Jornal de Angola

Ven­de­do­res de mer­ca­dos de Lu­an­da cum­prem me­di­das de pre­ven­ção

Na al­tu­ra em que a ven­da era fei­ta em três di­as ha­via mui­tas per­das, uma vez que apo­dre­ci­am inú­me­ras quan­ti­da­des de to­ma­te, ce­nou­ra, ba­ta­ta e ou­tros pro­du­tos ad­qui­ri­dos no Mer­ca­do Mu­ni­ci­pal do Km28, vul­go 30

- Edi­val­do Cris­tó­vão

No in­te­ri­or dos mer­ca­dos da BCA, Asa Bran­ca e do São Pau­lo é vi­sí­vel o cum­pri­men­to das me­di­das de pre­ven­ção con­tra a Co­vid-19, con­cre­ta­men­te o uso de más­ca­ras e o dis­tan­ci­a­men­to en­tre as pes­so­as.

Fe­li­ci­a­na Do­min­gos, 55 anos, ven­de no mer­ca­do da BCA há três anos. Com o que ga­nha con­se­gue cus­te­ar as des­pe­sas com os qua­tro fi­lhos, uma ba­ta­lha que tra­va so­zi­nha há 15 anos, de­pois do fa­le­ci­men­to do ma­ri­do.

Fe­li­ci­a­na, que an­tes ven­dia pa­nos afri­ca­nos pe­las ru­as de Lu­an­da, op­tou por um no­vo ne­gó­cio, nu­ma al­tu­ra em que o an­te­ri­or dei­xou de ser lu­cra­ti­vo. Ago­ra, ven­de to­ma­te, pe­pi­no, ce­bo­la e ce­nou­ra.

Quan­to à ex­ten­são dos di­as de ven­da nos mer­ca­dos de Lu­an­da, Fe­li­ci­a­na re­fe­riu que a me­di­da vai aju­dar a es­ta­bi­li­zar o ne­gó­cio de mi­lha­res de fa­mí­li­as e dar mai­o­res ga­ran­ti­as do sus­ten­to des­sas pes­so­as. “Ape­sar de es­tar­mos nu­ma fa­se de pan­de­mia, é ne­ces­sá­rio obe­de­cer as me­di­das de pre­ven­ção im­pos­tas pe­las au­to­ri­da­des, de for­ma a evi­tar a pro­pa­ga­ção do ví­rus. Por is­so, de­ve­mos cum­prir com os ho­rá­ri­os es­ta­be­le­ci­dos”, dis­se.

Re­al­çou que, na al­tu­ra em que a ven­da era fei­ta em três di­as, hou­ve mui­ta per­da de pro­du­tos, uma vez que viu apo­dre­cer inú­me­ras quan­ti­da­des de to­ma­te, ce­nou­ra, ba­ta­ta e ou­tros pro­du­tos que ad­qui­re no Mer­ca­do Mu­ni­ci­pal do KM28, vul­go Mer­ca­do do 30. “Es­te ne­gó­cio não é na­da fá­cil, por­que nem to­dos os di­as são lu­cra­ti­vos”, dis­se, su­bli­nhan­do que a si­tu­a­ção va­ria de dia pa­ra dia.

Re­la­ti­va­men­te ao com­por­ta­men­to dos fis­cais, dis­se que me­lho­rou mui­to nos úl­ti­mos di­as. “Eles não res­pei­ta­vam o ne­gó­cio quan­do vi­es­sem fa­zer a co­bran­ça”.

Fe­li­ci­a­na Do­min­gos pe­diu à ad­mi­nis­tra­ção lo­cal pa­ra me­lho­rar as vi­as de aces­so ao mer­ca­do, por­que “a es­tra­da es­tá em pés­si­mas con­di­ções e, quan­do cho­ve, fi­ca­mos sem cli­en­tes, por es­ses não acei­ta­rem co­lo­car os car­ros na­que­le pi­so hor­rí­vel”.

An­ge­li­na Sa­mu­el, 38 anos, ven­de no mer­ca­do há três anos. Vi­ve no bair­ro do Gra­fa­nil, com o ma­ri­do e cin­co fi­lhos. Dis­se que o ne­gó­cio tem si­do di­fí­cil, de­vi­do aos ven­de­do­res de rua, que pra­ti­cam pre­ços mais bai­xos e ape­lou à ad­mi­nis­tra­ção pa­ra aca­bar com a ven­da nas pro­xi­mi­da­des do es­pa­ço co­mer­ci­al. So­bre os fis­cais, con­si­de­rou ra­zoá­vel o com­por­ta­men­to dos agen­tes, mas con­de­nou cer­tas ati­tu­des. “Há di­as em que eles le­vam os pro­du­tos das ven­de­do­ras que não pa­gam a ta­xa”.

Em re­la­ção ao uso da más­ca­ra, re­fe­riu que quem es­ti­ver sem más­ca­ra, exi­gem o pa­ga­men­to da mul­ta.

“Só te­mos que obe­de­cer às me­di­das de pre­ven­ção con­tra a Co­vid-19, se qui­ser­mos so­bre­vi­ver à pan­de­mia e con­ti­nu­ar a ven­der nos mer­ca­dos”, dis­se Lu­ci­a­na Do­min­gas, uma mu­lher que to­dos os di­as vai ce­di­nho à rua pa­ra tra­ba­lhar e ga­ran­tir o sus­ten­to da fa­mí­lia.

Ven­de­do­ra do Mer­ca­do da BCA, lo­ca­li­za­do na zo­na do Gra­fa­nil, Lu­ci­a­na Do­min­gos tem no­ção dos pe­ri­gos da Co­vid-19, por is­so pe­diu pa­ra que se re­for­cem as me­di­das de pro­tec­ção in­di­vi­du­al e co­lec­ti­va, im­pos­tas pe­las au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as.

400 ven­de­do­res

O Mer­ca­do da BCA tem per­to de 400 ven­de­do­res re­gis­ta­dos.Ca­da um de­les pa­ga a fi­cha no va­lor de 200 kwan­zas por dia. Es­te mon­tan­te in­clui o pa­ga­men­to da ban­ca­da e dos “ca­en­ches”, for­ma co­mo é tra­ta­do o pes­so­al da se­gu­ran­ça do es­pa­ço co­mer­ci­al e dos pro­du­tos que pas­sam ali a noi­te.

Uma das fis­cais do mer­ca­do da BCA é Ma­fu­ta Fu­ne­te. Ela dis­se que o seu tra­ba­lho é co­brar pe­las fi­chas diá­ri­as, ten­do ga­ran­ti­do que o di­nhei­ro das mul­tas é de­po­si­ta­do na Con­ta Úni­ca do Te­sou­ro.

“Além da co­bran­ça de pa­ga­men­to, tam­bém con­tro­la­mos as me­di­das de pre­ven­ção con­tra a Co­vid-19, re­la­ti­va­men­te ao uso da más­ca­ra e o dis­tan­ci­a­men­to, prin­ci­pal­men­te. Quem não res­pei­tar pro­cu­ra­mos sen­si­bi­li­zar, mas se for rein­ci­den­te apli­ca­mos a mul­ta”, dis­se.

Acres­cen­tou que tem ha­vi­do pou­cos ca­sos de pes­so­as que não cum­prem as me­di­das de pre­ven­ção. “Elas têm cum­pri­do as ori­en­ta­ções das au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as. Quem mais des­res­pei­ta são os com­pra­do­res”.

Re­al­çou que an­tes das ven­de­do­ras en­tra­rem no mer­ca­do, são obri­ga­das a la­var as mãos com água e sa­bão, sen­do que os fis­cais fa­zem mais um pa­pel pe­da­gó­gi­co do que de pu­ni­ção.

 ?? DOMBELE BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ??
DOMBELE BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola