Jornal de Angola

Um país com os “co­fres va­zi­os”

- Cé­sar Es­te­ves Corruption · Politics · Crime · Portugal · Como · Angola · Abu Dhabi · United Arab Emirates · United Nations · MPLA · Reunion · National Bank of Angola · National Convention

No­tí­ci­as so­bre de­ten­ções de ges­to­res por des­vio de bens pú­bli­cos che­gam-nos, ao mes­mo tempo que uma in­for­ma­ção no­va, so­bre a for­ma co­mo o país es­ta­va fi­nan­cei­ra­men­te, apa­nha os an­go­la­nos des­pre­ve­ni­dos. Em en­tre­vis­ta ao se­ma­ná­rio por­tu­guês “Ex­pres­so”, pu­bli­ca­da em No­vem­bro de 2018, na vés­pe­ra da sua pri­mei­ra vi­si­ta de Es­ta­do a Por­tu­gal, João Lou­ren­ço anun­cia que os Co­fres do Es­ta­do es­tão va­zi­os.

“Pa­ra ser sin­ce­ro, a mim tam­bém me sur­pre­en­deu. Não era, por­tan­to, is­so que es­pe­ra­va (…) Es­pe­ra­va uma ver­da­dei­ra pas­sa­gem de pas­tas, em que me fos­se da­do a co­nhe­cer os gran­des dos­si­ês do país e is­so, de fac­to, não acon­te­ceu”, la­men­tou.

Co­mo se is­so não bas­tas­se, pros­se­guiu, ha­via ain­da a ten­ta­ti­va de re­ti­ra­da dos par­cos re­cur­sos do Es­ta­do de cer­ca de 1,5 mil mi­lhões de dó­la­res, que se­ri­am de­po­si­ta­dos na con­ta de uma em­pre­sa de fa­cha­da no ex­te­ri­or. “Fe­liz­men­te, gra­ças à co­la­bo­ra­ção das au­to­ri­da­des bri­tâ­ni­cas, foi abor­ta­da…”, fri­sou, re­fe­ren­do ao que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo “Ca­so 500 Mi­lhões”, que en­vol­ve, en­tre ou­tros, os ci­da­dãos Jo­sé Fi­lo­me­no dos San­tos, ex-pre­si­den­te do ban­co Kwan­za In­vest, e Val­ter Fi­li­pe, an­ti­go go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la.

Na se­gun­da en­tre­vis­ta co­lec­ti­va con­ce­di­da a jor­na­lis­tas an­go­la­nos e es­tran­gei­ros, na Ci­da­de Al­ta, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca acres­cen­tou que os va­lo­res en­con­tra­dos nos Co­fres do Es­ta­do, cer­ca de 6.98 mil mi­lhões de dó­la­res, da­ri­am pa­ra pa­gar ape­nas cin­co me­ses de sa­lá­ri­os da Fun­ção Pú­bli­ca.

Pa­ra evi­tar um ce­ná­rio mais ca­tas­tró­fi­co nos di­as se­guin­tes, uma vez que o país não dis­pu­nha de di­nhei­ro su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer fa­ce aos gran­des de­sa­fi­os que se per­fi­la­vam, uma das so­lu­ções en­con­tra­das pe­lo Che­fe de Es­ta­do foi re­cor­rer aos paí­ses e ins­ti­tui­ções in­ter­na­ci­o­nais, com os quais An­go­la tem bo­as re­la­ções, pa­ra so­li­ci­tar em­prés­ti­mos fi­nan­cei­ros.

A cru­za­da con­tra a cor­rup­ção, com for­te in­ci­dên­cia pa­ra a re­cu­pe­ra­ção de ca­pi­tais saí­dos ili­ci­ta­men­te do país, ga­nha­va for­ma. Nes­sa al­tu­ra, já es­ta­va em vi­gor a Lei de Re­pa­tri­a­men­to de Re­cur­sos Fi­nan­cei­ros. De­ter­mi­na­va que os an­go­la­nos com de­pó­si­tos su­pe­ri­o­res a 100 mil dó­la­res no es­tran­gei­ro, não de­cla­ra­dos, ti­nham até seis me­ses pa­ra os re­pa­tri­ar, sem qual­quer res­pon­sa­bi­li­za­ção cri­mi­nal, tri­bu­tá­ria ou cam­bi­al. Era uma es­pé­cie de am­nis­tia.

A Lei de­fi­nia du­as fa­ses pa­ra o re­pa­tri­a­men­to. A pri­mei­ra era de ca­riz vo­lun­tá­rio. O in­te­res­sa­do em ade­rir es­ta­ria li­vre de ques­ti­o­na­men­to acer­ca da pro­ve­ni­ên­cia dos va­lo­res. Já a se­gun­da fa­se se­ria de ca­riz co­er­ci­vo. O Es­ta­do re­cor­re­ria aos pro­ce­di­men­tos e me­ca­nis­mos le­gais pa­ra, jun­to das au­to­ri­da­des dos paí­ses de do­mi­cí­lio, per­se­guir os re­cur­sos ali de­ti­dos e man­ti­dos, ob­ti­dos com re­cur­so à vi­o­la­ção da le­gis­la­ção an­go­la­na.

Pa­ra fa­ci­li­tar o pro­ces­so, o Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) ori­en­tou os ban­cos co­mer­ci­ais a es­ta­be­le­ce­rem, na sua es­tru­tu­ra de con­tas de cli­en­tes, uma na­tu­re­za au­tó­no­ma pa­ra os re­cur­sos re­co­lhi­dos, no qu­a­dro dos pro­ce­di­men­tos pa­ra o seu re­pa­tri­a­men­to.

A ade­são não foi a de­se­ja­da. A mai­o­ria dos ci­da­dãos com va­lo­res trans­fe­ri­dos ili­ci­ta­men­te pa­ra o es­tran­gei­ro man­te­ve-se no si­lên­cio. Ape­sar dis­so, o Es­ta­do não de­sis­tiu e con­ti­nu­ou a cap­tu­rar o que lhe foi re­ti­ra­do in­de­vi­da­men­te.

Pri­mei­ros re­sul­ta­dos

No ano pas­sa­do, o país fi­cou a sa­ber, pe­la pri­mei­ra vez, par­te do re­sul­ta­do al­can­ça­do com o pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção de ac­ti­vos de­cor­ren­tes de cri­mes de cor­rup­ção. A par­tir de Abu Dha­bi, Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos, o Exe­cu­ti­vo re­ve­lou que con­se­guiu re­cu­pe­rar, na­que­le ano, mais de cin­co mil mi­lhões de dó­la­res em ac­ti­vos do­mi­ci­li­a­dos em An­go­la e no ex­te­ri­or.

Ao dis­cur­sar na 8ª Con­fe­rên­cia dos Es­ta­dos Par­tes da Con­ven­ção das Na­ções Uni­das con­tra a Cor­rup­ção (COSP), or­ga­ni­za­do na­que­le ter­ri­tó­rio, o mi­nis­tro da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, Fran­cis­co Qu­ei­roz, res­sal­tou que An­go­la tem be­ne­fi­ci­a­do do apoio de par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais.

Por en­ten­der que a Lei de Re­pa­tri­a­men­to de Re­cur­sos Fi­nan­cei­ros não era su­fi­ci­en­te­men­te abran­gen­te, pa­ra o ti­po de com­ba­te que se pre­ten­dia, o Exe­cu­ti­vo de­ci­de cri­ar ou­tra, que fos­se ca­paz de co­brir os es­pa­ços dei­xa­do pe­la pri­mei­ra lei. Nas­ce, as­sim, a Lei so­bre o Re­pa­tri­a­men­to Co­er­ci­vo e Per­da Alar­ga­da de Bens. Es­te di­plo­ma le­gal pas­sou a do­tar o or­de­na­men­to ju­rí­di­co an­go­la­no de nor­mas e me­ca­nis­mos le­gais que abran­gem bens mó­veis e imó­veis.

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, no fi­nal da 10ª Ses­são Or­di­ná­ria do Con­se­lho de Mi­nis­tros, que apre­ci­ou o di­plo­ma, o mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Fran­cis­co

Qu­ei­roz, es­cla­re­ceu que a lei em vi­gor não co­bria to­das as in­ci­dên­ci­as des­se pro­ces­so, ou se­ja, vi­sa­va ape­nas o re­pa­tri­a­men­to de di­nhei­ro trans­fe­ri­do ili­ci­ta­men­te.

Já a no­va Lei, acres­cen­tou, alar­ga o seu âm­bi­to de ac­tu­a­ção pa­ra os bens mó­veis e imó­veis, cu­ja per­da se da­ria a fa­vor do Es­ta­do, atra­vés de sen­ten­ça. Com es­te pas­so, es­ta­vam, cri­a­das as con­di­ções pa­ra o Es­ta­do sair ao en­cal­ço de tu­do que lhe per­ten­ce, mas que foi re­ti­ra­do da sua es­fe­ra de for­ma ilí­ci­ta.

Quan­do se es­pe­ra­va que os ci­da­dãos de­ten­to­res des­ses bens fos­sem, vo­lun­ta­ri­a­men­te, apre­sen­tá-los ao Es­ta­do, eis que, ao in­vés, ve­ri­fi­ca-se o sur­gi­men­to de uma for­ça, ten­tan­do in­vi­a­bi­li­zar o com­ba­te à cor­rup­ção em cur­so no país. So­bre es­te ce­ná­rio, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, sem ro­dei­os, re­ve­la, no pri­mei­ro dia do VIII Congresso Or­di­ná­rio da JMPLA, qu­em es­ta­va por de­trás da ini­ci­a­ti­va.

“Os mes­mos que es­ta­vam em­bru­lha­dos na cor­rup­ção e que des­vi­a­ram di­nhei­ros pú­bli­cos pa­ra eles pró­pri­os, são os que es­tão a fi­nan­ci­ar a cam­pa­nha de de­ses­ta­bi­li­za­ção e de in­to­xi­ca­ção con­tra An­go­la”, acla­rou.

Nu­ma in­ter­ven­ção de cir­cuns­tân­cia, que con­si­de­rou “dis­cur­so da al­ma”, João Lou­ren­ço aler­ta que “es­ta cam­pa­nha não é con­tra o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Es­ta cam­pa­nha é con­tra o nos­so país, con­tra An­go­la. E o que é mais tris­te é que ela não vem sen­do mo­vi­da por for­ças es­tran­gei­ras, nem por for­ças da opo­si­ção, vem sen­do mo­vi­da por na­ci­o­nais, apa­ren­te­men­te do MPLA.”

Sa­li­en­tou que to­dos os mei­os têm si­do usa­dos pa­ra des­cre­di­bi­li­zar o pro­ces­so em cur­so, com re­al­ce pa­ra ata­ques à boa ima­gem do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no e de cri­a­ção de con­di­ções pa­ra di­vi­dir e en­fra­que­cer as su­as fi­lei­ras.

Ao in­vés de adop­ta­rem es­se com­por­ta­men­to, acon­se­lhou o Pre­si­den­te, es­tes ci­da­dãos “de­vi­am agra­de­cer pe­lo que es­ta­mos a fa­zer, por­que, se dei­xás­se­mos a fes­ta con­ti­nu­ar, tal­vez vi­es­sem a mor­rer de con­ges­tão, de tan­to co­mer”.

Ape­sar de tu­do, João Lou­ren­ço mos­trou não es­tar pre­o­cu­pa­do com a in­ves­ti­da con­tra o pro­gra­ma de com­ba­te à cor­rup­ção. Ao dis­cur­sar na ses­são de aber­tu­ra da III Reu­nião Or­di­ná­ria do Co­mi­té Cen­tral do MPLA, re­a­li­za­do no dia 13 de Mar­ço des­te ano, es­cla­re­ceu que a pre­ten­são de pa­rar o com­ba­te à cor­rup­ção, em cur­so no país, re­sul­ta da re­ac­ção que a que­bra do sta­tus quo e a per­da re­pen­ti­na de pri­vi­lé­gi­os abis­mais pro­vo­cou a qu­em pen­sa­va ser uma di­rei­to di­vi­no in­ques­ti­o­ná­vel.

“Ti­nham de cri­ar re­sis­tên­cia or­ga­ni­za­da, na ten­ta­ti­va de con­se­gui­rem fa­zer re­fre­ar o ím­pe­to das me­di­das em cur­so, pa­rar ou mes­mo re­ver­ter pa­ra a si­tu­a­ção an­te­ri­or”, sa­li­en­tou.

João Lou­ren­ço aler­tou que es­ta lu­ta já não é só do MPLA, nem da opo­si­ção, mas de to­da a so­ci­e­da­de an­go­la­na, que pe­na­li­za­rá aque­les que de­la de­sis­ti­rem ou pre­ten­de­rem re­gres­sar ao pas­sa­do. “To­da a so­ci­e­da­de an­go­la­na de­fen­de a ne­ces­si­da­de da sua con­ti­nu­a­ção, pe­los ga­nhos mo­rais, de re­pu­ta­ção e eco­nó­mi­cos, que, a pra­zo, o país be­ne­fi­ci­a­rá”, fri­sou.

João Lou­ren­ço es­cla­re­ceu que, es­tan­do a cor­rup­ção ti­pi­fi­ca­da co­mo cri­me, pa­ra qu­em já es­tá pre­su­mi­vel­men­te ne­la en­vol­vi­do, não há for­ma de se evi­tar a in­ter­ven­ção dos Ór­gãos de Jus­ti­ça. Es­sa elu­ci­da­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca sur­giu na sequên­cia de uma cor­ren­te da so­ci­e­da­de que de­fen­de uma abor­da­gem di­fe­ren­te no com­ba­te à cor­rup­ção, que não pas­se, ne­ces­sa­ri­a­men­te, pe­la res­pon­sa­bi­li­za­ção cri­mi­nal dos in­frac­to­res.

Fran­cis­co Qu­ei­roz res­sal­tou que An­go­la tem be­ne­fi­ci­a­do do apoio de par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais na lu­ta con­tra a cor­rup­ção

 ?? DR ??
DR
 ?? CON­TREI­RAS PIPA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ??
CON­TREI­RAS PIPA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola