“Do­nald Trump te­rá que olhar pa­ra a Áfri­ca”

O no­vo Che­fe de Es­ta­do nor­te-ame­ri­ca­no que to­ma pos­se ho­je, sex­ta-fei­ra, tem pe­la fren­te gran­des de­sa­fi­os que são fun­da­men­tais pa­ra a es­ta­bi­li­za­ção das re­la­ções e cre­di­bi­li­da­de do sis­te­ma mo­ne­tá­rio in­ter­na­ci­o­nal

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Is­ma­el Bo­te­lho

O pre­si­den­te elei­to dos Es­ta­dos Uni­dos de Amé­ri­ca, Do­nald Trump, que é em­pos­sa­do ho­je, de­ve in­ten­si­fi­car o pro­gra­ma de in­cen­ti­vo aos em­pre­sá­ri­os ame­ri­ca­nos em in­ves­tir no con­ti­nen­te, que tam­bém de­ve ser man­ti­do. Es­te ape­lo é do ana­lis­ta em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais, Má­rio Pin­to de An­dra­de, que de­fen­de na en­tre­vis­ta que con­ce­deu ao JE, a ne­ces­si­da­de de os EUA me­lho­ra­rem a sua política ex­ter­na em re­la­ção à Áfri­ca, por ser um con­ti­nen­te do fu­tu­ro, com mui­tos re­cur­sos mi­ne­rais es­tra­té­gi­cos. So­bre An­go­la, o tam­bém do­cen­te uni­ver­si­tá­rio afir­mou quan­to mais os ame­ri­ca­nos es­ta­be­le­ce­rem par­ce­ri­as es­tra­té­gi­cas mai­or de­sen­vol­vi­men­to e mais fa­ci­li­da­des te­rá o país pa­ra con­cre­ti­zar os pro­jec­tos.

Nos pró­xi­mos quatros anos, além da im­pre­vi­si­bi­li­da­de do pen­sa­men­to do Go­ver­no nor­te-ame­ri­ca­no, o mun­do vai vi­ver pe­río­dos di­fí­ceis da sua his­tó­ria, em par­te por­que ain­da se des­co­nhe­ce a es­tra­té­gia do no­vo pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, Do­nald Trump, que to­ma pos­se ho­je.

Es­ta é a vi­são do Rei­tor da Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da de An­go­la e ana­lis­ta de Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais. Nes­ta en­tre­vis­ta ex­clu­si­va ao JE dis­se que os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca (EUA), de­pois da en­tra­da ao po­der do no­vo pre­si­den­te, os pri­mei­ros­seis­me­ses­se­rão­de­ter­mi­nan­tes pa­ra ava­li­ar a política ex­ter­na da sua ad­mi­nis­tra­ção e a for­ma co­mo quer se re­la­ci­o­nar com o mun­do e se es­ta vai con­ti­nu­ar a ser glo­bal ou se ha­ve­rá um pro­tec­ci­o­nis­mo dos mer­ca­dos, di­an­te de um co­mér­cio mun­di­al ca­da vez mais ne­ces­sá­rio pa­ra o equi­lí­brio mun­di­al.

Quais são os gran­des de­sa­fi­os de Do­nald Trump e a sua ad­mi­nis­tra­ção?

O ano de 2016 foi, de fac­to, sur­pren­di­do por dois acon­te­ci­men­tos di­fe­ren­tes: a saí­da do Rei­no Uni­do da União Eu­ro­peia e as elei­ções nos EUA. Nin­guém pre­viu Trump co­mo ven­ce­dor. Nes­sa al­tu­ra, os mer­ca­dos ti­ve­ram uma re­ac­ção ne­ga­ti­va. De­pois de al­gu­ma pon­de­ra­ção, vol­ta­ram a re­gis­tar for­tes va­lo­ri­za­ções. Pen­so que o Trump tem co­mo prin­ci­pal de­sa­fio mo­de­rar o seu dis­cur­so, re­cu­pe­rar a con­fi­an­ça do sis­te­ma fi­nan­cei­ro in­ter­na­ci­o­nal, as re­la­ções bi­la­te­rais, mul­ti­la­te­rais e as re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais no ge­ral.

Na ver­da­de, es­pe­ro que de­pois da sua to­ma­da de pos­se, apa­re­ça com um no­vo dis­cur­so, mo­de­ra­do e com pa­la­vras de um ver­da­dei­ro lí­der. Di­zem os gran­des ana­lis­tas que to­dos os im­pé­ri­os que ten­ta­ram de­sa­fi­ar o mun­do per­de­ram, oque sig­ni­fi­ca que se Trump ir por es­ta via po­de ser de­sas­tro­so pa­ra a política ex­ter­na nor­te-ame­ri­ca­na e pa­ra o mun­do. Es­pe­ro que pau­te por ter uma política de “Soft Power” e não “Hard Power”, e que aci­ma de tu­do sai­ba ne­go­ci­ar.

Mas a mo­de­ra­ção não pa­re­ce ser uma ca­rac­te­rís­ti­ca pes­so­al do no­vo in­qui- li­no da Ca­sa Bran­ca...

Quan­do me re­fi­ro a uma política de “Soft Power”, com as com­pe­tên­ci­as que tem co­mo Pre­si­den­te, de­ve sa­ber con­ci­li­ar os in­te­res­ses com o Con­gres­so, Se­na­do e os seus prin­ci­pais con­se­lhei­ros, no ca­so o Con­se­lho de Segurança Na­ci­o­nal e os Che­fes Su­pre­mos das for­ças ar­ma­das, pa­ra ob­ter uma vi­são mais es­ta­du­al e não im­pe­ri­al. Ele po­de con­gre­gar os in­te­res­ses dos EUA e sair-se bem.

E co­mo é que is­to po­de ser vis­to do pon­to de vis­ta ge­o­po­lí­ti­co e ge­o­es­tra­té­gi­co?

Se olharmos por áre­as ge­o­po­lí­ti­cas, a pri­mei­ra ques­tão que se le­van­ta, é co­mo Trump e a Re­ser­va Fe­de­ral nor­te-ame­ri­ca­na vão se re­la­ci­o­nar com o sis­te­ma mo­ne­tá­rio e fi­nan­cei­ro in­ter­na­ci­o­nal, por­que vá­ri­os in­ves­ti­do­res vão que­rer con­ti­nu­ar a in­ves­tir na­que­le país, por ser es­tra­té­gi­co e im­por­tan­te na ge­o­es­trá­te­gia glo­bal. Mas, se hou­ver uma política res­tri­ti­va, de pro­tec­ci­o­nis­mo, a re­la­ção dos EUA com o res­to do mun­do po­de ser má. Re­pa­re, se não per­mi­ti­rem que os pro­du­tos alhei­os en­trem no seu ter­ri­tó­rio, os ou­tros paí­ses tam­bém vão fa­zer o pro­tec­ci­o­nis­mo. E, ho­je, ve­mos que o mer­ca­do eu­ro­peu, o asiá­ti­co, fun­da­men­tal­men­te, que é o mer­ca­do mais com­pe­ti­ti­vo do mun­do tem um pe­so in­cal­cu­lá­vel na sua eco­no­mia. Se olharmos pa­ra a China no mun­do e a Ín­dia, por exem­plo que es­tá a cres­cer mais que a China ou os ou­tros paí­ses da Ásia, que ocu­pam cer­ca de 60 por cen­to da eco­no­mia mun­di­al, va­mos ver que a re­la­ção que os EUA vão ter com aque­la par­te do glo­bo, so­bre­tu­do com a China, é fun­da­mebn­tal. O pro­tec­ci­o­nis­mo não é bom, nem pa­ra os EUA, nem pa­ra ne­nhum ou­tro Es­ta­do. A política de re­ta­li­a­ção é de­sas­tro­sa.

E co­mo os EUA vão se po­si­ci­o­nar fren­te a po­de­so­ra Rús­sia?

A ques­tão da Rús­sia nes­se con­tex­to, ape­sar dos pro­ble­mas eco­nó­mi­cos e so­ci­ais in­ter­nos, não se po­de es­que­cer que é ho­je se não a mai­or po­tên­cia mi­li­tar, até nal­guns ca­sos ul­tra­pas­sa o pró­prio EUA. Nes­te sen­ti­do, po­de ha­ver uma pa­ri­da­de do pon­to de vis­ta mi­li­tar. Mas os es­ses dois Es­ta­dos têm uma res­pon­sa­bi­li­da­de gran­de no sis­te­ma segurança glo­bal, e se não se en­ten­de­rem, adop­tan­do uma política he­ge­mó­ni­ca do sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal, cla­ro que vai exis­tir mui­ta con­fli­tu­a­li­da­de, por­que a Rús­sia tem ho­je um pe­so es­tra­té­gi­co em al­gu­mas re­giões do mun­do, co­mo no Mé­dio Ori­en­te, no Bál­ti­co, Ucrá­nia e na cha­ma­da Eu­roá­sia, que faz to­da di­fe­ren­ça.

A no­va política de Trump não de­ve ser de hos­ti­li­za­ção da Rús­sia, mas de­ve­rá ir à bus­ca de so­lu­ções pa­ra os gran­des con­fli­tos mun­di­ais, que co­me­ça­ram so­bre­tu­do em 2001, com a es­tra­té­gia er­ra­da de Ge­or­ge Bush. Es­pe­ro que es­te Pre­si­den­te te­nha uma política de apro­xi­ma­ção à Rús­sia, le­van­tan­do as san­ções eco­nó­mi­cas, e por­que até tem pro­jec­tos es­tra­té­gi­cos co­muns li­ga­dos a ex­plo­ra­ção do es­pa­ço. Se­ria im­por­tan­te que não en­tras­sem nu­ma guer­ra fria, mas que exis­tis­se uma política de co­o­pe­ra­ção.

E com a Eu­ro­pa, o que se pers­pec­ti­va?

Os EUA des­de 1971-1972, no tem­po de Ri­chard Ni­xon e Henry Kis­sin­ger, que ti­nham adop­ta­do a cha­ma­da política ex­ter­na do “pin­gue-pon­gue”, que é o ami­go do meu ini­mi­go, meu ami­go é, na­que­la al­tu­ra, a China ti­nha di­ver­gê­ci­as com a Rús­sia so­bre a ver­da­dei­ra cri­a­ção da Na­ção so­ci­a­lis­ta. Es­sa con­tra­di­ção en­tre o mo­de­lo ma­ois­ta e le­ni­nis­ta le­vou ao afas­ta­men­te en­tre es­ses dois paí­ses e foi nes­ta al­tu­ra que os EUA fi­ze­ram uma apro­xi­ma­ção van­ta­jo­sa com a China, tor­nan­do-se, em 1971, mem­bro per­ma­nen­te do Con­se­lho de Segurança das Na­ções Uni­das, o que lhe per­mi­tiu pro­ce­der re­for­mas eco­nó­mi­cas e 40 anos de­pois, tor­nou-se na mai­or eco­no­mia mun­di­al.

En­tão qual de­ve ser o po­si­ci­o­na­men­to do no­vo pre­si­den­te com a China por exem­plo?

Em fun­ção do que dis­se an­te­ri­or­men­te, pen­so que o no­vo pre­si­den­te não po­de ter um dis­cur­so que mi­na as re­la­ções com a China, por­que se não cria des­de lo­go cli­va­gens en­tre os dois paí­ses, que po­de pre­ju­di­car as re­la­ções bi­la­te­rais e o apa­zi­gua­men­to de al­gu­mas re­giões da Ásia on­de a China tem gran­de in­fluên­cia.

Nas du­as se­ma­nas que an­te­ce­de­ram a to­ma­da de pos­se fo­ram mar­ca­das por crí­ti­cas de Do­nald Trump à política mi­gra­tó­ria eu­ro­pe­ria. Ele tem le­gi­ti­mi­da­de pa­ra as fa­zer?

Es­sa pos­tu­ra é um gran­de er­ro. Pen­so que Do­nald Trump de­ve mu­dar a sua for­ma de se co­mu­ni­car com o mun­do. É cla­ro que ele tem ra­zão num as­pec­to, que os eu­ro­peus não gos­tam de fa­zer

SE OLHARMOS POR ÁRE­AS GE­O­PO­LÍ­TI­CAS, VA­MOS NOS QUES­TI­O­NAR CO­MO TRUMP E A RE­SER­VA FE­DE­RAL VÃO SE RE­LA­CI­O­NAR COM O SIS­TE­MA MO­NE­TÁ­RIO E FI­NAN­CEI­RO IN­TER­NA­CI­O­NAL PA­RA SE CRI­AR ES­TA­BI­LI­DA­DE

COM A EU­RO­PA, A PRI­MEI­RA GRAN­DE QUES­TÃO TEM A VER COM A RE­VI­SÃO DOS ACOR­DOS CO­MER­CI­AIS EXIS­TEN­TES, QUE AC­TU­AL­MEN­TE CRI­AM TEN­SÃO

guer­ra, con­tri­bu­em pou­co pa­ra o or­ça­men­to da Or­ga­ni­za­ção do Tra­ta­do do Atlân­ti­co Nor­te (OTAN), on­de os EUA têm a mai­or quo­ta de con­tri­bui­ção, mas es­sa or­ga­ni­za­ção é im­por­tan­te por­que faz o equi­lí­brio ge­o­es­tra­té­gi­co da Eu­ro­pa com a Rús­sia. Ape­sar de fa­lar que es­tá ob­so­le­ta, afir­ma que man­te­rá o com­pro­mis­so. Se não se man­ter, a Eu­ro­pa fi­ca­rá à mer­cê da Rús­sia, por­que não tem o pe­so e a ca­pa­ci­da­de tec­no­ló­gi­ca dos EUA. Tam­bém con­cor­do com ele quan­do afir­ma que OTAN pre­ci­sa ser re­for­mu­la­da e pe­de que a Eu­ro­pa avan­ce com o seu exér­ci­to, que es­tá em to­dos os tra­ta­dos, mas nun­ca saiu do pa­pel.

Ele tem ou não ra­zão em crí­ti­car os paí­ses da União Eu­ro­peia?

A Eu­ro­pa é uma co­mu­ni­da­de e o Go­ver­no ame­ri­ca­no não tem com­pe­tên­cia pa­ra cri­ti­car a política in­ter­na e ex­ter­na da UE. A ques­tão da va­ga de re­fu­gi­a­dos foi cau­sa­da pe­los nor­te-ame­ri­ca­nos. A cul­pa des­te to­do pro­ces­so cha­ma-se Bush, por cau­sa do 11 de Se­tem­bro e o pro­ble­mas das ar­mas quí­mi­cas e bi­o­ló­gi­cas no Ira­que e os ter­ro­ris­tas no Afe­ga­nis­tão. Is­so cri­ou o pro­ble­ma na Tu­ní­sia, Lí­bia e na Sí­ria. Os ame­ri­ca­nos, in­gle­ses e fran­ce­ses é que são os cul­pa­dos por es­te con­fli­tos que obri­gou os re­fu­gi­a­dos a irem pa­ra a Eu­ro­pa. An­ge­la Mer­kel, con­si­de­ra­da a se­nho­ra eu­ro­peia, cri­ou uma es­pé­cie de sen­ti­do de pro­tec­ção da vi­da por uma ques­tão de di­rei­tos hu­ma­nos. É que cla­ro que cor­ren­do o ris­co de no seio des­ses re­fu­gi­a­dos se­rem in­fil­tra­dos ter­ro­ri­tas. É me­lhor es­sa política de abrir as fron­tei­ras do que dei­xar as pes­so­as mor­re­rem.

E do pon­to de vis­ta económico, co­mo olha pa­ra a re­la­ção en­tre os EUA e a União Eu­ro­peia?

Tam­bém ha­ve­rá pro­ble­mas. A pri­mei­ra gran­de ques­tão tem a ver com a re­vi­são dos acor­dos co­mer­ci­ais actuais, que ge­ra uma guer­ra co­mer­ci­al, por­que es­tes sub­ven­ci­o­nam os agri­cul­to­res eu­ro­peus, cau­san­do uma con­cor­rên­cia des­le­al de pro­du­tos. En­tão, a Eu­ro­pa es­tá con­tra es­tá sub­ven­ção in­ter­na que fa­zem com os seus agri­cul­to­res. Cer­ta­men­te que vão con­ti­nu­ar a ne­go­ci­ar es­se acor­do, que até ago­ra não se con­se­gui­ram gran­des pas­sos. O pre­si­den­te Trump te­rá que es­co­lher se pre­fe­re en­trar de for­ma mus­cu­la­da na Eu­ro­pa ou se quer sen­tar-se à me­sa das ne­go­ci­a­ções pa­ra um en­ten­di­men­to que pri­vi­le­gie o co­mér­cio tran­san­tlân­ti­co.

Co­mo an­te­vê as re­la­ções en­tre Do­nald Trump com os paí­ses afri­ca­nos? O que que se po­de es­pe­rar?

Do­nald Trump co­me­çou pri­mei­ro por fa­zer acu­sa­ções mui­to du­ras aos lí­de­res afri­ca­nos so­bre a cor­rup­ção, a má ges­tão da coi­sa pú­bli­ca e a política dos seus paí­ses e com es­ses pro­ble­ma to­dos, acha que os afri­ca­nos não pre­ci­sa­vam de aju­da ex­ter­na. Acre­di­to que vai mu­dar a sua vi­são com re­la­ção à Áfri­ca, por­que os EUA têm al­guns com­pro­mis­sos com o con­ti­nen­te que são es­tra­té­gi­cos. A amé­ri­ca não es­te­ve li­ga­da ao con­ti­nen­te afri­ca­no du­ran­te mui­to tem­po. Foi com Bill Clin­ton, que acon­te­ceu a mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma, pas­san­do es­tes a cri­ar pro­gra­mas de opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os, com po­lí­ti­cas e in­cen­ti­vos que co­lo­cam os pro­du­tos afri­ca­nos nos EUA. Acho que a co­o­pe­ra­ção não vai ser al­te­ra­da e es­pe­ro que se man­te­nha a política ame­ri­ca­na de fi­nan­ci­a­men­to aos pro­gra­mas de com­ba­te à ma­lá­ria, a si­da e tu­ber­cu­lo­se. Por exem­plo, An­go­la re­ce­beu, re­cen­te­men­te, uma ver­ba de re­for­ço de qua­tro mi­lhões de dó­la­res pa­ra o pro­gra­ma de des­mi­na­gem. É um bom si­nal. Es­pe­ro que es­ses pro­gra­mas li­ga­dos so­bre­tu­do à saú­de pos­sam não dei­xar de exis­tir, por se­rem es­ta­tais e im­por­tan­tes pa­ra o con­ti­nen­te.

Com a Áfri­ca pa­re­ce ha­ver a mai­or pre­o­cu­pa­ção?

Pen­so que não! Há um ou­tro pro­gra­ma de in­cen­ti­vo aos em­pre­sá­ri­os ame­ri­ca­nos em in­ves­tir no con­ti­nen­te, que tam­bém de­ve ser man­ti­do. Por­que a Áfri­ca é um con­ti­nen­te do fu­tu­ro, com mui­tos re­cur-

sos mi­ne­rais es­tra­té­gi­cos. Quan­to mais a amé­ri­ca es­ta­be­le­cer par­ce­ri­as es­tra­té­gi­cas mai­or de­sen­vol­vi­men­to va­mos con­ti­nu­ar a ter a pre­sen­ça dos EUA. As ques­tões que têm a ver com a de­mo­cra­cia em Áfri­ca tam­bém vão me­re­cer da no­va ad­mi­nis­tra­ção uma par­ti­cu­lar aten­ção. O que acha que de­ve acon­te­cer?

Es­tou de acor­do que de­vem con­ti­nu­ar a fa­zer pres­são pa­ra que os pro­ces­sos de­mo­crá­ti­cos que es­tão acon­te­cer em Áfri­ca pos­sam ser ca­da vez mais con­so­li­da­dos, mais trans­pa­ren­tes no que to­ca prin­ci­pal­men­te à ges­tão da coi­sa pú­bli­ca e que pos­sa ha­ver me­nos cor­rup­ção, que tem di­la­pi­da­do os paí­ses afri­ca­nos. Com es­sa pres­são fei­ta, pen­so que se­rá bom. Não acre­di­to que os ame­ri­ca­nos fe­chem os olhos ao con­ti­nen­te afri­ca­no.

Aliás, os EUA têm es­ta­be­le­ci­do al­gu­mas par­ce­ri­as fun­da­men­tais com Áfri­ca Sub­sa­ri­a­na, co­mo é o ca­so de An­go­la, Ni­gé­ria, Áfri­ca do Sul, Se­ne­gal, Qué­nia, Tan­zâ­nia e ou­tros, que são paí­ses es­tra­té­gi­cos. Há tam­bém a boa re­la­ção que exis­te com União Afri­ca­na, que vai po­der mo­ni­to­rar os pro­ces­sos de trans­for­ma­ção das po­lí­ti­cas afri­ca­nas que o con­ti­nen­te man­tém e pre­ci­sa con­ti­nu­ar a con­so­li­dar com o apoio dos EUA.

An­go­la no ca­so po­de es­tar des­can­ça­da?

Já não es­ta­mos na épo­ca da guer­ra fria. So­mos ho­je um país so­be­ra­no, in­de­pen­den­te, que não es­tá na ór­bi­ta de nin­guém. Es­ta­mos a ini­ci­ar um no­vo ci­clo, que a par­tir de Agos­to com as elei­ções, a tran­si­ção política vai ser de con­ti­nu­a­ção no es­trei­ta­men­to das re­la­ções bi­la­te­rais. Te­mos em­pre­sas ame­ri­ca­nas a ex­plo­rar pe­tró­leo no nos­so mar, co­mo ou­tras que es­tão in­te­res­sa­das nou­tros sec­to­res. Há um gran­de in­te­res­se do mun­do em re­la­ção ao con­ti­nen­te afri­ca­no e de mul­ti­na­ci­o­nais que pro­cu­ram opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os em An­go­la, nos do­mí­ni­os da ban­ca, pe­tró­le­os, agro-in­dús­tria, trans­por­tes e em ou­tras de in­te­res­se na­ci­o­nal es­tra­té­gi­co que es­tão aber­tas aos in­ves­ti­men­tos. Pen­so que não ha­ve­rá mui­ta al­te­ra­ção da política ex­ter­na ame­ri­ca­na com a An­go­la. O que po­de acon­te­cer sim é uma mai­or par­ce­ria dos pro­gra­ma que es­tão a ser ho­je im­ple­men­ta­dos ou uma cer­ta pres­são pa­ra que ha­ja mai­or trans­pa­rên­cia na ges­tão dos nos­sos ban­cos co­mer­ci­ais. A re­la­ção com o ban­co emis­sor e o cen­tral an­go­la­no de­ve igual­men­te me­lho­rar, cum­prin­do o que es­tá es­ta­be­le­ci­do nos acor­dos de Ba­si­leia 1 e 2, que ape­la à trans­pa­rên­cia, o com­ba­te ao ter­ro­ris­mo e ao bran­que­a­men­te de ca­pi­tais. Se An­go­la ti­ver um sis­te­ma fi­nan­cei­ro que se­ja trans­pa­ren­te e cré­di­vel, creio que não te­rá con­fli­tos com a no­va ad­mi­nis­tra­çao ame­ri­ca­na.

O no­vo pre­si­den­te to­ma ho­je pos­se com os ní­veis de po­pu­la­ri­da­de mui­to aquém do es­pe­ra­do, acha que vai re­cu­pe­rar a sua cre­di­bi­li­da­de?

Do­nald trump é um pre­si­den­te im­pre­vi­sí­vel. Acho que foi um ac­tor in­te­li­gen­te du­ran­te a cam­pa­nha, mas ago­ra é ho­ra da re­a­li­da­de. Acho que vai mu­dar o seu com­por­ta­men­to du­ran­te o man­da­to. Se não mu­dar, os EUA po­dem per­der a sua cre­di­bi­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal. Mas acre­di­to que co­mo pre­si­den­te ele vai con­se­quir ele­var o seu no­me, por­que es­tá a re­ce­ber uma boa he­ran­ça de Ba­rack Oba­ma, com al­tos ín­di­ces de em­pre­go, es­ta­bi­li­da­de da in­dús­tria au­to­mó­vel e co­e­são do po­vo ame­ri­ca­no. O ex-pre­si­den­te dei­xa uma Amé­ri­ca mais es­ta­bi­li­za­da e mais re­con­ci­li­a­da. Ele veio di­vi­dir com os seus dis­cur­sos e ati­tu­des e, por is­so, tem uma ár­dua ta­re­fa pe­la fren­te. Sa­be­mos que a so­ci­e­da­de es­tá con­tra ele. Pa­ra mu­dar es­se qua­dro, tem que al­te­rar o seu com­por­ta­men­to e creio que con­se­gui­rá.

Exis­te ain­da a ques­tão do Mé­xi­co, de Cuba, da Amé­ri­ca La­ti­na e do Bra­sil. Que ce­ná­rio se avi­zi­nha?

A re­la­ção com o Mé­xi­co con­ti­nu­a­rá a ser cor­di­al e não mus­cu­lo­sa. Por exem­plo, o pre­si­den­te me­xi­ca­no já dis­se que não vai pa­gar a cons­tru­ção do mu­ro, o que po­de abrir um pon­to de ten­são, mas não afec­ta­rá as re­la­ções. Exis­te ain­da o Tra­ta­do Nor­te-ame­ri­ca­no de Li­vre Co­mér­cio (NAF­TA) que en­vol­ve três paí­ses, os EUA, Ca­na­dá e Mé­xi­co e es­se acor­do quan­do sur­giu era pa­ra re­lan­çar a eco­no­mia des­tes paí­ses pa­ra con­tra­por o mer­ca­do da União Eu­ro­peia e o asiá­ti­co, e is­so fun­ci­o­nou. Não é ago­ra que vão de­sis­tir.

Com re­la­ção à Cuba, se­ria um er­ro gra­ve da ad­mi­nis­tra­ção se vol­tas­se atrás. A in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca cu­ba­na é be­né­fi­ca pa­ra os EUA. Por­tan­to, even­tu­al­men­te que vai per­der mais os cu­ba­nos, de­vi­do ain­da ao turismo. Cuba só pre­ci­sa mo­der­ni­zar a sua eco­no­mia, abrir-se mais ao mun­do e in­te­grar-se na eco­no­mia de mer­ca­do. As re­la­ções com o Bra­sil tam­bém não so­fre­rão gran­des al­te­ra­ções, em­bo­ra exis­ta um con­fli­to de trans­fe­rên­cia de tec­no­lo­gia. Não po­de­mos es­que­cer que o Bra­sil é a mai­or po­tên­cia da Amé­ri­ca do Sul.

No que diz res­pei­to à Amé­ri­ca La­ti­na, as re­la­ções não vão se ale­ta­rar mui­to, o que po­de al­te­rar mais é com a Ve­ne­zu­e­la e com o cha­ma­do nú­cleo so­ci­a­lis­ta, on­de es­tão paí­ses co­mo o Equa­dor, Bo­lí­via, Ni­ca­rá­gua, que po­dem vir a so­frer mais pres­sões mais do que o nor­mal, por se­rem an­tí-ame­ri­ca­nos e vir a exis­tir uma política de es­ta­bi­li­za­ção des­tes paí­ses pe­los EUA.

PEN­SO QUE NÃO HA­VE­RÁ MUI­TA AL­TE­RA­ÇÃO DA POLÍTICA EX­TER­NA NOR­TE-AME­RI­CA­NA COM AN­GO­LA. O QUE PO­DE ACON­TE­CER É UMA MAI­OR PRES­SÃO

DOMINGOS GAUNDÊNCIO

DOMINGOS GAUDÊNCIO

DOMINGOS GAUDÊNCIO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.