Es­ta­fe­ta ver­sus Re­la­ções Pú­bli­cas

Jornal de Angola - - OPINIÃO - An­dré Si­bi |*

Cá en­tre nós faz-se, al­gu­mas ve­zes, con­fu­são en­tre es­ta­fe­ta e re­la­ções pú­bli­cas. As ve­zes é a vai­da­de de quem exer­ce a re­fe­ri­da ocu­pa­ção pro­fis­si­o­nal que, tal co­mo o co­bra­dor, qu­er que se lhe cha­mem de ge­ren­te, quan­do a sua ac­ti­vi­da­de é a de co­bra­dor de tá­xi. Há quem as­sim cha­me por des­co­nhe­ci­men­to. Ou­tros, por­que já foi al­vo de ameaças pa­ra que pas­se a cha­mar as­sim, no en­tan­to não é cor­rec­to con­fun­dir es­ta­fe­ta com re­la­ções pú­bli­cas. E quem trans­por­ta do­cu­men­tos di­ver­sos de uma ins­ti­tui­ção pa­ra ou­tra tam­bém qu­er que se lhe cha­mem as­sim, de “re­la­ções pú­bli­cas”. Não po­de ser. Es­ta­mos a des­vir­tu­ar a re­a­li­da­de.

Ao “mo­to boy” não po­de­mos cha­mar de re­la­ções pú­bli­cas, por­que re­la­ções pu­bli­cas é uma es­pe­ci­a­li­za­ção a ní­vel do ensino su­pe­ri­or, re­ser­va­do aquém ter­mi­nou a li­cen­ci­a­tu­ra em Jor­na­lis­mo, Re­la­ções Pú­bli­cas, Mar­ke­ting e Lín­gua Por­tu­gue­sa e Co­mu­ni­ca­ção so­bre­tu­do. Pois exis­tem mé­to­dos e ob­jec­to a pros­se­guir pa­ra re­ce­ber es­ta qua­li­fi­ca­ção.

Na ver­da­de o mo­to­boy, co­mo se diz no “por­tu­guês do Bra­sil” e es­ta­fe­ta na Lín­gua Por­tu­gue­sa, é uma profissão re­ser­va­da a quem uti­li­za a mo­to­ci­cle­ta, ge­ral­men­te de bai­xa ci­lin­dra­gem que vai en­tre 125 e 250 cen­tí­me­tros cú­bi­cos pa­ra dis­tri­buir di­ver­sos ti­pos de ob­jec­to que vão des­de re­fei­ções, “fast-fo­od”, do­cu­men­tos, pa­ga­men­tos ban­cá­ri­os, en­tre ou­tros pro­du­tos e ser­vi­ços.

A pa­la­vra “mo­to­boy” é for­ma­da pe­la jun­ção das pa­la­vras “mo­to­ci­cle­ta” e “boy” ou se­ja jo­vem de mo­to­ri­za­da. Tra­ta-se de uma ocu­pa­ção que sur­giu na dé­ca­da de 1980. Ela sur­giu de­vi­do à ne­ces­si­da­de de se trans­por­tar ob­jec­tos com ra­pi­dez nos gran­des cen­tros ur­ba­nos com agi­li­da­de e bai­xo cus­to. Even­tu­al­men­te, exi­ge-se que o pro­fis­si­o­nal cum­pra lon­gas jor­na­das de tra­ba­lho em tro­ca de ren­di­men­tos mai­o­res, ha­ven­do pres­sões pa­ra a re­a­li­za­ção das funções no me­nor tem­po pos­sí­vel. E pa­ra nós, na nos­sa ca­pi­tal, Lu­an­da, so­bre­tu­do a in­ser­ção des­tes pro­fis­si­o­nais nas em­pre­sas é uma ne­ces­si­da­de ur­gen­te. Na ver­da­de, aque­las li­de­ra­das por vi­si­o­ná­ri­os já o fi­ze­ram, e em al­guns ca­sos tra­ba­lham dois ou mais pro­fis­si­o­nais, pa­ra dar res­pos­ta às ne­ces­si­da­des da em­pre­sa nes­ta ma­té­ria.

Va­le lem­brar, que os mo­to­boys es­tão su­jei­tos a um al­to ín­di­ce de ex­po­si­ção aos aci­den­tes de vi­a­ção, aos as­sal­tos à mão armada, atro­pe­la­men­tos, co­li­sões, além da ques­tão da bai­xa se­gu­ran­ça pas­si­va das mo­to­ci­cle­tas, bem co­mo a im­pru­dên­cia dos pró­pri­os mo­to­quei­ros, que as ve­zes ter­mi­nam em tra­gé­dia. Dai o nos­so ape­lo ao se­gu­ro pa­ra mi­ti­gar os efei­tos de si­tu­a­ções im­pre­vi­sí­veis.

Pa­ra As­so­ci­a­ção Fran­ce­sa de Re­la­ções Pú­bli­cas, no seu código de Éti­ca, Re­la­ções Pú­bli­cas é apon­ta­da co­mo ac­ti­vi­da­de de­sen­vol­vi­da por um gru­po de es­pe­ci­a­lis­tas ten­do em vis­ta o es­ta­be­le­ci­men­to e a ma­nu­ten­ção das bo­as re­la­ções en­tre os mem­bros do gru­po as­sim co­mo os di­fe­ren­tes sec­to­res da opi­nião pú­bli­ca.

NaIn­gla­ter­ra,oIns­ti­tu­to­deRe­la­çõesPú­bli­cas,de­fi­ne­a­pro­fis­são co­mo­o­es­for­ço­de­li­be­ra­do­e­per­ma­nen­te­pa­ra­es­ta­be­le­ce­re­man­ter mú­tua com­pre­en­são en­tre uma or­ga­ni­za­ção e o seu pú­bli­co. Quan­do fa­la­mos de pú­bli­co en­ten­de-se o in­ter­no e ex­ter­no. Co­mo se­po­de­com­pre­en­der,is­to­quer­di­zer­lon­ge­da­mis­são­de­trans­por­tar ob­jec­tos e até mes­mo do­cu­men­tos de uma ins­ti­tui­ção pa­ra ou­tra. En­tre as atri­bui­ções de um de­par­ta­men­to de re­la­ções pú­bli­cas po­de­mo­sa­pon­tar,ade­fi­ni­ção­de­mé­to­do­se­téc­ni­cas­pa­rau­ma­me­lhor to­ma­da­de­de­ci­sões­da­na­em­pre­sa,re­co­lhe­re­o­ri­en­ta­rain­for­ma­ção a in­for­ma­ção na em­pre­sa, acon­se­lhar os ges­to­res na tomada das di­fe­ren­tes de­ci­sões, fa­zer an­te­vi­são das pos­sí­veis re­ac­ções que os atin­gi­dos po­dem ma­ni­fes­tar, em fun­ção das de­ci­sões to­ma­das pe­la or­ga­ni­za­ção, em su­ma, as­su­mir a mis­são de ter­mós­ta­to, ou se­ja re­gu­la­dor dos fac­tos e das cau­sas.

Em al­gu­mas or­ga­ni­za­ções o de­par­ta­men­to das Re­la­ções Pú­bli­cas, as­su­me a mis­são de com­ba­ten­te da li­nha da fren­te, pa­ra co­ad­ju­var o des­pa­ra­men­to de in­ter­cam­bio e co­o­pe­ra­ção, so­bre­tu­do quan­do não exis­te den­tro de uma or­ga­ni­za­ção. Pois são es­tes que pre­pa­ram a vi­a­gem dos fun­ci­o­ná­ri­os nos di­fe­ren­tes es­ca­lões da em­pre­sa, de­ter­mi­nar a ro­ta na ida e re­gres­so dos fun­ci­o­ná­ri­os, no in­te­ri­or e ex­te­ri­or do país, as­sim co­mo a es­ta­dia. Pa­ra as de­le­ga­ções de to­po es­te tem a obri­ga­ção de avan­çar pa­ra cri­ar as con­di­ções de tra­ba­lho e aco­mo­da­ção da de­le­ga­ção. Pois em mui­tos ca­sos os fun­ci­o­ná­ri­os vi­a­jam sem, sa­ber quem lhe vai re­ce­ber no aeroporto, as­sim co­mo as ro­tas se­guin­tes. O que é mau pa­ra ima­gem da em­pre­sa, que re­pre­sen­ta. Pe­lo que o téc­ni­co de re­la­ções pú­bli­cas de­ve­ra ter a mis­são de pre­pa­rar o iti­ne­rá­rio. Evi­tar que o fun­ci­o­ná­rio da em­pre­sa vá ao aeroporto de can­don­guei­ro e até mes­mo an­dar com as ma­las na rua de can­don­guei­ro a can­don­guei­ro, ao pon­to de ser mo­les­ta­do.

Em pou­cas pa­la­vras po­de­mos as­se­gu­ra efec­ti­va­men­te, que a es­pe­ci­a­li­za­ção em Re­la­ções Pú­bli­cas nas­ce com o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e com a ex­pan­são do co­mér­cio e da in­dús­tria nos Es­ta­dos Uni­dos. E es­tão li­ga­dos um­bi­li­cal­men­te ao con­cei­to de Opi­nião pú­bli­ca, jus­ta­men­te no mo­men­to em que o ho­mem te­ve a ne­ces­si­da­de de in­for­mar o gru­po e de o per­su­a­dir. Co­mo se po­de de­pre­en­der es­ti­ma­dos são ta­re­fas com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes uma da ou­tra. Por fa­vor va­mos cha­ma-los de mo­to­boy e não Re­la­ções Pú­bli­cas. Co­mu­ni­car é a nos­sa mis­são.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.