Psi­có­lo­go de Quim­be­le pri­ma pe­la con­vi­vên­cia har­mo­ni­o­sa

Man Moniz te­ve de fu­gir por cau­sa da guerra e na pro­vín­cia de Lu­an­da es­tu­dou e fez um mes­tra­do. É pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

for­ma de re­la­ci­o­nar-se com os ou­tros. “Foi uma edu­ca­ção rí­gi­da, mas sem­pre ado­rei o meu pai.”

Após a mor­te do pai, ele e o ir­mão mais ve­lho, Fé­lix Ba­la Pe­dro, ti­ve­ram de en­con­trar novas es­tra­té­gi­as de so­bre­vi­vên­cia pa­ra cui­da­rem dos mais no­vos. A pri­mei­ra op­ção foi vender “col­lans” na “zun­ga”, de­am­bu­lan­do pe­lo mer­ca­do dos Kwan­zas e pe­lo Roque San­tei­ro. De­pois, pas­sou a exer­cer a ac­ti­vi­da­de de “kin­gui­la” con­ci­li­an­do-a com a for­ma­ção su­pe­ri­or no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção (Is­ced) em Lu­an­da e foi re­po­si­tor de “stocks” no su­per­mer­ca­do So­dis­pal nos Com­ba­ten­tes e ins­pec­tor na Em­pre­sa Ca­si­nos de An­go­la. mas não foi en­qua­dra­do.

De­pois de vá­ri­as ten­ta­ti­vas frus­tra­das pa­ra o in­gres­so no Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, em 2013 abra­çou a car­rei­ra do­cen­te no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Po­li­téc­ni­co Me­tro­po­li­ta­no de An­go­la (Ime­tro), das ca­dei­ras de Me­to­do­lo­gia de In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca e So­ci­o­lo­gia do Ci­ne­ma. Ac­tu­al­men­te, é do­cen­te na Uni­ver­si­da­de Téc­ni­ca de An­go­la e chefe do De­par­ta­men­to dos As­sun­tos Aca­dé­mi­cos do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Po­li­téc­ni­co To­coís­ta e co­la­bo­ra­dor da consultora Co­sep.

Tem dois li­vros pu­bli­ca­dos, “A Fu­ga à Pa­ter­ni­da­de em An­go­la. Prá­ti­cas e Con­cep­ções” e “Es­tra­té­gi­as de Pre­ven­ção e Com­ba­te à Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca em An­go­la. Es­tu­do Com­pa­ra­ti­vo nos Cen­tros de Acon­se­lha­men­to Fa­mi­li­ar em Lu­an­da”.

Moniz Ba­la Pe­dro as­su­me­se co­mo ac­ti­vis­ta so­ci­al e faz da So­ci­o­lo­gia e da Psi­co­lo­gia ins­tru­men­tos pa­ra ape­lar às pes­so­as pa­ra for­mas de con­vi­vên­cia har­mo­ni­o­sa em so­ci­e­da­de.

Moniz Ba­la Pe­dro tem gran­de pai­xão pe­lo Jor­na­lis­mo e pe­lo Di­rei­to e ocu­pa mui­to do seu tem­po li­vre com a lei­tu­ra. Porquê ler? Moniz Ba­la Pe­dro res­pon­de: “Quan­do leio um li­vro, es­que­ço tu­do o que es­tá à mi­nha vol­ta, con­cen­tro-me nas pa­la­vras que es­tão es­cri­tas, sin­to a his­tó­ria, vi­vo os mo­men­tos, apre­en­do as ex­pe­ri­ên­ci­as vi­vi­das pe­las per­so­na­gens.”

Moniz Ba­la Pe­dro dei­xa um con­se­lho aos jo­vens: “se­jam per­sis­ten­tes e de­di­ca­dos aos es­tu­dos e, por meio da lei­tu­ra, ga­nha­rão a opor­tu­ni­da­de de com­pre­en­der o mun­do a par­tir de novas pers­pec­ti­vas e au­men­tar o vo­ca­bu­lá­rio.”

Moniz Ba­la Pe­dro as­su­me-se co­mo ac­ti­vis­ta so­ci­al e faz da So­ci­o­lo­gia e da Psi­co­lo­gia ins­tru­men­tos pa­ra ape­lar a for­mas de con­vi­vên­cia har­mo­ni­o­sa em so­ci­e­da­de

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.