Jornal de Angola

Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca abriu espaço ao diá­lo­go com vo­zes crí­ti­cas

- Di­o­go Pai­xão

A cor­rup­ção é um can­cro so­ci­al, cu­ja te­ra­pia de cho­que de­ve pas­sar pe­la edu­ca­ção for­te, afir­ma­ção das ins­ti­tui­ções de jus­ti­ça, ges­tão éti­ca da coi­sa pú­bli­ca e pe­lo amor ao bem do pró­xi­mo

O ar­ce­bis­po de Sau­ri­mo con­si­de­ra que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca in­tro­du­ziu um no­vo pa­ra­dig­ma de go­ver­na­ção, as­sen­te na ges­tão éti­ca, e abriu espaço ao diá­lo­go com as vo­zes crí­ti­cas da so­ci­e­da­de e à li­ber­da­de de im­pren­sa. Em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la, por oca­sião dos três anos de go­ver­na­ção de João Lou­ren­ço, D. Jo­sé Ma­nu­el Im­bam­ba pe­de ao Che­fe de Es­ta­do que “não se dei­xe in­ti­mi­dar por aque­les que só amam o di­nhei­ro e ou­tras ri­que­zas ma­te­ri­ais do país e não os an­go­la­nos, nem sua Pá­tria”; que man­te­nha a co­ra­gem, a fir­me­za e a se­re­ni­da­de, pa­ra in­cen­ti­var a cul­tu­ra da paz, da jus­ti­ça, da in­clu­são, da cidadania, da dig­ni­da­de e do pro­gres­so. Pa­ra en­tre­vis­ta, as per­gun­tas fo­ram en­vi­a­das por email e res­pon­di­das pe­la mes­ma via, não po­den­do, por is­so, ser re­ba­ti­das

Que ava­li­a­ção faz dos três anos de go­ver­na­ção do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço?

Fo­ram três anos de mui­tos sa­cri­fí­ci­os, mas, tam­bém, de mui­tos ga­nhos. As­su­miu a Pre­si­dên­cia nu­ma má al­tu­ra, in­ter­na­ci­o­nal­men­te fa­lan­do, de­vi­do à cri­se eco­nó­mi­co­fi­nan­cei­ra, e, in­ter­na­men­te, aos al­tos ín­di­ces de cor­rup­ção, des­go­ver­na­ção e des­com­pro­mis­so com o bem dos ci­da­dãos. Se­ja co­mo for, co­me­çou a em­pre­en­der a re­for­ma do Es­ta­do, in­tro­du­ziu um no­vo pa­ra­dig­ma de go­ver­na­ção, as­sen­te na ges­tão éti­ca, vi­ra­da pa­ra o bem do ci­da­dão; abriu espaço ao diá­lo­go com as vo­zes crí­ti­cas da so­ci­e­da­de e à li­ber­da­de de im­pren­sa; que­brou os mo­no­pó­li­os e ten­ta li­ber­tar a jus­ti­ça das gar­ras da po­lí­ti­ca. Pen­so que só lhe fal­tou sor­te, quan­to ao con­tex­to em que as­su­miu a Pre­si­dên­cia. Mas tem de­mons­tra­do mui­ta co­ra­gem, fir­me­za, cla­ri­vi­dên­cia e bo­as in­ten­ções.

Quan­do che­gou ao po­der, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca dis­se que en­con­trou os co­fres va­zi­os. Acha que, ape­sar dis­so, de­via ter fei­to mui­to mais?

Co­mo dis­se, por um la­do, o con­tex­to con­jun­tu­ral não lhe foi fa­vo­rá­vel e, por ou­tro, mui­tos dos seus co­la­bo­ra­do­res cres­ce­ram e ab­sor­ve­ram os ve­lhos e ruins há­bi­tos que em­po­bre­ce­ram o país e os ci­da­dãos. Por is­so, a boa von­ta­de de­le es­ba­te-se nes­sas mu­ra­lhas que, to­da­via, de­vem ser tra­ba­lha­das e trans­for­ma­das, pa­ra que o bem-es­tar flua en­tre to­dos. Ele fez e es­tá a fa­zer o que as cir­cuns­tân­ci­as do mo­men­to acon­se­lham.

O com­ba­te à cor­rup­ção é uma das prin­ci­pais ban­dei­ras do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, mas ain­da há qu­em di­ga que tem si­do um com­ba­te se­lec­ti­vo. Qual é a sua apre­ci­a­ção?

A mi­nha apre­ci­a­ção é que o com­ba­te es­tá em cur­so e a vi­tó­ria não se can­ta de um dia pa­ra o ou­tro. A cor­rup­ção é um can­cro so­ci­al, cu­ja te­ra­pia de cho­que de­ve pas­sar pe­la edu­ca­ção for­te, afir­ma­ção das ins­ti­tui­ções de jus­ti­ça, ges­tão éti­ca da coi­sa pú­bli­ca e pe­lo amor ao bem do pró­xi­mo. É pre­ci­so ter­mos pa­ci­ên­cia, cal­ma e mui­ta pru­dên­cia, pa­ra não pas­sar­mos por me­ros jus­ti­cei­ros que que­rem sim­ples­men­te ajus­tar con­tas. Tra­ta-se de um tra­ba­lho mo­ro­so, cu­jos fru­tos se­rão co­lhi­dos na me­di­da em que ca­da um de nós in­te­ri­o­ri­zar e as­su­mir a vi­vên­cia dos va­lo­res éti­cos que pro­mo­vem o de­sen­vol­vi­men­to in­te­gral de to­dos, sen­do a jus­ti­ça equi­ta­ti­va a vir­tu­de ori­en­ta­do­ra da nos­sa ac­ção.

Há al­guns anos, a cor­rup­ção foi des­cri­ta co­mo o mai­or pro­ble­ma do país, de­pois da guer­ra, fe­liz­men­te já ven­ci­da. Nes­ta al­tu­ra, quais são os gran­des ma­les que iden­ti­fi­ca?

A cor­rup­ção con­ti­nua a ca­pi­ta­ne­ar a lis­ta dos ma­les da nos­sa so­ci­e­da­de, cul­ti­va­da por ci­da­dãos que de­no­tam fra­co sen­ti­do de amor à Pá­tria e aos con­ci­da­dãos. Tam­bém te­nha­mos pre­sen­te que as ba­ses cul­tu­rais e ide­o­ló­gi­cas, que ali­men­tam o nos­so ser e agir e as nos­sas ins­ti­tui­ções vei­cu­lam va­lo­res que in­cen­ti­vam a fal­ta de éti­ca e do sen­ti­do de jus­ti­ça, o egoís­mo e a pre­po­tên­cia, o com­pa­drio, o ami­guis­mo e o ne­po­tis­mo, a in­di­fe­ren­ça e o des­com­pro­mis­so pa­ra com o bem dos ou­tros, a exal­ta­ção do­en­tia da mi­li­tân­cia par­ti­dá­ria, em de­tri­men­to da cidadania res­pon­sá­vel e par­ti­ci­pa­ti­va, o ma­te­ri­a­lis­mo e a des­va­lo­ri­za­ção e/ou me­nos­pre­zo das in­te­li­gên­ci­as con­trá­ri­as às nos­sas es­co­lhas e de­ci­sões. Pen­so que, en­quan­to não in­ver­ter­mos es­te qu­a­dro cul­tu­ral in­fe­cun­do e em­po­bre­ce­dor, nun­ca con­se­gui­re­mos ter ga­nhos du­ra­doi­ros e subs­tan­ci­ais. Is­to pa­ra di­zer sim­ples­men­te que o gran­de pro­ble­ma so­mos nós mes­mos.

Os ní­veis de po­bre­za em An­go­la são ele­va­dos, prin­ci­pal­men­te no meio ru­ral e na zo­na su­bur­ba­na das gran­des ci­da­des. Que po­lí­ti­cas de­vi­am ser adop­ta­das pa­ra re­ver­ter a si­tu­a­ção?

Pa­ra mim, os fac­to­res que fa­vo­re­cem o flo­res­ci­men­to da po­bre­za não são só po­lí­ti­cos, mas tam­bém cul­tu­rais. Mui­tas prá­ti­cas e tra­di­ções das nos­sas cul­tu­ras ne­gam o de­sen­vol­vi­men­to. To­da­via, é pre­ci­so que as opor­tu­ni­da­des se­jam iguais pa­ra to­dos, pois as as­si­me­tri­as so­ci­ais são gri­tan­tes no nos­so país; in­cen­ti­var o de­sen­vol­vi­men­to ru­ral, com bens e ser­vi­ços à al­tu­ra; dis­tri­buir os gran­des in­ves­ti­men­tos pe­lo País e não os con­cen­trar só em Luanda; va­lo­ri­zar e in­cre­men­tar re­al­men­te a pro­du­ção lo­cal, dan­do mai­or apoio tam­bém aos pe­que­nos em­pre­en­de­do­res; des­po­li­ti­zar, ou me­lhor, des­par­ti­da­ri­zar o em­pre­go, a Fun­ção Pú­bli­ca e, so­bre­tu­do, as ad­mi­nis­tra­ções e res­pec­ti­vos ad­mi­nis­tra­do­res; de­sen­co­ra­jar a so­li­da­ri­e­da­de as­sis­ten­ci­a­lis­ta e pa­ter­na­lis­ta que in­cen­ti­va a pre­gui­ça e a mor­te da cri­a­ti­vi­da­de em­pre­en­de­do­ra.

Co­mo es­tá a ser apli­ca­do o Acor­do Qu­a­dro en­tre o Es­ta­do an­go­la­no e a San­ta Sé?

O Acor­do Qu­a­dro en­tre o Es­ta­do an­go­la­no e a San­ta Sé con­ti­nua a ser re­gu­la­men­ta­do pa­ra a sua apli­ca­ção efec­ti­va. O tra­ba­lho es­tá no bom ca­mi­nho, com a equi­pas téc­ni­cas da CEAST e dos Mi­nis­té­ri­os en­vol­vi­dos a da­rem o me­lhor de si pa­ra a con­clu­são e apli­ca­ção ai­ro­sa do acor­da­do.

Seis me­ses de­pois do en­cer­ra­men­to das igre­jas, de­vi­do à pan­de­mia da Co­vid-19, fo­ram re­to­ma­do os cul­tos em Luanda, pe­lo me­nos aos sá­ba­dos e do­min­gos. Há qu­em de­fen­da uma aber­tu­ra to­tal das igre­jas. Que ava­li­a­ção faz?

Não é cor­rec­to, nem jus­to con­si­de­rar a Igre­ja co­mo o espaço mais pe­ri­go­so de con­tá­gio, quan­do ve­mos o que acon­te­ce, por exem­plo, nos mer­ca­dos, res­tau­ran­tes e nas pa­ra­gens de au­to­car­ros. Os fiéis são mais dis­ci­pli­na­dos, res­pon­sá­veis e obe­di­en­tes. Aliás, nes­tes mo­men­tos, a vi­da es­pi­ri­tu­al é o me­lhor con­so­lo e alí­vio pa­ra to­da a es­pé­cie de pa­de­ci­men­tos. É só uma ques­tão de es­ta­be­le­cer uma jus­ta hi­e­rar­quia de va­lo­res.

Se ti­ves­se a opor­tu­ni­da­de de es­tar com o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, o que o di­ria?

Que con­ti­nue a abra­çar a sa­be­do­ria pa­ra po­der dis­cer­nir e to­mar de­ci­sões que ele­vem os ní­veis de dig­ni­da­de dos an­go­la­nos; que cul­ti­ve mais a em­pa­tia; que te­nha à sua vol­ta qua­dros com­pe­ten­tes por mé­ri­to; que res­ti­tua à As­sem­bleia Na­ci­o­nal o pa­pel fis­ca­li­za­dor dos ac­tos do Go­ver­no; que in­cen­ti­ve a des­po­li­ti­za­ção dos ór­gãos de Jus­ti­ça e das Ad­mi­nis­tra­ções; que o prin­cí­pio de sub­si­di­a­ri­e­da­de não se­ja su­fo­ca­do pe­la om­ni­pre­sen­ça do Es­ta­do; que não se dei­xe in­ti­mi­dar por aque­les que só amam o di­nhei­ro e ou­tras ri­que­zas ma­te­ri­ais do país e não amam os an­go­la­nos nem a Pá­tria; en­fim, que man­te­nha a co­ra­gem, a fir­me­za e a se­re­ni­da­de, pa­ra in­cen­ti­var a cul­tu­ra da paz, da Jus­ti­ça, da in­clu­são, da cidadania, da dig­ni­da­de e do pro­gres­so hu­ma­no in­te­gral.

Co­mo ava­lia os sec­to­res da Edu­ca­ção e da Saú­de?

São sec­to­res que ain­da pa­de­cem de vá­ri­as en­fer­mi­da­des, fru­to do que já dis­se atrás. As nos­sas es­co­las, que de­ve­ri­am ser es­pa­ços de ex­ce­lên­cia, on­de se pro­duz e pro­pa­ga a cul­tu­ra au­tên­ti­ca, aque­la cul­tu­ra que ‘cul­ti­va’ e hu­ma­ni­za o ho­mem de ver­da­de, trans­for­ma­ram-se, mui­tas de­las, em an­tros de cla­mo­ro­sos ví­ci­os e maus exem­plos; de­ram e dão um am­plo espaço à ra­ci­o­na­li­da­de téc­ni­co­ci­en­tí­fi­ca e ne­nhum à ra­ci­o­na­li­da­de hu­ma­nís­ti­ca, éti­ca e re­li­gi­o­sa. E o re­sul­ta­do são os fru­tos que es­ta­mos a co­lher: de­so­nes­ti­da­de, per­so­na­li­da­des fra­cas, in­com­pe­tên­cia, in­to­le­rân­cia, fa­na­tis­mo, anar­quia, vai­da­des na mi­sé­ria, in­ci­vi­li­da­de, etc.! Por­tan­to, a má qua­li­da­de de ci­da­dãos que so­mos ho­je de­ve-se gran­de­men­te à má qua­li­da­de das nos­sas es­co­las. O cam­po da saú­de não fo­ge à re­gra: mui­ta de­su­ma­ni­da­de nos ser­vi­ços de saú­de e fal­ta de amor ao pró­xi­mo, em que o di­nhei­ro va­le mais do que as pes­so­as e mui­tos pro­fis­si­o­nais sem vo­ca­ção pa­ra tal. O mais es­tra­nho e ca­ri­ca­to é que mui­tos de­les in­cen­ti­vam a prá­ti­ca da fei­ti­ça­ria e açam­bar­cam os bens de to­dos pa­ra fins pes­so­ais! Um gran­de es­for­ço foi em­pre­en­di­do com a cons­tru­ção de pos­tos mé­di­cos e hos­pi­tais bem equi­pa­dos, mas, pa­ra­do­xal­men­te, sem qua­dros pre­pa­ra­dos pa­ra ma­nu­se­ar os equi­pa­men­tos! Por tu­do is­to, a nos­sa saú­de con­ti­nua ain­da mui­to do­en­te, em­bo­ra re­co­nhe­ça a en­tre­ga ab­ne­ga­da de mui­tos pro­fis­si­o­nais que, de­sin­te­res­sa­da­men­te, dão o me­lhor de si pe­lo bem dos ou­tros. Em su­ma, ain­da há mui­to por fa­zer: re­for­mas a re­a­li­zar, ati­tu­des e men­ta­li­da­des a re­no­var, en­fim, po­lí­ti­cas a me­lho­rar e acer­tar.

Em vá­ri­as par­tes do mun­do, faz-se mui­to tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção so­bre a Co­vid-19, mas em An­go­la pa­re­ce ha­ver pou­ca pes­qui­sa, ale­ga­da­men­te, por ra­zões fi­nan­cei­ras. Não acha que a pan­de­mia se­ria uma opor­tu­ni­da­de pa­ra se in­ves­tir mais no do­mí­nio da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca?

In­fe­liz­men­te, os nos­sos go­ver­nan­tes ain­da não des­per­ta­ram pa­ra a ne­ces­si­da­de da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, ti­ran­do a von­ta­de po­lí­ti­ca que rei­te­ra­das ve­zes se faz ou­vir. É um dé­fi­ce gran­de que te­mos em mui­tas das nos­sas uni­ver­si­da­des e mui­tas de­las so­fren­do mui­tas in­ter­fe­rên­ci­as po­lí­ti­cas. É pre­ci­so que a aca­de­mia se afir­me e que os po­lí­ti­cos e/ou go­ver­nan­tes se sir­vam dos es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos pa­ra tra­ça­rem as su­as es­tra­té­gi­as. Quan­tos ri­os de di­nhei­ros se gas­tam com con­sul­to­ri­as es­tran­gei­ras? Por que ra­zão su­bes­ti­ma­mos os nos­sos mé­ri­tos e ca­pa­ci­da­des? Pen­so que es­te é um dos cam­pos im­por­tan­tes a de­sen­vol­ver­mos, se é que qu­e­re­mos ver­da­dei­ra­men­te ven­cer os abun­dan­tes ma­les que nos afli­gem: há que in­ves­tir com mui­ta ur­gên­cia nes­te cam­po.

 ?? DR ??
DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola