A vi­a­gem fi­nal do es­cri­tor

Jornal de Angola - - Primeira Página - Ma­nu­el Al­ba­no

Os res­tos mor­tais do es­cri­tor e an­ti­go se­cre­tá­rio-ge­ral da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos (UEA) António Gon­çal­ves, fa­le­ci­do na ma­dru­ga­da de quin­ta-fei­ra, em Lu­an­da, aos 60 anos, ví­ti­ma de do­en­ça, fo­ram, on­tem, a en­ter­rar no ce­mi­té­rio de Sant’Ana, em Lu­an­da. Ho­mens das letras, ami­gos e fa­mi­li­a­res des­pe­di­ram-se do po­e­ta. O se­cre­tá­rio-ge­ral da UEA, Da­vid Ca­pe­len­gue­la, em no­me da clas­se, enal­te­ceu os fei­tos do ma­lo­gra­do, que con­si­de­rou ter si­do “um ho­mem ob­ser­va­dor, que pre­fe­ria es­cre­ver a fa­lar”.

Os res­tos mor­tais do es­cri­tor e an­ti­go se­cre­tá­rio-ge­ral da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos (UEA) António Gon­çal­ves, fa­le­ci­do na ma­dru­ga­da de quin­ta-fei­ra, em Lu­an­da, aos 60 anos, ví­ti­ma de do­en­ça, fo­ram on­tem a en­ter­rar no ce­mi­té­rio de Sant’Ana, em Lu­an­da. Ami­gos e fa­mi­li­a­res des­pe­di­ram-se do po­e­ta. O se­cre­tá­rio-ge­ral da UEA, Da­vid Ca­pe­len­gue­la, em no­me da clas­se, enal­te­ceu os fei­tos do ma­lo­gra­do, que con­si­de­rou ter si­do “um ho­mem ob­ser­va­dor, que pre­fe­ria es­cre­ver a fa­lar”. Além de ser uma pes­soa aber­ta ao diá­lo­go e de fá­cil co­mu­ni­ca­ção, o ma­lo­gra­do é ava­li­a­do, por Da­vid Ca­pe­len­gue­la, co­mo po­e­ta que es­ta­va sem­pre en­tre “o in­ter­mé­dio da ti­mi­dez e hu­mil­da­de”.

“António Gon­çal­ves foi uma pes­soa de re­con­ci­li­a­ção e equilíbrio, que ti­nha um lon­go ca­mi­nho a per­cor­rer no mun­do das letras”, la­men­tou. In­con­so­lá­vel es­ta­va o es­cri­tor e pre­si­den­te da So­ci­e­da­de An­go­la­na do Di­rei­to do Au­tor (SADIA), Lo­pi­to Feijó. Em pou­cas pa­la­vras, dis­se que o “país per­de um dos me­lho­res es­cri­to­res da sua épo­ca, não apenas pe­lo seu ca­rác­ter hu­ma­nis­ta, mas, so­bre­tu­do, pe­lo con­jun­to das su­as obras, mui­to li­das no es­tran­gei­ro”. Lo­pi­to Feijó dis­se que a obra de António Gon­çal­ves tor­nou-se bas­tan­te co­nhe­ci­da na Amé­ri­ca La­ti­na, qu­an­do foi con­se­lhei­ro cul­tu­ral da Em­bai­xa­da de An­go­la em Cu­ba. “António Gon­çal­ves, en­quan­to es­te­ve na diás­po­ra, apro­vei­tou pa­ra fa­zer par­ce­ri­as e tor­nar os seus tra­ba­lhos co­nhe­ci­dos in­ter­na­ci­o­nal­men­te”, lem­brou. António Do­min­gos Gon­çal­ves nas­ceu em Lu­an­da, a 10 de Agos­to de 1960. Em 1985, ter­mi­nou o cur­so pré- universitá­rio. Fre­quen­tou, pos­te­ri­or­men­te, as fa­cul­da­des de Ci­ên­ci­as e En­ge­nha­ria da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to. Pro­fes­sor, António Gon­çal­ves lec­ci­o­nou em es­co­las do I, II e III ní­veis. O es­cri­tor in­te­grou a Bri­ga­da Jo­vem de Li­te­ra­tu­ra, em 1980. Du­ran­te dez anos foi con­se­lhei­ro cul­tu­ral da Em­bai­xa­da de An­go­la em Cu­ba. Era mem­bro da União de Es­cri­to­res e Ar­tis­tas de Cu­ba.

VI­GAS DA PURIFICAÇíO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.