Ad­mi­nis­tra­ção quer im­pos­tos de ex­plo­ra­ção pa­gos na fon­te

Jornal de Angola - - Economia - Ar­man­do Sa­pa­lo | Dun­do

As au­to­ri­da­des da Lun­daNor­te que­rem que o pa­ga­men­to das obri­ga­ções fis­cais re­fe­ren­tes à ex­plo­ra­ção in­dus­tri­al de di­a­man­tes na pro­vín­cia por par­te das gran­des em­pre­sas, se­ja fei­ta lo­cal­men­te, dis­se ter­ça-fei­ra, no Dun­do, o de­le­ga­do das Fi­nan­ças, Anas­tor Ucu­ei­ân­ga.

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, por oca­sião da se­gun­da ses­são ex­tra­or­di­ná­ria do go­ver­no pro­vin­ci­al, Anas­tor Ucu­ei­ân­ga su­bli­nhou que, em fun­ção do no­vo Có­di­go Ge­ral Tri­bu­tá­rio, a li­qui­da­ção dos im­pos­tos de Ren­di­men­to de Tra­ba­lho (IRT) e de Se­lo e a Ta­xa de Ex­plo­ra­ção Mi­nei­ra têm si­do fei­ta a par­tir da Re­par­ti­ção Fis­cal dos Gran­des Con­tri­buin­tes (RFGC), em Lu­an­da.

O res­pon­sá­vel de­fen­deu que, à ex­cep­ção do Im­pos­to In­dus­tri­al cu­ja li­qui­da­ção é fei­ta a par­tir da Re­par­ti­ção Fis­cal dos Gran­des Con­tri­buin­tes, os ou­tros de­vi­am ser tri­bu­ta­dos na Lun­da-Nor­te, on­de as re­fe­ri­das em­pre­sas de­sen­vol­vem a sua ac­ti­vi­da­de.

A de­le­ga­ção pro­vin­ci­al das Fi­nan­ças tem o re­gis­to de seis con­tri­buin­tes li­ga­dos à ex­plo­ra­ção in­dus­tri­al de di­a­man­tes na Lun­da-Nor­te, que pa­gam os res­pec­ti­vos im­pos­tos na ca­pi­tal an­go­la­na. Anas­tor Ucu­ei­ân­ga re­ve­lou que fi­gu­ram no re­fe­ri­do gru­po a So­ci­e­da­de Mi­nei­ra do Chi­to­to­lo, os Pro­jec­tos Ua­ri, Ca­lon­da, Lu­nhin­ga (Luó), do Cu­an­go e Lu­mi­nas, que ope­ram nos mu­ni­cí­pi­os de Cam­bu­lo, Lu­ca­pa e Cu­an­go, res­pec­ti­va­men­te.

O de­le­ga­do das Fi­nan­ças dis­se que, ape­sar de as au­to­ri­da­des da Lun­da-Nor­te não te­rem ain­da no­ção do vo­lu­me de re­cei­tas que a pro­vín­cia per­de, a ver­da­de é que os indicadore­s de ar­re­ca­da­ção, por via dos im­pos­tos pa­gos pe­las em­pre­sas di­a­man­tí­fe­ras, são bas­tan­te sig­ni­fi­ca­ti­vos.

Anas­tor Ucu­ei­ân­ga afir­mou que se os “gran­des con­tri­buin­tes” do sec­tor di­a­man­tí­fe­ro cum­pris­sem com as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des fis­cais a par­tir da Re­par­ti­ção da Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria (AGT) do Chi­ta­to, a pro­vín­cia es­ta­ria en­tre as que mais re­cei­tas ar­re­ca­dam pa­ra os o co­fres do Es­ta­do.

No sec­tor di­a­man­tí­fe­ro se­gun­do Anas­tor Ucu­ei­ân­ga , ape­nas as co­o­pe­ra­ti­vas se­mi-in­dus­tri­ais é que con­tri­bu­em lo­cal­men­te, com al­gum va­lor atra­vés do pa­ga­men­to dos im­pos­tos. “As co­o­pe­ra­ti­vas se­mi-in­dus­tri­ais con­tri­bu­em com al­gum va­lor lo­cal­men­te, mas as que têm mai­or vo­lu­me de re­cei­tas o seu do­mi­cí­lio fis­cal é a Re­par­ti­ção Fis­cal dos Gran­des Con­tri­buin­tes, em Lu­an­da”, dis­se.

Do mes­mo mo­do, as se­des das gran­des em­pre­sas de ex­plo­ra­ção in­dus­tri­al de di­a­man­tes fun­ci­o­nam em Lu­an­da, on­de tam­bém são fei­tos os mo­vi­men­tos con­ta­bi­lís­ti­cos, daí, no­tou o de­le­ga­do, que es­tas op­tem por efec­tu­ar o pa­ga­men­to das obri­ga­ções fis­cais na ca­pi­tal do país.

Anas­tor Ucu­ei­ân­ga de­fen­deu que ha­ja mui­to em­pe­nho, por par­te das au­to­ri­da­des lo­cais, pa­ra ac­ções con­cer­ta­das jun­to das es­tru­tu­ras cen­trais, pa­ra se in­ver­ter a si­tu­a­ção e, com is­so, re­du­zir-se as as­si­me­tri­as em re­la­ção à ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas en­tre pro­vín­ci­as.

Fal­tam re­par­ti­ções fis­cais nos mu­ni­cí­pi­os

A fal­ta de re­par­ti­ções fis­cais em no­ve dos dez mu­ni­cí­pi­os da Lun­da-Nor­te é uma das cau­sas que con­tri­bui pa­ra a bai­xa ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas na pro­vín­cia.

A Lun­da-Nor­te tem ape­nas uma Re­par­ti­ção Fis­cal, ins­ta­la­da no mu­ni­cí­pio do Chi­ta­to, e al­guns Pos­tos de Aten­di­men­to, que fun­ci­o­nam no Lu­ca­pa, além dos pos­tos adu­a­nei­ros de Chis­san­da e Tchi­co­lon­do, na fron­tei­ra com Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go.

Os pos­tos fron­tei­ri­ços se­gun­do o de­le­ga­do pro­vin­ci­al das Fi­nan­ças, Anas­tor Ucu­ei­ân­ga, pre­ci­sam de apri­mo­rar as su­as con­di­ções téc­ni­cas com equi­pa­men­tos de tra­ba­lho mo­der­nos. A fal­ta de in­fra-es­tru­tu­ras, co­mo ban­cos e ter­mi­nais de Pa­ga­men­to Au­to­má­ti­co (TPA), faz com que os téc­ni­cos trans­por­tem o di­nhei­ro ar­re­ca­da­do em pas­tas in­di­vi­du­ais, com to­dos os ris­cos.

A fal­ta de re­par­ti­ções fis­cais nos mu­ni­cí­pi­os tam­bém es­tá a provocar a dis­per­são de re­cei­tas. Ou se­ja, gran­de par­te dos con­tri­buin­tes dos mu­ni­cí­pi­os da re­gião Sul da Lun­da-Nor­te, mui­tos de­les à mais de 600 qui­ló­me­tros da se­de pro­vin­ci­al, co­mo XáMu­te­ba, Cu­an­go e Ca­pen­daCa­mu­lem­ba, pre­fe­rem pa­gar im­pos­tos na pro­vín­cia de Ma­lan­ge, pe­la pro­xi­mi­da­de.

Re­cei­ta se­mes­tral

Anas­tor Ucu­ei­ân­ga dis­se que, de Janeiro a Ju­lho des­te ano, as re­cei­tas ar­re­ca­da­das na Lun­da-Nor­te si­tu­a­ram-se em mais dois mil mi­lhões de kwan­zas. No pe­río­do em re­fe­rên­cia, o pi­co da ar­re­ca­da­ção re­gis­tou-se no mês de Mar­ço e foi na or­dem dos 374 mi­lhões de kwan­zas.

Em con­sequên­cia da pan­de­mia da Covid-19, o grá­fi­co re­gis­tou uma que­da con­si­de­rá­vel e foi de “for­ma tí­mi­da”, que de­pois foi su­pe­ra­da em Ju­nho, al­tu­ra em que se co­me­çou a ve­ri­fi­car al­gu­ma su­bi­da. Anas­tor Ucu­ei­ân­ga re­fe­riu que a in­ten­ção é au­men­tar o vo­lu­me de re­cei­tas, pa­ra se al­can­çar as me­tas con­ti­das no Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.