Jornal de Angola

O de­sa­fio de fa­zer uma An­go­la me­lhor

Ar­ce­bis­po de Sau­ri­mo des­ta­ca o no­vo pa­ra­dig­ma de go­ver­na­ção, as­sen­te na ges­tão éti­ca e na aber­tu­ra de espaço ao diá­lo­go com vo­zes crí­ti­cas De­pu­ta­dos da CASA-CE, PRS e FNLA con­si­de­ram o com­ba­te à cor­rup­ção um dos si­nais po­si­ti­vos da go­ver­na­ção

- Miguel Go­mes Business · Politics · Angola · Hector · Mary J. Blige · MPLA · Democratic Republic of Congo · Nigeria · South Africa · Kenya · Ethiopia · Staatsrat · Instituto Nacional de Estatística · Republic of Congo · Luanda

Há três anos, João Lou­ren­ço as­su­mia, du­ran­te a ce­ri­mó­nia de to­ma­da de pos­se co­mo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, o com­pro­mis­so de “me­lho­rar o que es­tá bem e cor­ri­gir o que es­tá mal” em An­go­la. No iní­cio do man­da­to de cin­co anos, João Lou­ren­ço pro­me­teu tra­ba­lhar pa­ra re­du­zir as de­si­gual­da­des so­ci­ais, pre­ser­var a uni­da­de e a co­e­são na­ci­o­nal e res­ga­tar o sen­ti­men­to de con­fi­an­ça nas ins­ti­tui­ções do Es­ta­do. Por­que os ci­da­dãos “pre­ci­sam de acre­di­tar que nin­guém é ri­co ou po­de­ro­so de­mais pa­ra se fur­tar a ser pu­ni­do, nem nin­guém é po­bre de­mais ao pon­to de não po­der ser pro­te­gi­do”, João Lou­ren­ço as­su­miu co­mo ban­dei­ra o com­ba­te cer­ra­do à cor­rup­ção. Ao mes­mo tempo com­pro­me­teu-se a tra­ba­lhar pa­ra a cons­tru­ção de uma An­go­la prós­pe­ra e de­mo­crá­ti­ca, com paz e jus­ti­ça so­ci­al, além de re­a­na­li­sar o pa­pel do país na con­jun­tu­ra re­gi­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal.

João Lou­ren­ço com­ple­ta três anos des­de que foi em­pos­sa­do. No ba­lan­ço que se im­põe, Jo­sé Se­ve­ri­no con­si­de­ra que her­dou “um ce­ná­rio com­ple­xo em 2017”; Fer­nan­do Hei­tor fala nu­ma re­la­ção me­nos ten­sa nas dis­pu­tas po­lí­ti­cas. A ten­são cons­tan­te que mar­ca­va a go­ver­na­ção an­te­ri­or não aca­bou to­tal­men­te, mas ve­ri­fi­ca-se um cer­to de­sa­nu­vi­a­men­to”, de­fen­de Fer­nan­do Pa­che­co

Em Se­tem­bro de 2017, quan­do to­mou pos­se, o ac­tu­al Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pro­me­teu re­for­mar a eco­no­mia não pe­tro­lí­fe­ra, com­ba­ter a cor­rup­ção e o sen­ti­men­to de im­pu­ni­da­de e me­lho­rar os ser­vi­ços pú­bli­cos, en­tre ou­tras pro­pos­tas. Ao fim de três anos de le­gis­la­tu­ra, che­gou a ho­ra de fa­zer o ba­lan­ço pos­sí­vel.

João Lou­ren­ço ini­ci­ou o seu man­da­to num país em re­ces­são eco­nó­mi­ca, for­te­men­te en­di­vi­da­do e com sé­ri­as di­fi­cul­da­des ao ní­vel da Saú­de e Edu­ca­ção. Além des­tes fac­tos, a his­to­ri­ca­men­te ele­va­da ta­xa de po­bre­za e o au­men­to do de­sem­pre­go, es­pe­ci­al­men­te en­tre os mais jo­vens, tem cor­roí­do a es­tru­tu­ra so­ci­al an­go­la­na ao lon­go dos tem­pos.

Nos úl­ti­mos me­ses, o ins­tá­vel con­tex­to agra­vou-se com o sur­gi­men­to da pan­de­mia de Co­vid19 e os seus di­fe­ren­tes im­pac­tos eco­nó­mi­cos e so­ci­ais. As fi­gu­ras ou­vi­das pe­lo Jor­nal de An­go­la Fer­nan­do Pa­che­co, Fer­nan­do Hei­tor e Jo­sé Se­ve­ri­no - de­fen­dem que, en­tre os re­gis­tos po­si­ti­vos dos úl­ti­mos três anos de go­ver­na­ção, cons­tam a aber­tu­ra ve­ri­fi­ca­da na co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e a me­lho­ria das re­la­ções ins­ti­tu­ci­o­nais en­tre par­ti­dos, Go­ver­no e So­ci­e­da­de Ci­vil.

“A ten­são cons­tan­te que mar­ca­va a go­ver­na­ção an­te­ri­or não aca­bou to­tal­men­te, mas con­si­de­ro que, nes­te mo­men­to, ve­ri­fi­ca-se um cer­to de­sa­nu­vi­a­men­to”, de­fen­de Fer­nan­do Pa­che­co.

O en­ge­nhei­ro agró­no­mo e ac­tu­al mem­bro do Con­se­lho da Re­pú­bli­ca acre­di­ta tam­bém que “a Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, ape­sar de al­guns re­cu­os mais re­cen­tes, tem da­do espaço ao con­tra­di­tó­rio e à plu­ra­li­da­de de opi­niões”.

Tam­bém o eco­no­mis­ta Fer­nan­do Hei­tor, an­ti­go mi­li­tan­te da UNITA, re­fe­re que a me­lho­ria do am­bi­en­te po­lí­ti­co-par­ti­dá­rio tra­duz-se “nu­ma re­la­ção me­nos ten­sa nas dis­pu­tas po­lí­ti­cas, quer en­tre os par­ti­dos com as­sen­to par­la­men­tar, quer a ní­vel da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, quer na so­ci­e­da­de em ge­ral”.

Jo­sé Se­ve­ri­no vai um pou­co mais lon­ge na aná­li­se. O lí­der as­so­ci­a­ti­vo e em­pre­sá­rio pro­põe a as­si­na­tu­ra de “um pac­to de na­ção” en­tre a As­sem­bleia Na­ci­o­nal, a So­ci­e­da­de Ci­vil, a Opo­si­ção e o Go­ver­no.

O pac­to po­de­ria ser­vir pa­ra re­lan­çar a con­cer­ta­ção na­ci­o­nal e a “to­tal aber­tu­ra de­mo­crá­ti­ca” do país, na opi­não do eter­no lí­der da As­so­ci­a­ção In­dus­tri­al de An­go­la (AIA).

Ao ní­vel da eco­no­mia, Fer­nan­do Hei­tor apro­va o lan­ça­men­to do PRODESI (Pro­gra­ma de Apoio à Di­ver­si­fi­ca­ção das Ex­por­ta­ções e Re­du­ção das Im­por­ta­ções), o PIIM (Pro­gra­ma In­te­gra­do de In­ter­ven­ção nos Mu­ni­cí­pi­os), o pro­tec­ci­o­nis­mo fa­vo­rá­vel à va­lo­ri­za­ção da pro­du­ção na­ci­o­nal e fo­men­to da in­dus­tri­a­li­za­ção e a re­es­tru­tu­ra­ção do sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co, es­pe­ci­al­men­te dos ban­cos pú­bli­cos, por via das pri­va­ti­za­ções.

Tam­bém con­si­de­ra po­si­ti­va a re­for­ma do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, com a cri­a­ção da Agên­cia Na­ci­o­nal de Pe­tró­leo e Gás (ANPG).

“Es­ta de­ci­são vai con­fi­nar a So­nan­gol ao seu ne­gó­cio prin­ci­pal, re­du­zin­do es­te gi­gan­te ao es­tri­ta­men­te ne­ces­sá­rio e útil pa­ra a sua ren­ta­bi­li­za­ção e pa­ra a eco­no­mia na­ci­o­nal”, ex­pli­ca Hei­tor.

Ou­tra das no­vi­da­des in­tro­du­zi­das des­de Se­tem­bro de 2017 é o com­ba­te à cor­rup­ção, que dei­xou a me­ra re­tó­ri­ca (pra­ti­ca­men­te sem ca­sos in­ves­ti­ga­dos e jul­ga­dos) pa­ra uma ac­tu­a­ção mais vi­sí­vel e já com al­gu­mas con­de­na­ções im­por­tan­tes.

Pa­ra Fer­nan­do Pa­che­co, es­ta abor­da­gem “faz uma gran­de di­fe­ren­ça em re­la­ção ao pas­sa­do, ape­sar de al­gu­mas pes­so­as pe­di­rem no­vas in­ves­ti­ga­ções ju­di­ci­ais a no­mes so­nan­tes”.

“Mas te­mos, por exem­plo, ad­mi­nis­tra­do­res mu­ni­ci­pais a se­rem jul­ga­dos ou in­ves­ti­ga­dos. Mui­tas des­tas pes­so­as, mes­mo que se­jam me­nos co­nhe­ci­das da opi­nião pú­bli­ca, são pri­mei­ros se­cre­tá­ri­os do MPLA nas su­as pro­vín­ci­as. São fac­tos com um gran­de sig­ni­fi­ca­do jun­to da po­pu­la­ção e com ga­nhos trans­ver­sais”, de­fen­de o en­ge­nhei­ro agró­no­mo.

Já Fer­nan­do Hei­tor ali­nha nos elo­gi­os ao tra­ba­lho da Jus­ti­ça; con­si­de­ra mes­mo que “me­re­cem gran­de des­ta­que”, mas ad­ver­te que o com­ba­te à cor­rup­ção e à im­pu­ni­da­de “pa­re­ce ser se­lec­ti­vo”, ao mes­mo tempo que as­su­me “dois pe­sos e du­as me­di­das na apli­ca­ção das me­di­das pre­ven­ti­vas” aos en­vol­vi­dos nas in­ves­ti­ga­ções.

Di­fi­cul­da­des

As di­fi­cul­da­des eco­nó­mi­cas que o país en­fren­ta des­de 2014, na sequên­cia da fa­lên­cia de boa par­te do sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co, das prá­ti­cas ge­ne­ra­li­za­das de cli­en­te­lis­mo e cor­rup­ção e da que­da dos pre­ços do pe­tró­leo nu­ma eco­no­mia to­tal­men­te de­pen­den­te des­tas receitas são o prin­ci­pal mo­ti­vo de des­con­ten­ta­men­to dos ci­da­dãos.

O de­sem­pre­go tem vin­do a au­men­tar - si­tua-se aci­ma dos 30 por cen­to, se­gun­do o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca - as­sim co­mo a fa­lên­cia de em­pre­sas e pe­que­nos ne­gó­ci­os, ao mes­mo tempo que o Kwan­za des­va­lo­ri­zou-se pa­ra ní­veis his­tó­ri­cos e a in­fla­ção dis­pa­rou aci­ma dos 20 por cen­to anu­ais.

A ins­ta­bi­li­da­de ma­cro­e­co­nó­mi­ca tem si­do um sé­rio pro­ble­ma pa­ra as fa­mí­li­as an­go­la­nas, so­bre­tu­do pa­ra as mais des­ca­pi­ta­li­za­das e sem pro­tec­ção so­ci­al. Jo­sé Se­ve­ri­no con­si­de­ra que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca her­dou “um ce­ná­rio com­ple­xo em 2017”, mas que o país “pre­ci­sa de ser mais agres­si­vo no com­ba­te à cri­se”.

O res­pon­sá­vel da AIA con­cor­da com a re­ne­go­ci­a­ção da dí­vi­da ex­ter­na, mas de­fen­de que tam­bém a dí­vi­da in­ter­na, que es­tá so­bre­tu­do na mão dos ban­cos an­go­la­nos, de­ve ser re­ne­go­ci­a­da.

“Al­gum pa­tri­mó­nio do Es­ta­do, co­mo os edi­fí­ci­os re­cu­pe­ra­dos re­cen­te­men­te ou as gran­des fa­zen­das im­pro­du­ti­vas pri­va­das, po­dem ser­vir co­mo con­tra­par­ti­da in­ter­na pa­ra o sec­tor ban­cá­rio”, su­ge­re Se­ve­ri­no, que de­fen­de a apos­ta nas ex­por­ta­ções pa­ra a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go e uma no­va abor­da­gem à mi­cro-eco­no­mia do país (os mer­ca­dos de pei­xe e de pro­du­tos fres­cos, os tá­xis co­lec­ti­vos, as pe­que­nas em­pre­sas, en­tre ou­tras ac­ti­vi­da­des com po­ten­ci­al pa­ra ga­ran­tir re­cur­sos às ad­mi­nis­tra­ções lo­cais).

Se­gun­do Fer­nan­do Hei­tor, a "re­ces­são da eco­no­mia man­te­ve­se e até pi­o­rou em vá­ri­os as­pec­tos". O PIB de An­go­la é ago­ra o quin­to mai­or do con­ti­nen­te, abai­xo da Ni­gé­ria, Áfri­ca do Sul, Qué­nia e Etió­pia. "O am­bi­en­te de ne­gó­ci­os con­ti­nua mau", lem­bra.

As pro­mes­sas elei­to­rais, co­mo a cri­a­ção de 500 mil em­pre­gos até 2022, "já não po­de­rão ser cum­pri­das", de­fen­de Hei­tor.

Fer­nan­do Pa­che­co con­si­de­ra, mes­mo as­sim, que a re­ces­são tem um re­ver­so da me­da­lha, in­su­fi­ci­en­te pa­ra mu­dar a si­tu­a­ção, mas com uma ver­ten­te po­si­ti­va.

"A es­cas­sez de re­cur­sos pro­vo­cou a re­du­ção das im­por­ta­ções e o au­men­to da pro­du­ção in­ter­na", lem­bra Fer­nan­do Pa­che­co.

Por ou­tro la­do, um dos fun­da­do­res da Ac­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to Ru­ral e Am­bi­en­te (ADRA), la­men­ta que o com­ba­te à po­bre­za ain­da não se­ja o gran­de ob­jec­ti­vo do Go­ver­no e o prin­ci­pal fo­co das po­lí­ti­cas pú­bli­cas.

"Con­ti­nu­a­mos a apli­car di­nhei­ro em ini­ci­a­ti­vas que po­dem ser im­por­tan­tes, po­dem ser le­gí­ti­mas, mas não são pri­o­ri­tá­ri­as. Con­ti­nu­a­mos com mui­ta di­fi­cul­da­de em de­fi­nir pri­o­ri­da­des. A po­bre­za é um pro­ble­ma mui­to sé­rio", con­si­de­ra Fer­nan­do Pa­che­co.

“O des­pe­sis­mo nos gas­tos pú­bli­cos ain­da se man­tém, em­bo­ra te­nha re­du­zi­do um pou­co”, re­for­ça Fer­nan­do Hei­tor. Pa­re­ce ha­ver um gran­de con­sen­so so­bre o mai­or pro­ble­ma do país: a po­bre­za e o de­sem­pre­go.

Ape­sar da im­ple­men­ta­ção do Kwen­da, o pro­gra­ma de trans­fe­rên­ci­as mo­ne­tá­ri­as pa­ra as fa­mí­li­as mais po­bres, ser con­si­de­ra­do um fac­tor po­si­ti­vo na lu­ta con­tra a po­bre­za, man­ti­ve­ram-se os pro­ble­mas es­tru­tu­rais de sem­pre na pres­ta­ção de ser­vi­ços de saú­de e nas más con­di­ções de fun­ci­o­na­men­to das es­co­las.

"Im­ple­men­tar as au­tar­qui­as e des­cen­tra­li­zar a go­ver­na­ção é es­sen­ci­al", con­si­de­ra Jo­sé Se­ve­ri­no, que dis­cor­da da pre­do­mi­nân­cia de Luanda nas gran­des de­ci­sões na­ci­o­nais.

Nes­te ca­so, Fer­nan­do Hei­tor lem­bra a não re­a­li­za­ção das elei­ções au­tár­qui­cas, “for­mal­men­te pro­me­ti­das pa­ra o ano 2020”, ao mes­mo tempo que é pos­sí­vel as­so­ci­ar a con­cen­tra­ção do po­der em Luanda à fra­ca pres­ta­ção de ser­vi­ços em to­do o país.

“Em al­guns ca­sos, as­sis­ti­mos, nos úl­ti­mos três anos, a re­tro­ces­sos ao ní­vel da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca. Con­ti­nu­a­mos a en­fren­tar a ex­ces­si­va bu­ro­cra­cia e a fal­ta de ca­pa­ci­da­de pa­ra im­ple­men­tar no­vos pro­ce­di­men­tos no seio das ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e do apa­re­lho es­ta­tal”, fri­sa Pa­che­co.

O mes­mo ce­ná­rio ve­ri­fi­ca-se jun­to das em­pre­sas pú­bli­cas e pri­va­das an­go­la­nas.

“Sem em­pre­sas for­tes, é di­fí­cil de­sen­vol­ver uma eco­no­mia de mer­ca­do, fac­tor que de­pois abre espaço a uma ex­ces­si­va de­pen­dên­cia de ca­pi­tal es­tran­gei­ro”, acre­di­ta o en­ge­nhei­ro agró­no­mo.

O ac­tu­al mem­bro do Con­se­lho de Es­ta­do tam­bém as­si­na­la que os ci­da­dãos “vol­ta­ram a per­der con­fi­an­ça no Go­ver­no e no país em ge­ral”, de­pois de te­rem de­po­si­ta­do “uma enor­me es­pe­ran­ça” em João Lou­ren­ço.

Pa­ra dar fô­le­go ao am­bi­en­te re­for­mis­ta, Fer­nan­do Hei­tor de­fen­de que é ne­ces­sá­rio “de­fi­nir os ei­xos prin­ci­pais da Re­for­ma do Es­ta­do”, que “de­ve pas­sar ne­ces­sa­ri­a­men­te pe­la re­vi­são da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca”.

Nes­te ca­so, Jo­sé Se­ve­ri­no de­fen­de que An­go­la de­ve se­guir o ca­mi­nho “do Es­ta­do So­ci­al e não de um Es­ta­do Cor­po­ra­ti­vo-Li­be­ral".

“Em­bo­ra a Co­vid-19 não se­ja des­cul­pa pa­ra tu­do o que cor­reu mal, agra­vou a si­tu­a­ção do país. Es­ta re­a­li­da­de irá exi­gir da par­te do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e dos seus au­xi­li­a­res mais en­ge­nho e ar­te, mai­or pa­tri­o­tis­mo na abor­da­gem dos te­mas na­ci­o­nais e mais prag­ma­tis­mo, bom sen­so e co­ra­gem na im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas re­a­lis­tas, pro­gres­sis­tas e aci­ma da agen­da par­ti­dá­ria”, con­clui Fer­nan­do Hei­tor.

 ?? KINDALA MA­NU­EL | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ??
KINDALA MA­NU­EL | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO
 ??  ??
 ??  ?? Fer­nan­do Pa­che­co
Fer­nan­do Pa­che­co
 ??  ?? Jo­sé Se­ve­ri­no
Jo­sé Se­ve­ri­no
 ??  ?? Fer­nan­do
Hei­tor
Fer­nan­do Hei­tor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola