Ru­mo ao fu­tu­ro

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

O en­si­no su­pe­ri­or cons­ti­tui nos di­as que cor­rem, a via mais ade­qua­da pa­ra se atin­gir o cres­ci­men­to e o de­sen­vol­vi­men­to económico de qual­quer so­ci­e­da­de. Quer na Eu­ro­pa, Amé­ri­ca e nou­tras par­tes do glo­bo, as so­ci­e­da­des se de­sen­vol­ve­ram gra­ças às in­ves­ti­ga­ções pro­fun­das que se fi­ze­ram no cam­po das ci­ên­ci­as da edu­ca­ção. Pa­ra os paí­ses atin­gi­rem tal de­si­de­ra­to, foi ne­ces­sá­rio que as po­lí­ti­cas edu­ca­ti­vas fos­sem bem di­rec­ci­o­na­das de mo­do que os qua­dros pro­du­zi­dos fos­sem ca­pa­zes de pres­tar um ser­vi­ço dig­no ao país. Em An­go­la, o en­si­no su­pe­ri­or deu um sal­to qua­li­ta­ti­vo de­pois de 1992, al­tu­ra em que se fez a tran­si­ção do re­gi­me so­ci­a­lis­ta pa­ra a eco­no­mia de mer­ca­do. An­tes des­se pe­río­do, ha­via so­men­te em An­go­la uma uni­ver­si­da­de (Agos­ti­nho Neto), com cin­co fa­cul­da­des. Mas ho­je, com a aber­tu­ra da eco­no­mia, o sec­tor em­pre­sa­ri­al pri­va­do en­trou no cir­cui­to co­mer­ci­al dan­do sur­gi­men­to de mais ins­ti­tui­ções do en­si­no su­pe­ri­or. Ape­sar do nú­me­ro ele­va­do de ins­ti­tui­ções do en­si­no su­pe­ri­or pri­va­do e do nú­me­ro de es­tu­dan­tes for­ma­dos nes­te ní­vel, a qua­li­da­de de en­si­no ain­da dei­xa mui­to a de­se­jar, de­vi­do à fal­ta de al­gu­ma ri­go­ro­si­da­de por par­te das ins­ti­tui­ções e do cor­po do­cen­te não qua­li­fi­ca­do. Al­guns paí­ses afri­ca­nos co­mo Con­go De­mo­crá­ti­co, Mo­çam­bi­que, Qué­nia, Zâm­bia, Áfri­ca do Sul e Na­mí­bia (ape­nas pa­ra ci­tar), o sec­tor em­pre­sa­ri­al pri­va­do fez in­ves­ti­men­tos avul­ta­dos no en­si­no su­pe­ri­or no pe­río­do pós-in­de­pen­dên­cia e os reul­ta­dos es­tão aí à mão de se­me­ar. Jul­ga­mos nós que o en­si­no su­pe­ri­or pri­va­do não de­ve ser só vis­to na pers­pec­ti­va de ne­gó­ci­os, mas num ângulo de de­sen­vol­vi­men­to económico, pois a com­pe­tên­cia ou fra­gi­li­da­de dos es­tu­dan­tes de­pen­de dos in­ves­ti­men­tos que fo­rem fei­tos. Mas o que tem se no­ta­do ho­je é que mui­tas ins­ti­tui­ções do en­si­no su­pe­ri­or pri­va­do em An­go­la pou­co ou na­da in­ves­tem na for­ma­ção do ho­mem. Al­guns ins­ti­tu­tos su­pe­ri­o­res não pos­su­em nem gi­ná­sio, nem la­bo­ra­tó­ri­os, nem bi­bli­o­te­ca ape­tre­cha­da e com con­di­ções ade­qua­das, nem in­fra-es­tru­tu­ras con­dig­nas pa­ra o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de. No en­tan­to, as uni­ver­si­da­des na sua con­cep­ção de­vem ser cons­truí­das em lo­cais pró­pri­os, ou se­ja, o mais dis­tan­te pos­sí­vel das co­mu­ni­da­des pa­ra que o mo­vi­men­to das pes­so­as e vi­a­tu­ras não cau­sem dis­túr­bi­os aos es­tu­dan­tes. Mas o que tem se ve­ri­fi­ca­do ho­je é que mui­tas das uni­ver­si­da­des são cons­truí­das den­tro das co­mu­ni­da­des e, às ve­zes, em lo­cais de di­fí­cil aces­so aos es­tu­dan­tes, sem as mí­ni­mas con­di­ções de es­tu­do. Es­tu­dos fei­tos dão con­ta que mais de 60 por cen­to dos es­tu­dan­tes uni­ver­si­tá­ri­os que ter­mi­nam a sua for­ma­ção têm imen­sas di­fi­cul­da­des em ar­ran­jar um em­pre­go, pois o co­nhe­ci­men­to que se ad­qui­re nas aca­de­mi­as não tem si­do su­fi­ci­en­te pa­ra se in­se­rir no mer­ca­do de tra­ba­lho. Pe­lo an­dar da cor­ru­a­gem, já é tem­po pa­ra que o Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or po­nha fim às ir­re­gu­la­ri­da­des que as ins­ti­tui­ções têm vin­do a co­me­ter, so­bre­tu­do na fi­xa­ção de pro­pri­nas, na má pres­ta­ção de ser­vi­ço e na qua­li­da­de de en­si­no.

O EN­SI­NO SU­PE­RI­OR PRI­VA­DO NÃO DE­VE SER SÓ VIS­TO NA PERS­PEC­TI­VA DE NE­GÓ­CI­OS, MAS NUM ÂNGULO DE DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO ECONÓMICO, POIS A COM­PE­TÊN­CIA OU FRA­GI­LI­DA­DE DOS ES­TU­DAN­TES DE­PEN­DE DOS IN­VES­TI­MEN­TOS QUE FO­REM FEI­TOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.