Le­gis­la­dor sal­va­guar­da in­te­res­se na­ci­o­nal

Jornal de Angola - - Economia -

Es­tu­dos e Re­for­ma Tri­bu­tá­ria do Cen­tro de Es­tu­dos Tri­bu­tá­ri­os da Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria (AGT), Mil­con Ngun­za, afir­mou que a in­ter­ven­ção do le­gis­la­dor fun­da­men­ta-se na ideia de que a re­or­ga­ni­za­ção e o for­ta­le­ci­men­to do te­ci­do em­pre­sa­ri­al não de­vem ser di­fi­cul­ta­dos, e, em ter­mos ge­rais, fo­ram criadas con­di­ções pa­ra que es­tas ope­ra­ções não en­con­trem obs­tá­cu­los fis­cais à sua efec­ti­va­ção, des­de que, pe­la for­ma co­mo se pro­ces­sam, es­te­ja ga­ran­ti­do que ape­nas vi­sam um ade­qua­do re­di­men­si­o­na­men­to das uni­da­des eco­nó­mi­cas.

Num ou­tro do­mí­nio par­ti­cu­lar­men­te sen­sí­vel, no qua­dro das al­te­ra­ções ope­ra­das, o le­gis­la­dor en­qua­dra no cen­tro de gra­vi­da­de das su­as pre­o­cu­pa­ções o tra­ta­men­to fis­cal di­fe­ren­ci­a­do das em­pre­sas, ten­do co­mo es­tan­dar­te o seu vo­lu­me de ne­gó­ci­os, me­di­an­te a subs­ti­tui­ção dos tra­di­ci­o­nais gru­pos de tri­bu­ta­ção por um re­gi­me ge­ral e um re­gi­me sim­pli­fi­ca­do. Pa­ra Mil­ton Ngun­za, do pon­to de vis­ta da sim­pli­fi­ca­ção da fis­ca­li­da­de em­pre­sa­ri­al, de­ve­se no­tar que, ao la­do do re­gi­me ge­ral, ba­se­a­do no apuramento dos ren­di­men­tos efec­ti­vos, con­sa­gra-se, al­ter­na­ti­va­men­te, um re­gi­me sim­pli­fi­ca­do de tri­bu­ta­ção, op­ta­ti­vo, que re­me­te pa­ra fór­mu­las sim­pli­fi­ca­das de apuramento da ma­té­ria co­lec­tá­vel, in­clu­si­va­men­te tor­nan­do dis­pen­sá­vel a apre­sen­ta­ção de de­mons­tra­ções fi­nan­cei­ras por par­te do con­tri­buin­te abran­gi­do.

“As mi­cro-em­pre­sas fi­cam dis­pen­sa­das de quais­quer bu­ro­cra­ci­as em­pre­sa­ri­ais ou fis­cais, as­sen­tan­do a sua tri­bu­ta­ção em me­ca­nis­mos mais sim­ples pos­sí­veis, me­di­an­te a apre­sen­ta­ção de um mo­de­lo de con­ta­bi­li­da­de sim­pli­fi­ca­da ou li­vro de re­gis­to de com­pra e ven­da e ser­vi­ços pres­ta­dos”, afir­mou, pa­ra quem as mi­cro-em­pre­sas pres­cin­dem, por con­se­guin­te, da mai­or par­te das exi­gên­ci­as im­pli­ca­das na con­ta­bi­li­da­de pro­pri­a­men­te di­ta. Is­to é, de ma­nei­ra que o im­pos­to se­ja um re­sul­ta­do apu­ra­do em ter­mos tão au­to­má­ti­cos qu­an­to se­ja exequí­vel do pon­to de vis­ta da sua pra­ti­ca­bi­li­da­de.

Fa­ce ao znú­me­ro de al­te­ra­ções in­tro­du­zi­das ao Có­di­go de Im­pos­to In­dus­tri­al, tor­nam-se evi­den­tes os pe­que­nos pas­sos dados pe­lo le­gis­la­dor ori­en­ta­dos a cri­ar con­di­ções pa­ra um am­bi­en­te fis­cal que per­mi­ta às em­pre­sas ob­ter le­gi­ti­ma­men­te van­ta­gens fis­cais.

O co­or­de­na­dor dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.