As­so­ci­a­ções da ban­ca e do imo­bi­liá­rio sa­tis­fei­tas com con­ver­são do cré­di­to

Jornal de Angola - - Economia - Vic­to­ri­no Jo­a­quim

Os pre­si­den­tes das As­so­ci­a­ções An­go­la­na de Ban­cos (ABANC) e de Pro­fis­si­o­nais Imo­bi­liá­ri­os de Angola (APIMA), Má­rio Nas­ci­men­to e Cle­ber Cor­reia, de­cla­ra­ram­se fa­vo­rá­veis ao Instrutivo do BNA que, na quar­ta-fei­ra, or­de­nou que os ban­cos co­mer­ci­ais con­ver­tam em kwan­za o cré­di­to à ha­bi­ta­ção con­ce­di­do a cli­en­tes par­ti­cu­la­res em mo­e­da ex­ter­na.

O lí­der da ABANC, Má­rio Nas­ci­men­to, con­si­de­ra que a me­di­da traz du­pla van­ta­gem, no­me­a­da­men­te, pa­ra os cli­en­tes e pa­ra os ban­cos co­mer­ci­ais, com os pri­mei­ros a po­de­rem ade­quar as obri­ga­ções (dí­vi­da do cré­di­to) às re­cei­tas (ren­di­men­tos/ sa­lá­ri­os), o que re­ti­ra “do om­bro dos cli­en­tes” o ris­co cam­bi­al e a in­cer­te­za.

O ris­co cam­bi­al, su­bli­nhou Má­rio Nas­ci­men­to, au­men­ta a pro­ba­bi­li­da­de de os cli­en­tes não con­se­gui­rem pa­gar o cré­di­to, pois a ta­xa de câm­bio tem uma ta­xa de cres­ci­men­to su­pe­ri­or à dos sa­lá­ri­os.

Os ban­cos co­mer­ci­ais, por seu la­do, têm a gran­de van­ta­gem de, com es­ta con­ver­são, ve­rem re­du­zi­da a pro­ba­bi­li­da­de de in­cum­pri­men­to, “pois o ser­vi­ço da dí­vi­da é ade­qua­do aos ren­di­men­tos dos cli­en­tes”.

Além dis­so, com a con­ver­são do cré­di­to, em­bo­ra os ban­cos con­ti­nu­em a cons­ti­tuir pro­vi­sões e im­pa­ri­da­de dos cré­di­tos, com o va­lor es­cri­tu­ra­do em kwan­za há um tec­to má­xi­mo co­nhe­ci­do, que é o va­lor do cré­di­to em kwan­za, e já não um va­lor que es­tá de­pen­den­te do câm­bio e que é es­cri­tu­ra­do em mo­e­da es­tran­gei­ra.

O pre­si­den­te da ABANC lem­brou que, há al­guns anos, a ban­ca deu cré­di­to à ha­bi­ta­ção mai­o­ri­ta­ri­a­men­te em mo­e­da es­tran­gei­ra, in­de­pen­den­te­men­te de os cli­en­tes te­rem ou não sa­lá­ri­os em kwan­za: o fac­to de an­tes mui­tos cli­en­tes te­rem sa­lá­ri­os em dó­la­res ou in­de­xa­dos ao dó­lar, fa­zia com que a va­ri­a­ção cam­bi­al não ti­ves­se efei­tos ne­ga­ti­vos so­bre a ca­pa­ci­da­de dos cli­en­tes em pa­gar os cré­di­tos.

Com o fim do pa­ga­men­to dos sa­lá­ri­os em dó­la­res ou in­de­xa­dos, e o di­fí­cil aces­so à mo­e­da es­tran­gei­ra as­so­ci­a­do ao au­men­to da ta­xa de câm­bio, faz com que os sa­lá­ri­os pa­gos em kwan­za já não con­si­gam cum­prir as res­pon­sa­bi­li­da­des dos cli­en­tes, fa­zen­do que o cré­di­to en­tras­se em in­cum­pri­men­to.

Pa­ra o pre­si­den­te da

ABANC, os ban­cos ope­ra­do­res ten­dem a con­for­mar­se às de­ci­sões im­plí­ci­tas no instrutivo, uma vez que es­te instrutivo é mui­to van­ta­jo­so pa­ra ban­cos e cli­en­tes, e o que le­van­ta­va obs­tá­cu­los à apli­ca­ção des­ta con­ver­são por par­te dos ban­cos.

Opre­si­den­te­da Imo­bi­liá­ri­os de Angola (APIMA), de­cla­rou on­tem à Rá­dio Na­ci­o­nal de Angola, aplau­diu a me­di­da to­ma­da­pe­loBNA,con­si­de­ran­do que vai fa­ci­li­tar o pro­ces­so de com­pra de ha­bi­ta­ção no país.

“A me­di­da é boa, es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra aque­les que têm fi­nan­ci­a­men­to. Quan­do se pa­ga­va em dó­la­res, as pes­so­as pa­ga­vam co­mo se fos­se uma cor­ri­da dos áto­mos, em que não saíam do mes­mo lu­gar”, dis­se o pre­si­den­te da APIMA, lem­bran­do que, no pas­sa­do, o câm­bio de cem dó­la­res era pa­go por um va­lor in­fe­ri­or ao ac­tu­al.

DR

Má­rio Nas­ci­men­to (à es­quer­da), da ABANC, e Cle­ber Cor­reia, da APIMA

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.