MISA de­fen­de mai­or protecção aos jor­na­lis­tas

A li­ber­da­de de im­pren­sa em Mo­çam­bi­que e o mo­do co­mo o Go­ver­no ga­ran­te a se­gu­ran­ça dos jor­na­lis­tas mo­ti­vou uma no­ta de pre­o­cu­pa­ção do MISA, or­ga­ni­za­ção da re­gião Aus­tral de Áfri­ca que se tem dis­tin­gui­do na de­fe­sa dos di­rei­tos e ga­ran­ti­as dos pro­fis­si­o­nais

Jornal de Angola - - ÁFRICA - Vic­tor Car­va­lho

O MISA Mo­çam­bi­que, bra­ço lo­cal da or­ga­ni­za­ção re­gi­o­nal que lu­ta pe­la de­fe­sa da li­ber­da­de de im­pren­sa na Áfri­ca Aus­tral, exi­ge que o Go­ver­no apli­que de ime­di­a­to me­ca­nis­mos que ga­ran­tam uma mai­or protecção aos jor­na­lis­tas, cha­man­do a aten­ção pa­ra o au­men­to as­sus­ta­dor do nú­me­ro de ca­sos de per­se­gui­ção e aten­ta­dos con­tra a li­ber­da­de de in­for­mar e de ser in­for­ma­do.

“O MISA Mo­çam­bi­que ins­ta o Pre­si­den­te Fi­li­pe Nyu­si a ga­ran­tir que se­jam pos­tas em prá­ti­ca to­das as me­di­das de protecção dos jor­na­lis­tas”, re­fe­re a ins­ti­tui­ção, nu­ma no­ta dis­tri­buí­da à im­pren­sa por oca­sião do Dia In­ter­na­ci­o­nal pa­ra Aca­bar com a Im­pu­ni­da­de por Cri­mes Con­tra Jor­na­lis­tas.

Pa­ra a or­ga­ni­za­ção, é ca­da vez mais com­pli­ca­do o exer­cí­cio das li­ber­da­des de im­pren­sa e de ex­pres­são em Mo­çam­bi­que, dan­do co­mo exem­plo o au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo do nú­me­ro de ca­sos de per­se­gui­ção, rap­tos e ame­a­ças, con­si­de­ran­do que is­so exi­ge a to­ma­da de “me­di­das ur­gen­tes” por par­te do po­der exe­cu­ti­vo.

“Os cri­mi­no­sos que aten­tam con­tra a li­ber­da­de de im­pren­sa es­tão li­ga­dos ao po­der po­lí­ti­co e eco­nó­mi­co, que go­zam de to­tal protecção e im­pu­ni­da­de”, re­fe­re a or­ga­ni­za­ção. O MISA la­men­ta, tam­bém, que Mo­çam­bi­que ain­da não te­nha ra­ti­fi­ca­do nu­me­ro­sos acor­dos in­ter­na­ci­o­nais re­la­ci­o­na­dos com a de­fe­sa da li­ber­da­de de im­pren­sa, dan­do co­mo exem­plos a não subs­cri­ção das mais re­cen­tes re­so­lu­ções das Na­ções Uni­das so­bre a se­gu­ran­ça dos jor­na­lis­tas.

De re­cor­dar que nes­te úl­ti­mo ano fo­ram vá­ri­os os ca­sos de de­nún­ci­as con­tra res­tri­ções im­pos­tas à li­ber­da­de de im­pren­sa em Mo­çam­bi­que, sem que até ao mo­men­to se co­nhe­ça a con­clu­são dos inqué­ri­tos man­da­dos ins­tau­rar pe­las au­to­ri­da­des.

Exis­tem tam­bém si­tu­a­ções que en­vol­vem quei­xas de agressões e ame­a­ças a jor­na­lis­tas de di­fe­ren­tes ór­gãos sem que a po­lí­cia te­nha apre­sen­ta­do qual­quer re­sul­ta­do con­clu­si­vo.

No­vo sis­te­ma es­co­lar

Em res­pos­ta a al­gu­mas pre­o­cu­pa­ções le­van­ta­das há al­gum tem­po pe­la opo­si­ção e so­ci­e­da­de ci­vil em Mo­çam­bi­que, a As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca apro­vou, na se­ma­na pas­sa­da, na ge­ne­ra­li­da­de e por con­sen­so, a re­vi­são da Lei do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção (SNE), que tor­na obri­ga­tó­ria e gra­tui­ta a es­co­la­ri­da­de até à 9ª clas­se.

Es­ta no­va Lei, que ain­da tem de ser apro­va­da na es­pe­ci­a­li­da­de, faz com que a es­co­la­ri­da­de obri­ga­tó­ria dei­xe de ser a 7ª clas­se, co­mo acon­te­ce ac­tu­al­men­te. Se a lei for san­ci­o­na­da, o en­si­no pri­má­rio obri­ga­tó­rio em Mo­çam­bi­que pas­sa­rá a ser da 1ª à 6ª clas­se, com a 7ª clas­se a ser en­qua­dra­da no se­cun­dá­rio.

A lei pre­vê, tam­bém, que as tur­mas da 6ª clas­se dei­xem de ter um pro­fes­sor por ca­da dis­ci­pli­na, pas­san­do a ser lec­ci­o­na­das por ape­nas um pro­fes­sor, tal co­mo as res­tan­tes de to­do o en­si­no pri­má­rio. No sis­te­ma de en­si­no se­cun­dá­rio pas­sam a es­tar in­te­gra­dos dois ci­clos, sen­do o pri­mei­ro da 7ª à 9ª clas­se e o se­gun­do da 10ª à 12ª clas­se.

A lei ago­ra apro­va­da na ge­ne­ra­li­da­de es­ta­be­le­ce que o en­si­no pri­má­rio se re­a­li­ze em du­as mo­da­li­da­des: mo­no­lin­gue, em lín­gua por­tu­gue­sa, e bi­lin­gue, nu­ma lín­gua mo­çam­bi­ca­na e em lín­gua por­tu­gue­sa.

No do­cu­men­to é afir­ma­da a gra­tui­da­de do en­si­no pri­má­rio, que fi­ca as­sim isen­to do pa­ga­men­to de pro­pi­nas. O in­gres­so na 1ª clas­se é ape­nas per­mi­ti­do a cri­an­ças que já te­nham seis anos em Ju­nho, dei­xan­do de ser ad­mi­ti­das as que com­ple­tam es­sa ida­de em 31 de De­zem­bro.

De su­bli­nhar que es­ta pro­pos­ta de lei foi apro­va­da por con­sen­so pe­las três ban­ca­das da AR, a Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que (Fre­li­mo), que tem a mai­o­ria par­la­men­tar, Resistência Na­ci­o­nal Mo­çam­bi­ca­na (Re­na­mo), prin­ci­pal par­ti­do da opo­si­ção, e o Mo­vi­men­to De­mo­crá­ti­co de Mo­çam­bi­que (MDM), ter­cei­ro mai­or par­ti­do.

DR

Pro­fis­si­o­nais da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al em Mo­çam­bi­que fa­lam em ca­sos de per­se­gui­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.