Mo­vi­cel: au­men­to da qua­li­da­de jus­ti­fi­ca su­bi­da de pre­ço

Jornal de Angola - - Economia -

de mar­ke­ting da Mo­vi­cel, De­o­lin­da Tei­xei­ra, dis­se ao Jor­nal de Angola que a ra­zão prin­ci­pal da su­bi­da de pre­ços se de­ve à ne­ces­si­da­de de au­men­tar a qua­li­da­de dos ser­vi­ços e pro­cu­rar fa­zer fa­ce à con­cor­rên­cia.

De acor­do com a ges­to­ra, já se ar­ras­ta­va há al­gum tem­po um vo­lu­me de ne­gó­ci­os abai­xo da li­nha de sus­ten­ta­bi­li­da­de do mer­ca­do. E por es­sa ra­zão, a em­pre­sa, além de ajus­tar o pre­ço dos ser­vi­ços, tam­bém ino­vou a sua oferta uma vez que, até ao mo­men­to, a em­pre­sa pra­ti­ca­va pre­ços 90 por cen­to abai­xo da ta­ri­fa ba­se.

“Por­que o cli­en­te pre­ten­de

Os cus­tos

de in­ter­net e de te­le­fo­nia mó­vel das du­as ope­ra­do­ras que ac­tu­am em Angola su­bi­ram con­si­de­ra­vel­men­te nos úl­ti­mos tem­pos e têm cau­sa­do mui­tos trans­tor­nos aos con­su­mi­do­res.

As reclamaçõe­s re­ca­em so­bre­tu­do na al­te­ra­ção dos pla­nos men­sais que as du­as ope­ra­do­ras ofe­re­cem.

No ca­so da ope­ra­do­ra Mo­vi­cel, as reclamaçõe­s in­ci­dem mais nos pra­zos ago­ra im­pos­tos nes­te no­vo ta­ri­fá­rio. Os pla­nos Ta­kuiá e kar­ga mais con­su­mi­dos e que, an­te­ri­or­men­te, eram, na sua mai­o­ria, men­sais, com ex­cep­ção da pla­no car­ga le­ve, além do au­men­to do pre­ço, pas­sa­ram a ter uma va­li­da­de de 10, 15 e 30 di­as, pa­ra os pla­nos kar­ga Ni­ce, Tu­do e Kar­ga Bwe, res­pec­ti­va­men­te. Qu­an­to ao sal­do de voz, que an­te­ri­or­men­te pa­ra a mes­ma re­de era ili­mi­ta­do va­ria ago­ra de 20 a 350 min/SMS, de­pen­den­do do pla­no.

Os sal­dos de dados re­du­zi­ram em mais de 50 por cen­to pre­ços mais bai­xos e van­ta­jo­sos e ape­nas se fi­de­li­za pe­la qua­li­da­de do ser­vi­ço. Por es­se fac­to a Mo­vi­cel, só ajus­tou os pre­ços no mes­mo di­a­pa­são que tam­bém me­lho­rou os seu ser­vi­ços e com is­so pre­ten­de au­men­tar o vo­lu­me de ne­gó­ci­os pa­ra atin­gir a sus­ten­ta­bi­li­da­de”, con­si­de­rou.

Qu­es­ti­o­na­da so­bre a re­ac­ção dos cli­en­tes em fun­ção do au­men­to, a res­pon­sá­vel afir­mou que qu­al­quer al­te­ra­ção de pre­ços com­por­ta sem­pre fac­to­res que po­de­rão ser con­si­de­ra­dos po­si­ti­vos ou ne­ga­ti­vos por par­te dos cli­en­tes, mas o com­pro­mis­so é de me­lho­rar ca­da vez mais os pro­du­tos e ser­vi­ços, com a fi­na­li­da­de de me­lhor ser­vir.

De­o­lin­da Tei­xei­ra in­for­mou que os há­bi­tos de con­su­mo dos cli­en­tes , nes­ta fa­se de pan­de­mia, su­biu e com a ex­cep­ção do ser­vi­ço de SMS, que se tem man­ti­do re­gu­lar, o con­su­mo em voz ou dados vem su­bin­do des­de o II se­mes­tre de 2019 (su­pe­ri­or a 10 por cen­to fa­ce ao I se­mes­tre).

Pa­ra ela, em com­pa­ra­ção de gas­tos com o II se­mes­tre de 2019, sem es­que­cer o efei­to da qua­ren­te­na a par­tir de Mar­ço de 2020, hou­ve in­cre­men­to de 8 por cen­to no I se­mes­tre de 2020.

“Com a pan­de­mia, os cli­en­tes pas­sa­ram a con­su­mir mui­to mais, prin­ci­pal­men­te, o ser­vi­ço de dados que te­ve um in­cre­men­to mé­dio de 27 por cen­to no I se­mes­tre de 2020 fa­ce aos úl­ti­mos seis me­ses do ano an­te­ri­or. O ser­vi­ço de voz, por sua vez, den­tro do mes­mo pe­río­do com­pa­ra­ti­vo te­ve um in­cre­men­to de 6 por cen­to.

Dis­se ain­da que, ape­sar dos aper­tos fi­nan­cei­ros que a mai­o­ria das em­pre­sas vi­ve, a Mo­vi­cel de­ci­diu man­ter os pos­tos de tra­ba­lho e to­dos os be­ne­fí­ci­os sa­la­ri­ais e en­car­gos so­ci­ais os tra­ba­lha­do­res.

Ac­tu­al­men­te, a Mo­vi­cel que con­ta com 829 co­la­bo­ra­do­res.

já não te­nho os mes­mos ser­vi­ços (tem­po de cha­ma­da e Gb de dados) sal­do não de­mo­ra e a net mui­to len­ta e com as adap­ta­ções tu­do ago­ra é fei­to na in­ter­net e se não te con­tro­la­res aca­bas ten­do gas­tos avul­ta­dos só com o te­le­mó­vel”, la­men­tou.

No que to­ca à Uni­tel, dis­se que tem o mes­mo pro­ble­ma. “A net é re­la­ti­va­men­te mais rá­pi­da de­pen­den­do de qu­an­to car­re­ga­res, mas não de­mo­ra pa­ra aca­bar” ar­gu­men­tou.

Pa­ra a em­pre­en­de­do­ra Dja­mi­la Fran­cis­co, as re­des de te­le­fo­nia, no ge­ral, não sao com­pa­tí­veis a to­dos os bol­sos. Pa­ra ela a no­va ta­ri­fa da Mo­vi­cel é uma aber­ra­ção prin­ci­pal­men­te pe­lo fac­to de ser uma das pri­mei­ras re­des mó­veis e de­vi­am re­ver os pre­çá­ri­os ac­tu­a­li­za­dos, sob pe­na de per­de­rem mui­tos cli­en­tes.

Pa­ra Flá­via Pe­res, que ac­tua no sec­tor de be­le­za fe­mi­ni­na, “se não me­ter­mos um bas­ta nis­so, os pre­ços em Angola, não só da te­le­fo­nia mó­vel, vão con­ti­nu­ar a su­bir”.

A di­rec­to­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.