Ne­gó­cio é ren­tá­vel

Cres­ce pe­las ci­da­des o nú­me­ro de mu­lhe­res que re­cor­rem aos cen­tros de trei­na­men­to es­pe­ci­a­li­za­dos pa­ra ga­ran­tir uma to­na­li­da­de mus­cu­lar e apa­rên­cia fí­si­ca ca­paz de atrair qual­quer pes­soa

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Yo­la do Car­mo

Em ca­da zo­na da ci­da­de de Lu­an­da en­con­tra-se dis­se­mi­na­do um es­pa­ço pa­ra prá­ti­ca de exer­cí­ci­os fí­si­cos.

Nos úl­ti­mos anos, es­tar em for­ma pas­sou a ser um con­cei­to com uma ba­se de adep­tos ca­da vez mais alar­ga­da em An­go­la. Os si­nais es­tão um pou­co por to­do o la­do, pra­ti­car des­por­to ho­je em dia es­tá na mo­da, des­de cor­re­do­res, ci­clis­tas pe­las ru­as e o pes­so­al dos cha­ma­dos Gym.

Em­bo­ra não ha­ja da­dos ofi­ci­ais so­bre o nú­me­ro de ginásios aber­tos no país, acre­di­ta-se que a mai­or par­te das mu­lhe­res an­go­la­nas pra­ti­ca exer­cí­ci­os fí­si­cos. Ou co­mo se diz na gí­ria fre­quen­tam o gi­ná­sio.

Du­ran­te a ron­da fei­ta pe­lo JE, em al­guns ginásios da ci­da­de e ar­re­do­res da capital, cons­ta­tou-se que em ca­da um dos lo­cais e exer­cí­cio há pe­lo me­nos um nú­me­ro de três a oi­to mu­lhe­res à bus­ca de cin­tu­ra fi­na, per­nas gros­sas e uma bun­da em­pi­na­da.

Mu­lhe­res em mas­sa

Mu­lhe­res de to­das as clas­ses so­ci­ais es­tão lá à pro­cu­ra do me­lhor cor­po, da me­lhor si­lhu­e­ta, por­que fre­quen­tar os fa­mo­sos gym, pa­ra ter um cor­po es­bel­to, se­car a bar­ri­ga e ga­nhar mus­cu­la­tu­ra é (top).

Mui­tas fa­zem a prá­ti­ca sem ne­nhum acom­pa­nha­men­to de um pro­fis­si­o­nal da área e nem tão-pou­co de nu­tri­ci­o­nis­ta. O que im­por­ta mes­mo é en­con­trar um gym que dê ga­ran­ti­as pa­ra uma mu­dan­ça rá­pi­da e drás­ti­ca, às ve­zes até com uso de substâncias pre­ju­di­ci­ais à saú­de.

Mar­ta Car­do­so, de 26 anos, afir­ma ser vi­ci­a­da na prá­ti­ca de exer­cí­ci­os que faz há seis anos, com um cor­po de se­reia e to­da de­fi­ni­da do ti­po que “ma­ta ho­mem”. A mes­ma ex­pli­ca que fi­ca no gi­ná­sio das 05h30 às 11 ho­ras, num pe­río­do de qua­se se­te ho­ras por dia. A mes­ma acres­cen­ta ain­da que se ali­men­ta de mui­ta ver­du­ra, acom­pa­nha­da com su­mos na­tu­rais que a mes­ma con­fec­ci­o­na em ca­sa.

“A pri­mei­ra coi­sa que fa­ço ao acor­dar é be­ber um co­po com água pa­ra ace­le­rar o me­ta­bo­lis­mo, as­sim evi­to cri­ar si­tu­a­ções ines­pe­ra­da, por­que o cor­po fun­ci­o­na me­lhor quan­do te­mos água den­tro de nós e por ou­tra pre­ci­so ga­nhar dis­po­si­ção an­tes de co­me­çar com os exer­cí­ci­os. Gos­to de sen­tir-me bem, sen­tir-me mu­sa, ter cin­tu­ra fi­na e uma bun­da no al­to, por­que pa­go 18 mil men­sal,só pa­ra man­ter o meu cor­po”,su­bli­nha.

Já Patrícia da Cu­nha , es­tu­dan­te uni­ver­si­tá­ria, afir­ma que pre­ci­sa pe­lo me­nos pra­ti­car exer­cí­ci­os fí­si­cos três ve­zes por se­ma­na, du­ran­te du­as ho­ras, e que o seu ob­jec­ti­vo é ape­nas man­ter a boa for­ma que já pos­sui.

“Pa­go qua­tro mil kwanzas por du­as ho­ras, o que acho ra­zoá­vel por­que, na ver­da­de, não me con­si­de­ro vi­ci­a­da em pra­ti­car ac­ti­vi­da­des fí­si­cas, por­que o que im­por­ta mes­mo é man­ter o meu cor­po”, dis­se.

Ana­bo­li­zan­tes

Há tem­pos que são co­nhe­ci­dos os be­ne­fí­ci­os que os exer­cí­ci­os fí­si­cos po­dem tra­zer à saú­de, des­de que pra­ti­ca­dos de mo­do cor­rec­to, pa­ra uma boa qua­li­da­de de vi­da.

As van­ta­gens fi­si­o­ló­gi­cas são evi­den­tes, por­que es­tas me­lho­ram o sis­te­ma cir­cu­la­tó­rio e imu­no­ló­gi­co, pa­ra uma me­lhor efi­ci­ên­cia car­día­ca, ta­xas de oxi­gé­nio no san­gue, for­ta­le­ci­men­to mus­cu­lar e dos os­sos, alí­vio nos sin­to­mas da mens­tru­a­ção ( TPM), além de re­du­ção da pres­são ar­te­ri­al, dos ní­veis de li­pí­di­os e gli­co­se, en­tre ou­tros. Mas, o de­se­jo de ga­nhar um cor­po gran­de num cur­to es­pa­ço de tem­po faz com que mui­tas jo­vens sub­me­tam-se à pra­ti­ca de exer­cí­ci­os fí­si­cos di­a­ri­a­men­te du­ran­te ho­ras e com uso de ana­bo­li­zan­tes.

Di­o­go Panzo, per­so­nal trai­ner do gi­ná­sio Hel­ton trai­ner, ex­pli­ca que uma mu­lher (top) não é de­sig­na­da pe­lo ta­ma­nho cor­po­ral, que a mes­ma ad­qui­re com uso de substâncias não apro­pri­a­das, mas sim pe­la quan­ti­da­de de mús­cu­los tra­ba­lha­dos que ti­ver.

Se­gun­do o pre­pa­ra­dor fí­si­co que tra­ba­lha há 15 anos na área, mui­tas mu­lhe­res as­sim co­mo ho­mens têm fei­to o uso des­sas substâncias ho­je e que es­que­cem-se do fu­tu­ro.

“Tan­to os ho­mens co­mo as mu­lhe­res pre­ci­sam de ter cui­da­do ao fa­ze­rem o uso de ana­bo­li­zan­tes e ou­tras substâncias, por­que o da­no po­de ser fa­tal. Ama­nhã po­dem que­rer ter fi­lhos e com o uso des­sas substâncias e ci­rur­gi­as a que são sub­me­ti­das po­dem es­tra­gar tu­do”, acon­se­lha.

Des­mo­ti­va­ção

Pa­ra ele, mui­tas sen­tem-se des­mo­ti­va­das ao ini­ci­ar a ac­ti­vi­da­de so­zi­nhas. Além dis­so, co­me­çar a pra­ti­car exer­cí­ci­os fí­si­cos a par­tir de uma cer­ta ida­de é vis­to co­mo um en­tra­ve pa­ra al­gu­mas mu­lhe­res. Por ou­tra, a mai­or par­te das mu­lhe­res não pra­ti­ca exer­cí­ci­os, às ve­zes por fal­ta de tem­po, dis­po­si­ção e di­nhei­ro.

Já o pre­pa­ra­dor fí­si­co Le­o­nel Al­mei­da, que exer­ce a fun­ção há 23 anos, ex­pli­cou que no seu gi­ná­sio al­guns jo­vens in­sis­tem em fa­zer o uso des­sas substâncias pa­ra te­rem per­nas bem tra­ba­lha­das, on­de apli­cam es­te­rói­des. Pa­ra ele, es­te gru­po de me­di­ca­men­tos, tam­bém vis­tos co­mo ana­bo­li­zan­tes, é mui­tas ve­zes uti­li­za­do por atle­tas a ní­vel mun­di­al, o que pa­ra An­go­la é ain­da um ta­bu, por ser con­si­de­ra­do um ti­po de dro­ga.E acon­se­lha a ter-se mais cau­te­la na ho­ra da uti­li­za­ção dos mes­mos.

“Te­mos a po­pu­la­ção que es­tá a en­ve­lhe­cer e que quer vi­ver com mais qua­li­da­de, por­que a es­pe­ran­ça mé­dia de vi­da es­tá a au­men­tar e as pes­so­as não que­rem vi­ver à ba­se de me­di­ca­men­tos. Es­se seg­men­to de mer­ca­do es­tá a au­men­tar mui­to e sen­ti­mos is­so, so­bre­tu­do, nos ginásios que te­mos em zo­nas mais re­si­den­ci­ais. De­pois te­mos a po­pu­la­ção mais jo­vem, que es­tá ca­da vez mais a des­per­tar pa­ra as ques­tões da saú­de e do bem-es­tar”, sus­ten­tou

O res­pon­sá­vel dis­se que, du­ran­te as ac­ti­vi­da­des fí­si­cas, o cor­po li­be­ra a serotonina e a en­dor­fi­na, substâncias re­la­ci­o­na­das à sen­sa­ção de bem-es­tar, pois au­xi­li­am na re­gu­la­ção do so­no, na di­mi­nui­ção do stress e da an­si­e­da­de, as­sim co­mo do mau hu­mor

DU­RAN­TE AS AC­TI­VI­DA­DES FÍ­SI­CAS, O COR­PO LI­BE­RA A SEROTONINA E A EN­DOR­FI­NA, SUBSTÂNCIAS RE­LA­CI­O­NA­DAS À SEN­SA­ÇÃO DE BEM-ES­TAR

VI­GAS DA PU­RI­FI­CA­ÇÃO

Prá­ti­ca de exer­cí­ci­os fí­si­cos po­de con­tri­buir pa­ra a lon­ge­vi­da­de do ser hu­ma­no

VI­GAS DA PU­RI­FI­CA­ÇÃO

Pes­so­as há que fi­cam di­a­ri­a­men­te nos ginásios lo­cais qua­se se­te ho­ras

VI­GAS DA PU­RI­FI­CA­ÇÃO

Vá­ri­os em­pre­en­di­men­tos de Lu­an­da es­tão equi­pa­dos com tec­no­lo­gia de pon­ta

VI­GAS DA PU­RI­FI­CA­ÇÃO

Mai­or par­te das mu­lhe­res an­go­la­nas tem es­ta­do a pra­ti­car exer­cí­ci­os fí­si­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.