Jornal de Angola

Ins­ti­tu­to úni­co fis­ca­li­za ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas

O an­te­pro­jec­to de De­cre­to Pre­si­den­ci­al que per­mi­te a cri­a­ção do no­vo or­ga­nis­mo foi apro­va­do, on­tem, du­ran­te a se­gun­da reu­nião or­di­ná­ria da Co­mis­são Interminis­terial pa­ra a Reforma do Es­ta­do

- Cé­sar Es­te­ves Informatica Corporation

A ins­pec­ção so­bre as ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas, no país, até aqui re­a­li­za­da por al­guns mi­nis­té­ri­os, vai pas­sar a ser da ex­clu­si­va com­pe­tên­cia da Au­to­ri­da­de Na­ci­o­nal de Ins­pec­ção Eco­nó­mi­ca e Se­gu­ran­ça Ali­men­tar (ANIESA), uma ins­ti­tui­ção no­va com a na­tu­re­za de ins­ti­tu­to pú­bli­co. O an­te­pro­jec­to de De­cre­to Pre­si­den­ci­al que per­mi­te a sua cri­a­ção foi apro­va­do, on­tem, du­ran­te a se­gun­da reu­nião or­di­ná­ria da Co­mis­são Interminis­terial pa­ra a Reforma do Es­ta­do, ori­en­ta­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço. A ideia é ca­sar es­te pro­ces­so com os de des­con­cen­tra­ção e des­cen­tra­li­za­ção ad­mi­nis­tra­ti­vas, fa­zen­do com que, ao ní­vel do mu­ni­cí­pio, as di­rec­ções que exer­cem ac­ti­vi­da­de ins­pec­ti­va ou de fis­ca­li­za­ção se­jam po­ten­ci­a­das e os ins­pec­to­res vin­cu­la­dos às ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais.

A ins­pec­ção so­bre as ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas, no país, até aqui re­a­li­za­da por al­guns mi­nis­té­ri­os, vai pas­sar a ser, nos pró­xi­mos tem­pos, da ex­clu­si­va com­pe­tên­cia da Au­to­ri­da­de Na­ci­o­nal de Ins­pec­ção Eco­nó­mi­ca e Se­gu­ran­ça Ali­men­tar (ANIESA), uma ins­ti­tui­ção no­va com a na­tu­re­za de ins­ti­tu­to pú­bli­co.

O an­te­pro­jec­to de De­cre­to Pre­si­den­ci­al que per­mi­te a sua cri­a­ção foi apro­va­do, on­tem, du­ran­te a se­gun­da reu­nião or­di­ná­ria da Co­mis­são Interminis­terial pa­ra a Reforma do Es­ta­do, ori­en­ta­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço.

A ins­ti­tui­ção re­sul­ta da uni­fi­ca­ção dos ser­vi­ços sec­to­ri­ais de ins­pec­ção e fis­ca­li­za­ção das ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas.

Tem co­mo ob­jec­ti­vo as­se­gu­rar uma mai­or efi­ci­ên­cia e efi­cá­cia ad­mi­nis­tra­ti­vas, além de eli­mi­nar a du­pli­ci­da­de da in­ter­ven­ção ins­pec­ti­va por via da adop­ção de um no­vo pa­ra­dig­ma de ac­tu­a­ção, que te­nha co­mo fo­co a des­bu­ro­cra­ti­za­ção de pro­ce­di­men­tos e a me­lho­ria do am­bi­en­te de ne­gó­ci­os.

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, no fi­nal da reu­nião, o mi­nis­tro de Es­ta­do e che­fe da Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Adão de Al­mei­da, in­for­mou que o mo­de­lo vi­gen­te per­mi­tia que al­guns mi­nis­té­ri­os ti­ves­sem o ser­vi­ço de ins­pec­ção es­pe­cí­fi­co pa­ra o exer­cí­cio da sua ac­ti­vi­da­de, fac­to que era, igual­men­te, re­gis­ta­do, no pla­no ter­ri­to­ri­al, a ní­vel dos go­ver­nos pro­vin­ci­ais e das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais.

Re­fe­riu que o qua­dro cau­sa­va al­gu­ma di­fi­cul­da­de na ges­tão do mo­de­lo, mas, so­bre­tu­do, com­ple­xi­da­de pa­ra quem exer­ce ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca. "Te­mos, ho­je, ins­pec­ções no Mi­nis­té­rio da In­dús­tria e Co­mér­cio, da Cul­tu­ra, Tu­ris­mo e Am­bi­en­te e no da Agri­cul­tu­ra e Pes­cas", fri­sou.

Adão de Al­mei­da es­cla­re­ceu que a ideia é ca­sar es­te pro­ces­so com os de des­con­cen­tra­ção e des­cen­tra­li­za­ção ad­mi­nis­tra­ti­vas, fa­zen­do com que, ao ní­vel do mu­ni­cí­pio, as di­rec­ções que exer­cem ac­ti­vi­da­de ins­pec­ti­va ou de fis­ca­li­za­ção se­jam po­ten­ci­a­das e os ins­pec­to­res vin­cu­la­dos às ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais.

"Nu­ma pa­la­vra só, o que va­mos ter a acon­te­cer é que, em ca­da mu­ni­cí­pio, so­bre as mi­cro, pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas, só o ser­vi­ço com­pe­ten­te da ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal é que vai pas­sar a exer­cer a ac­ti­vi­da­de ins­pec­ti­va so­bre a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca", su­bli­nhou.

Já so­bre as gran­des em­pre­sas, es­cla­re­ceu, vai ser a es­tru­tu­ra cen­tral do ór­gão que vai exer­cer a ac­ti­vi­da­de ins­pec­ti­va so­bre as mes­mas.

O mi­nis­tro de Es­ta­do res­sal­tou que a ANIESA vai ser, es­sen­ci­al­men­te, uma ins­ti­tui­ção de âm­bi­to cen­tral e de co­or­de­na­ção ge­ral da ac­ti­vi­da­de, cu­ja mis­são se­rá con­du­zir o sis­te­ma de ins­pec­ção, que de­ve­rá ser "es­sen­ci­al­men­te exer­ci­do ao ní­vel mu­ni­ci­pal".

A uma per­gun­ta se a Po­lí­cia Na­ci­o­nal fa­rá par­te des­sa ope­ra­ção, Adão de Al­mei­da res­pon­deu ne­ga­ti­va­men­te, ten­do es­cla­re­ci­do que o pa­pel des­ta no pro­ces­so ocor­re mais na fa­se cri­mi­nal, on­de for ne­ces­sá­rio, por exem­plo, pra­ti­car um ac­to pa­ra dar lu­gar ao exer­cí­cio da ac­ção pe­nal. "No ca­so que es­ta­mos a tra­tar tem a ver, ape­nas, com o exer­cí­cio da ins­pec­ção, ter um cor­po de ins­pec­to­res que vai a um ca­be­lei­rei­ro, a uma far­má­cia ou a um agen­te eco­nó­mi­co qual­quer pa­ra fa­zer a ins­pec­ção", acla­rou. Adão de Al­mei­da sa­li­en­tou que, no âm­bi­to des­ta reforma, ca­da mu­ni­cí­pio vai exer­cer ins­pec­ção so­bre os equi­pa­men­tos que es­tão no seu ter­ri­tó­rio, por um la­do, e, por ou­tro, exer­cer so­bre as mi­cro, pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas. Em ca­da mu­ni­cí­pio, in­for­mou, vai ha­ver uma es­tru­tu­ra úni­ca. Acres­cen­tou que a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca é, ac­tu­al­men­te, ca­rac­te­ri­za­da por um mo­de­lo que pri­vi­le­gie a so­bre­po­si­ção de ins­ti­tui­ções. "A per­cep­ção ge­ral in­di­ca que quem exer­ce ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca tem uma pres­são gran­de, pro­ve­ni­en­te de vá­ri­as ins­ti­tui­ções que exer­cem ac­ti­vi­da­de ins­pec­ti­va", dis­se. Adão de Al­mei­da in­for­mou que, na sequên­cia de um con­jun­to de re­fle­xões fei­tas, des­de há al­gum tem­po, op­tou-se por aban­do­nar es­te mo­de­lo e cri­ar uma en­ti­da­de úni­ca pa­ra o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de ins­pec­ti­va so­bre a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca.

Inqué­ri­to

A Co­mis­são Interminis­terial pa­ra a Reforma do Es­ta­do apro­vou, ain­da, a re­a­li­za­ção de um inqué­ri­to que vi­sa ob­ter a opi­nião dos ci­da­dãos e das em­pre­sas acer­ca da qua­li­da­de dos ser­vi­ços pres­ta­dos pe­la Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, no que se re­fe­re aos ac­tos e pro­ce­di­men­tos cu­ja acen­tu­a­da de­man­da, com­ple­xi­da­de e bu­ro­cra­cia ape­lem pa­ra a re­for­mu­la­ção, que de­ve en­vol­ver a par­ti­ci­pa­ção ac­ti­va dos par­ti­cu­la­res na iden­ti­fi­ca­ção dos do­mí­ni­os a sim­pli­fi­car.

Es­sa ini­ci­a­ti­va, de acor­do com o co­mu­ni­ca­do da reu­nião, en­qua­dra-se no âm­bi­to da im­ple­men­ta­ção do Pro­jec­to de Sim­pli­fi­ca­ção de Ac­tos e Pro­ce­di­men­tos da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, de­sig­na­do "Sim­pli­fi­ca".

So­bre o pro­jec­to, o mi­nis­tro de Es­ta­do deu a co­nhe­cer que vão ser cri­a­dos me­ca­nis­mos di­gi­tais, e não só, atra­vés dos quais o Es­ta­do, com ba­se num inqué­ri­to, vai pro­cu­rar co­lher a per­cep­ção dos ci­da­dãos so­bre cer­tos ser­vi­ços pú­bli­cos, bem co­mo da di­nâ­mi­ca do pro­ce­di­men­to ad­mi­nis­tra­ti­vo na Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca.

Com es­te pas­so, pros­se­guiu, pre­ten­de-se ob­ter, do ci­da­dão, por exem­plo, a ideia so­bre quais os do­cu­men­tos mais di­fí­ceis de se­rem tra­ta­dos, os pro­ce­di­men­tos que con­si­de­ram bu­ro­cra­cia ex­ces­si­va e des­ne­ces­sá­ria e que, em fun­ção dis­so, po­dem ser eli­mi­na­dos e que do­cu­men­tos po­dem ser eli­mi­na­dos. "Pa­ra efei­to de ela­bo­ra­ção do pro­jec­to Sim­pli­fi­ca­ção de Pro­ce­di­men­to na Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, que­re­mos ob­ter a im­pres­são do ci­da­dão", su­bli­nhou.

A par­tir de 1 de Ou­tu­bro, in­for­mou, vai ser dis­po­ni­bi­li­za­da uma pla­ta­for­ma in­for­má­ti­ca, pa­ra além de ou­tros me­ca­nis­mos pa­ra quem en­ten­der fa­zê-lo de mo­do fí­si­co, pa­ra que o Es­ta­do te­nha a per­cep­ção, do ci­da­dão, so­bre a pres­ta­ção de ser­vi­ços pú­bli­cos.

 ?? DOMBELE BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ?? A Co­mis­são apro­vou a re­a­li­za­ção de um inqué­ri­to pa­ra ob­ter a opi­nião dos ci­da­dãos so­bre a qua­li­da­de dos ser­vi­ços pú­bli­cos
DOMBELE BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO A Co­mis­são apro­vou a re­a­li­za­ção de um inqué­ri­to pa­ra ob­ter a opi­nião dos ci­da­dãos so­bre a qua­li­da­de dos ser­vi­ços pú­bli­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola