Jornal de Angola

Pri­va­ti­za­ções po­dem in­tro­du­zir me­lho­res prá­ti­cas de ne­gó­ci­os

Pe­ri­tos afir­mam que a ini­ci­a­ti­va po­de trans­for­mar es­tru­tu­ral­men­te a eco­no­mia do país e in­flu­en­ci­ar de for­ma po­si­ti­va o de­sem­pe­nho de An­go­la no Doing Bu­si­ness, ín­di­ce do Ban­co Mun­di­al que ava­lia a fa­ci­li­da­de pa­ra es­ta­be­le­cer ne­gó­ci­os

- An­dré dos An­jos Business · Angola · Brazil · Portugal · Mozambique

O Pro­gra­ma de Pri­va­ti­za­ções (PROPRIV) cons­ti­tui uma opor­tu­ni­da­de úni­ca pa­ra An­go­la re­ve­lar ao mun­do um no­vo mo­de­lo de go­ver­na­ção, ca­paz de in­flu­en­ci­ar po­si­ti­va­men­te o seu de­sem­pe­nho no Doing Bu­si­ness (ín­di­ce de fa­ci­li­da­de pa­ra fa­zer ne­gó­ci­os), con­cluí­ram pe­ri­tos in­ter­na­ci­o­nais que ana­li­sa­ram o pro­gra­ma. Num congresso on­li­ne, re­a­li­za­do quar­ta e quin­ta­fei­ra pe­la As­so­ci­a­ção de Cor­po­ra­te Go­ver­nan­ce de An­go­la (ACGA) com a fi­na­li­da­de de ana­li­sar a boa go­ver­na­ção ine­ren­te a to­do o pro­ces­so de pri­va­ti­za­ções, os pe­ri­tos no­ta­ram que a ini­ci­a­ti­va po­de trans­for­mar es­tru­tu­ral­men­te a eco­no­mia do país.

“Quan­do bem co­or­de­na­do, o pro­ces­so de pri­va­ti­za­ções tem for­ça de mu­dan­ça es­tru­tu­ral e é por es­sa ra­zão que é fun­da­men­tal pen­sá-lo es­tra­te­gi­ca­men­te, pois, sem es­tra­té­gia e sem ou­tros ins­tru­men­tos de po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca e sec­to­ri­al, tu­do po­de re­sul­tar em fra­cas­so”, afir­ma-se nas re­co­men­da­ções. Pa­ra o êxi­to do pro­ces­so e a tí­tu­lo de re­co­men­da­ção, cha­ma­ram a aten­ção pa­ra a ne­ces­si­da­de de o pro­gra­ma fo­car-se no de­sen­vol­vi­men­to com­pe­ti­ti­vo e sus­ten­tá­vel do país, na me­lho­ria do am­bi­en­te de ne­gó­ci­os pa­ra a atrac­ção de in­ves­ti­men­to, in­cre­men­to da cre­di­bi­li­da­de do país no mun­do e me­lho­ria das con­di­ções de vi­da da po­pu­la­ção (com a ge­ra­ção de em­pre­gos e de ren­di­men­tos). “O bom go­ver­no das pri­va­ti­za­ções de­pen­de de uma pro­fun­da aná­li­se le­gal e fi­nan­cei­ra que per­mi­ta, en­tre ou­tras coi­sas, ava­li­ar to­das as re­la­ções so­ci­e­tá­ri­as da em­pre­sa pú­bli­ca a pri­va­ti­zar”, lê-se, ain­da lis­ta de re­co­men­da­ções. A de­fi­ni­ção de um pla­no de acom­pa­nha­men­to do pro­ces­so pós-pri­va­ti­za­ção pa­ra ga­ran­tir a sus­ten­ta­bi­li­da­de e a efi­cá­cia do pro­gra­ma, as­se­gu­ran­do a pros­se­cu­ção do in­te­res­se pú­bli­co, é ou­tra das re­co­men­da­ções saí­das do congresso. En­tre as ta­re­fas a ter em con­ta pa­ra o su­ces­so de to­do o pro­ces­so, os pe­ri­tos re­co­men­da­ram, ain­da, a de­fi­ni­ção do des­ti­no das receitas das pri­va­ti­za­ções, cla­ri­fi­can­do jun­to de to­da a so­ci­e­da­de even­tu­ais ca­sos de com­pen­sa­ção de cré­di­tos dos quais o Es­ta­do se­ja de­ve­dor. Re­co­men­da­ram, tam­bém, o re­for­ço no ri­gor e na trans­pa­rên­cia do pro­ces­so, es­pe­ci­al­men­te em ca­sos de al­te­ra­ção das cir­cuns­tân­ci­as, quan­do te­nham ocor­ri­do mu­dan­ças no sec­tor eco­nó­mi­co on­de a pri­va­ti­za­ção ocor­re. Nos ca­sos em que, por ra­zões de ga­ran­tia do in­te­res­se pú­bli­co, o Es­ta­do pre­ten­der fi­car com ac­ções es­pe­ci­ais, de­ve de­fi­nir o tempo em que as man­te­rá, de­fen­de­ram. Pa­ra a li­su­ra do pro­ces­so, re­co­men­da­ram que a fis­ca­li­za­ção do pro­gra­ma se­ja as­se­gu­ra­da por uma en­ti­da­de in­de­pen­den­te, atra­vés do Tri­bu­nal de Con­tas, cri­an­do-se re­gras cla­ras apli­cá­veis a es­te ti­po de pro­ces­so. Pa­ra ga­ran­tir que a co­mu­ni­da­de ve­ja no pro­gra­ma um ins­tru­men­to de in­te­res­se pú­bli­co, de acor­do com os pe­ri­tos, qu­em con­duz o pro­ces­so de­ve pro­mo­ver mai­or so­ci­a­li­za­ção do pro­gra­ma. Re­la­ti­va­men­te ao des­ti­no a dar ao di­nhei­ro re­sul­tan­te das pri­va­ti­za­ções, os pe­ri­tos re­co­men­da­ram a ma­xi­mi­za­ção dos ga­nhos, ca­na­li­zan­do os en­cai­xes fi­nan­cei­ros pa­ra a re­a­li­za­ção de in­ves­ti­men­tos de ca­pi­tal por par­te do Es­ta­do. So­bre as mo­da­li­da­des de pri­va­ti­za­ção, os pe­ri­tos lem­bram que a Bol­sa de Dí­vi­das e Va­lo­res de An­go­la (BODIVA) é uma fer­ra­men­ta ao ser­vi­ço das pri­va­ti­za­ções e, co­mo tal, de­ve ser uti­li­za­da pa­ra in­cre­men­tar a de­mo­cra­ti­za­ção da es­tru­tu­ra ac­ci­o­nis­ta das em­pre­sas. “Pri­va­ti­zar na bol­sa au­men­ta a per­cep­ção de uma mai­or trans­pa­rên­cia e se­gu­ran­ça das ope­ra­ções das em­pre­sas a pri­va­ti­zar, ge­ran­do con­fi­an­ça jun­to dos di­fe­ren­tes par­cei­ros”, re­for­ça­ram. Os es­pe­ci­a­lis­tas aler­ta­ram que o PROPRIV de­ve ser vis­to co­mo um ins­tru­men­to de po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca e não co­mo um fim em si mes­mo. Es­cu­tar o mer­ca­do, os es­pe­ci­a­lis­tas, as his­tó­ri­as e os mo­de­los de ou­tros paí­ses, de acor­do com es­pe­ci­a­lis­ta, po­de aju­dar a mi­ti­gar even­tu­ais er­ros. Sob o le­ma “Bom Go­ver­no das Pri­va­ti­za­ções em An­go­la”, o congresso con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de aca­dé­mi­cos de An­go­la, Bra­sil, Por­tu­gal e Mo­çam­bi­que. Es­te é se­gun­do congresso or­ga­ni­za­do pe­la ACGA. O pri­mei­ro foi em Se­tem­bro de 2019 e ver­sou so­bre as bo­as prá­ti­cas de ges­tão de em­pre­sas.

 ?? DR ?? Congresso con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de aca­dé­mi­cos de An­go­la, Bra­sil, Por­tu­gal e Mo­çam­bi­que
DR Congresso con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de aca­dé­mi­cos de An­go­la, Bra­sil, Por­tu­gal e Mo­çam­bi­que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola