Jornal de Angola

Um com­ba­te à cor­rup­ção com sen­ti­do de jus­ti­ça, sem per­se­gui­dos nem pro­te­gi­dos

Na úl­ti­ma reu­nião do Con­se­lho da Re­pú­bli­ca, re­a­li­za­da pa­ra ava­li­ar o im­pac­to da Co­vid-19 no país, João Lou­ren­ço re­a­fir­mou que o com­ba­te à cor­rup­ção, em cur­so no país, es­tá a ser re­a­li­za­do com o sen­ti­do de jus­ti­ça e im­par­ci­a­li­da­de ne­ces­sá­ria, sem per­se­guid

- Cé­sar Es­te­ves Corruption · Politics · Crime · Luanda · Angola · MPLA · Wonder

As­si­na­lam-se, ho­je, três anos que João Lou­ren­ço as­su­miu os des­ti­nos do país. A 26 de Se­tem­bro de 2017, ela pro­me­tia, ao po­vo an­go­la­no, a par­tir da tri­bu­na do Mau­so­léu, em Luanda, on­de era in­ves­ti­do co­mo o ter­cei­ro Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de An­go­la, não dar, du­ran­te o man­da­to, tré­guas à cor­rup­ção, mal for­te­men­te en­rai­za­do em sec­to­res da vi­da na­ci­o­nal.

A pro­mes­sa, já aguar­da­da pe­los an­go­la­nos, foi, ain­da as­sim, re­ce­bi­da com al­gu­ma des­cren­ça pe­la ala cép­ti­ca da so­ci­e­da­de, que acre­di­ta­va tra­tar-se de um bál­sa­mo oral pa­ra acal­mar a dor dos co­ra­ções, que, há mui­to, cla­ma­vam por um ver­da­dei­ro e efec­ti­vo com­ba­te à cor­rup­ção no país.

O cep­ti­cis­mo ma­ni­fes­ta­do por al­guns era ali­men­ta­do pe­la au­sên­cia, até an­tes da che­ga­da do no­vo Pre­si­den­te ao po­der, de um ver­da­dei­ro com­ba­te à cor­rup­ção e à im­pu­ni­da­de, ma­les que, ape­sar de re­co­nhe­ci­dos, man­ti­nham-se, sem que ac­ções con­cre­tas fos­sem to­ma­das pa­ra os er­ra­di­car.

En­tre nós, es­ta­vam tão pre­sen­tes es­tes dois fe­nó­me­nos (cor­rup­ção e im­pu­ni­da­de), que ha­via mes­mo qu­em ou­sas­se de­sa­fi­ar o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal se­gun­do o qual "to­dos são iguais pe­ran­te a Cons­ti­tui­ção e a lei". Ci­da­dãos, cu­jos no­mes fun­ci­o­na­vam co­mo nor­ma ju­rí­di­ca, ca­paz de li­vrar al­guém de uma si­tu­a­ção de­li­tu­o­sa, ga­ba­vam-se do pri­vi­lé­gio. Bas­ta­va um "sa­bes qu­em eu sou?”, se­gui­do de “é or­dem su­pe­ri­or…", pa­ra tu­do fi­car re­sol­vi­do.

O des­con­ten­ta­men­to dos ci­da­dãos, fa­ce à si­tu­a­ção, que cor­roía o te­ci­do so­ci­al e aba­la­va os pi­la­res da sã con­vi­vên­cia en­tre os an­go­la­nos, era fa­cil­men­te ob­ser­va­do nas ex­pres­sões co­mo "ca­deia, no nos­so país, é só pa­ra os po­bres” ou “só fi­ca pre­so qu­em rou­ba ga­li­nha ou bo­ti­ja de gás". Con­tu­do, não de­mo­rou mui­to tempo, des­de o em­pos­sa­men­to do no­vo Che­fe de Es­ta­do, pa­ra co­me­ça­rem a vir à to­na no­tí­ci­as so­bre a de­ten­ção, em vá­ri­as pro­vín­ci­as, de ad­mi­nis­tra­do­res mu­ni­ci­pais, in­di­ci­a­dos em cri­mes de pe­cu­la­to. Eram os pri­mei­ros si­nais de que a pro­mes­sa fei­ta aos an­go­la­nos, no dia da sua to­ma­da de pos­se, era, afi­nal, pa­ra le­var a sé­rio.

As no­tí­ci­as so­bre de­ten­ções de­ram lu­gar a um mis­to de re­ac­ções na so­ci­e­da­de. Por um la­do, es­ta­vam os que apoi­a­vam a apli­ca­ção das me­di­das pu­ni­ti­vas aos maus ges­to­res da coi­sa pú­bli­ca, por ou­tro, os que en­ten­di­am tra­tar-se ape­nas de de­ten­ções de “pei­xe miú­do”, in­si­nu­an­do-se, com is­to, a pro­tec­ção de ou­tros maus ges­to­res pú­bli­cos, so­bre­tu­do mais po­de­ro­sos.

Po­rém, o tempo re­ve­lou que a "Ius­ti­tia", a Deu­sa ro­ma­na re­pre­sen­tan­te da Jus­ti­ça, em An­go­la, ac­tu­a­va mes­mo; com im­par­ci­a­li­da­de e ob­jec­ti­vi­da­de na apli­ca­ção da lei, não per­mi­tin­do que fac­to­res ex­ter­nos, co­mo a po­lí­ti­ca ou o po­der, in­flu­en­ci­as­sem nas de­ci­sões. Qu­em, até en­tão, se su­pu­nha “in­to­cá­vel” co­me­çou a ser res­pon­sa­bi­li­za­do por cri­mes de pe­cu­la­to e por ou­tros ac­tos ilí­ci­tos, le­si­vos dos in­te­res­ses do Es­ta­do.

Di­fe­ren­te do que se apre­go­a­va, que a cru­za­da con­tra a cor­rup­ção só es­ta­va a apa­nhar “peixes pe­que­nos”, co­me­çou, de­pois, a ser dis­se­mi­na­da a ideia de que o com­ba­te es­ta­va a ser se­lec­ti­vo, mais virado, so­bre­tu­do, pa­ra a fa­mí­lia do ex-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. A fi­gu­ra à fren­te da equi­pa que se pre­dispôs a en­fren­tar e com­ba­ter, pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria do país, de for­ma in­ten­sa e di­rec­ta, a cor­rup­ção e a im­pu­ni­da­de, ne­gou, já na al­tu­ra, a in­si­nu­a­ção.

Re­cen­te­men­te, na úl­ti­ma reu­nião do Con­se­lho da Re­pú­bli­ca, re­a­li­za­da pa­ra ava­li­ar o im­pac­to da Co­vid19 no país, João Lou­ren­ço re­a­fir­mou que o com­ba­te à cor­rup­ção, em cur­so no país, es­tá a ser le­va­do a ca­bo com o sen­ti­do de jus­ti­ça e im­par­ci­a­li­da­de ne­ces­sá­ria, sem per­se­gui­dos nem pro­te­gi­dos.

“So­bre es­ta ma­té­ria de re­cu­pe­ra­ção de ac­ti­vos, o Es­ta­do não es­tá a dor­mir, es­tá-se a tra­ba­lhar ar­du­a­men­te e es­ta­mos op­ti­mis­tas que se­re­mos bem su­ce­di­dos”, ga­ran­tiu o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, pa­ra qu­em es­te ob­jec­ti­vo vai ser al­can­ça­do com tra­ba­lho, pa­ci­ên­cia e al­gu­ma dis­cri­ção, on­de o mais im­por­tan­te é dei­xar que as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes re­a­li­zem o seu tra­ba­lho e apre­sen­tem, ao pú­bli­co, não os pas­sos que vêm sen­do da­dos, de al­gum tempo a es­ta par­te, mas o re­sul­ta­do fi­nal des­se tra­ba­lho”.

O Che­fe de Es­ta­do deu a co­nhe­cer, ain­da nes­te dia, que as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes não vão re­cu­ar na sua de­ter­mi­na­ção de le­var avan­te a lu­ta con­tra os pre­su­mí­veis cri­mi­no­sos, bem co­mo a re­cu­pe­ra­ção dos ac­ti­vos ad­qui­ri­dos ili­ci­ta­men­te, que le­sa­ram o Es­ta­do an­go­la­no, não im­por­tan­do on­de es­ti­ve­rem, se em An­go­la ou no es­tran­gei­ro. João Lou­ren­ço acres­cen­tou que a lu­ta con­tra a cor­rup­ção é uma re­a­li­da­de de fac­to e fá­cil de ser cons­ta­ta­da no dia-a-dia, atra­vés das ac­ções dos ci­da­dãos, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e dos Tri­bu­nais, um pou­co por to­do o país.

An­tes, ao fa­lar pa­ra os mi­li­tan­tes do MPLA, no VI Congresso Ex­tra­or­di­ná­rio, que o ele­geu pre­si­den­te da or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca, com 98,59 por cen­to dos vo­tos, já ha­via dei­xa­do cla­ro que, nes­ta cru­za­da con­tra a cor­rup­ção, o MPLA de­ve to­mar a di­an­tei­ra, ocu­par a pri­mei­ra trin­chei­ra e as­su­mir o pa­pel de van­guar­da e de lí­der, "mes­mo que os pri­mei­ros a tom­bar se­jam mi­li­tan­tes ou mes­mo al­tos di­ri­gen­tes do par­ti­do, que te­nham co­me­ti­do cri­mes ou que, pe­lo seu com­por­ta­men­to so­ci­al, es­te­jam a su­jar o bom no­me do par­ti­do”.

Com es­sa cha­ma­da de aten­ção, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca dei­xa­va cla­ro que, a par­tir da­qui, no país, a Jus­ti­ça, iria ajus­tar con­tas com qu­em quer que fos­se, in­de­pen­den­te­men­te do se­xo, cor, ra­ça, con­di­ção eco­nó­mi­ca ou so­ci­al, re­li­gião ou fi­li­a­ção par­ti­dá­ria. Bas­tan­te ova­ci­o­na­do pe­la mas­sa mi­li­tan­te do par­ti­do, nes­te dia, o Pre­si­den­te do MPLA re­fe­riu que, no ca­so de os pre­va­ri­ca­do­res vi­rem a ser res­pon­sá­veis ou di­ri­gen­tes do MPLA, não per­mi­ti­ria que com­por­ta­men­tos con­de­ná­veis des­sa mi­no­ria “ga­nan­ci­o­sa” man­chas­se o bom no­me do par­ti­do, que, co­mo des­cre­veu, “foi cri­a­do com su­or e san­gue pa­ra de­fen­der uma cau­sa no­bre.

“Que me aju­dem a fa­zer uma go­ver­na­ção vi­ra­da pa­ra a so­lu­ção dos prin­ci­pais pro­ble­mas da nos­sa so­ci­e­da­de, da eco­no­mia e dos ci­da­dãos”, so­li­ci­tou no en­con­tro.

Nes­te mes­mo dia, aler­tou pa­ra não se con­fun­dir, nun­ca, a ne­ces­si­da­de de se pro­mo­ver uma clas­se em­pre­sa­ri­al for­te e di­nâ­mi­ca, com­pos­ta de gen­te ho­nes­ta, que, com o seu tra­ba­lho ár­duo ao lon­go dos anos, pro­duz bens e ser­vi­ços e cri­am em­pre­gos, com aque­les que têm en­ri­que­ci­men­to fá­cil, ilí­ci­to e, por is­so, in­jus­ti­fi­cá­vel, fei­to à cus­ta do erá­rio, que é pa­tri­mó­nio de to­dos os an­go­la­nos.

O cep­ti­cis­mo ma­ni­fes­ta­do por al­guns era ali­men­ta­do pe­la au­sên­cia, até an­tes da che­ga­da do no­vo Pre­si­den­te ao po­der, de um ver­da­dei­ro com­ba­te à cor­rup­ção e à im­pu­ni­da­de, ma­les que, ape­sar de re­co­nhe­ci­dos, man­ti­nham-se, sem que ac­ções con­cre­tas fos­sem to­ma­das pa­ra os er­ra­di­car

 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola