Bi­o­me­di­ci­na é apli­ca­da no com­ba­te às en­de­mi­as

Jornal de Angola - - DESPORTO - Augusto Cu­te­ta

An­go­la de­ve adop­tar, a mé­dio pra­zo, a Bi­o­me­di­ci­na co­mo uma das prin­ci­pais es­tra­té­gi­as de di­ag­nós­ti­co, con­tro­lo e com­ba­te às do­en­ças, re­co­men­dou on­tem, em Lu­an­da, o es­pe­ci­a­lis­ta Filomeno For­tes.

Ao fa­lar na aber­tu­ra das Jor­na­das dos Ser­vi­ços de Saú­de das FAA, o mé­di­co lem­brou que o país tem um dos pi­o­res ín­di­ces de tra­ta­men­to da tu­ber­cu­lo­se e su­ge­riu a im­ple­men­ta­ção de di­nâ­mi­cas bi­o­mé­di­cas pró­pri­as que ou­tros paí­ses já usam, há anos, pa­ra re­sol­ver os prin­ci­pais pro­ble­mas de saú­de.

Em re­la­ção à tu­ber­cu­lo­se, Filomeno For­tes dis­se que as téc­ni­cas da Bi­o­me­di­ci­na po­dem re­du­zir os ac­tu­ais 60 mil do­en­tes, dos quais 50 por cen­to en­con­tram-se em tra­ta­men­to sem di­ag­nós­ti­co em BCG.

Quan­to às in­fec­ções se­xu­al­men­te trans­mis­sí­veis, o es­pe­ci­a­lis­ta em Bi­o­me­di­ci­na dis­se que exis­tem cem mil ca­sos re­gis­ta­dos no país, en­quan­to a on­cor­ce­co­se, se­gun­da cau­sa de ce­guei­ra, ame­a­ça mi­lha­res de pes­so­as no ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

A par des­sas en­fer­mi­da­des, o país, que é to­do en­dé­mi­co, daí os vá­ri­os sur­tos, tem re­gis­ta­do o sur­gi­men­to de vá­ri­as do­en­ças cró­ni­cas não trans­mis­sí­veis, en­tre as quais as do fórum men­tal e as car­di­o­vas­cu­la­res.

Ten­do em con­ta o ac­tu­al qua­dro, Filomeno For­tes su­ge­re uma mai­or apos­ta em bi­o­mé­di­cos. Nes­te mo­men­to, An­go­la es­tá a for­mar os pri­mei­ros 24 es­pe­ci­a­lis­tas, que en­cer­ram ho­je, em Lu­an­da, o pri­mei­ro ano do cur­so de dou­to­ra­men­to na es­pe­ci­a­li­da­de. O pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Medicina da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Neto (UAN), que é es­pe­ci­a­lis­ta em Bi­o­me­di­ci­na, ex­pli­cou que os for­man­dos fa­zem par­te da pri­mei­ra edi­ção do dou­to­ra­men­to na es­pe­ci­a­li­da­de, mi­nis­tra­do pe­la Fa­cul­da­de de Medicina da UAN, num pe­río­do de qua­tro anos.

Nos pró­xi­mos tem­pos, es­pe­ci­a­lis­tas vão de­bru­çar-se so­bre as­pec­tos de saú­de pri­o­ri­tá­ri­os pa­ra o Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Sa­ni­tá­rio do país, de acor­do com as prin­ci­pais do­en­ças que afec­tam a po­pu­la­ção.

Filomeno For­tes afir­mou que os es­tu­dos vão abran­ger en­fer­mi­da­des co­mo a ma­lá­ria, tu­ber­cu­lo­se, VIH e Sida, do­en­ças tro­pi­cais ne­gli­gen­ci­a­das, me­nin­gi­tes, car­di­o­vas­cu­la­res co­mo a hi­per­ten­são, en­tre ou­tras en­fer­mi­da­des que afec­tam cen­te­nas de fa­mí­li­as an­go­la­nas.

O ca­te­drá­ti­co avan­çou que, com es­te tra­ba­lho, os bi­o­mé­di­cos vão aju­dar o Mi­nis­té­rio da Saú­de a de­sen­vol­ver po­lí­ti­cas em re­la­ção a es­sas do­en­ças mais pró­xi­mas da re­a­li­da­de ci­en­tí­fi­ca.

O es­pe­ci­a­lis­ta em Bi­o­me­di­ci­na re­ve­lou que os ac­tu­ais for­man­dos, de­pois de ter­mi­na­rem o dou­to­ra­men­to, vão con­tri­buir com o seu sa­ber pa­ra a ex­pan­são da for­ma­ção a ou­tros ní­veis.

“Que­re­mos tra­ba­lhar pos­te­ri­or­men­te pa­ra os mes­tra­dos, de uma for­ma mais di­fu­sa, e per­mi­tir que a UAN avan­ce com li­cen­ci­a­tu­ras de bi­o­mé­di­cos, tam­bém”, as­se­gu­rou Filomeno For­tes.

Quan­to à im­por­tân­cia da Bi­o­me­di­ci­na, o aca­dé­mi­co ex­pli­cou que os do­mi­na­do­res de tais téc­ni­cas olham pa­ra o do­en­te da ma­lá­ria, por exem­plo, não só co­mo um pa­ci­en­te com fe­bre, mas co­mo al­guém que tem um pa­ra­si­ta em cir­cu­la­ção no san­gue e es­se mi­cro­or­ga­nis­mo de­ve ser com­ba­ti­do.

Filomeno For­tes, an­ti­go co­or­de­na­dor na­ci­o­nal do Pro­gra­ma de Com­ba­te à Ma­lá­ria, sa­li­en­tou que o bi­o­mé­di­co es­tu­da o do­en­te, por sa­ber que es­te po­de ter com­pli­ca­ções e es­sas de­vem ser pre­ve­ni­das.

KINDALA MA­NU­EL | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Téc­ni­cos de saú­de vão de­ba­ter as prin­ci­pais do­en­ças

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.