Ce­ná­ri­os de ho­je pa­ra de­sa­fi­os do ama­nhã

Jornal de Angola - - OPINIÃO - Filipe Zau |* * Mem­bro do Con­se­lho Ci­en­tí­fi­co da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras (AAL)

A ní­vel pla­ne­tá­rio, vi­ve-se, des­de a se­gun­da me­ta­de do século XX, uma no­va si­tu­a­ção de ano­mia ge­ne­ra­li­za­da ou au­sên­cia de va­lo­res. Se­gun­do o so­ció­lo­go Her­ma­no Car­mo, es­te no­vo ce­ná­rio di­fe­ren­cia-se da so­ci­e­da­de in­dus­tri­al, que, de há dois sé­cu­los e meio a es­ta par­te, cri­ou os ac­tu­ais paí­ses de­sen­vol­vi­dos – os do nor­te – que, ca­da vez mais se dis­tan­ci­am, ao ní­vel eco­nó­mi­co, ci­en­tí­fi­co, tec­no­ló­gi­co e do bem-es­tar so­ci­al, dos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to – os do sul, an­tes de­sig­na­dos por paí­ses do “Ter­cei­ro Mun­do”.

Es­te no­vo con­tex­to pla­ne­tá­rio tem-se re­ve­la­do ge­ra­dor de insegurança, pe­la in­ca­pa­ci­da­de de dar res­pos­tas ade­qua­das aos no­vos de­sa­fi­os, o que, se­gun­do Fran­cis Fu­kuya­ma, no seu li­vro “A gran­de ru­tu­ra: a na­tu­re­za hu­ma­na e a re­cons­ti­tui­ção da or­dem so­ci­al” faz bai­xar o ca­pi­tal de con­fi­an­ça das co­mu­ni­da­des, e ge­ra me­do. Es­te te­mor pro­vo­ca con­fli­tos e tor­na-se nu­ma ame­a­ça à paz so­ci­al e in­di­vi­du­al. Um ce­ná­rio com ori­gem em três pro­ces­sos que in­ter­fe­rem, não só, na vi­da fa­mi­li­ar tra­di­ci­o­nal, mas tam­bém nas ins­ti­tui­ções es­ta­tais e até mes­mo em or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais. Três pro­ces­sos que es­tão na emer­gên­cia da ac­tu­al so­ci­e­da­de pós-in­dus­tri­al, so­ci­e­da­de de in­for­ma­ção, so­ci­e­da­de da ida­de do fer­ro pla­ne­tá­ria ou so­ci­e­da­de da ter­cei­ra va­ga.

Iden­ti­fi­que­mos ago­ra os três pro­ces­sos: exis­tên­cia de uma mu­dan­ça pro­gres­si­va­men­te mais ace­le­ra­da, ca­rac­te­ri­za­da por fe­nó­me­nos in­con­tro­lá­veis de tran­si­to­ri­e­da­de, no­vi­da­de e di­ver­si­da­de; exis­tên­cia de uma de­si­gual­da­de cres­cen­te, en­tre paí­ses, re­giões, co­mu­ni­da­des, or­ga­ni­za­ções e pes­so­as, po­ten­ci­a­do­ra de ten­sões e con­fli­tos pe­la per­cep­ção agu­da e ge­ne­ra­li­za­da da in­jus­ti­ça so­ci­al em jo­go; exis­tên­cia de uma subs­tan­ci­al al­te­ra­ção dos sis­te­mas de po­der, que em di­ver­sas ve­zes, tem en­tra­do em “fri­bri­lha­ção”, fra­gi­li­zan­do a co­e­são so­ci­al e o pro­ces­so de ori­en­ta­ção co­lec­ti­va.

Her­ma­no Car­mo tam­bém ci­ta Ed­gar Mo­rin, que no li­vro “As gran­des ques­tões do nos­so tem­po”, se re­fe­re ao cha­ma­do “ne­vo­ei­ro in­for­ma­ci­o­nal”, com­pos­to por três ti­pos de fil­tros que di­fi­cul­tam a per­cep­ção da re­a­li­da­de en­vol­ven­te. São eles: a “so­brein­for­ma­ção”, ca­rac­te­ri­za­da por um ex­ces­so de in­for­ma­ções, sem qual­quer re­le­vân­cia; a “sub-in­for­ma­ção”, ex­pres­sa pe­lo dé­fi­ce de in­for­ma­ção e co­mo tal li­mi­ta­ti­va pa­ra a tomada de de­ci­sões; e a “pseu­do-in­for­ma­ção” que acar­re­ta um con­jun­to de in­for­ma­ções, de­li­be­ra­da ou in­vo­lun­ta­ri­a­men­te de­for­ma­das, que es­tão na ori­gem das cha­ma­das “fa­ke news”, mu­jim­bos, publicidade en­ga­no­sa e pro­pa­gan­da. São, no fun­do, es­tes fil­tros que cri­am o “autismo so­ci­al”. Nes­te con­tex­to, o lin­guis­ta, fi­ló­so­fo, co­men­ta­ris­ta e ac­ti­vis­ta nor­te-ame­ri­ca­no No­am Chomsky re­fe­re que, “di­fe­ren­te­men­te dos sis­te­mas po­lí­ti­cos to­ta­li­tá­ri­os, nos qu­ais a for­ça fí­si­ca po­de ser fa­cil­men­te usa­da pa­ra co­a­gir a po­pu­la­ção co­mo um to­do, as so­ci­e­da­des mais de­mo­crá­ti­cas co­mo os Es­ta­dos Uni­dos pre­ci­sam se va­ler de mei­os de con­tro­le bem me­nos violentos”. Nu­ma frase fre­quen­te­men­te ci­ta­da, Chomsky afir­ma que “a pro­pa­gan­da re­pre­sen­ta pa­ra a de­mo­cra­cia aqui­lo que o cas­se­te­te (is­to é, a po­lí­cia po­lí­ti­ca) sig­ni­fi­ca pa­ra o es­ta­do to­ta­li­tá­rio.”

A ano­mia so­ci­al, o autismo so­ci­al e a insegurança cau­sa­das pe­la ace­le­ra­da mu­dan­ça, pe­la de­si­gual­da­de cres­cen­te e pe­la al­te­ra­ção dos sis­te­mas de Po­der, au­men­tam em gran­de es­ca­la os ní­veis de des­con­fi­an­ça das pes­so­as, das ins­ti­tui­ções e das or­ga­ni­za­ções. Tam­bém os qua­dros axi­o­ló­gi­cos de re­fe­rên­cia, ca­rac­te­ri­za­dos pe­los di­fe­ren­tes sis­te­mas de va­lo­res que re­gem as nor­mas so­cio-cul­tu­rais, pas­sa­ram, en­tre­tan­to, a re­gis­tar sig­ni­fi­ca­ti­vas al­te­ra­ções. A tría­de dou­tri­ná­ria her­da­da da Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa – “li­ber­té, equa­li­té, fra­ter­ni­té” – per­deu o seu sen­ti­do har­mó­ni­co e in­te­gral a fa­vor do pi­lar “li­ber­da­de” e em de­tri­men­to dos ou­tros dois, re­la­ci­o­na­dos com a “igual­da­de” e a “fra­ter­ni­da­de”. Pa­ra tal tem con­tri­buí­do a re­tó­ri­ca ne­o­li­be­ral do­mi­nan­te, tam­bém co­nhe­ci­da por “te­o­lo­gia do mer­ca­do”, pre­va­le­cen­do, em con­tra­par­ti­da, a “com­pe­ti­ção” e o “con­fli­to” co­mo va­lo­res es­tra­té­gi­cos e co­mo mo­to­res da “ino­va­ção” e do “pro­gres­so”.

Com re­cur­so a Ste­ven John­son, au­tor de “As ideias que mu­da­ram o mun­do: a his­tó­ria na­tu­ral da ino­va­ção. As es­tra­té­gi­as pa­ra cul­ti­var as nos­sas fu­tu­ras des­co­ber­tas cri­a­ti­vas” e a Car­lo Sren­ger, em “O me­do da in­sig­ni­fi­cân­cia co­mo dar sen­ti­do às nos­sas vi­das no século XXI”, Her­ma­no Car­mo des­mis­ti­fi­ca o ac­tu­al con­tex­to ne­o­li­be­ral. Con­si­de­ra, pois, que o mes­mo se sus­ten­ta nu­ma “con­cep­ção er­ra­da de de­sen­vol­vi­men­to, me­di­an­te uma lei­tu­ra apres­sa­da e in­com­ple­ta da te­o­ria da evo­lu­ção de Darwin, ig­no­ran­do que es­te au­tor ti­nha es­cri­to que as es­pé­ci­es ha­vi­am evo­luí­do atra­vés de um pro­ces­so não ape­nas dis­so­ci­a­ti­vo, por com­pe­ti­ção e con­fli­to, mas tam­bém as­so­ci­a­ti­vo, por co­o­pe­ra­ção e in­te­ra­ju­da”. So­bre a se­gun­da mis­ti­fi­ca­ção re­fe­re que a mes­ma se apoia “num qua­dro axi­o­ló­gi­co de­for­ma­do, do­mi­na­do por um trans­per­so­na­lis­mo fi­nan­cei­ro que ele­geu o dinheiro co­mo no­vo ído­lo e por uma ob­ses­são pe­la no­to­ri­e­da­de, ex­pres­são de um in­di­vi­du­a­lis­mo triun­fa­lis­ta.” Já é tem­po de se olhar mui­to mais pa­ra a to­ta­li­da­de so­ci­al nos fu­tu­ros de­sa­fi­os da eco­no­mia do que dei­xar a eco­no­mia pra­ti­ca­men­te di­vor­ci­a­da da to­ta­li­da­de so­ci­al.

Já é tem­po de se olhar mui­to mais pa­ra a to­ta­li­da­de so­ci­al nos fu­tu­ros de­sa­fi­os da eco­no­mia do que dei­xar a eco­no­mia pra­ti­ca­men­te di­vor­ci­a­da da to­ta­li­da­de so­ci­al

DR

In­gla­ter­ra é um dos paí­ses in­dus­tri­a­li­za­dos na Eu­ro­pa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.