Agen­te de trân­si­to con­ta a ex­pe­ri­ên­cia de aju­dar par­to na via pú­bli­ca

Jornal de Angola - - Primeira Página - Nil­za Mas­san­go

Nas ves­tes de agen­te re­gu­la­do­ra de trân­si­to, Fer­nan­da Fer­nan­do che­gou a au­xi­li­ar um par­to, na via pú­bli­ca. Aju­dou a mãe a ter a cri­an­ça no chão, nu­ma rua ad­ja­cen­te à Via Ex­pres­so. Cor­tou e amar­rou o cor­dão um­bi­li­cal. En­vol­veu a cri­an­ça, co­ber­ta de areia, num pa­no e deu apoio até se­rem, mãe e re­cém-nas­ci­da, le­va­das ao hos­pi­tal. Foi um even­to fo­ra do nor­mal, que mar­cou a vi­da da agen­te que na­da sa­bia so­bre tra­ba­lho de par­to. O ac­to de co­ra­gem tor­nou-se pú­bli­co, atra­vés das re­des so­ci­ais, de­vi­do às con­di­ções em que a mu­lher aju­dou uma cri­an­ça a vir ao mun­do

Fer­nan­da Fer­nan­do, 45 anos, mãe de qu­a­tro fi­lhos, é agen­te re­gu­la­do­ra de Trân­si­to, com a es­pe­ci­a­li­da­de de mo­to­ci­clis­ta. Tra­ba­lha na Po­lí­cia há 12 anos. A mí­ni­ma no­ção que ti­nha so­bre tra­ba­lho de par­to viu em pro­gra­mas te­le­vi­si­vos, sé­ri­es e no­ve­las. Ela afir­ma ser es­pec­ta­do­ra fre­quen­te do pro­gra­ma Na­ti­o­nal Geographic; con­duz uma da­que­las mo­to­ri­za­das gran­des, pe­sa­das, uti­li­za­das, prin­ci­pal­men­te, pa­ra tra­ba­lhos de es­col­ta.

Cer­ta vez, aju­dou, tam­bém, na via pú­bli­ca, uma cri­an­ça que es­ta­va su­fo­ca­da, por cau­sa de um re­bu­ça­do pre­so na gar­gan­ta. Pres­si­o­nou-lhe o ab­dó­men, deu-lhe du­as pal­ma­das nas cos­tas e a cri­an­ça sol­tou o do­ce que a en­gas­ga­va. Nu­ma ou­tra si­tu­a­ção, por cau­sa do en­gar­ra­fa­men­to na Ave­ni­da De­o­lin­da Ro­dri­gues, che­gou a es­col­tar até ao hos­pi­tal um po­lí­cia mi­li­tar, que pas­sa­va mal: a ten­são ar­te­ri­al es­ta­va mui­to al­ta, su­a­va bas­tan­te, mes­mo com o AC do car­ro li­ga­do.

Mas o ca­so que se tor­nou pú­bli­co, en­tre aque­les em que a mu­lher in­ter­vém, tem fo­tos nas re­des so­ci­ais, guar­da­das pa­ra a his­tó­ria: acon­te­ceu

em Agos­to de 2017. Fer­nan­da aco­lheu uma ven­de­do­ra de rua, que en­trou em tra­ba­lho de par­to. Na al­tu­ra, Fer­nan­da fa­zia a es­col­ta da de­le­ga­ção que inau­gu­ra­va o vi­a­du­to na Via Ex­pres­so, bem jun­to à pri­mei­ra en­tra­da do

Ki­lam­ba. A agen­te aguar­da­va ape­nas pe­lo tér­mi­no da inau­gu­ra­ção pa­ra se­guir ca­mi­nho.

A mes­ma con­ta que foi tu­do mui­to rá­pi­do. Uma ex­pe­ri­ên­cia fo­ra do nor­mal. A par­tu­ri­en­te, que ven­dia no lo­cal, co­me­çou a sen­tir do­res e

pe­diu aju­da. Fer­nan­da ten­tou ar­ran­jar uma vi­a­tu­ra pa­ra le­vá-la ao hos­pi­tal, mas sem su­ces­so. Na­que­le mo­men­to, a agen­te foi a úni­ca pes­soa com co­ra­gem pa­ra so­cor­rer a mu­lher, que ge­mia e gri­ta­va que a cri­an­ça es­ta­va a ca­mi­nho

e que não da­va tem­po pa­ra ou­tras ma­no­bras, se­não fa­zê-la sair à luz da vi­da. A ca­be­ça do be­be já es­prei­ta­va.

De­ses­pe­ra­da e sem tem­po, co­mo con­tou à nos­sa re­por­ta­gem, Fer­nan­da lem­brou-se de téc­ni­cas que viu na TV, em pro­gra­mas, sé­ri­es e no­ve­las. Diz que pe­gou a se­nho­ra, iso­lou-a da mul­ti­dão. Co­me­çou en­tão a pres­si­o­nar a bar­ri­ga e, pa­ra a sua sur­pre­sa, o be­bé saiu. Cor­tou o cor­dão um­bi­li­cal, uti­li­zan­do uma lâ­mi­na, e amar­rou com li­nha. Só de­pois é que Fer­nan­da se lem­brou da am­bu­lân­cia que acom­pa­nha­va a inau­gu­ra­ção.

A agen­te de Trân­si­to re­co­nhe­ceu que não tem qu­al­quer ex­pe­ri­ên­cia em ser­vi­ço de par­to, mas que o mo­men­to exi­giu-lhe “uma ac­ção mui­to rá­pi­da, que, in­fe­liz­men­te, não foi das me­lho­res as­sis­tên­ci­as da­da a uma par­tu­ri­en­te”.

“Aqui­lo foi mui­to rá­pi­do. En­trei em pâ­ni­co. Aca­bei por fa­zer o par­to com o ca­pa­ce­te a ca­be­ça. Em mo­men­to al­gum no­tei que fui fo­to­gra­fa­da e co­lo­ca­da nas re­des so­ci­ais. A mi­nha fa­mí­lia e co­le­gas sou­be­ram atra­vés das re­des so­ci­ais. Re­co­nhe­ço que não foi um par­to se­gu­ro, mas o mo­men­to exi­giu. O gran­de re­ceio era o de a cri­an­ça e a mãe apa­nha­rem al­gu­ma in­fec­ção. Mas, gra­ças a Deus, tu­do cor­reu bem. A be­bé tem o meu no­me. Cha­ma-se Fer­nan­da. Até ho­je, man­te­nho con­tac­to com a fa­mí­lia, que mui­to agra­de­ce”, con­tou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.