Uni­da­des hos­pi­ta­la­res de re­fe­rên­cia vão aten­der a re­gião Les­te do país

CHEFE DE ES­TA­DO INAU­GU­ROU IN­FRA-ES­TRU­TU­RAS EM SAU­RI­MO

Jornal de Angola - - Primeira Página - Cé­sar Es­te­ves | Sau­ri­mo

A no­va Ma­ter­ni­da­de e o Hos­pi­tal Ge­ral, on­tem inaugurado­s, em Sau­ri­mo, vão aten­der a re­gião Les­te do país, que com­pre­en­de as pro­vín­ci­as da Lun­da-Sul, Lun­da-Nor­te e Mo­xi­co. De acor­do com o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, que inau­gu­rou as uni­da­des hos­pi­ta­la­res, só é possível pen­sar no de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al do país se os ci­da­dãos go­za­rem de boa saú­de. Ca­da uma das uni­da­des com 150 ca­mas e ca­pa­ci­da­de de aten­di­men­to diá­rio de mais de 200 pes­so­as, são as pri­mei­ros de re­fe­rên­cia na Lun­da Sul,

des­de o al­can­ce da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, há 45 anos. Con­vi­da­do a fa­zer um co­men­tá­rio so­bre es­ta re­a­li­da­de, o Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo dis­se que, ape­sar de tar­de, o mais im­por­tan­te é que os es­ta­be­le­ci­men­tos exis­tem. João Lou­ren­ço pe­diu à po­pu­la­ção e aos pro­fis­si­o­nais de saú­de que cui­dem dos bens. Afir­mou ser, igual­men­te, im­por­tan­te re­co­nhe­cer que, não obs­tan­te a cri­se fi­nan­cei­ra e a pan­de­mia da Covid-19, mui­to tem si­do fei­to no sen­ti­do de me­lho­rar as con­di­ções so­ci­ais das po­pu­la­ções.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, afir­mou, on­tem, em Sau­ri­mo, que só é possível pen­sar no de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al do país se os ci­da­dãos go­za­rem de boa saú­de.

João Lou­ren­ço fez es­ta afir­ma­ção à im­pren­sa, no fi­nal da ce­ri­mó­nia de inau­gu­ra­ção da Ma­ter­ni­da­de e do Hos­pi­tal Ge­ral de Sau­ri­mo.

O Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo res­sal­tou que as du­as uni­da­des hos­pi­ta­la­res, ca­da uma com 150 ca­mas e ca­pa­ci­da­de de aten­di­men­to diá­rio de mais de 200 pes­so­as, vão ser uma mais-va­lia pa­ra a re­gião Les­te do país, que com­pre­en­de as pro­vín­ci­as da Lun­da-Nor­te e Lun­daSul e Mo­xi­co.

“Nós qu­e­re­mos ci­da­dãos sau­dá­veis, por­que só com ci­da­dãos sau­dá­veis é que po­de­mos pen­sar no de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al do nos­so país”, fri­sou.

O Chefe de Es­ta­do des­car­tou qual­quer pos­si­bi­li­da­de dos no­vos hos­pi­tais vi­rem a de­gra­dar-se por­que a ma­nu­ten­ção foi acau­te­la­da. “Não bas­ta cons­truir, pre­ci­sa­mos de manter as in­fra-es­tru­tu­ras e, pa­ra man­tê-las, é pre­ci­so um or­ça­men­to. E nós va­mos cui­dar dis­so”, ga­ran­tiu o Pre­si­den­te, pa­ra quem é im­por­tan­te que exis­tam va­lo­res pa­ra es­te de­si­de­ra­to.

João Lou­ren­ço pe­diu à po­pu­la­ção e aos pro­fis­si­o­nais de saú­de pa­ra cui­da­rem bem dos dois hos­pi­tais que aca­ba­ram de ga­nhar, de mo­do a du­rar por mais tem­po.

As du­as uni­da­des hos­pi­ta­la­res são as pri­mei­ras de re­fe­rên­cia na Lun­da-Sul, des­de o al­can­ce da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, há 45 anos. Con­vi­da­do a fa­zer um co­men­tá­rio so­bre es­ta re­a­li­da­de, o Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo dis­se que, ape­sar de tar­de, o mais im­por­tan­te é que o es­ta­be­le­ci­men­tos, ago­ra, exis­tem.

Dis­se ser, igual­men­te, im­por­tan­te re­co­nhe­cer que, não obs­tan­te a cri­se fi­nan­cei­ra e a pan­de­mia da Covid-19, mui­to tem si­do fei­to no sen­ti­do de me­lho­rar as con­di­ções so­ci­ais das po­pu­la­ções.

Em re­la­ção à si­tu­a­ção so­ci­al da pro­vín­cia da Lun­da-Sul, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca es­cla­re­ceu que não di­fe­re mui­to dos pro­ble­mas do res­to do país que, adi­an­tou, es­tão a ser re­sol­vi­dos pau­la­ti­na­men­te.

“Per­gun­tar-se-á se es­tá tu­do fei­to. É evi­den­te que não! Há mui­to por fa­zer. Va­mos con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar e a lu­tar, de for­ma in­ces­san­te, no sen­ti­do de pro­cu­rar­mos mi­no­rar, ca­da vez mais, as di­fi­cul­da­des por que o po­vo an­go­la­no pas­sa”, acen­tu­ou.

João Lou­ren­ço re­al­çou que a vi­si­ta à pro­vín­cia da Lun­da-Sul ser­viu pa­ra inau­gu­rar os dois hos­pi­tais, mas, à última ho­ra, en­ten­deu vi­si­tar, tam­bém, as obras do Pó­lo de De­sen­vol­vi­men­to Di­a­man­tí­fe­ro, pa­ra in­tei­rar­se do seu an­da­men­to.

O Chefe de Es­ta­do res­sal­tou que o pro­jec­to, ao qu­al se re­fe­riu no dis­cur­so so­bre o Es­ta­do da Na­ção, é de gran­de importânci­a pa­ra a pro­vín­cia, a jul­gar pe­lo número de pos­tos de tra­ba­lho que vai ge­rar. “En­ten­di que, mes­mo não es­tan­do con­cluí­do, de­ve­ria vi­si­tá-lo”, afir­mou João Lou­ren­ço, que re­gres­sou, on­tem, a Lu­an­da.

O Pre­si­den­te in­for­mou que vol­ta­rá àque­la pro­vín­cia do Les­te, den­tro de, sen­si­vel­men­te, seis a se­te me­ses, pa­ra inau­gu­rar o re­fe­ri­do pro­jec­to.

Com as du­as no­vas uni­da­des de cuidados mé­di­cos de re­fe­rên­cia, os ha­bi­tan­tes da pro­vín­cia da Lun­da-Sul vão dei­xar de re­cor­rer a ou­tras do país e da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC) à pro­cu­ra de ser­vi­ços de saú­de.

O an­ti­go Hos­pi­tal Ge­ral, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 120 ca­mas, e a Ma­ter­ni­da­de, com apenas 20, des­ti­na­vam-se a to­da a pro­vín­cia, com cer­ca de 609 mil e 851 ha­bi­tan­tes, se­gun­do as pro­jec­ções de 2018, ela­bo­ra­das pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca.

O úni­co Blo­co Ope­ra­tó­rio exis­ten­te ser­via pa­ra aten­der, as ci­rur­gi­as do Hos­pi­tal Pro­vin­ci­al, e da Ma­ter­ni­da­de. Em ter­mos de ser­vi­ços dis­po­ní­veis nas no­vas uni­da­des hos­pi­ta­la­res, des­ta­cam-se a ima­gi­o­lo­gia, TAC, que não ha­via na pro­vín­cia há dois anos, ci­rur­gia, or­to­pe­dia e fi­si­o­te­ra­pia, con­si­de­ra­do um dos gran­des ga­nhos do sistema de saú­de lo­cal.

lém do ser­vi­ço de ma­mo­gra­fia, a pro­vín­cia vai dis­por, pe­la pri­mei­ra vez, de ecó­gra­fos avan­ça­dos pa­ra a re­a­li­za­ção dos eco­car­di­o­gra­mas.

SAN­TOS PEDRO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

SAN­TOS PEDRO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Pre­si­den­te João Lou­ren­ço per­cor­reu as du­as uni­da­des sa­ni­tá­ri­as inau­gu­ra­das, on­tem, em Sau­ri­mo, ca­da uma com 150 ca­mas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.