­mos os tí­tu­los e ró­tu­los pa­ra os mu­seus e sai­ba­mos con­vi­ver na di­fe­ren­ça, mas pen­san­do An­go­la em pri­mei­ro lu­gar!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.