Jornal de Angola

Ar­qui­tec­tos ao ser­vi­ço da eco­no­mia

- Adé­ri­to Ve­lo­so Como · Mary J. Blige · domain name · Americas

A cri­se afec­tou bas­tan­te o sec­tor da Cons­tru­ção e em con­sequên­cia o da Ar­qui­tec­tu­ra. Es­tão mui­tos ar­qui­tec­tos sem tra­ba­lho e é uma si­tu­a­ção que nos pre­o­cu­pa bas­tan­te

A Or­dem con­tro­la cer­ca de 1. 500 ar­qui­tec­tos, en­tre pro­fis­si­o­nais por con­ta pró­pria, por con­ta de ou­trem e tam­bém da fun­ção pú­bli­ca

A pro­fis­são de ar­qui­tec­to no mer­ca­do na­ci­o­nal ain­da en­fren­ta vá­ri­os cons­tran­gi­men­tos, ape­sar de ser uma ac­ti­vi­da­de vi­sí­vel em qual­quer par­te do mun­do. Em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la, o bas­to­ná­rio da Or­dem dos Ar­qui­tec­tos de An­go­la, Celestino Chitonho, enu­me­rou al­guns dos prin­ci­pais de­sa­fi­os que a or­ga­ni­za­ção de 1.500 mem­bros tem, pe­lo me­nos no man­da­to que ini­ci­ou no ano pas­sa­do e que se es­ten­de até 2022. Com o apoio e pro­gra­mas do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, a Or­dem quer aju­dar a cri­ar a po­lí­ti­ca pú­bli­ca do sec­tor da Ar­qui­tec­tu­ra, que po­de­rá ser um re­cur­so es­tra­té­gi­co pa­ra ala­van­car ou­tros sec­to­res, com re­al­ce pa­ra o te­ci­do pro­du­ti­vo na­ci­o­nal

Que ava­li­a­ção faz da ac­ti­vi­da­de dos ar­qui­tec­tos no mer­ca­do na­ci­o­nal?

Es­ta­mos ac­tu­al­men­te a fa­zer es­te di­ag­nós­ti­co, pos­te­ri­or­men­te evo­luir pa­ra po­lí­ti­cas pú­bli­cas e de­pois se­pa­rar o tri­go do joio. A ac­ti­vi­da­de dos ar­qui­tec­tos em qual­quer par­te do mun­do é vi­sí­vel no ter­ri­tó­rio. Co­mo es­ta­mos nu­ma fa­se on­de não só ar­qui­tec­tos le­gais es­tão a in­ter­vir no ter­ri­tó­rio, ain­da não se po­de fa­zer es­ta ava­li­a­ção.

Quais são os prin­ci­pais cons­tran­gi­men­tos?

Cons­tran­gi­men­tos são mui­tos. Não é pos­sí­vel abor­dá-los to­dos. Vão des­de a con­tra­ta­ção de pro­jec­tos e ac­tos do exer­cí­cio da pro­fis­são a téc­ni­cos não ins­cri­tos na Or­dem, mes­mo por par­te da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca. E em mui­tos ca­sos nem se­quer pos­su­em for­ma­ção em ar­qui­tec­tu­ra. Es­ta ati­tu­de de­pois re­flec­te-s no ter­ri­tó­rio e na qua­li­da­de do es­pa­ço cons­truí­do. Fal­ta de cul­tu­ra pa­ra a re­a­li­za­ção de con­cur­sos pú­bli­cos de pro­jec­tos. Es­te as­pec­to já se­ria um meio pa­ra a me­lho­ria da qua­li­da­de dos pro­jec­tos. Fal­ta bas­tan­te le­gis­la­ção pa­ra o sec­tor. Ain­da te­mos de cri­ar mui­tas nor­mas e re­gu­la­men­tos ten­do em con­ta a nos­sa re­a­li­da­de. A cri­se afec­tou bas­tan­te o sec­tor da Cons­tru­ção e em con­sequên­cia o da Ar­qui­tec­tu­ra. Es­tão mui­tos ar­qui­tec­tos sem tra­ba­lho e é uma si­tu­a­ção que nos pre­o­cu­pa bas­tan­te.

O mer­ca­do an­go­la­no tem mui­tos pro­fis­si­o­nais fan­tas­mas?

In­fe­liz­men­te sim. Mas es­ta ques­tão faz par­te das nos­sas pri­o­ri­da­des e es­tá a ser re­sol­vi­da. Os que in­sis­ti­rem em exer­cer ile­gal­men­te se­rão en­tre­gues à Jus­ti­ça. A lei con­sa­gra o exer­cí­cio ile­gal co­mo cri­me e con­se­quen­te­men­te pu­ní­vel cri­mi­nal­men­te.

Que po­lí­ti­cas a Or­dem es­tá a de­sen­vol­ver pa­ra in­cen­ti­var os es­cri­tó­ri­os ou ga­bi­ne­tes dos ar­qui­tec­tos a en­qua­drar a no­va va­ga de jo­vens que en­tram pa­ra o mer­ca­do sem ex­pe­ri­ên­cia?

Já lan­ça­mos o rep­to pa­ra o em­pre­en­de­do­ris­mo a ní­vel da ar­qui­tec­tu­ra. Te­mos no­ção que não bas­ta. As es­co­las não en­si­nam co­mo cri­ar um ga­bi­ne­te de ar­qui­tec­tu­ra, nem co­mo ven­der ser­vi­ços.A Or­dem de­ve­rá, nos pró­xi­mos tem­pos, apre­sen­tar o seu pla­no de for­ma­ção con­tí­nua, on­de es­ta te­má­ti­ca de­ve fa­zer par­te. O es­tá­gio tam­bém de­ve­rá aju­dar, mas é ne­ces­sá­rio re­gu­la­men­tá­los e po­ten­ci­ar os ga­bi­ne­tes que vão re­ce­ber es­ta­giá­ri­os.

Exis­tem es­tá­gi­os pa­ra os re­cém-for­ma­dos?

Nes­te mo­men­to ain­da não. Va­mos co­me­çar ago­ra com exa­mes de aces­so e pos­te­ri­or­men­te evo­luir pa­ra es­tá­gi­os. Es­ta­mos a cons­ta­tar, jun­to dos ga­bi­ne­tes de ar­qui­tec­tu­ra, as con­di­ções exis­ten­tes pa­ra o efei­to.

Já há a cul­tu­ra das em­pre­sas ou par­ti­cu­la­res re­cor­re­rem aos ser­vi­ços dos ar­qui­tec­tos pa­ra de­sen­vol­ve­rem os seus pro­jec­tos?

Já tem acon­te­ci­do, mas ain­da é pou­co. Se­rá ne­ces­sá­rio cri­ar a cul­tu­ra de olhar pa­ra a ar­qui­tec­tu­ra de mo­do di­fe­ren­te. Te­mos mes­mo de "Edu­car pa­ra a Ar­qui­tec­tu­ra". Pa­ra is­so, o pa­pel pe­da­gó­gi­co dos pró­pri­os ar­qui­tec­tos se­rá de ex­tre­ma im­por­tân­cia, mas a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca tam­bém não po­de fi­car de par­te.

Quan­to cus­ta a con­cep­ção de uma ca­sa nor­mal de uma fa­mí­lia an­go­la­na, que na prá­ti­ca é cons­ti­tuí­da por pe­lo me­nos cin­co mem­bros (pes­so­as)?

Tu­do de­pen­de do ta­ma­nho da habitação e do pa­drão. Se é bai­xa, mé­dia ou al­ta ren­da. Do pon­to de vis­ta da le­gis­la­ção exis­ten­te, à qual po­de­mos afir­mar que es­tá de­sac­tu­a­li­za­da, pois que já vem da era co­lo­ni­al, o pre­ço de um pro­jec­to com­ple­to de ar­qui­tec­tu­ra e as di­fe­ren­tes es­pe­ci­a­li­da­des ou en­ge­nha­ri­as, tem uma re­la­ção di­rec­ta com o cus­to de cons­tru­ção. O va­lor po­de che­gar até dez por cen­to do va­lor da obra. Uma habitação em que o va­lor de cons­tru­ção che­ga aos cin­quen­ta mi­lhões de kwan­zas, o cus­to do pro­jec­to po­de che­gar aos cin­co mi­lhões. Is­to se­gun­do o De­cre­to de­no­mi­na­do Ins­tru­ções pa­ra o Cál­cu­lo de Ho­no­rá­ri­os de Obras Pú­bli­cas. Es­ta­mos nes­te mo­men­to a re­flec­tir nu­ma ba­se pa­ra a de­fi­ni­ção do cus­to mí­ni­mo de um pro­jec­to, ten­do em con­ta a nos­sa re­a­li­da­de.

Pa­ra um edi­fí­cio pa­ra al­ber­gar es­cri­tó­ri­os?

Em prin­cí­pio se­gue a mes­ma ló­gi­ca.

Os pro­jec­tos ide­a­li­za­dos pe­los ar­qui­tec­tos na­ci­o­nais são de qua­li­da­de?

Te­mos es­ta­do a acom­pa­nhar ar­qui­tec­tos na­ci­o­nais com mui­to boa qua­li­da­de. Fe­liz­men­te exis­tem, pre­ci­sa­mos pro­mo­vê-los e di­vul­gar o seu tra­ba­lho. Na ar­qui­tec­tu­ra, quan­to mais tra­ba­lho um ar­qui­tec­to faz, mais ex­pe­ri­ên­cia ga­nha e com ela au­men­ta a qua­li­da­de do seu tra­ba­lho. O nos­so Exe­cu­ti­vo ain­da tem tem­po de não vol­tar a en­tre­gar

as en­co­men­das de pro­jec­tos aos es­tran­gei­ros em de­tri­men­to dos na­ci­o­nais. No mí­ni­mo que se pro­mo­vam con­cur­sos. É co­mo no des­por­to: quan­to mais se jo­ga, mais o ní­vel au­men­ta.

O ar­qui­tec­to an­go­la­no ga­nha mal?

Es­ta ques­tão é pro­fun­da. Pre­ci­sa­mos cri­ar le­gis­la­ção so­bre cus­tos e ho­no­rá­ri­os olhan­do pa­ra a nos­sa re­a­li­da­de. Por ou­tro la­do, a boa cons­tru­ção só exis­te quan­do exis­te um bom pro­jec­to. Quem per­ce­be o pa­pel do ar­qui­tec­to, nor­mal­men­te ten­de a pa­gá-lo de mo­do jus­to. Quem não per­ce­be, sim­ples­men­te pa­ga qual­quer coi­sa. É um pro­ces­so. Nor­mal­men­te te­mos di­to que o tra­ba­lho do ar­qui­tec­to não tem pre­ço, tem va­lor!

Co­mo é que en­ca­ra o de­sen­vol­vi­men­to das no­vas ci­da­des ou cen­tra­li­da­des que es­tão a ser cons­truí­das?

So­bre es­te as­sun­to exis­te mui­to a di­zer. Quan­do co­me­çou o pro­ces­so de cons­tru­ção des­tas no­vas “ci­da­des”, es­tá­va­mos num con­tex­to de emer­gên­cia ha­bi­ta­ci­o­nal. Ho­je, o con­tex­to mu­dou e não po­de­mos usar a mes­ma re­cei­ta. Es­ta­mos ain­da com um dé­fi­cit de es­tu­dos so­bre a nos­sa re­a­li­da­de. Pen­so que as pri­mei­ras cen­tra­li­da­des e já ha­bi­ta­das, de­ve­ri­am ser­vir de la­bo­ra­tó­ri­os de pes­qui­sa, vi­san­do me­lho­rar o que es­tá ou po­de­ria ser fei­to ho­je em ter­mos de con­cep­ção, tan­to do pon­to de vis­ta ur­ba­no, co­mo na ar­qui­tec­tu­ra li­ga­da aos mo­de­los ha­bi­ta­ci­o­nais. En­quan­to país, pen­so que es­ta­mos a per­der mui­tas opor­tu­ni­da­des de co­lo­car os nos­sos qua­dros ao ser­vi­ço do de­sen­vol­vi­men­to da na­ção.

A no­va ten­dên­cia ar­qui­tec­tó­ni­ca é mui­to di­fe­ren­te da dos anos an­tes da in­de­pen­dên­cia. Co­mo é que en­ca­ra, em ter­mos ar­qui­tec­tó­ni­cos, os no­vos edi­fí­ci­os que es­tão a nas­cer, por exem­plo, na bai­xa de Lu­an­da ou na or­la ma­rí­ti­ma?

Ca­da épo­ca tem as su­as ca­rac­te­rís­ti­cas es­pe­cí­fi­cas. Exis­te tam­bém o sur­gi­men­to de no­vos con­cei­tos e de no­vos ma­te­ri­ais de cons­tru­ção, que po­dem cri­ar di­fe­ren­ças subs­tan­ci­ais na for­ma dos edi­fí­ci­os. Es­ta­mos nu­ma épo­ca con­tem­po­râ­nea, al­guns de­fen­dem que já é pós-con­tem­po­râ­nea e te­mos à mão re­cur­sos que não exis­ti­am no pe­río­do an­tes da in­de­pen­dên­cia, al­tu­ra em que mui­tos dos edi­fí­ci­os fo­ram fei­tos na bai­xa da ci­da­de. Exis­tem as­pec­tos na ar­qui­tec­tu­ra que con­si­de­ro imu­tá­veis, a res­pos­ta que se dá ao cli­ma, ao es­pí­ri­to do lu­gar, à cul­tu­ra e à fun­ção. Cum­prin­do es­tes as­pec­tos, a for­ma de­pen­de do gos­to de quem faz a en­co­men­da ou da ex­per­ti­se do ar­qui­tec­to. É is­so que ge­ra o de­sen­vol­vi­men­to! Nos paí­ses on­de já exis­tem po­lí­ti­cas pú­bli­cas de ar­qui­tec­tu­ra, as au­to­ri­da­des em al­guns ca­sos de­fi­nem um pa­drão a se­guir, que as ve­zes é de con­sen­so, ou­tras ge­ra po­lé­mi­ca. Nes­te mo­men­to, es­ta­mos a as­sis­tir de lon­ge a po­lé­mi­ca ge­ra­da pe­la ad­mi­nis­tra­ção Trump, ao exi­gir que to­dos os edi­fí­ci­os pú­bli­cos de­vem ser fei­tos no es­ti­lo clás­si­co.

O que é que de­ve ser fei­to pa­ra se pre­ser­var e con­ci­li­ar o an­ti­go com as no­vas ten­dên­ci­as ur­ba­nís­ti­cas?

De­vem ser cri­a­das po­lí­ti­cas rí­gi­das li­ga­das ao pa­tri­mó­nio cul­tu­ral. Já exis­te uma le­gis­la­ção de ba­se, mas tem si­do atro­pe­la­da sis­te­ma­ti­ca­men­te.

O sec­tor da Ar­qui­tec­tu­ra po­de ser um ca­ta­li­sa­dor do de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co?

Ar­qui­tec­tu­ra faz par­te de um gru­po de ac­tos que a an­tro­po­lo­gia clás­si­ca es­tu­da co­mo “Fac­to So­ci­al To­tal”, e não apro­vei­tar es­ta po­ten­ci­a­li­da­de se­ria um er­ro his­tó­ri­co pa­ra a nos­sa ge­ra­ção.

Há a in­ten­ção da or­dem apos­tar nas acções do PRODESI, bem co­mo do PAC. De que for­ma po­de­rão os fi­li­a­dos da or­dem dos Ar­qui­tec­tos ade­rir?

Os as­so­ci­a­dos po­de­rão ade­rir atra­vés dos res­pec­ti­vos ga­bi­ne­tes de ar­qui­tec­tu­ra, que na re­a­li­da­de são pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas, le­ga­li­za­das, que tam­bém pa­gam con­tri­bui­ções ao Es­ta­do, e é pro­du­ção na­ci­o­nal. Tem a úni­ca par­ti­cu­la­ri­da­de que o pro­du­to é bas­tan­te es­pe­cí­fi­co.

Que me­ca­nis­mos a Or­dem irá de­sen­vol­ver pa­ra o uso dos ma­te­ri­ais de cons­tru­ção ci­vil fei­tos nas fá­bri­cas an­go­la­nas?

Es­ta abor­da­gem já en­tra no cam­po das Po­lí­ti­cas Pú­bli­cas de Ar­qui­tec­tu­ra. O pri­mei­ro me­ca­nis­mo é o in­cen­ti­vo ao uso de ma­te­ri­ais fa­bri­ca­dos lo­cal­men­te. Já es­ta­mos a cri­ar uma ba­se de da­dos des­tes ma­te­ri­ais. Es­ta abor­da­gem le­van­ta ou­tras ques­tões que se­rão re­sol­vi­das com a im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas es­pe­cí­fi­cas. Um se­gun­do as­pec­to se­rá o in­cen­ti­vo ao uso de téc­ni­cas cons­tru­ti­vas de do­mí­nio das nos­sas po­pu­la­ções,sen­do que, no fi­nal, es­ta abor­da­gem vai se re­flec­tir na cri­a­ção de mais pos­tos de tra­ba­lho e di­na­mi­za­ção de eco­no­mi­as lo­cais. É um pro­ces­so e o im­por­tan­te é co­me­çar. As téc­ni­cas cons­tru­ti­vas das nos­sas po­pu­la­ções de­vem igual­men­te ser in­ven­ta­ri­a­das e cri­ar-se ma­nu­ais de bo­as prá­ti­cas.

O país já tem uma po­lí­ti­ca pú­bli­ca de Ar­qui­tec­tu­ra?

Não. Es­ta abor­da­gem é no­va. Apro­vei­tan­do os pro­gra­mas já exis­ten­tes do Exe­cu­ti­vo, va­mos co­lo­car a Ar­qui­tec­tu­ra ao ser­vi­ço da eco­no­mia. Nu­ma se­gun­da fa­se ao ser­vi­ço da nos­sa Cul­tu­ra e Tra­di­ções e na ter­cei­ra fa­se ao ser­vi­ço da Saú­de. O cam­po de apli­ca­ção é vas­to e sub­til­men­te va­mos im­ple­men­tan­do em ou­tras áre­as da vi­da so­ci­al. É o que cha­ma­mos de ar­qui­tec­tu­ra en­quan­to re­cur­so es­tra­té­gi­co da ac­tu­a­ção do Es­ta­do. É exa­ta­men­te o que es­tá a fa­zer a ad­mi­nis­tra­ção Trump, mas de­vi­do a uma ques­tão mui­to es­pe­cí­fi­ca. “Fa­zer pa­re­cer que a Amé­ri­ca é uma na­ção adul­ta e sé­ria, só mes­mo atra­vés das es­tru­tu­ras ar­qui­tec­tó­ni­cas do

Es­ta­do.” É sa­bi­do por to­dos que Trump, na sua ac­tu­a­ção po­lí­ti­ca, co­lo­cou em dú­vi­da a se­ri­e­da­de do Es­ta­do ame­ri­ca­no e es­tão a ten­tar usar a ar­qui­tec­tu­ra pa­ra dar um jei­to.

Que con­tri­bu­to a Or­dem tem es­ta­do­a­dar­pa­ra­que­a­es­tra­té­gia se­ja mais abran­gen­te e abar­que to­das as sen­si­bi­li­da­des?

As po­lí­ti­cas pú­bli­cas só fun­ci­o­nam na sua ple­ni­tu­de quan­do é uma es­tra­té­gia do Es­ta­do. En­quan­to en­ti­da­de má­xi­ma no Es­ta­do an­go­la­no­pa­ra a re­gu­la­ção do exer­cí­cio da ar­qui­tec­tu­ra, es­ta­mos a fa­zer a nos­sa par­te, pas­san­do a vi­são aos ar­qui­tec­tos e pro­cu­ran­do co­lo­car na agen­da da go­ver­na­ção ter a ar­qui­tec­tu­ra co­mo um re­cur­so es­tra­té­gi­co da sua ac­tu­a­ção.

Te­mos es­ta­do a acom­pa­nhar ar­qui­tec­tos na­ci­o­nais com mui­to boa qua­li­da­de. Fe­liz­men­te exis­tem, pre­ci­sa­mos pro­mo­vê-los e di­vul­gar o seu tra­ba­lho. Na ar­qui­tec­tu­ra, quan­to mais tra­ba­lho um ar­qui­tec­to faz, mais ex­pe­ri­ên­cia ga­nha e com ela au­men­ta a qua­li­da­de do seu tra­ba­lho

 ?? DR ??
DR
 ?? CEDIDA ??
CEDIDA
 ??  ??
 ??  ??
 ?? CEDIDA ??
CEDIDA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola