Jornal de Angola

BNA aca­ba com cré­di­to à habitação em divisas

Ban­cos co­mer­ci­ais são ain­da ori­en­ta­dos a alar­ga­rem os pra­zos de li­qui­da­ção e re­ne­go­ci­ar com os cli­en­tes as ta­xas de ju­ro e va­lor das pres­ta­ções men­sais por des­con­tar ao cli­en­te

- Business · Banking · Financial Technology · Foreign Exchange Market · Credits · Currencies · Finance · Personal Finance · Financial Markets · Angola · Como · Luanda · National Bank of Angola

Os cli­en­tes par­ti­cu­la­res com cré­di­tos em mo­e­da es­tran­gei­ra pa­ra habitação pró­pria e que não de­te­nham ren­di­men­tos ou re­cur­sos nes­sa mo­e­da es­tão le­gal­men­te au­to­ri­za­dos a efec­ti­var a sua con­ver­são.

Um ins­tru­ti­vo do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la, pu­bli­ca­do on­tem, so­bre a "con­ver­são de cré­di­tos habitação con­ce­di­dos a par­ti­cu­la­res em mo­e­da es­tran­gei­ra" obri­ga os ban­cos co­mer­ci­ais a con­tac­ta­rem to­dos os cli­en­tes abran­gi­dos pe­la re­fe­ri­da ori­en­ta­ção, no sen­ti­do de afe­rir se os mes­mos pre­ten­dem con­ver­ter os cré­di­tos em mo­e­da es­tran­gei­ra pa­ra a mo­e­da na­ci­o­nal.

De acor­do com o BNA, os ban­cos co­mer­ci­ais de­ve­rão con­si­de­rar a con­ver­são dos cré­di­tos em mo­e­da es­tran­gei­ra, in­de­pen­den­te­men­te do ní­vel de im­pa­ri­da­des (quan­do o va­lor re­al de um ac­ti­vo é me­nor do que o va­lor que es­tá re­gis­ta­do na con­ta­bi­li­da­de) re­gis­ta­das nes­sa mo­e­da so­bre ca­da cré­di­to. Pa­ra tal, de­vem con­ser­var o com­pro­va­ti­vo es­cri­to do con­tac­to com o cli­en­te, bem co­mo da res­pos­ta des­te.

Es­ta po­si­ção do ban­co cen­tral le­vou em con­si­de­ra­ção o Avi­so nº 11/2014 de 17 de De­zem­bro que proí­be a con­ces­são de cré­di­to em mo­e­da es­tran­gei­ra com ex­cep­ção do cré­di­to a ex­por­ta­do­res e ao Es­ta­do, ten­do em con­ta o ris­co ele­va­do in­trín­se­co nos cré­di­tos con­tra­ta­dos nu­ma mo­e­da di­fe­ren­te à dos ren­di­men­tos dos mu­tuá­ri­os. Igual­men­te, con­si­de­rou a evo­lu­ção da ta­xa de câm­bio nos úl­ti­mos anos e a me­nor dis­po­ni­bi­li­da­de de mo­e­da es­tran­gei­ra. Es­te ce­ná­rio re­sul­tou no au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo da ta­xa de es­for­ço dos cli­en­tes e, con­se­quen­te­men­te, no agra­va­men­to do ris­co de in­cum­pri­men­to.

Por es­ta ra­zão, en­ten­de a au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria e cam­bi­al ser opor­tu­no es­ta­be­le­cer con­di­ções pa­ra fa­ci­li­tar a con­ver­são pa­ra mo­e­da na­ci­o­nal dos cré­di­tos em mo­e­da es­tran­gei­ra, con­tra­ta­dos pa­ra a habitação pró­pria por cli­en­tes par­ti­cu­la­res sem ren­di­men­tos ou re­cur­sos nes­sa mo­e­da.

Ter­mos da re­ne­go­ci­a­ção

Co­mo in­for­ma­ção pa­ra a to­ma­da de de­ci­são do cli­en­te, os ban­cos de­vem apre­sen­tar os ter­mos e con­di­ções apli­cá­veis ao cré­di­to em mo­e­da na­ci­o­nal, in­cluin­do uma si­mu­la­ção do pla­no fi­nan­cei­ro que de­ve con­tem­plar, no mí­ni­mo, a ta­xa de câm­bio, de ju­ros e o pra­zo.

Quan­to à ta­xa de câm­bio, de­ve ser a de re­fe­rên­cia pu­bli­ca­da pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la do dia da si­mu­la­ção, não sen­do per­mi­ti­da a apli­ca­ção de qual­quer mar­gem. Pa­ra os Ju­ros, nos cré­di­tos com ta­xas de ju­ro va­riá­vel de­ve ser apli­ca­da LUIBOR co­mo in­de­xan­te cor­res­pon­den­te ao pe­río­do de pa­ga­men­to de ju­ros, uma vez ser a Ta­xa In­ter­ban­cá­ria de Ofer­ta de Fun­dos do Mer­ca­do de Lu­an­da, aque­la que os ban­cos co­bram quan­do em­pres­tam di­nhei­ro en­tre si.

Pa­ra a to­ma­da de de­ci­são do cli­en­te, os ban­cos de­vem apre­sen­tar os ter­mos e con­di­ções apli­cá­veis ao cré­di­to em mo­e­da na­ci­o­nal

 ?? EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ?? Ins­tru­ti­vo obri­ga os ban­cos a con­tac­ta­rem to­dos os cli­en­tes
EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Ins­tru­ti­vo obri­ga os ban­cos a con­tac­ta­rem to­dos os cli­en­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola