Ci­da­da­nia fis­cal

Jornal de Economia & Financas - - Opinião - An­dra­de A. Am­bró­sio

Éim­pe­ri­o­so e até mes­mo exi­gí­vel que o agen­te económico, se­ja lá qu­em for, par­ti­ci­pe na so­lu­ção dos di­ver­sos pro­ble­mas e de­sa­fi­os que o nos­so país co­nhe­ce. E uma das ma­nei­ras de o fa­zer é pre­ci­sa­men­te alo­car pa­ra a con­ta do Es­ta­do al­gu­ma con­tra­par­te do seu ren­di­men­to à luz dos di­ta­mes ju­rí­di­co-tri­bu­tá­ri­os, sem pre­ci­sar de ser sub­me­ti­do ao po­li­ci­a­men­to ser­ra­do por par­te dos ac­ti­vos fis­cais, vul­go au­to­ri­da­des tri­bu­tá­ri­as e nem se­quer a co­a­ção.

Por­tan­to, o tri­bu­to é de fac­to a prin­ci­pal fon­te de fi­nan­ci­a­men­to de qual­quer país, e é con­di­ci­o­na­do por du­as va­ri­an­tes, so­bre­tu­do pe­lo ní­vel de em­pre­ga­bi­li­da­de e de in­for­ma­li­da­de eco­nó­mi­ca e pe­la ci­da­da­nia fis­cal dos agen­tes eco­nó­mi­cos. Daí que, os paí­ses de eco­no­mi­as pou­co di­ver­si­fi­ca­das, com ta­xas de em­pre­ga­bi­li­da­de e, cu­ja cons­ci­ên­cia tri­bu­tá­ria das po­pu­la­ções es­tão em bai­xa – por va­ri­a­dís­si­mos fac­to­res, por re­gra, não de­vem es­pe­rar por um “ar­re­ca­da­men­to tri­bu­tá­rio” sau­dá­vel face aos de­sa­fi­os dos seus paí­ses.

Em An­go­la, ain­da há qu­em dê “fintas” na ho­ra do pa­ga­men­to de im­pos­tos e de ta­xas. Al­gu­mas or­ga­ni­za­ções apre­sen­tam con­tas fic­tí­ci­as; não for­ne­cem fac­tu­ras aos clientes no mo­men­to de “com­pra e ven­da”, dan­do va­zão à “con­ta­bi­li­da­de de­sor­ga­ni­za­da” e di­fi­cul­da­des aos en­tes pú­bli­cos li­ga­dos à fis­ca­li­da­de, en­quan­to ou­tras não pro­ce­dem ao des­con­to nos ren­di­men­tos dos em­pre­ga­dos, es­pe­ci­fi­ca­men­te dos Im­pos­tos de Ren­di­men­to de Tra­ba­lho (IRT) e da Segurança So­ci­al (ISS), e al­gu­mas até, as­sim o fa­zem, mas cos­tu­mam dar “ru­mo in­cer­to” aos mei­os fi­nan­cei­ros sub­traí­dos nos ren­di­men­tos dos em­pre­ga­dos. Por ou­tra, al­guns pas­si­vos fis­cais es­tão de “cos­tas vi­ra­das” com o pa­ga­men­to da ta­xa de cir­cu­la­ção au­to­mó­vel, com o Im­pos­to Pre­di­al Ur­ba­no (IPU) e com as ta­xas de ener­gia e da água. En­fim, são inú­me­ros os ca­sos, den­tre os quais a au­sên­cia em mui­tos per­so­na­gens eco­nó­mi­cos da “ci­da­da­nia fis­cal”, que, por si­nal, dá o no­me a edi­ção de ho­je es­co­lhi­da a de­dos, pois nes­te es­tá­gio de crise, fun­da­men­tal­men­te, é pre­men­te que ca­da um em­pres­te a sua mão pa­ra aju­dar a de­sen­vol­ver o país, que é no fun­do pa­ra nos aju­dar a nós pró­pri­os!

No en­tan­to, o con­cei­to de “ci­da­da­nia” tem ori­gem na Gré­cia clás­si­ca, sen­do usa­do pa­ra de­sig­nar os be­ne­fí­ci­os e os pas­si­vos re­la­ti­vos ao ci­da­dão que vi­ve em so­ci­e­da­de e ali po­de par­ti­ci­par vi­va­men­te nas de­ci­sões eco­nó­mi­cas e po­lí­ti­cas. Con­tu­do, a “ci­da­da­nia fis­cal” pres­su­põe cer­tos di­rei­tos e de­ve­res fis­cais. Se por um la­do, tributar cons­ti­tui um de­ver éti­co-so­ci­al de to­dos agen­tes eco­nó­mi­cos, por ou­tro, ao ci­da­dão re­ser­va-se o di­rei­to de ser in­for­ma­do so­bre o des­ti­no que o Go­ver­no dá ao fun­do oriun­do da sua con­tri­bui­ção, de acom­pa­nhar a exe­cu­ção das po­lí­ti­cas pú­bli­cas, e até de de­bi­tar os seus pa­re­ce­res so­bre elas, mes­mo às ve­zes con­trá­ri­as ao dos po­lí­ti­cos.

Pa­ra o com­ba­te à fu­ga e a ina­dim­plên­cia fis­cal, de­ve-se em pri­mei­ra ins­tân­cia, pro­mo­ver a edu­ca­ção ou cons­ci­ên­cia fis­cal em ca­da en­te-económico, bem co­mo a me­lho­ria da re­la­ção des­te com a Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria.

A edu­ca­ção fis­cal en­go­da o co­nhe­ci­men­to dos as­sun­tos e re­gu­la­men­tos tri­bu­tá­ri­os e es­ti­mu­la o cum­pri­men­to vo­lun­tá­rio e cons­ci­en­te dos de­ve­res fis­cais.Além dis­so, trans­mi­te idei­as, va­lo­res e ati­tu­des fa­vo­rá­veis à res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal e con­tra­ria às con­du­tas frau­du­len­tas. Por con­se­guin­te, de­fen­do a pre­sen­ça de in­for­ma­ções mais alar­ga­das e

TRIBUTAR CONS­TI­TUI UM DE­VER ÉTI­CO-SO­CI­AL DE TO­DOS AGEN­TES ECO­NÓ­MI­COS, DAÍ QUE APLAU­DO A IDEIA DA IN­TRO­DU­ÇÃO DA DIS­CI­PLI­NA DE “EDU­CA­ÇÃO E CI­DA­DA­NIA FIS­CAL” NO EN­SI­NO GE­RAL

re­gu­la­res dos que­si­tos tri­bu­tá­ri­os na me­dia, por exem­plo, e mes­mo nas es­co­las. Aplau­do a ideia da in­tro­du­ção da dis­ci­pli­na de “edu­ca­ção e ci­da­da­nia fis­cal” no en­si­no ge­ral.

De­fen­do igual­men­te que se mu­ni­ci­pa­li­ze os ser­vi­ços de ar­re­ca­da­ção fis­cal afec­tos à Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria “AGT”, co­mo es­tra­té­gia de mai­or aces­si­bi­li­da­de dos uten­tes, e so­bre­tu­do com vis­ta a pro­mo­ver a “per­so­na­li­za­ção” no aten­di­men­to.

ARQUIVO JE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.