An­ti­gos guer­ri­lhei­ros lembram sa­cri­fí­ci­os

Jornal de Angola - - POLÍTICA - João Sal­vo| Sau­ri­mo

An­ti­gos guer­ri­lhei­ros na Lun­da-Sul lem­bra­ram on­tem os sa­cri­fí­ci­os con­sen­ti­dos pa­ra o al­can­ce da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, pro­cla­ma­da a 11 de No­vem­bro de 1975.

O an­ti­go guer­ri­lhei­ro Ave­li­no Fernando Mus­su­lum­bi, com­pa­nhei­ro de ar­mas dos ma­lo­gra­dos ge­ne­rais João Bap­tis­ta de Ma­tos e Ber­nar­doT­xi­zaín­ga, lem­bra, com or­gu­lho, o ris­co de vi­da que cor­reu em vá­ri­as ba­ta­lhas, co­mo pre­ço pa­ra res­ga­tar os an­go­la­nos do que con­si­de­rou “gar­ras mor­tí­fe­ras” dos co­lo­ni­za­do­res.

A pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia, em 1975, dis­se, foi um mo­men­to ím­par na his­tó­ria do país, “cu­jos fi­lhos fo­ram re­si­li­en­tes nas amar­gu­ras mar­ca­das por tra­ba­lhos for­ça­dos, com uma re­mu­ne­ra­ção in­sig­ni­fi­can­te, opres­são e ou­tras se­ví­ci­as” im­pos­tas pe­lo re­gi­me co­lo­ni­al. Ac­tu­al­men­te re­for­ma­do, Ave­li­no Fernando Mus­su­lum­bi de­fen­de a pas­sa­gem do le­ga­do às no­vas ge­ra­ções, a fim de per­pe­tu­a­rem os va­lo­res no­bres da his­tó­ria do país.

Pa­ra o de­ca­no da Es­co­la Su­pe­ri­or Po­li­téc­ni­ca da Lun­da-Sul, afec­ta à Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji a N´kon­de, Fi­del Ma­nas­sa, o 11 de No­vem­bro nun­ca pas­sou des­per­ce­bi­do aos an­go­la­nos. O sig­ni­fi­ca­do da da­ta, acres­cen­tou, re­me­te pa­ra a aca­de­mia o de­ver de par­ti­lhar co­nhe­ci­men­tos à vol­ta da His­tó­ria e dos de­sa­fi­os do país, que avan­ça com ga­nhos no­tá­veis na for­ma­ção de qua­dros em to­das as áre­as. O pro­fes­sor Del­fim Ut­xi­ca, que nas­ceu de­pois da pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia, gu­ar­da na me­mó­ria os sub­sí­di­os co­lhi­dos dos mais ve­lhos so­bre a im­por­tân­cia da da­ta na vi­da de to­dos os an­go­la­nos.

Com a con­quis­ta da In­de­pen­dên­cia, dis­se, o po­vo an­go­la­no vi­ve or­gu­lho­so e apos­ta no tra­ba­lho pa­ra pro­mo­ver o seu bem-es­tar.

Del­fim Ut­xi­ca, que é li­cen­ci­a­do em Pe­da­go­gia, res­sal­tou, dos ga­nhos do país, a es­tra­té­gia de ex­pan­são do en­si­no su­pe­ri­or em to­das as pro­vín­ci­as, o aces­so às no­vas tecnologias de in­for­ma­ção e co­mu­ni­ca­ção e os trans­por­tes.

O pa­dre Ave­li­no Fre­de­ri­co lem­brou que a li­ber­da­de que os an­go­la­nos des­fru­tam cus­tou o san­gue de mui­tos com­pa­tri­o­tas. O país em paz e com uma de­mo­cra­cia em con­so­li­da­ção, sa­li­en­tou, re­gis­ta um cres­ci­men­to na re­cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras.

O re­li­gi­o­so de­fen­deu ri­gor na for­ma­ção dos ci­da­dãos, “es­pí­ri­to de par­ti­lha e so­li­da­ri­e­da­de com os mais ne­ces­si­ta­dos pa­ra se afas­tar o sen­ti­men­to de dis­cri­mi­na­ção”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.