Bushi­do código de con­du­ta dos sa­mu­rais

Jornal de Angola - - LAZER -

Bushi­do li­te­ral­men­te, “ca­mi­nho do gu­er­rei­ro“, é um código de con­du­ta e mo­do de vi­da pa­ra os sa­mu­rais (a clas­se guer­rei­ra do Ja­pão feu­dal ou bushi), va­ga­men­te se­me­lhan­te ao con­cei­to de ca­va­lhei­ris­mo que de­fi­ne os pa­râ­me­tros pa­ra os sa­mu­rais vi­ve­rem e mor­re­rem com hon­ra.

É ori­gi­ná­rio do código mo­ral dos sa­mu­rais e sa­li­en­ta a fru­ga­li­da­de, fi­de­li­da­de, ar­tes mar­ci­ais, mes­tria e hon­ra e até à mor­te. Nas­ci­dos de du­as prin­ci­pais in­fluên­ci­as, a exis­tên­cia vi­o­len­ta dos sa­mu­rais é ate­nu­a­da pe­la sa­be­do­ria e pe­la se­re­ni­da­de do Con­fu­ci­o­nis­mo e do Bu­dis­mo. O Bushi­do foi de­sen­vol­vi­do en­tre os sé­cu­los IX e XII e inú­me­ros do­cu­men­tos tra­du­zi­dos, a par­tir dos sé­cu­los XII e XVI, de­mons­tra­ram a sua gran­de in­fluên­cia em to­do o Ja­pão, em­bo­ra al­guns es­tu­di­o­sos te­nham men­ci­o­na­do que o “ter­mo Bushi­do em si é ra­ra­men­te men­ci­o­na­do na li­te­ra­tu­ra pré-mo­der­na.”

Du­ran­te o pe­río­do da di­ta­du­ra mi­li­tar feu­dal Xo­gu­na­to To­ku­gawa, es­ta­be­le­ci­da no Ja­pão em 1603 por To­ku­gawa Ieya­su, os as­pec­tos do Bushi­do fi­ca­ram for­ma­li­za­dos no Di­rei­to Feu­dal ja­po­nês.

O Bushi­do foi for­ma­do e in­flu­en­ci­a­do pe­los con­cei­tos do Bu­dis­mo, Xin­toís­mo e Con­fu­ci­o­nis­mo. A com­bi­na­ção des­sas dou­tri­nas e re­li­giões for­ma­ram o código de hon­ra do gu­er­rei­ro sa­mu­rai, co­nhe­ci­do por Bushi­do.

Em fun­ção das in­fluên­ci­as do Bu­dis­mo, os sa­mu­rais não te­mi­am a mor­te, pois acre­di­ta­vam na exis­tên­cia da vi­da após a mor­te: (ex: ka­mi­ka­zes) re­nas­ce­ri­am no en­car­go de gu­er­rei­ro nas su­as con­tí­nu­as re­en­car­na­ções. Os sa­mu­rais tam­bém não te­mi­am os pe­ri­gos, uma vez que as téc­ni­cas de me­di­ta­ção do Zen fo­ram usa­das co­mo um meio de li­mi­tar es­se te­mor. Com os en­si­na­men­tos Zen, os sa­mu­rais bus­ca­vam en­trar em har­mo­nia com o seu ‘eu’ in­te­ri­or e com o mun­do à sua vol­ta.

OBushi­do­foi­in­flu­en­ci­a­do tam­bém pe­los pre­cei­tos do Xin­toís­mo, co­mo a le­al­da­de, o pa­tri­o­tis­mo e a re­ve­rên­cia aos seus an­te­pas­sa­dos. Com tal le­al­da­de pa­ra com a me­mó­ri­a­dos­seu­san­ces­trais, os­sa­mu­rai­sem­pe­nha­mes­sa mes­ma re­ve­rên­cia ao imperador e ao seu daimyo ou se­nhor feu­dal. O Xin­toís­mo tam­bém for­ne­ce a im­por­tân­cia pa­ra o pa­tri­o­tis­mo com o seu país, o Ja­pão. Eles crêem que a Ter­ra não exis­te ape­nas pa­ra su­prir as ne­ces­si­da­des das pes­so­as. “É a re­si­dên­ci­a­sa­gra­da­dos­deu­ses, dos es­pí­ri­tos de seus an­te­pas­sa­dos…” A Ter­ra de­ve ser cui­da­da,pro­te­gi­da­e­a­li­men­ta­da por um amor in­ten­so.

O Con­fu­ci­o­nis­mo ofe­re­ce ao Bushi­do a sua cren­ça em re­la­ção aos se­res hu­ma­nos e às su­as fa­mí­li­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.