A eco­no­mia azul

Jornal de Angola - - Opinião -

Co­me­mo­rou-se on­tem o Dia Mun­di­al do Mar, uma da­ta ins­ti­tuí­da pe­la Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) e que, pa­ra nós an­go­la­nos, diz-nos mui­to sob to­das as for­mas. Afi­nal, Angola pos­sui uma di­men­são ma­rí­ti­ma es­ti­ma­da em 1650 qui­ló­me­tros que, quan­do as­so­ci­a­da à pers­pec­ti­va de ex­pan­são, re­co­nhe­ci­men­to e apro­vei­ta­men­to da cha­ma­da Zo­na Eco­nó­mi­ca Ex­clu­si­va, não há dú­vi­das de que mui­to exis­te pa­ra ser fei­to e apro­vei­ta­do.

Des­de aos es­for­ços pa­ra pre­ser­var o mar, pro­ce­der ao apro­vei­ta­men­to sus­ten­tá­vel dos seus re­cur­sos, pro­mo­ver a co­la­bo­ra­ção, a par­ti­lha de in­for­ma­ção e a ex­pe­ri­ên­cia em ma­té­ria de co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal ma­rí­ti­mo, se­gu­ran­ça do mar e na­ve­ga­ção se­gu­ra, en­tre ou­tros, Angola pre­ci­sa de uma es­tra­té­gia e agen­da cla­ra li­ga­da ao mar.

Na ver­da­de e se­gun­do o que mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas do Di­rei­to do Mar, bem co­mo de ou­tras áre­as, não te­mos ain­da o “ma­pe­a­men­to ma­rí­ti­mo” com­ple­to de tu­do qu­an­to se­jam re­cur­sos por ex­plo­rar que se en­con­tram no mar, so­lo e sub­so­lo do re­fe­ri­do es­pa­ço.

Com­pa­ra­ti­va­men­te a mui­tos paí­ses e aten­den­do ao ac­ti­vo que cons­ti­tui o mar pa­ra os paí­ses que o têm, po­de-se di­zer que Angola foi “ba­fe­ja­da” pe­la mãe na­tu­re­za, in­clu­si­ve pe­la lo­ca­li­za­ção ge­o­grá­fi­ca, uma zo­na ma­rí­ti­ma en­tre as mais se­gu­ras do mun­do.

Nu­ma al­tu­ra em que sub­sis­tem nu­me­ro­sos de­sa­fi­os pa­ra a pre­ser­va­ção do es­pa­ço ma­rí­ti­mo e dos seus re­cur­sos, as au­to­ri­da­des an­go­la­nas, atra­vés do Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te, Tu­ris­mo e Cul­tu­ra, bem co­mo dos seus par­cei­ros, re­a­li­zam vá­ri­as ac­ções, se­pa­ra­das e con­jun­tas, no sen­ti­do da pre­ser­va­ção do mar.

Nes­tes es­for­ços as­so­ci­am-se tam­bém a Ma­ri­nha de Guer­ra An­go­la­na, ra­mo das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas (FAA) que, en­tre ou­tras atri­bui­ções, têm a mis­são de de­fe­sa de to­da a fai­xa cos­tei­ra de Angola e to­da a so­ci­e­da­de de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne. To­dos te­mos o de­ver de con­tri­buir pa­ra que as nos­sas águas ma­rí­ti­mas es­te­jam me­lhor pro­te­gi­das, ra­zão pe­la qual im­por­ta que ca­da um co­la­bo­re, de­nun­cie e aju­de as au­to­ri­da­des na de­fe­sa do nos­so mar.

Há di­as, de­cor­reu uma de­nún­cia so­bre o ex­ter­mí­nio de tu­ba­rões em Angola, fe­nó­me­no que po­de es­tar li­ga­do às úl­ti­mas apre­en­sões no Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal 4 de Fe­ve­rei­ro de quan­ti­da­des ele­va­das de bar­ba­ta­nas da­que­le ani­mal ma­ri­nho.

Pre­ci­sa­mos de fa­zer mais pa­ra que a nos­sa or­la ma­rí­ti­ma, de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne não con­ti­nue in­va­di­da por ob­jec­tos es­tra­nhos aos ecos­sis­te­mas lo­cais, cau­san­do nu­me­ro­sas pre­o­cu­pa­ções que alar­mam a mui­tos. Nos gran­des as­sen­ta­men­tos de­mo­grá­fi­cos, à bei­ra-mar, os efei­tos da­no­sos das ac­ti­vi­da­des hu­ma­nas são uma re­a­li­da­de que pre­ci­sa de ser al­te­ra­da pa­ra bem da vi­da das fa­mí­li­as e pes­so­as.

Diz a ONU que, nos pró­xi­mos tem­pos, os mares po­de­rão “acu­mu­lar” uma quan­ti­da­de de plás­ti­co igual ou su­pe­ri­or à dos pei­xes, ra­zão pe­la qual ur­ge que se re­pen­se uma sé­rie de com­por­ta­men­tos e pro­ce­di­men­tos. Fa­ça­mos do mar um meio pa­ra de­sen­vol­ver o país e le­gar às ge­ra­ções vin­dou­ras um es­pa­ço ma­rí­ti­mo bom e sus­ten­tá­vel. Pa­ra is­so, o país pre­ci­sa de uma es­tra­té­gia e agen­da cla­ra li­ga­da ao mar, in­clu­si­ve no âm­bi­to da cha­ma­da Eco­no­mia Azul.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.